sexta-feira, 10 de março de 2017

Indulgências Plenárias na Quaresma

A informação que segue é provavelmente das mais esperadas em todas as Quaresma. Como sabem, a doutrina das indulgências é algo próprio da Igreja Católica. Aliás, basta ter andado na escola para saber que foi à custa das indulgências que Martinho Lutero iniciou aquilo que hoje é reconhecido como um dos maiores danos à unidade de todos os Cristãos: a reforma protestante.

Por incrível que pareça, a doutrina Católica das indulgências do século XVI é exactamente igual à doutrina das indulgências do século XXI. Ensina o Catecismo da Igreja Católica (n. 1471) que:

"A indulgência é a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela acção da Igreja que, enquanto dispensadora da redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos"

Ou seja, toda a ofensa cometida por alguém tem duas componentes que devem ser tidas em conta:

1. é preciso pedir desculpa à pessoa ofendida e
2. é preciso saldar a dívida com essa mesma pessoa, isto é, reparar o mal que se fez.

Basta pensar no caso simples em que se rouba dinheiro a alguém: não basta pedir desculpa, é preciso também devolver o dinheiro roubado, especialmente se for uma quantia bem grande.

Ora, nesta vida, todo o mal que se faz é, em última análise, uma ofensa a Deus - e, como em todas as ofensas, para voltar a estar em perfeita relação com Deus, tem que se cumprir os dois pontos acima.

O problema, claro, é que Deus é um ser simples, não tem partes, logo uma ofensa a Deus ofende-o em toda a sua medida, que é uma medida infinita. O homem, sendo finito, nunca consegue reparar os seus pecados. A verdade é que devolver 1 milhão de euros a alguém já é complicado, mas infinitos euros é impossível.

Felizmente a história que o Cristianismo nos ensina nos Evangelhos é uma história que acaba bem. Surgiu um Homem que conseguiu reparar na medida infinita de Deus, precisamente por também ser Deus. Com a Sua Paixão, Jesus permitiu a cada homem saldar a dívida que tem para com Deus, por muito grande que ela fosse!

Como em tudo na vida, a vontade pessoal tem um papel preponderante e, portanto, é preciso dizer a Deus que sim, que queremos usar mesmo essas graças conquistadas por Cristo.

A maneira de fazer isto é, claro, indo aos sacramentos, mas também ganhando méritos com obras - obras de caridade, de piedade, ... - que permitem ganhar indulgências. Rezar uma Ave Maria, por exemplo, dá-nos uma indulgência parcial.

As indulgências podem ser parciais ou plenárias e, como o próprio nome indica, as parciais reparam parte da dívida que temos para com Deus e as plenárias reparam totalmente essa dívida.

A Igreja Católica, no seu poder e função de santificar o povo de Deus, permite-nos ganhar indulgências plenárias com determinados actos de piedade. Alguns deles estão descritos aqui.

A Quaresma, culminando no Tríduo Pascal, é também um tempo rico para se ganhar indulgências plenárias e ficarmos Santos. Aqui ficam as indulgências plenárias que se podem ganhar só na Quaresma:
  • Todas as 6ªs-feiras:  Rezar a oração En ego, o bone et dulcissime Iesu (Ó bom e dulcíssimo Jesus) depois de receber a Sagrada Comunhão, diante de uma imagem de Jesus crucificado.
  • Via-Sacra: Rezar as 14 estações da Via Sacra diante de estações legitimamente erigidas, meditando na Paixão de Jesus em cada uma delas;
  • 5ª-feira Santa: Rezar o Tantum Ergo (Veneremos Adoremos) depois da Santa Missa da Ceia do Senhor;
  • 6ª-feira Santa: Participar na celebração da Paixão, com a veneração da Cruz do Senhor;
  • Sábado Santo: Renovar os votos do Baptismo na Santa Missa da Vigília Pascal (também há indulgência plenária a quem o faz no aniversário do próprio Baptismo);
  • Domingo de Páscoa: Receber a benção que o Papa dá na Basílica de S. Pedro às 12h00m (GMT+1), ao vivo ou pelos meios de comunicação social, desde que seja em directo.
É importante lembrar que a indulgência não é o perdão dos pecados, mas apenas a reparação das penas que vêm dos pecados. Aliás, isso mesmo está explícito nas condições para se receber uma indulgência plenária. Para se a indulgência plenária ter efeito é preciso:

1. ter uma disposição interior de afastamento total de todo o pecado, mesmo do pecado venial;
Via Sacra com o Papa, em Roma
2. estar confessado;
3. receber a Sagrada Comunhão;
4. rezar pelas orações do Santo Padre (pode ser qualquer uma, mas a Santa Sé recomenda um "Pai Nosso" e uma "Ave Maria).

A Santa Sé também diz que é preferível que a Confissão e a Comunhão relativas à indulgência aconteçam no dia em que se pede a indulgência, mas pode ser antes ou depois (num intervalo máximo de 20 dias).

As indulgências plenárias só se podem receber uma vez por dia (a não ser no dia 2 de Novembro) e só se podem aplicar ou à própria pessoa ou a alguém que já tenha morrido mas que ainda tenha penas para reparar, ou seja, que ainda esteja no Purgatório.

Mais informações detalhadas pela Santa Sé podem ser encontradas aqui.

É importante reforçar que a Confissão é necessária para se receber a indulgência!

Nuno CB


blogger

Sem comentários: