quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A confissão - Catecismo da Igreja Católica §§ 1455-1458

A confissão (a acusação) dos pecados, mesmo de um ponto de vista simplesmente humano, liberta-nos e facilita nossa reconciliação com os outros. Pela confissão, o homem encara de frente os pecados de que se tornou culpado; assume a sua responsabilidade e, desse modo, abre-se de novo a Deus e à comunhão da Igreja, para tornar possível um futuro diferente.

A confissão ao sacerdote constitui uma parte essencial do sacramento da Penitência: [...] «Quando os cristãos se esforçam para confessar todos os pecados de que se lembram, não se pode duvidar de que os apresentam todos ao perdão da misericórdia divina. Os que procedem de modo diverso, e conscientemente ocultam alguns, esses não apresentam à bondade divina nada que ela possa perdoar por intermédio do sacerdote. Porque, 'se o doente tem vergonha de descobrir a sua ferida ao médico, a medicina não pode curar o que ignora'» (Concílio de Trento; S. Jerónimo).

Segundo o mandamento da Igreja, «todo o fiel que tenha atingido a idade da discrição, está obrigado a confessar fielmente os pecados graves, ao menos uma vez ao ano». [...] Sem ser estritamente necessária, a confissão das faltas quotidianas (pecados veniais) é contudo vivamente recomendada pela Igreja. Com efeito, a confissão regular dos nossos pecados veniais ajuda-nos a formar a nossa consciência, a lutar contra as más inclinações, a deixarmo-nos curar por Cristo, a progredir na vida do Espírito. Recebendo com maior frequência, neste sacramento, o dom da misericórdia do Pai, somos levados a ser misericordiosos como Ele (Lc 6,36): «[...] Quando começas a detestar o que fizeste, é então que começam as tuas boas obras, porque acusas as tuas obras más. O princípio das obras boas é a confissão das más. Praticaste a verdade e vens à 1uz» (St. Agostinho; Jo 12,13).


blogger

Frase do dia

"Ser santo não significa ser superior aos outros; antes, o santo pode ser muito débil, pode ter cometido tantos erros na sua vida. A santidade é este contacto profundo com Deus, fazer-se amigo de Deus: é deixar agir o Outro, o Único que realmente pode fazer com que o mundo seja bom e feliz." 

Cardeal Ratzinger (06/10/2002)


blogger

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O Patriarca José - São Bernardo

Irmãos lembrai-vos do patriarca José, de quem José, o esposo de Maria, herdou não apenas o nome mas também a castidade, a inocência e as graças. O primeiro recebeu do céu a interpretação dos sonhos (Gn 40;41); o segundo não só teve conhecimento dos segredos do céu, como teve a honra de neles participar. O primeiro providenciou o sustento a todo um povo, fornecendo-lhe trigo em abundância (Gn 41,55); o segundo foi estabelecido como guardião do pão vivo que veio para dar pessoalmente a vida ao mundo inteiro (Jo 6,51). Não há dúvida de que José, que foi noivo da mãe do Salvador, foi um homem bom e fiel, ou antes, o «servo bom e fiel» (Mt 25,21) que o Senhor colocou à frente da Sua família para ser a consolação de Sua mãe, o pai nutrício da Sua humanidade, o colaborador fiel no Seu desígnio para o mundo.

E era da casa de David, descendente da estirpe real, nobre por nascimento, mas ainda mais nobre de coração. Sim, era verdadeiramente filho de David, não apenas pelo sangue, mas pela sua fé, pela sua santidade, pelo seu fervor no serviço de Deus. Em José o Senhor encontrou verdadeiramente, como em David, «um homem segundo o Seu coração» (1Sm 13,14) a quem pôde confiar, com toda a segurança, o maior segredo do Seu coração. Ele revelou-lhe «a sabedoria que instrui no segredo» (Sl 50, 8), deu-lhe a conhecer uma maravilha que nenhum dos príncipes desta terra conheceu; concedeu-lhe, enfim, ver o que «muitos profetas e reis quiseram ver [...] e não viram», escutar o que muitos queriam «ouvir e não ouviram!» (Lc 10,24). E não apenas vê-Lo e ouvi-Lo, mas também levá-Lo nos braços, conduzi-Lo pela mão, apertá-Lo ao coração, abraçá-Lo, alimentá-Lo e cuidar d'Ele.


blogger

Martírio de São João Baptista

Caravaggio (1607)



blogger

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

O astronauta e o Cristo

Neil Armstrong visitou Jerusalém em 1988, e pediu a Thomas Friedman que lhe mostrasse um lugar por onde tivesse caminhado Jesus. Quando o professor de arqueologia bíblica o levou aos restos das escadas do tempo de Herodes, o astronauta disse: “Significa mais para mim ter pisado estas escadas do que ter pisado a lua.


blogger

A pobreza de Francisco - S. Boaventura

[O jovem] Francisco assistia devotamente à Missa em honra dos apóstolos; o Evangelho era aquele em que Jesus envia os Seus discípulos a pregar e lhes ensina a maneira evangélica de viver: «Não possuais ouro, nem prata, nem cobre em vossos cintos; nem alforge para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem cajado». Logo que compreendeu e interiorizou este texto, ficou apaixonado por essa pobreza dos apóstolos e gritou, num transporte de alegria: «É isto que eu quero! É isto que desejo com toda a minha alma!» E, sem mais, tirou os sapatos, deixou cair o cajado, abandonou o alforje e o dinheiro como objectos dignos de repúdio, ficou apenas com uma túnica, e deitou fora o cinto, que substituiu por uma corda: pôs todo o seu empenho em concretizar o que acabara de ouvir e quis conformar-se em tudo com esse código de perfeição, dado aos apóstolos.

Um impulso comunicado por Deus levou-o, desde então, à conquista da perfeição evangélica e a uma campanha de penitência. Quando ele falava [...], as suas palavras eram totalmente impregnadas pela força do Espírito Santo: penetravam até ao mais profundo dos corações e mergulhavam os ouvintes em espanto. Toda a sua pregação era um anúncio de paz, e começava cada um dos seus sermões por esta saudação ao povo: «Que o Senhor vos dê a paz!» «Foi uma revelação do Senhor que me ensinou esta fórmula», declarou mais tarde. [...] 

Falava-se cada vez mais do homem de Deus, dos seus ensinamentos tão simples e da sua vida, e alguns, com o seu exemplo, eram tocados por esse espírito de penitência e logo se juntavam a ele e, deixando tudo e vestindo-se como ele, começaram a partilhar a sua vida.


blogger

domingo, 26 de agosto de 2012

De 5 em 5 minutos um cristão é morto por causa da sua fé




blogger

Frase do dia

"A tolerância não é uma virtude cristã. Caridade, justiça, misericórdia, prudência, honestidade...essas são virtudes cristãs!" 

D. Charles Chaput, O.F.M.


blogger

sábado, 25 de agosto de 2012

A soberba - S. Josemaria Escrivá

Ouvimos falar de soberba e talvez pensemos numa atitude despótica e avassaladora, com grande barulho de vozes que aclamam o triunfador que passa, como um imperador romano, debaixo dos altos arcos, inclinando a cabeça, pois teme que a sua fronte gloriosa toque o alvo mármore...

Sejamos realistas. Este tipo de soberba só tem lugar numa fantasia louca. Temos de lutar contra outras formas mais subtis, mais frequentes: o orgulho de preferir a própria excelência à do próximo; a vaidade nas conversas, nos pensamentos e nos gestos; uma susceptibilidade quase doentia, que se sente ofendida com palavras ou acções que não são de forma alguma um agravo... Tudo isto, sim, pode ser, é uma tentação corrente. O homem considera-se a si mesmo como o sol e o centro dos que estão ao seu redor. Tudo deve girar em torno dele. Por isso, não raramente acontece que ele recorre, com o seu afã mórbido, à própria simulação da dor, da tristeza e da doença: para que os outros se preocupem com ele e o mimem.

(...) A sua amargura é contínua e procura desassossegar os outros, porque não sabe ser humilde, porque não aprendeu a esquecer-se de si mesmo para se entregar, generosamente, ao serviço dos outros por amor de Deus. (Amigos de Deus, 101)


blogger

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A fé e a vida - Beato Charles de Foucauld

A fé é o que faz com que acreditemos do fundo da alma [...] em todas as verdades que a religião nos ensina, logo, no conteúdo da Sagrada Escritura e em todos os ensinamentos do Evangelho, enfim, em tudo o que nos é proposto pela Igreja. O justo vive realmente desta fé (Rm 1,17) porque, para ele, ela substitui a maior parte dos sentidos da natureza. Ela transforma de tal modo todas as coisas, que os sentidos antigos já mal podem servir à alma: por eles, ela só percebe aparências enganadoras; a fé mostra-lhe as realidades.

O olho mostra-lhe um homem pobre; a fé mostra-lhe Jesus (cf Mt 25,40). O ouvido fá-lo ouvir injúrias e perseguições; a fé canta-lhe: «Alegrai-vos e rejubilai de alegria» (cf. Mt 5,12). O tacto faz-nos sentir o apedrejamento recebido; a fé diz-nos: «Sentiram grande alegria por terem sido considerados dignos de sofrer alguma coisa pelo nome de Cristo» (cf Act 5,41). O olfacto faz-nos sentir o incenso; a fé diz-nos que o verdadeiro incenso «são as orações dos santos» (Ap 8,4).

Os sentidos seduzem-nos pelas belezas criadas; a fé pensa na beleza incriada e compadece-se de todas as criaturas, que são um nada e uma poeira ao lado dessa beleza. Os sentidos têm horror à dor; a fé bendi-la como a coroa do matrimónio que a une ao seu Bem-amado, a caminhada com o Esposo, a mão na Sua mão divina. Os sentidos revoltam-se contra a injúria; a fé abençoa-a: «Abençoai os que vos maldizem» (Lc 6,28) [...], achando-a doce porque significa partilhar o destino de Jesus. [...] Os sentidos são curiosos; a fé nada quer conhecer: anseia por ser sepultada e quereria passar toda a sua vida imóvel ao pé do tabernáculo.


blogger

Frase do dia

"Domina o teu orgulho, a tua irritabilidade e a tua inveja." 

