sábado, 20 de fevereiro de 2016

Breve biografia do Beato Francisco Marto

“Ao beato Francisco, o que mais o impressionava e absorvia era Deus naquela luz imensa que penetrara no íntimo dos três. (…) Na sua vida, dá-se uma transformação que poderíamos chamar radical, uma transformação certamente não comum em crianças da sua idade. (…) Suportou os grandes sofrimentos da doença que o levou à morte, sem nunca se lamentar. Tudo lhe parecia pouco para consolar Jesus.
Papa João Paulo II, 13 de Maio de 2000.

O Francisquinho, pastorinho de Fátima
O Beato Francisco nasceu no dia 11 de Junho de 1908 e foi baptizado nove dias depois. Muito parecido com os outros meninos da sua terra nas coisas que fazia e na maneira de vestir – boina, calças compridas e casaco curto –, por dentro Francisco tinha sementes de grandes virtudes: era muito humilde, calmo, paciente e meigo. Desde muito cedo começou a tomar conta dos rebanhos do pai e, todos os dias, ia para o campo com a sua irmã dois anos mais nova, a Jacinta, e a prima Lúcia. Nestes dias de brincadeira, em que o Francisco tocava o pífaro e cantava e a Jacinta e a Lúcia dançavam, tiravam sempre tempo para rezar o Terço (ainda que à pressa!), tal como os pais lhes tinham ensinado

As aparições do Anjo
Em 1916, tinha o Francisco 8 anos, apareceu-lhes um jovem Anjo “que o sol tornava transparente como se fora de cristal” disse a irmã Lúcia. Este Anjo apareceu aos três pastorinhos 3 vezes ao longo do ano. A 2ª aparição deu-se no Verão, quando os pastorinhos estavam a brincar. É inacreditável o que o anjo começa por dizer: “Que fazeis? Orai, orai muito. Os Corações de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei, constantemente, ao Altíssimo orações e sacrifícios.
Na última aparição, o anjo deu aos pastorinhos a Primeira Comunhão: “Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus.” Este pedido penetrou bem dentro da alma do Francisco, que apenas se preocupava em consolar Nosso Senhor na terra e no Céu.

As aparições de Nossa Senhora
De 13 de Maio a 13 de Outubro de 1917, Nossa Senhora apareceu aos três pastorinhos na Cova da Iria. Em todas as aparições Nossa Senhora pedia-lhes que rezassem o Terço todos os dias. O Francisco, especialmente, tinha que rezar muitos terços se queria ir para o Céu. Nossa Senhora pediu-lhes se podiam fazer sacrifícios em reparação dos pecados dos homens que ofendem muito a Deus e pela conversão dos pecadores. Nestas aparições, os santos pastorinhos viram o Imaculado Coração de Maria cravado de espinhos pelos nossos pecados e o inferno.
Em Agosto os três meninos foram presos e ameaçados de morte se não contassem o que Nossa Senhora lhes tinha revelado. Perante isto, os pastorinhos mostraram-se firmes à Vontade de Deus, preparados para morrer mártires. Em Agosto, Nossa Senhora fez-lhes um pedido que definiu para sempre a vida deles: “Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas.
Na última aparição Nosso Senhor realizou o milagre prometido pela Sua Mãe meses atrás. Quando acabou de conversar com os pastorinhos, Nossa Senhora tomou um aspecto mais triste e disse “Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor, que já está muito ofendido.

Um pequeno herói
Nestas aparições, o tema da oração e da mortificação em reparação dos pecados e pela conversão dos pecadores foi dos mais importantes na mensagem de Nossa Senhora. No entanto, foi-nos assegurado que, no fim, o Imaculado Coração de Maria triunfará! O Francisco tinha 9 anos quando assistiu a tudo isto. Depois de saber qual a Vontade de Deus, a sua vida não pôde continuar a mesma. Ele, a Jacinta e a Lúcia souberam responder aos apelos de Nossa Senhora mortificando-se de vários modos: davam os seus almoços aos pobres, passaram um mês de Verão sem beber água, traziam atado à cintura uma corda apertada, … Outra escolha importante que os três fizeram foi decidir rezar mais, tirando algum tempo às brincadeiras que tinham. É assim que são os santos, tiram do seu tempo e oferecem-no a Deus.

Nuno CB

[este texto foi publicado na Partilha, revista das Equipas de Jovens de Nossa Senhora, em Fevereiro de 2011]


blogger

2 comentários:

Anónimo disse...

Uma boa síntese biográfica.
Parabéns!

Dav

Ir. Benedita asm disse...

Tanto se poderia dizer sobre estas "Duas candeias que Deus acendeu para iluminar a humanidade nas suas horas sombrias e inquietas"... (JP II, homilia de beatificação)
O pequenino Francisco era de facto centrado em Deus... Ele o absorvia... para Ele vivia... apenas a Ele desejava...
Quanto temos a aprender com este menino!!