domingo, 30 de julho de 2017

Breve biografia de Santo Inácio de Loyola e a relação com os Beneditinos

Nasceu em Loyola, na Espanha do Norte, em 1491. Oitavo filho duma família de 13, entrou o jovem senhor de Loiola como pagem na corte de Fernando V. De natural ardente e belicoso, deixou-se seduzir pela carreira das armas.

Tendo sido gravemente ferido no cerco de Pamplona, deram-lhe na convalescença a ler, por falta de romances de cavalaria, a vida de Jesus Cristo e dos Santos. A leitura destes livros, que nunca lhe prendera os olhos, foi uma revelação para ele. Compreendeu que também a Igreja devia possuir uma milícia para defender, às ordens do representante de Jesus Cristo [o Papa], os interesses invioláveis do Deus dos exércitos. 

Colocou pois a espada aos pés da Virgem na célebre abadia beneditina de Monserrate, e a sua alma generosa que outrora se deixara empolgar pelas glórias do mundo, não aspirou daí por diante senão por trabalhar o mais possível pela glória do Rei dos Céus, a quem só iria doravante servir.

Na noite de 25 de Março, que se celebra o mistério da Anunciação e Incarnação do Verbo, fez a sua velada de armas e a Mãe de Deus armou-o cavaleiro de Cristo e da Igreja militante, sua esposa.

Dentro de pouco tempo, será o General dessa admirável Companhia de Jesus, suscitada por Deus para combater o protestantismo, o jansenismo e o paganismo renascente. Os filhos de S. Bento continuarão no alto da montanha a celebrar os louvores divinos, prelúdio da liturgia do Céu, os quais o Santo recomendava com insistência aos fiéis e a que nunca assistia sem chorar. E ele, sacrificando-se à nova missão de que o Senhor o incumbiu, descerá cá abaixo ao campo para fazer frente aos exércitos do inimigo, cujo embate o seu instituto é o primeiro sempre a experimentar.

Para conservar nos seus filhos aquela vida interior exigida pela actividade militante a que se devotam, Santo Inácio dotou-os duma forte estrutura hierárquica e deixou-lhes, como poderoso guia, um tratado magistral, recomendado altamente pela Santa Igreja, os ‹‹Exercícios Espirituais››, com que se têm santificado milhares de almas. Tem-se dito que foi no ‹‹Exercitatorum›› do abado beneditino Cisneros (1050) de Monserrate que o Santo se inspirou. De qualquer modo que seja, o certo é que os compôs em Manresa de maneira muito diferente e pessoal.

Santo Inácio arma os seus filhos com o escudo do nome de Jesus, dá-lhes por couraça o amor de Deus que o Salvador veio reacender na terra e por espada a palavra e a pena, o apostolado sobre todas as formas. Aos pés da Virgem, na Abadia beneditina de Monserrate, pegou Inácio a primeira vez nas suas novas armas, e em S. Dinis de Paris, dos beneditinos também, na festa da Assunção de 1539, e mais tarde no altar da Virgem da basílica de S. Paulo fora-dos-muros, servida pelos beneditinos, funda a Companhia de Jesus.

Em 1814, Pio VII, monge beneditino da abadia de Nossa Senhora de Cesena, restabelece a Companhia com todos os seus direitos. Foi Deus quem uniu aos pés da Virgem estas duas Ordens que tão poderosamente têm defendido a Igreja, porque Marta e Maria, a acção e a contemplação, contribuem ambas por meios diferentes para a glória de Deus. Por isso é que são tão semelhantes as divisas destas duas famílias religiosas: U.I.O.G.D. ‹‹Que em tudo Deus seja glorificado››. A.M.D.G. ‹‹Para maior glória de Deus››. Fazer tudo para glória de Deus e fazê-lo para a sua maior glória é o acume da santidade. É esta a finalidade da criação e da elevação do homem ao estado sobrenatural e dos conselhos evangélicos que arrastam do mundo as almas religiosas que se querem consagrar de modo mais perfeito ao serviço de Deus. Bento encheu a Europa de monges missionários, cujo múnus principal consiste na condigna celebração dos louvores divinos; Inácio, com os seus sacerdotes apóstolos, manifestam a sua vida interior na operosa actividade a que indefesamente se consagram. É a mesma árvore do amor de Deus, produzindo os mesmos frutos em ramos diferentes.

Quando Santo Inácio morreu em 31 de Julho de 1556, a Companhia contava já 12 províncias e 100 colégios. Peçamos a este grande Santo a graça de nos alcançar que os mistérios sacrossantos da Missa, fonte de toda a santidade, nos santifiquem no amor da verdade para que, combatendo na Terra a seu exemplo e com o auxílio da sua intercessão, mereçamos ser com ele coroados no Céu.

in Missal Quotidiano e Vesperal, Desclée & Brouwer, Bruges (Bélgica), 1957
-------
Para quem não sabe, o blog Senza tem uma secção inteira dedicada ao espírito de Santo Inácio de Loyola, que tanto bem tem feito à Igreja Católica. Vejam aqui: Espírito Inaciano.


blogger

Sem comentários: