quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Chiara, uma jovem mulher que soube amar

Numa época em que se defende a ideia de que liberdade é poder fazer o que se quer; numa sociedade cada vez mais individualista e confusa diante dos reais valores da vida, surge um grande desafio aos cristãos: ser sinal de contradição para este mundo.

Neste contexto, o testemunho de Chiara Corbella deixa muitos impressionados. Chiara é, como se costuma dizer, da “geração João Paulo II”, uma mulher cheia de vida, alegre e jovem. Conheceu o seu marido, Enrico Petrillo, em Medugorje e, antes de se casarem, em 2008, fizeram um caminho de namoro acompanhados por frades da cidade de Assis.

Logo na sua primeira gravidez, ela teve uma surpresa ao fazer a ultrassonografia e descobrir que a sua filha, Maria, fora diagnosticada com anencefalia. O casal decidiu seguir a gravidez até o fim, o que já foi uma surpresa para muitos. Trinta minutos depois de nascer, Maria veio a falecer.

O segundo filho do casal, David, ainda no início da gestação, foi diagnosticado com uma deficiência: ele não possuía as pernas e tinha má-formação visceral. Como na vez anterior, contra a expectativa de muitos, os pais decidiram prosseguir. Ambos os filhos, Maria e David, chegaram a nascer e, mesmo vivendo poucos minutos, foram acompanhados pelos pais até o último minuto.

Chiara engravidou novamente, desta vez era um Francesco. Os exames mostravam que o menino era saudável, para a alegria do casal. Porém, no quinto mês de gravidez, Chiara descobriu uma lesão na língua e logo na primeira cirurgia os médicos diagnosticaram que se tratava de um cancro. Ela tinha duas opções: seguir com a gravidez ou interrompê-la por causa do tratamento do cancro. A escolha de Chiara foi pela vida de seu filho, o que colocou em risco a sua própria vida. Apenas depois do parto Chiara deu início ao tratamento com quimioterapia e radioterapia, que enfrentou com muita serenidade e total confiança na Providência.

Diante de cada uma das suas lutas, Chiara reagiu sempre  aceitando-as como provações que Deus lhe concedeu viver. Foi então que, no dia 13 de Junho de 2012, com 28 anos, Chiara não resistiu e morreu. Hoje, o pai Enrico cuida do filho Francesco e testemunha, por onde passa, a alegria de ter lutado pela vida dos seus filhos, e também a coragem e fé que a sua esposa teve durante a sua caminhada neste mundo.

A história de Chiara mostra-nos que podemos nos opor-nos à massiva ideologia que despreza vidas indefesas nos ventres maternos por tantos e quaisquer motivos. A capacidade e coragem de dizer “sim” à vida, mesmo em momentos de tribulação, é intrínseca nos cristãos.

in Aleteia



blogger

1 comentário:

Imparcial disse...

Mulher, casal extraordinário, com fortes convicções, com forte carácter. Num tempo em que faltam convicções e gente de carácter, gente sem medo de dar a cara pela sua Fé, são um exemplo a seguir.
E não esqueçamos que Chiara, está junto de Deus a interceder por nós.