terça-feira, 20 de dezembro de 2016

O que comiam os portugueses no Natal há 100 anos

Está a ver aquela posta alta e deliciosa de bacalhau cozido com couves, cenouras, batatas e muito azeite por cima? No início do século XX, isso era coisa que só existia no Norte do País. Do Porto para baixo, a véspera de Natal era passada no mais rígido e rigoroso jejum. A partir do início do Advento, as famílias faziam jejum de carne e, na véspera de Natal, no Sul do país, era jejum total até à Missa do Galo.

A tradição é recordada por Maria de Lourdes Modesto num artigo publicado no jornal Público. A maior especialista em comida portuguesa lembra-se que, na década de 30, depois da Missa tinha finalmente direito a comer qualquer coisa – e normalmente os pais serviam um doce para quebrar o jejum. No dia 25, então, era servido um almoço completo e, no Alentejo, onde vivia com a família, era sempre porco – peru nem vê-lo. 

No Funchal, a tradição também era a do jejum na véspera e a do porco no Dia de Natal. De madrugada, depois da Missa do Galo, era servida uma canja e um cálice de vinho. Na verdade, a festa só começava depois da Missa.

Hoje em dia, a ceia da véspera de Natal tem tanta importância como o almoço de dia 25. Mas, há 100 anos, era coisa que existia essencialmente no Norte do País, acima do Porto. Aí, sim, havia uma tradição de jantar em família, com bacalhau – cozido ou em pastéis –, polvo guisado, arroz de polvo ou outros pratos sem carne. Na véspera de Natal, a família reunia-se à mesa para celebrar a festa em conjunto. E a Missa do Galo não existia na região.

in casalmisterio.com


blogger

7 comentários:

Roselia Bezerra disse...

Boa Tarde, João!
Um post que gostei imenso de ler... amo os costumes portugueses...
Seja feliz e abençoado!
Abraço fraternal e Felizes Festas!

Jorge disse...

É de lamentar que um artigo tão interessante tenha saído num jornal comunistóide como o Público. Deus queira que 2017 seja o último ano do pasquim.

A disse...

Parece-me que a tendência partidária não define, e nem deve definir a qualidade de uma publicação. Estar a dizer que Deus queira… que feche e ainda usando termos rudes, é um contrassenso.

Jorge disse...

Para o A: acorde para o Marxismo Cultural.

Vladek disse...

Para o A:
contra-senso é um católico pensar que pode ser comunista.

A disse...

Para o Jorge:
Prefiro manter-me acordada para o cristianismo existencial. Leu, gostou. A liberdade é um valor cristão. A escolha é uma opção. Acho que lida mal com a liberdade

Anónimo disse...

A palavra contra-senso está errada desde a entrada em vigor do Novo Acordo Ortográfico, em janeiro de 2009.