terça-feira, 31 de outubro de 2017

Halloween: exaltação do horror, do macabro e do demoníaco

Desde há algumas décadas que este mês de Outubro em que nos encontramos se tornou um tempo de frenética preparação da noite de 31 de Outubro para 1 de Novembro, que para muitos já não é mais a noite de Todos-os-Santos, mas tornou-se a noite de Halloween.

Este acontecimento é hoje em dia uma moda, infelizmente comum na nossa cultura cristã, que serve sobretudo para a instrumentalização da internet, da imprensa escrita e de toda a comunicação social, que tende a divulgá-la. As vitrines das pastelarias, decoradas à moda do Halloween; o negócio dos brinquedos, as revistas para crianças, os sítios da internet chamam constantemente a atenção da sociedade para o Halloween; até as escolas são decoradas com fantasmas, cabeças de abóbora e máscaras monstruosas, que constituem uma real exaltação do macabro.

Tendo em vista essa noite, produzem-se fatos de bruxa, de fantasmas, de demónios, de vampiros, de lobisomens, de esqueletos, de monstros sanguinários e nessa noite organizam-se também manifestações deliberada e gravemente ofensivas em relação à nossa fé cristã, como por exemplo o que aconteceu numa grande discoteca de Roma em que na noite de Halloween se exibiu um fantoche que representava um sacerdote, enforcado pelos pés, com a cabeça para baixo.

O objectivo latente desta festa não é apenas comercial, mas é também e sobretudo o de induzir a opinião pública, em particular as crianças, os adolescentes e os jovens, a familiarizar-se com a mentalidade ocultista e da magia, estranha e hostil à cultura cristã (por vezes com a desculpa de aprofundar o conhecimento da cultura celta). E tudo isto enquanto assistimos à tentativa recorrente de eliminar os crucifixos dos locais públicos e, nas proximidades do Natal, também à proibição de montar o Presépio e de apresentar a mensagem espiritual do Natal nas escolas, nas mesmas escolas onde se promove a festa do Halloween, que é a exaltação da realidade espiritual maléfica, isto é de todas as formas que encarnam o mal, a morte, o medo, o macabro, o demoníaco.

Na noite de Halloween também se regista um aumento impressionante das práticas do ocultismo e de todos os rituais do satanismo, dado que aquela noite corresponde, segundo o calendário das bruxas, à vigília do Ano novo satânico, na qual o ritual de iniciação e consagração a Satanás ocorre em moldes perversos e desumanos.

Assim o Halloween, em vez de promover os valores, as atitudes e os comportamentos morais e espirituais que edificam a personalidade das crianças e dos jovens e consequentemente da sociedade de amanhã, propõe desvalores que não constroem mas destroem, que não elevam mas brutalizam o ser humano, feito à imagem e semelhança de Deus e criado para O conhecer, amar e servir.

Por isso são bem-vindas na noite do 31 de Outubro para o 1º de Novembro, as vigílias de oração que acontecem em tantas igrejas, as celebrações da fé cristã com a presença de grupos, cantores ou compositores de musica cristã contemporânea, as procissões com as imagens dos Santos e também as representações teatrais das suas vidas, noites de saudável convívio para as crianças e palestras para as famílias, com jogos inspirados na boa tradição e com jantar para todos, que se vão difundindo um pouco por todo o lado, substituindo-se à aberrante exaltação e celebração do horror proposto pelo Halloween.

Traduzido e adaptado dum texto do Padre Francesco Bamonte, ICMS, exorcista da Diocese de Roma e Presidente da Associação Internacional de Exorcistas


blogger

Lutero foi um defensor da Bíblia?




blogger

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Católicos foram presos por interromper comemorações dos 500 anos da 'Reforma'

Um grupo de jovens católicos foi detido pela polícia por ter interrompido as comemorações dos 500 anos da 'Reforma' Protestante na Catedral de Bruxelas. Quando o Pastor Protestante iniciou o seu discurso os jovens começaram a rezar o Terço, uma oração "ofensiva" para os protestantes, que desprezam qualquer tipo de culto a Nossa Senhora. Encontrava-se presente o Cardeal de Bruxelas, Jozef De Kesel. Esperemos que mais católicos sigam o exemplo destes bravos rapazes.


blogger

Esta citação converteu muitos protestantes ao catolicismo

Não vos deixeis iludir, meus irmãos. Se alguém seguir a um cismático não herdará o reino de Deus. Se alguém seguir o caminho da heresia não se encontrará de acordo com a Paixão de Cristo. Tende o cuidado de tomar parte numa só Eucaristia. 

Porque uma é a carne de Nosso Senhor Jesus Cristo, um é o cálice do Seu Sangue e um o altar que faz com que sejamos um. Assim como também um é o Bispo, juntamente com o seu presbitério e os diáconos, meus companheiros na servidão. Assim sendo, o que fizerdes estará de acordo com a Vontade de Deus. 

Santo Inácio de Antioquia in 'Carta aos Filadélfios'


blogger

domingo, 29 de outubro de 2017

Seria Lutero um reformador humanista?

O ano de 1517 marcou o início de uma ruptura contínua e profunda, muitas vezes violenta, no Cristianismo. Nesse ano, o sacerdote Agostiniano, e professor de teologia, Martinho Lutero (1483-1546) propôs as suas famosas "Noventa e Cinco Teses" na cidade universitária de Wittenberg. (...)

Apesar de no início ter sido bastante suave, as reivindicações de Lutero tornaram-se cada vez mais ousadas e conflituosas, mudando de problemas relativamente menores sobre práticas locais [a venda de indulgências na Alemanha] para matérias doutrinais sérias. (...) Um protesto local tornou-se inesperadamente o Protestantismo. O Protestantismo quase imediatamente dividiu-se em grupos opostos. As controvérsias Católico-Luteranas rapidamente se somaram às Calvino-Luteranas, e depois a controvérsias dentro do próprio Calvinismo, e assim sucessivamente. As supostas "Guerras de Religião" - muitas vezes motivadas mais por manobras políticas e dinásticas do que por problemas doutrinais - assaltaram a Europa no século e meio seguinte, particularmente a Alemanha, França e Inglaterra. 

O próprio Lutero não era nenhum humanista, apesar de algumas das suas ideias, tais como o ênfase na leitura literal da Bíblia, em oposição às leituras alegóricas favorecidas pelos Católicos, terem algumas semelhanças ao ênfase humanista pelos textos. Mas estas semelhanças são superadas pela sua suspeita pelas ideias e literatura Clássica ('pagã') e o seu desejo de expurgar livros da Bíblia (tal como a Epístola de Tiago) que não batiam certo com as suas ideias pessoais.

Lawrence M. Principe in 'The Scientific Revolution: A Very Short Introduction'. Oxford University Press, 2011


blogger

3 estátuas de Cristo Rei

Cristo Redentor, no morro do Corcovado (Brasil) 
Existem dezenas de imagens de Cristo Rei no mundo, a pedir o dom da paz, mas há três especiais: O Cristo Redentor do Corcovado, no Brasil, o Cristo Rei em Lisboa e o Cristo Rei da cidade de Díli, em Timor Lorosae. Há outros monumentos dedicados a Cristo Rei, alguns tão grandes ou maiores, mas estes são os meus preferidos.

O primeiro, inaugurado em 1931, já foi classificado pela Unesco como uma das sete novas maravilhas do mundo. Ergue-se a 800 metros acima do mar, sobre um penhasco magmático quase vertical, chamado morro do Corcovado. A escultura, de betão revestido com pedra, tem 38 metros de altura. O desenho, da autoria de Carlos Oswald, representa Jesus de braços abertos ao mundo inteiro, dando a impressão de ser, de longe, uma cruz plantada no maciço rochoso. O molde da estátua veio do «atelier» do escultor franco-polaco Paul Landowski.

Cristo Rei, em Almada, na margem Sul do Tejo
O segundo Cristo Rei da minha devoção é o de Almada, uns 215 metros acima do estuário do Tejo. Inspirou-se directamente no modelo brasileiro e no mesmo desejo de paz. Naqueles anos, Portugal ansiava pela paz, de todo o coração. A Igreja portuguesa aguentara a perseguição do último século de monarquia e o anti-clericalismo da Primeira República. Sucediam-se os atentados, os golpes, as revoluções. Lá fora, o comunismo fazia multidões de vítimas na Rússia e nas regiões por ela ocupadas, a perseguição no México produzia milhares de mártires, a Alemanha estava dominada por um regime pagão que preparava a guerra, o marxismo mergulhava a Espanha em guerra civil. 

A Segunda Guerra Mundial atrasou a construção do Cristo Rei, mas a decisão estava tomada. Os bispos portugueses fizeram a promessa pública, em nome de todo o país, de erguer aquela imagem, para (1) pedir perdão a Deus por tantos pecados contra a dignidade humana; (2) agradecer a Deus se Portugal não viesse a sofrer directamente os horrores da Segunda Guerra Mundial; (3) expressar o propósito colectivo de nos portarmos doravante de forma honesta e santa.

O Cristo Rei de Lisboa representa Jesus de braços abertos, como o do Corcovado, mas a escultura é diferente. A imagem brasileira segue o cânone «art déco» da época, de linhas mais geométricas, enquanto a de Lisboa, da autoria do escultor Francisco Franco, é uma obra clássica, temperada de vanguardismo modernista. Francisco Franco só teve tempo de realizar o boceto da escultura, em ponto pequeno; a peça final foi vazada em betão no próprio local, em moldes de gesso ampliados do boceto, e acabada a escopro.

Cristo Rei em Díli, Timor Lorosae
O Cristo Rei de Díli também é enorme – mede 27 metros de altura – e também está situado sobre um grande monte junto ao mar, sobre um pedestal que neste caso é um globo terrestre. A atitude é semelhante à dos monumentos anteriores, mas o artista muçulmano Mochamad Syailillah fez a escultura em cobre. A estátua foi inaugurada pelo então Bispo de Díli D. Ximenes Belo no ano de 1996, ainda durante a ocupação Indonésia, ainda durante o governo de Suharto. Mais uma vez, o Cristo Rei falava de paz. O monumento, oferecido pela Indonésia ao povo de Timor, era um pedido de desculpa implícito pelos cerca de 100.000 timorenses massacrados pouco tempo antes; o gesto do povo de Timor de aceitar das mãos dos ocupantes muçulmanos o seu Cristo Rei monumental significava: já perdoámos.

José Maria André in Correio dos Açores


blogger

sábado, 28 de outubro de 2017

Gregoriano é a referência para a música sacra

"Uma composição religiosa será tanto mais sacra e litúrgica quanto mais se aproxima no andamento, inspiração e sabor da melodia gregoriana, e será tanto menos digna do templo quanto mais se afastar daquele modelo."

São Pio X in Motu Próprio 'Tra le solicitudine - sobre música Sacra'


blogger

Quem foram São Simão e São Judas Tadeu?

Simão, o Zelote

Simão, dito Simão, o Zelote, ou Simão, o Cananeu, natural da Galileia, foi um dos discípulos de Nosso Senhor Jesus Cristo que fazia parte do grupo dos doze Apóstolos, o mais desconhecido deles. É referido como "o Cananeu" no Livro de Mateus e como "o Zelote", no Livro de Lucas e em Atos dos Apóstolos.

A palavra grega Cananeu e a palavra Zelote, derivada do aramaico e significam a mesma coisa: "zeloso".   

Não se sabe ao certo qual teria sido o ministério de Simão posteriormente. Algumas tradições colocam-no como grande auxiliador no estabelecimento do Cristianismo no Egipto, juntamente com os Santos Marcos e Filipe; entretanto, pode ter evangelizado também pelo norte da África, pela Ásia menor e Espanha. Daí pode ter partido com São Judas Tadeu para a Mesopotâmia e Síria, onde se encontrou com outros Apóstolos que por ali evangelizavam. Em seguida, partira para a Pérsia. A sua pregação era bastante parecida com a dos outros quatro Apóstolos que foram para o Oriente, tida por alguns como ascética e judaica, tal como aquelas preservadas na Epístola de Judas.  

Os bizantinos identificam-no com Natanael, de Caná, e com o “mestre-sala” durante as bem conhecidas bodas, quando Jesus transformou a água em vinho. Simão é ainda identificado com o primo do Senhor, irmão de São Tiago Menor, ao qual sucedeu como bispo de Jerusalém, nos anos da destruição da Cidade Santa pelos romanos.  

Os arménios sustentam que ele difundiu o Evangelho na sua região, onde teria sofrido o martírio. Seja como for, o seu campo missionário é deduzido dos lendários Actos de Simão e Judas, segundo os quais os dois apóstolos percorreram juntos as 12 províncias do Império Persa.

Também no Ocidente os dois apóstolos aparecem sempre juntos. Em Veneza é dedicada a ambos a igreja de São Simão Pequeno 

Martírio

Segundo o cronista cristão Hegésipo, Simão encontrou o martírio nos tempos do imperador Trajano, quando contava com, aproximadamente, 120 anos de idade. As versões sobre a sua execução divergem: na cruz ou, segundo outras tradições menos seguras, pela fogueira, na Arménia. Mas a Tradição católica diz que Simão foi martirizado sendo cortado ao meio por um serrote.

Iconografia

O Apóstolo é representado tendo na sua mão direita o livro aberto, que simboliza a evangelização dinâmica. O livro aberto significa que a Palavra de Deus é sempre actual. Na mão esquerda o serrote, ferramenta utilizada para o seu martírio. Com os olhos fitos no livro, recorda o amor a Deus acima de todas as coisas.

São Judas Tadeu, o Apóstolo 

São Judas Tadeu era natural de Canaã da Galileia, Palestina. A sua família era constituída pelo Pai, Alfeu (ou Cléofas) e a Mãe, Maria Cléofas. Eram parentes de Jesus. O pai, Alfeu, era irmão de São José; a mãe, Maria Cléofas, prima-irmã de Maria Santíssima. Portanto, Judas Tadeu era primo-irmão de Jesus. O irmão de Judas Tadeu, Tiago, chamado o Menor, também foi discípulo de Jesus.

A Bíblia trata pouco de Judas Tadeu. Mas aponta uma questão importante: São Judas Tadeu foi escolhido por Jesus para Apóstolo (Mt 10, 4). É citado explicitamente nas Escrituras pelo evangelista João (Jo 14, 22). Na ceia, Judas Tadeu perguntou a Jesus: "Mestre, por que razão hás de manifestar-te só a nós e não ao mundo?" Jesus respondeu afirmando que teriam manifestação dele todos os que guardassem a Sua palavra e permanecessem fiéis ao Seu amor. 

Após ter recebido o dom do Espírito Santo, São Judas Tadeu iniciou a sua pregação na Galileia. Passou para a Samaria e Iduméria e outras populações judaicas. Pelo ano 50, tomou parte no primeiro Concílio, o de Jerusalém. Em seguida, foi evangelizar a Mesopotâmia, Síria, Arménia e Pérsia. Neste país, recebeu a companhia de outro apóstolo, Simão. A pregação e o testemunho de São Judas Tadeu impressionaram os pagãos que se convertiam. Isto provocou a inveja e fúria contra o Apóstolo, que foi trucidado, a golpes de cacetes, lanças e machados. Isso, pelo ano 70.  

São Judas Tadeu foi mártir, quer dizer: mostrou que a sua adesão a Jesus era tal, que testemunhou a Fé com a doação da própria vida.

A brevíssima Carta de São Judas, que está na Bíblia, é uma severa advertência contra os falsos mestres e um convite a manter a pureza da fé. Nos versículos 22-23 propõe pontos fundamentais de um programa de vida cristã: fé, oração, auxílio mútuo, confiança na misericórdia de Jesus Cristo.

A imagem de São Judas tem o livro, que é a Palavra que ele pregou, e a machadinha, com a qual foi morto. Os restos mortais, após terem sido guardados no Oriente Médio e na França, foram definitivamente transferidos para Roma, na Basílica de São Pedro.

in 'Pale Ideas'


blogger

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Riquezas do Catolicismo: Consciência das próprias misérias

Acho que é de Chesterton a frase segundo a qual tornar-se católico é o único meio que o ser humano tem de escapar à condição de ser escravo do seu tempo. Ao converter-se à Igreja Católica todo o fiel coloca-se, imediatamente, sobre os ombros de vinte séculos de humanidade, e adquire uma visão de mundo de um tal alcance que não seria capaz de obter de outra maneira.

Isso tem incontáveis implicações. Uma delas — fundamental, aliás, para qualquer processo de conversão sério — é notar que não existe nenhum pecado que não seja alcançado pela misericórdia de Deus. Nenhuma ofensa, por grande que nos pareça, é capaz de oferecer obstáculo verdadeiro à Graça alcançada por Cristo na Cruz do Calvário; não existe nenhum pecado que não possa ser verdadeiramente remido (e faço um parêntesis: é por isso que rezamos, no Credo, que cremos “na remissão dos pecados”, remissão verdadeira e própria, i.e., extinção, aniquilamento, destruição, desaparecimento. Isto é muito mais forte do que “ficar quite” após o cumprimento de uma pena: a remissão dos pecados é o fim da própria dívida que implicava na pena); não existe, dizia, nenhum pecado que não possa ser perdoado pelo Deus que é Todo-Poderoso exactamente para cancelar o pagamento que, por dívida de justiça, incumbe-nos prestar pelo mal que praticamos.

Não há pecado algum que não possa ser perdoado: esta é uma verdade que nos deve reconfortar. Mas a ela corresponde uma outra verdade, infelizmente menos lembrada mas nem por isso menos verdadeira, e que deveria nos fazer vigilantes e cuidadosos: do mesmo modo que não há pecado que não possa ser perdoado, não há também pecado, por grave que seja, que não possa ser cometido. Ninguém está imune a ofender a Deus! Ao contrário até: se não o fazemos, é porque Ele nos sustenta com a Sua Graça. Se não fosse por Ela, se Ela nos faltasse um instante sequer, pereceríamos verdadeira e miseravelmente, sem que nada pudéssemos fazer.

A tradição da Igreja é rica neste tipo de meditação, desde a advertência paulina (qui se existimat stare videat ne cadat — “quem julga estar de pé cuide para que não caia”, 1Cor 10, 12) até, por exemplo, esta eloquente passagem de S. Luís de Montfort que sempre me pareceu comovente:

«Ah! Quantos cedros do Líbano, quantas estrelas do firmamento não têm-se visto cair miseravelmente e, em pouco tempo, perder toda a sua elevação e claridade! Donde proveio esta estranha mudança? O que faltou não foi a graça, que não falta a ninguém, foi a humildade. Julgaram-se mais fortes e mais capazes do que eram; julgaram que podiam guardar os seus tesouros. Fiaram-se e apoiaram-se em si mesmos. Acharam a sua casa bastante segura e os seus cofres bastante fortes para guardar o precioso tesouro da graça.» Tratado da Verdadeira Devoção, 89

Somos fracos, ainda que não o experimentemos, ainda que as pessoas que nos são próximas não o sejam capazes de perceber. Temos no nosso interior o desejo do infinito, sim, e uma capacidade extraordinária de abertura à graça de Deus; mas temos também, inafastavelmente, o poder de pecar, a capacidade da mesquinharia, a possibilidade da traição vil e covarde, a aptidão para os mais horrendos pecados. Tal consciência é uma riqueza da experiência cristã multissecular, parte do tesouro atemporal que se recebe ao tornar-se católico. (...)

Quantos cedros do Líbano não têm caído por terra…! Que ninguém se julgue bom demais, perfeito demais, evoluído demais, auto-suficiente demais. Não o somos, e a realidade nos grita aos ouvidos, o tempo inteiro, que não o somos. Há sempre espaço para o arrependimento — esta é a grande maravilha da misericórdia de Deus! Mas há também sempre espaço para a queda. O demónio anda à nossa espreita, procurando devorar-nos…! Tomemos cuidado. Vigiemos, que são muitos os melhores que nós que já caíram nas suas suas garras.

Jorge Ferraz in 'Deus lo vult'


blogger

D. Bosco e as vocações sacerdotais

"Conheço bem os jovens; um terço deles tem em si um germe de vocação."
São João Bosco


blogger

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Como o Papa Francisco citou S. Vicente de Lérins a propósito do «progresso» na doutrina e da «nova compreensão da verdade cristã»

No dia 11 de Outubro celebrou-se no Vaticano o 25º aniversário da publicação do Catecismo da Igreja Católica (CIC) numa sessão promovida pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, durante a qual o Papa Francisco fez um discurso, pronunciado em italiano, que naturalmente não passou indiferente a muitos comentadores atentos à vida da Igreja; comentários esses que maioritariamente se ocuparam da questão teológica levantada pela novidade, ao que parece agora introduzida pelo Santo Padre, relativamente ao entendimento da malícia «em si mesma»(sic) da pena de morte.

Neste seu discurso, a pretexto do progresso, por ele referido, na abordagem da pena de morte pelos «últimos Pontífices» e da necessidade de uma eventual revisão do CIC sobre este tema – introduzir nele «um espaço mais adequado e coerente com as finalidades agora expressas» (sic) -, Francisco comenta a questão maior do progresso na doutrina, sem o qual, como disse, «não se pode conservar a doutrina» (sic). Questão esta, aliás, me parece ter sido o verdadeiro núcleo e objectivo final desta alocução.

Sobre a novidade que o Papa agora avança a respeito da moralidade em si da pena de morte já outros comentaram. O que nesse discurso acabou por chamar particularmente a minha atenção foi o modo como o célebre tratado de São Vicente de Lérins, intitulado Commonitorium, é citado. E é só sobre isso que aqui resumo algumas das minhas observações, achadas já depois de ter lido na íntegra este belíssimo texto do monge de Lérins (na actual França) e que ali viveu em meados do século V.

Leiam-se então os dois seguintes excertos onde Francisco, no referido discurso, cita São Vicente de Lérins, os quais aqui transcrevo na versão em português (com sublinhados meus):

1º) “Aliás, como já recordava São Vicente de Lérins, «talvez alguém pergunte: Não haverá progresso algum dos conhecimentos religiosos na Igreja de Cristo? Há, sem dúvida, e muito grande. Com efeito, quem será tão malévolo para com a humanidade e tão inimigo de Deus que pretenda impedir este progresso?» (Commonitorium, 23.1: PL 50, 667). Por isso é necessário reiterar que, por muito grave que possa ter sido o delito cometido, a pena de morte é inadmissível, porque atenta contra a inviolabilidade e dignidade da pessoa.” (sic).

2º) “A Tradição é uma realidade viva; e somente uma visão parcial pode conceber o «depósito da fé» como algo de estático. A Palavra de Deus não pode ser conservada em naftalina, como se se tratasse de uma velha coberta que é preciso proteger da traça! Não. A Palavra de Deus é uma realidade dinâmica, sempre viva, que progride e cresce, porque tende para uma perfeição que os homens não podem deter. Esta lei do progresso – segundo a fórmula feliz de São Vicente de Lérins: «annis consolidetur, dilatetur tempore, sublimetur aetate – fortalece-se com o decorrer dos anos, cresce com o andar dos tempos, desenvolve-se através das idades» (Commonitorium, 23.9: PL 50, 668) – pertence à condição peculiar da verdade revelada, enquanto transmitida pela Igreja, e não significa de modo algum uma mudança de doutrina.” (sic).

Confronte-se agora com os excertos A e B, paralelos da referida versão bilíngue do texto de São Vicente, que transcrevo na sua integridade e onde sublinho de novo e apenas as partes citadas pelo Papa (a numeração é a constante da versão bilingue transcrita), constituindo as partes não-sublinhadas aquelas que o Santo Padre omitiu:

A) Latim e francês e português:

XXIII . 1. Sed forsitan dicit aliquis : 'Nullusne ergo in ecclesia Christi profectus habebitur religionis ?' – Habeatur plane et maximus. Nam quis ille est tam inuidus hominibus, tam exosus Deo, qui istud prohibere conetur ? 2. Sed ita tamen, ut uere profectus sit ille fidei, non permutatio, siquidem ad profectum pertinet ut in semetipsa unaquaeque res amplificetur, ad permutationem uero ut aliquid ex alio in aliud transuertatur.

XXIII . 1. Mais peut-être dira-t-on : 'N'y aura-t-il alors, dans Église du Christ, aucun progrès de la religion ? - Certes, il faut qu'il y en ait un, et considérable ! Qui serait assez ennemi de l'humanité, assez hostile à Dieu, pour essayer de s'y opposer ? 2. Mais cela à condition que ce soit vraiment pour la foi un progrès et non un changement, étant donné que ce qui constitue le progrès c'est que chaque chose soit augmentée en restant elle-même, tandis que le changement, c'est que s'y ajoute quelque chose venue d'ailleurs.

XXIII . 1. Mas talvez alguém pergunte: Não haverá progresso algum dos conhecimentos religiosos na Igreja de Cristo, nenhum progresso na religião? Certamente, é necessário que ele haja e considerável! Quem seria tão inimigo da humanidade, tão hostil a Deus, para tentar opor-se a isso? 2. Mas isso, na condição que seja verdadeiramente um progresso para a fé e não uma mudança, sendo que o que constitui o progresso é que cada coisa/realidade seja aumentada permanecendo ela mesma, enquanto que a mudança é quando se acrescente a ela qualquer coisa vinda de fora. (Tradução do francês-português minha).

B) Latim e francês e português:

XXIII . 9. Ita etiam christianae religionis dogma sequatur has decet profectuum leges, ut annis scilicet consolidetur, dilatetur tempore, sublimetur aetate, incorruptum tamen inlibatumque permaneat et uniuersis partium suarum mensuris cunctisque quasi membris ac sensibus propriis plenum atque perfectum sit, quod nihil praeterea permutationis admittat, nulla proprietatis dispendia, nullam definitionis sustineat uarietatem.

XXIII . 9. Ces lois du progrès doivent normalement s'appliquer également au dogme chrétien ; qu'il soit consolidé par les années, développé par le temps, rendu plus auguste par l'âge, mais qu'il demeure sans corruption et inentamé, qu'il soit complet et parfait dans toutes les dimensions de ses parties et, pour ainsi parler, dans tous les membres et dans tous les sens qui lui sont propres, qu'il n'admette après coup aucune altération, aucune perte de ses caractères spécifiques, aucune variation dans ce qu'il a de défini.

XXIII .9. Estas leis do progresso devem normalmente aplicar-se ao dogma cristão; [de modo] que ele seja consolidado pelos anos, desenvolvido pelo tempo, tornando-se mais augusto/sublime/venerável pela idade, mas que ele permaneça sem corrupção e incontaminado, que ele esteja completo e perfeito em todas as dimensões das suas partes e, por assim dizer, em todos os seus membros e em todos os sentidos que lhe são próprios, que ele não admita demasiadamente tarde, nenhuma alteração, nenhuma perda das suas características específicas, nenhuma variação no que ele tem de definido. (Tradução do francês-português minha).

Diz o Santo Padre que «o desenvolvimento harmónico da doutrina, porém, requer que se abandone tomadas de posição em defesa de argumentos que agora se apresentem decididamente contrários à nova compreensão da verdade cristã» (sic, com sublinhado meu). Mas lendo directamente São Vicente de Lérins não é difícil constatar que o santo monge, admitindo claramente a progressão do dogma no que respeita à inteligência, à ciência e à sabedoria (intellegentia, scientia, sapientia), jamais admite, antes nega peremptoriamente, que no dogma ou na doutrina possa haver novidade no sentido em que esta mesma novidade possa alterar, subtrair, contradizer ou refutar a verdade nem o seu significado.

É muito penoso - para quem deseja e teima, de todo o coração, manter a devida fidelidade e obediência ao legítimo sucessor de Pedro - constatar um facto assim; tanto mais quanto, infelizmente, este modo intelectualmente tão discutível de citar não é inédito na pessoa do Papa Francisco.

Por exemplo, sobre o modo como São Tomás de Aquino é citado e usado na célebre Exortação Apostólica Amoris Laetitia, leia-se a análise de um sacerdote dominicano, diplomado por Oxford, numa sua recente entrevista; ou o modo como na nota 329, referente ao nº 298 da mesma Exortação, o Santo Padre aplica e utiliza, referindo-se aos «divorciados que vivem numa nova união» (sic), um excerto do nº 51 da Gaudium et Spes, sendo que este documento do Concílio Vaticano II está neste ponto a referir-se aos «esposos» (sic), obviamente de matrimónios canonicamente válidos, não sendo esta condição ou estado teologicamente indiferente para o aspecto objecto de análise pelo Papa.

Francisco pede com pertinaz insistência que rezemos por ele. Sim, rezemos implorando ao Altíssimo para que o Santo Padre Francisco seja o primeiro entre todos os cristãos a ajudar-nos na obediência religiosa; assim como a saber obedecer (ob-audire) na Fé devida por todos nós em resposta à sagrada Revelação divina (cf. CIC nn 142-144).

João Duarte Bleck, médico e leigo Católico
25 de Outubro de 2017

Notas de rodapé:
1. Servi-me da versão bilíngue latim-francês disponível em: 

2. Versão em português e outras línguas disponível em:

3. «Crescat igitur oportet et multum uehementerque proficiat tam singulorum quam omnium, tam unius hominis quam totius ecclesiae, aetatum ac saeculorum gradibus, intellegentia, scientia, sapientia, sed in suo dumtaxat genere, in eodem scilicet dogmate, eodem sensu eadem que sententia (Cf. 1 Co 1, 10).
« Donc, que croissent et que progressent largement l'intelligence, la science, la sagesse, tant celle des individus que celle de la collectivité, tant celle d'un seul homme que celle de l'Église tout entière, selon les âges et selon les générations ! — mais à condition que ce soit exactement selon leur nature particulière, c'est-à-dire dans le même dogme, dans le même sens, et dans la même pensée.» (Commonitorium, XXIII, 3, sublinhado meu).
«Portanto, que cresçam e que progridam largamente a inteligência, a ciência, a sabedoria, tanto a dos indivíduos como a da colectividade, tanto a de um só homem como a da Igreja inteira, segundo as idades e segundo as gerações! – mas na condição que isso seja exactamente segundo a sua natureza particular, isto é, no mesmo dogma, no mesmo sentido e no mesmo pensamento.» (Tradução do francês-português minha).
Recomendo aos que sabem francês a leitura, através do site atrás referido, de todo o capítulo XXIII do tratado de São Vicente de Lérins, sobre o progresso do dogma e as suas condições.

4. Ver a entrevista do padre dominicano Thomas Crean O.P., em:


blogger

CNN desmascara involuntariamente a Ideologia de Género

A CNN lançou há 2 dias esta campanha a nível mundial. O propósito era ridicularizar as "fake news". Mas na realidade o vídeo acabou por ridicularizar a Ideologia de Género e todas as aberrações ideológicas defendidas pela grande maioria dos meios de comunicação social e pelo 'politicamente correcto'. Tiro no pé, CNN!


blogger

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Urge recuperar esta devoção ao Santíssimo Sacramento

Dois fiéis ajoelham imediatamente na lama quando passa o sacerdote com o Santíssimo Sacramento (provavelmente para dar a Sagrada Comunhão a uma pessoa doente).


blogger

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Os deveres dos pais e dos filhos segundo Santo António Maria Claret

Obrigações dos chefes de família

1- Sustentar a família conforme o próprio estado.
2- Não dissipar os bens da família em jogos nem em vaidades.
3- Pagar pontualmente o ordenado aos criados, jornaleiros.
4- Vigiar sobre os costumes de seus filhos e dependentes.
5- Procurar que frequentem a palavra de Deus e os santos Sacramentos.
6- Corrigi-los com prudência.
7- Castigá-los sem paixão de ira etc.
8- Tratá-los com benevolência.
9- Tê-los ocupados.
10- Assisti-los nas suas doenças.
11- Edificá-los com o bom exemplo.
12- Encomendá-los a Deus, e proporcionar-lhes bons mestres, patrões etc.
13- Procurar a devida separação entre filhos e filhas, e pessoas de diferente sexo.
14- Não admitir pessoa alguma que possa, com as suas conversações, ou de qualquer outra maneira, ser motivo de escândalo à família.

Obrigações dos filhos e dependentes

1- Olhar e considerar os pais e patrões como representantes de Deus.
2- Amá-los de coração.
3- Respeitá-los devidamente e falar bem deles, tanto na sua presença como na sua ausência.
4- Obedecer-lhes com prontidão.
5- Servi-los com fidelidade.
6- Socorrê-los nas suas necessidades.
7- Sofrer os seus defeitos, calando sempre.
8- Rogar a Deus por eles.
9- Ter cuidado das coisas de casa.

Santo António Maria Claret in 'Caminho Recto e Seguro para Chegar ao Céu'


blogger

O ressurgimento da Arte



blogger

domingo, 22 de outubro de 2017

Os inimigos de Deus e da Igreja perecerão

"Os homens que definem e criam estratégias para matar Deus, destruir a doutrina e o ensinamento da Igreja ao longo dos séculos, serão eles mesmos engolidos, transportados pela sua própria vitória terrestre para a Geena eterna." 

Cardeal Robert Sarah in 'Deus ou nada'


blogger

"A permissividade moral não torna os homens felizes" Papa João Paulo II

Queridos jovens, fizestes-me saber que muitas vezes considerais a Igreja como uma instituição que apenas promulga regulamentos e leis. E concluís que há um profundo hiato entre a alegria que emana da palavra de Cristo e o sentimento de opressão que suscita em vós a rigidez da Igreja. 

Mas o Evangelho apresenta-nos um Cristo muito exigente, que convida a uma conversão radical do coração, ao abandono dos bens da Terra, ao perdão das ofensas, ao amor para com o inimigo, à paciente aceitação das perseguições e mesmo ao sacrifício da própria vida por amor ao próximo

No que diz respeito ao domínio particular da sexualidade, é conhecida a posição firme que Jesus tomou em defesa da indissolubilidade do matrimónio e a condenação que pronunciou até a propósito do simples adultério cometido no coração. Poderá alguém não ficar impressionado diante do preceito de arrancar um olho ou de cortar uma mão se esses órgãos forem ocasião de escândalo? 

A permissividade moral não torna os homens felizes. Tal como a sociedade de consumo não traz alegria ao coração. O ser humano só se realiza na medida em que sabe aceitar as exigências que provêm da sua dignidade de ser criado «à imagem e semelhança de Deus» (Gn 1,27). Por isso, se hoje a Igreja diz coisas que não agradam, é porque se sente obrigada a fazê-lo. Fá-lo por dever de lealdade

Mas então não é verdade que a mensagem evangélica é uma mensagem de alegria? Pelo contrário, é absolutamente verdade! E como é isso possível? A resposta encontra-se numa palavra, numa só palavra, numa palavra curta mas com um conteúdo vasto como o mar. Essa palavra é: amor. O rigor do preceito e a alegria do coração podem perfeitamente conciliar-se. Quem ama não receia o sacrifício. Antes procura no sacrifício a prova mais convincente da autenticidade do seu amor.

Papa João Paulo II in 'Discurso aos jovens holandeses' (14.V.1985)


blogger

sábado, 21 de outubro de 2017

Imperador Carlos de Áustria, inspiração para os políticos

Nesta fotografia vemos o Beato Carlos de Áustria e a sua mulher, Zita de Bourbon-Parma, ajoelhados durante a Santa Missa. Carlos e Zita casaram há 106 anos, no dia 21 de Outubro de 1911. O último Imperador do Império Austro-Húngaro levou uma vida exemplar, tendo a fé católica marcado profundamente a sua conduta, inclusive as suas decisões políticas. Um exemplo para os nossos políticos.

Beato Carlos de Áustria, rogai por nós.  


blogger

Vídeo recente mostra que Papa Bento XVI está bem de saúde



blogger

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Um exemplo para os jovens casais

Arquiduque Imre da Áustria e Kathleen Elizabeth Walker

Nascida na cidade de Cincinatti, nos Estados Unidos, a Senhorita Kathleen Elizabeth Walker sempre foi devota à sua fé católica e à luta contra a abominação que é o aborto. Passou os seus anos universitários liderando um grupo estudantil pró-vida e, após concluir os cursos de Jornalismo e Ciências Políticas, começou a trabalhar como Directora de Comunicações das Caridades Católicas da Diocese de Arlington e para a Liga Americana da Vida.

O Arquiduque Imre Emanuel Simeon Jean Carl d’Aviano da Áustria, Príncipe Real da Hungria, Croácia e Boémia, nasceu na Suíça, no dia 8 de Dezembro de 1985 – Festa da Imaculada Conceição –, sendo o segundo filho e varão primogénito do Arquiduque Carl Christian da Áustria e de sua augusta esposa, nascida Princesa Marie-Astrid de Luxemburgo. Assim sendo, o Arquiduque Imre é sobrinho do actual Soberano Luxemburguês, o Grão-Duque Henri.

A Senhorita Walker sempre se sentiu inspirada pelo exemplo de vida do Bem-Aventurado Imperador Beato Karl da Áustria (1887-1922) e de sua augusta esposa, Serva de Deus Imperatriz Zita (nascida Princesa de Bourbon e Parma; 1892-1989). De facto, a Senhorita Walker chegou a pedir para que, do Céu, a Imperatriz Serva de Deus lhe ajudasse a encontrar rumo na vida – e Sua Majestade Apostólica Imperial e Real guiou-a em direcção a ninguém mais, ninguém menos que o seu próprio bisneto.

O Arquiduque Imre da Áustria e a Senhorita Kathleen Walker conheceram-se numa Missa em memória do Imperador Beato, no ano de 2010. Os fortes valores cristãos em comum aproximaram os dois jovens, que se casaram no dia 8 de Setembro de 2012, em Washington D.C., na Igreja de St. Mary Mother of God – a mesma onde se conheceram e onde também estão as veneráveis relíquias do Imperador Beato –, em cerimónia celebrada na forma tradicional do Rito Romano.

O Arquiduque Imre e a Arquiduquesa Kathleen fixaram residência na Suíça, onde continuam a fazer a sua parte para expurgar a Europa de toda imoralidade e manter a grandeza da Cristandade. No dia 11 de Novembro de 2013, nasceu a primeira filha do casal, a Arquiduquesa Maria-Stella Elizabeth Christiana Yolande Alberta da Áustria.

in Causa Imperial


blogger

Sacerdote, quem és?

Sacerdote, tu não és tu porque és Deus. Tu não és para ti porque és servo e ministro de Cristo. Tu não és teu porque és para a Igreja.

Tu não és para ti porque és o mediador entre Deus e os homens. Tu não te bastas porque és pecador. Tu não és para ti mesmo porque não és nada.

Oh sacerdote! Quem és, então? Tudo e nada!

Tem cuidado contigo, para que não se diga de ti o que disseram de Cristo na Cruz: «salvou os outros e não pode salvar-se a si mesmo».

São Norberto


blogger

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

17 alterações que o Concílio Vaticano II não pediu

Quando se questiona as "invenções litúrgicas" que acontecem na grande maioria das paróquias a resposta aparece inevitavelmente: «Foi o Concílio que ordenou estas mudanças». Deixamos aqui 17 alterações (para pior) que o Concílio não pediu:

1. Receber a Sagrada Comunhão na mão
2. Missa celebrada de frente para o povo
3. Meninas no altar
4. Sagrada Comunhão distribuída por leigos
5. Remover o Sacrário do centro da Igreja 
6. Substituição da Música Sacra por música mundana
7. Desaparecimento do Canto Gregoriano
8. Acabar com o Latim na Missa
9. Destruir a balaustrada
10. Remoção da Arte e Arquitectura Sacras
11. Quase total ausência da promoção da vida devocional
12. Abandono do uso do confessionário
13. Sacerdotes sem os devidos paramentos para a liturgia
14. "Proibir" que as mulheres usassem o véu na Missa
15. Sacerdotes vestidos como leigos
16. Improviso na celebração litúrgica
17. Fazer um novo rito da Missa para substituir o rito Tradicional


blogger

Visita do Cardeal Burke a San Nicandro Garganico



blogger

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Secretário de Bento XVI nega que o Papa esteja às portas da morte

Nos últimos dias correram mundo várias notícias sobre o estado de saúde do Papa Bento XVI. Tornou-se viral uma mensagem atribuída a Mons. Georg Gänswein, secretário do Papa Bento, que dizia: "O Papa Bento XVI é como uma vela que, lenta e serenamente, se apaga."

Michael Hesemann, jornalista e escritor alemão, resolveu perguntar directamente a Mons. Gänswein se aqueles rumores e aquela mensagem eram verdadeiros. Esta foi a resposta que recebeu:

"Caro Dott. Hesemann,

Obrigado pelo seu email. A frase que foi colocada na minha boca é uma pura invenção. É uma falsidade e um erro! Apenas queria saber quem é o autor de tudo isto. Recebi muitos emails, de há dois dias a esta parte, que se referem a essa frase e aquelas pessoas estão preocupadas.

O irmão, Georg Ratzinger, voltou para casa ontem. Ambos os irmãos passaram algum tempo aqui e foram dias muito bons."

Seja como for, disse o Prefeito da Casa Pontifícia, as orações pelo Papa Bento são sempre bem-vindas.


blogger

Evangelista São Lucas, padroeiro de médicos e pintores

Hoje é dia de São Lucas: Apóstolo, Evangelista e Mártir. Atenção médicos e pintores este é o vosso padroeiro. São Lucas era médico e, segundo consta, um talentoso pintor. Foi o autor de várias pinturas de Nossa Senhora, que conheceu muito bem (veja-se os dois primeiros capítulos do Evangelho que escreveu).

Este quadro retrata uma dessas obras. O quadro foi pintado por um tal Rafael, que até tinha jeito para estas coisas, e encontra-se na 'Accademia di San Luca', em Roma. 


blogger

terça-feira, 17 de outubro de 2017

A Irmã Lúcia avisou: "Se Portugal aprovar o aborto terá muito que sofrer"

"Se Portugal não aprovar o aborto, está salvo; mas se o aprovar, terá muito que sofrer. Pelo pecado da pessoa paga a pessoa que dele é responsável; mas pelo pecado da Nação paga todo o povo. Porque os governantes que promulgam as leis iníquas fazem-no em nome do povo que os elegeu." 

in 'Um caminho sob o olhar de Maria - Biografia da Irmã Lúcia' - Carmelo de Coimbra (Edições Carmelo, p. 68, 2013, pp. 494)





blogger

"Deixai-me ser alimento das feras, por elas pode-se alcançar a Deus"

Santo Inácio de Antioquia, um dos maiores bispos de toda a História da Igreja, foi condenado à morte em Antioquia. Foi levado para Roma, para morrer lá, na arena, comido pelas feras. A caminho, já preso, escreveu uma carta aos Cristãos de Roma, falando no seu martírio que se aproximava:

Tenho escrito a todas as Igrejas e a todas elas faço saber que morro por Deus com alegria, desde que vós não me impeçais. Suplico-vos: não demonstreis por mim uma benevolência inoportuna. Deixai-me ser alimento das feras; por elas pode-se alcançar a Deus. Sou trigo de Deus, serei triturado pelos dentes das feras para tornar-me o puro pão de Cristo. Rogai a Cristo por mim, para que por este meio me torne sacrifício para Deus. 

Nem as delícias do mundo nem os reinos terrestres são vantagens para mim. Mais me aproveita morrer em Cristo Jesus do que imperar até os confins da terra. Procuro-o, a ele que morreu por nós; quero-o, a ele que por nossa causa ressuscitou. Meu nascimento está iminente. Perdoai-me, irmãos! Não me impeçais de viver, não desejeis que eu morra, eu, que tanto desejo ser de Deus. Não me entregueis ao mundo nem me fascineis com o que é material. Deixai-me contemplar a luz pura; quando lá chegar, serei homem. Concedei-me ser imitador da paixão de meu Deus. Se alguém o possui no coração, entenderá o que quero e terá compaixão de mim, sabendo quais os meus impedimentos. 

O príncipe deste mundo deseja arrebatar-me e corromper meu amor para com Deus. Nenhum de vós, aí presentes, o ajude! Ponde-vos de meu lado, ou melhor, do lado de Deus. Não podeis dizer o nome de Jesus Cristo, enquanto cobiçais o mundo. Que a inveja não more em vós! Mesmo que eu em pessoa vos rogue, não me acrediteis; crede antes no que vos escrevo, desejando morrer. (...) Não quero mais viver segundo os homens. Isto acontecerá se vós quiserdes.

in Carta de Santo Inácio de Antioquia aos Romanos (107 d.C.)


blogger

domingo, 15 de outubro de 2017

Imagens históricas dos 100 anos de Fátima

Missa celebrada pelo Patriarca de Lisboa, o Cardeal Cerejeira, em 1950:
Fotografia de A. Silva

13 de Março de 1951:
Transladação dos restos mortais de Francisco Marto para a Basílica de N. Sra. do Rosário:


Manuel e Olímpia Marto no cortejo fúnebre:

1 de Maio de 1951
Transladação do corpo de Jacinta Marto para a Basílica de N.Sra do Rosário:

Exumação do corpo (com D. José Alves Correia da Silva ao centro e os pais dos pastorinhos à direita)

Capelinha das Aparições num dia comum em 1951:

Bispo Pavlos Meletiev, (rito bizantino russo) 13 de Outubro de 1951:

13 de Maio de 1953:


Missa com o núncio Apostólico Fernando Cento em 1954:

Um sacerdote distribui a comunhão no exterior da Igreja de N. Sra do Rosário, 1955:

Bênção dos doentes na colunata (Cardeal Ottaviani) 1955:

Numerosos bispos em procissão no Santuário de Fátima (de fundo: o antigo hospital) 1955:
Fotografia de Alípio de S. Vicente

Bênção dos doentes (Cardeal Gouveia), cerca de 1955



 Missa a 13 de Maio de 1956 (Cardeal Roncalli, futuro Papa João XXIII)

1958

Bênção com o Santíssimo Sacramento (Bispo do Congo, Bélgica) 1959

sem data

Doentes à espera da bênção 1960:

Duas servitas e um peregrino 1960:

Comunhão na Basílica do Rosário, 1960:

Capelinha em dias comuns em 1960:

Um 13 de Outubro, sem ano:


blogger