terça-feira, 4 de abril de 2017

Muita paciência para os animais e pouca para as pessoas

O mundo moderno encontra-se cheio de diversas formas de adoração dos animais; uma religião geralmente acompanhada com o sacrifício humano.

No entanto, ouve-se falar muito pouco sobre os reais predicados dos animais. Um deles é, seguramente, essa inocência de ser privado da monotonia. Talvez essa simplicidade resulte da inexistência de pecado.

Eu próprio possuo a necessidade da surpresa, embora eu aprecie a nova estrada bem como a velha estrada. Mas tenho muito mais cansaço do que o meu cão pois encontro monotonia na repetição de brincadeiras e não desato a saltar de alegria à volta das pessoas.

Eu seria incapaz de crueldade para com os animais mas receio dizer que muitos de nós, sob o argumento de detestar a crueldade para com os animais, têm uma excessiva paciência para com os animais.

Muita paciência, sobretudo comparada com a falta de paciência que demonstram para com os seres humanos.

G.K. Chesterton in 'A Nova Jerusalém'


blogger

Sem comentários: