terça-feira, 22 de novembro de 2016

Santa Cecília, padroeira dos músicos e artistas

Santa Cecília nasceu provavelmente no ano 150, em Roma. Era filha de um senador romano, da nobre família dos Metelos. Era cristã, e desde pequena fez voto de castidade para viver o amor de Deus e de Cristo. Como cristã, numa época tão antiga, e em Roma, certamente herdou a Fé dos discípulos de São Paulo, que levou a Fé até Roma, e de São Pedro, o primeiro Papa. Cecília herdou a Fé desses santos homens e de tantos outros que foram martirizados exatamente em Roma. O Cristianismo que Cecília recebeu em sua formação, era o Cristianismo dos mártires, dos heróis da Fé. Cecília foi cristã numa Igreja perseguida, numa Igreja que ainda era minoritária, porém, cheia de profunda fé, esperança e coragem.

No transcorrer normal da sua vida, quando jovem, Santa Cecília foi prometida e dada em casamento a um jovem chamado Valeriano. No dia do casamento, ela estava muito triste. Então, chamou o seu noivo e contou-lhe toda verdade sobre sua Fé. Disse que tinha feito um voto de castidade para Deus, e começou a falar das glórias de Deus e de Jesus Cristo ao jovem, que a ouvia boquiaberto com a força das suas palavras e a convicção que vinha do seu coração. Tal foi o poder das palavras de Cecília que, após ouvi-la, ele se converteu, entendeu a promessa da sua noiva e disse que iria respeitar a sua decisão. Naquela mesma noite ele recebeu o Batismo. Valeriano contou ao seu irmão Tibúrcio o que acontecera e este também, impressionado, se converteu. Ambos eram pagãos.

Santa Cecília, então, vendo a maravilha que Deus fazia através dela, agradecida, cantou para Deus: "Senhor, guardai sem manchas o meu corpo e minha alma, para que não seja confundida". Foi um canto inspirado e emocionante, que tocou profundamente o coração de todos. 

O prefeito de Roma, Turcius Almachius, teve conhecimento da conversão dos dois irmãos e ambicionou o tesouro (património) dos dois, visto serem nobres e ricos. Estes, no entanto, já tinham distribuído todos os seus bens aos pobres. O prefeito de Roma exigiu, então, sob pena de morte, que os dois abandonassem a nova Fé. Mas eles, alimentados com a força do Cristianismo nascente e cheios do poder de Deus, não renegaram a sua Fé. Assim, foram condenados à morte e decapitados. 

Santa Cecília foi chamada ao conselho romano logo em seguida. Isso aconteceu provavelmente no ano 180. O conselho exigiu primeiro que ela revelasse onde estaria o tesouro dos dois irmãos. Ela disse que tudo já tinha sido distribuído aos pobres.O prefeito, furioso, exigiu que ela renunciasse a Fé Cristã e adorasse aos deuses romanos. Cecília negou-se mostrando muita coragem e serenidade diante de todos. Condenaram-na à tortura. Mas, estando diante dos soldados romanos para ser torturada, ela falou-lhes sobre as maravilhas de Deus, sobre a verdadeira Religião, sobre sentido da vida, que é o seguimento de Jesus Cristo. Os soldados, maravilhados com uma mensagem que nunca tinham ouvido, ficaram do lado de Cecília, dizendo que iriam abandonar o culto aos deuses. Essas inúmeras conversões foram milagres que Deus operou através de Santa Cecília, para que essas pessoas alcançassem a felicidade e a salvação.

O prefeito, então, aborrecido e furioso, deu ordens para outros algozes trancarem Santa Cecília no balneário de águas quentes do seu próprio castelo, logo na entrada dos vapores. Ali, ela seria asfixiada pelos vapores ferventes que aqueciam as águas. Ninguém conseguia ficar ali por mais de alguns minutos. Era morte certa. Porém, para surpresa de todos, milagrosamente ela foi protegida e nada lhe aconteceu. Todos ficavam impressionados com a Fé daquela jovem, frágil, que enfrentava a morte sem receio por causa da grande Fé que tinha em seu coração. 

Mas o prefeito, irredutível, mandou que ela fosse morta com três golpes de machado em seu pescoço. O algoz obedeceu, mas não conseguiu arrancar a sua cabeça, coisa que ele estava acostumado a fazer com apenas uma machadada. Santa Cecília permaneceu viva ainda por 3 dias, conversando e dando conselhos a todos que corriam para vê-la e rezar por ela.  

Por fim, pressentindo sua morte iminente, Santa Cecília pediu ao Papa que entregasse todos os seus bens aos pobres e transformasse a sua casa numa igreja. Antes da sua morte, durante os seus últimos momentos neste mundo, ao sentir que a sua missão estava cumprida, mesmo sendo ainda tão jovem, Cecília conseguiu cantar louvando a Deus, cantando as maravilhas de Deus. Por isso, ela é a padroeira dos músicos e da música sacra. 

Depois disso, a fisicamente frágil e interiormente forte jovem romana que desafiou os poderes deste mundo entregou o seu espírito ao Pai Celestial. Após a sua morte foi sepultada pelos cristãos na catacumba de São Calisto e desde então passou a ser venerada como mártir. 

O túmulo de Santa Cecília ficou desaparecido por muitos séculos. No século IX, Santa Cecília apareceu ao Papa Pascoal I (817-824). Logo depois, o seu túmulo foi encontrado e lá estava o caixão com as relíquias da Santa. O corpo dela estava intacto, na mesma posição em que ela fora enterrada. Ao lado da Santa estavam também os corpos de Valeriano e Tiburcio.  No ano de 1599, o Cardeal Sfondrati mandou abrir o túmulo de Santa Cecília, e o seu corpo foi encontrado na mesma posição que estava quando o Papa Pascoal I a encontrou.

in farfaline.blogspot.com

Oração a Santa Cecília

Ó Virgem e mártir, Santa Cecília, pela fé viva que vos animou desde a infância, tornando-vos tão agradável a Deus e ao próximo, merecendo-vos a coroa do martírio, convertendo pagãos ao Cristianismo, alcançai-nos a graça de progredir cada vez mais na Fé e a professá-la através do testemunho das boas obras, especialmente servindo aos irmãos necessitados. 

Alcançai-nos também a graça de sempre louvar a Deus com canções espirituais. Gloriosa Santa Cecília, que os vossos exemplos de Fé e virtude sejam para todos nós um brado de alerta, para que estejamos sempre atentos à vontade de Deus, na prosperidade como nas provações, no caminho do Céu e da salvação eterna. 

Santa Cecília, padroeira dos músicos e artistas, rogai por nós. 


blogger

1 comentário:

Anónimo disse...

Que a nossa fé e confiança em Jesus, nunca esmoreça nem nas maiores dificuldades, tal como a dos santos