S. Pio de Pietrelcina


blogger

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Angelus 19/08/2012 - Grande Papa Bento XVI

Queridos irmãos e irmãs! O Evangelho deste domingo (cf. Jo 6, 51-58) é a parte final e principal do discurso feito por Jesus na sinagoga de Cafarnaum, depois de no dia anterior ter alimentado milhares de pessoas com apenas cinco pães e dois peixes. Jesus revela o significado deste milagre, ou seja, que o tempo das promessas foi cumprido: Deus Pai, que com o maná tinha alimentado os israelitas no deserto, agora o enviou, o Filho, como verdadeiro Pão de vida, e este pão é a sua carne, a sua vida, oferecida em sacrifício por nós. Trata-se, portanto, de acolhê-lo com fé, não escandalizando-se da sua humanidade; e trata-se de "comer a sua carne e beber o seu sangue" (cf. Jo 6, 54), para ter em si mesmos a plenitude da vida. É evidente que este discurso não teve a intenção de atrair consensos. Jesus sabe disso e pronuncia-o intencionalmente; e de facto aquele foi um momento crítico, uma reviravolta na sua missão pública. 

As pessoas, e os mesmos discípulos, estavam entusiasmados com Ele quando cumpria sinais prodigiosos; e também a multiplicação dos pães foi uma clara revelação de que Ele era o Messias, tanto que, logo após, a multidão quis elevar Jesus e fazê-lo rei de Israel. Mas essa não era a vontade de Jesus, que justamente com aquele longo discurso trava os entusiasmos e provoca muitas discordâncias. Ele, de facto, ao explicar a imagem do pão, diz ter sido enviado a oferecer a sua própria vida, e quem quiser segui-lo deve unir-se a Ele de modo pessoal e profundo, participando do seu sacrifício de amor. É por isso que Jesus vai instituir o Sacramento da Eucaristia: para que os seus discípulos possam ter em si mesmos a sua caridade - isto é crucial - e, como um único corpo unido a ele, estender no mundo o seu mistério de salvação. 

Ao ouvir este discurso, a multidão percebeu que Jesus não era um Messias como eles queriam, que aspirasse a um trono terreno. Ele não procurava aprovação para conquistar Jerusalém; na verdade, queria ir a Cidade Santa para compartilhar a sorte dos profetas: dar a vida por Deus e pelo povo. Aqueles pães, partidos para milhares de pessoas, não queriam provocar uma marcha triunfal, mas antecipar o anúncio do sacrifício da Cruz, no qual Jesus se torna Pão, corpo e sangue oferecidos em expiação. Jesus, então, deu aquele discurso para desiludir as multidões e, acima de tudo, para provocar uma decisão em seus discípulos. De facto, muitos destes, desde então, não o seguiram mais. 

Queridos amigos, deixemo-nos também surpreender pelas palavras de Cristo: Ele, grão de trigo lançado nos sulcos da história, é a primícia da humanidade nova, livre da corrupção do pecado e da morte. E voltemos a descobrir a beleza do Sacramento da Eucaristia, que expressa toda a humildade e a santidade de Deus: o seu fazer-se pequeno, Deus se faz pequeno, fragmento do universo para reconciliar todos no seu amor. Que a Virgem Maria, que deu ao mundo o Pão da vida, nos ensine a viver sempre em união profunda com Ele.


blogger

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Os nossos irmãos na Síria

“No domingo celebrei a Missa para a pequena comunidade que se atreveu a aparecer. Foi a primeira vez na vida que celebrei em tais circunstâncias, com tiros e disparos como ruído de fundo. Foi muito difícil. Procurei que a celebração da Santa Missa nos desse fortaleza e rezámos intensamente pela paz. No final, os fiéis abraçaram-me emocionados. Continuavam a sentir temor e medo, mas agora tinham a força do Espírito.” 

De acordo com este sacerdote, a cidade viveu, nas últimas horas, uma calma fantasmagórica, depois dos tumultos e combates da semana passada. Sem pão e com carência de outros alimentos, sem electricidade nem gás e com um calor acima dos 43º, o quotidiano torna-se difícil. 

in Ajuda à Igreja que Sofre


blogger

Frase do dia

"Quando Maria se aproxima, o diabo foge - tal como as trevas se dissipam quando o sol nasce. Onde Maria está presente, Satanás está ausente; onde brilha o sol, não existe escuridão." 

Papa Pio XII  (08/12/1953)


blogger

terça-feira, 21 de agosto de 2012

domingo, 19 de agosto de 2012

O sentido trágico do amor - José Luís Nunes Martins

Todo o homem tende naturalmente para o amor. Acontece que o conceito comum de amor corresponde de forma quase universal a uma ideia genérica, ambivalente e, tantas vezes, errada, porque tão irreal. Amar é dar-se. Entregar a própria essência a um outro, lutando em favor dele. De forma pura e gratuita, sem esperar outra recompensa senão a de saber que se conseguirá ser o que se é. Amar, ao contrário do que julgam muitos, não é uma fonte de satisfação... Amar é algo sério, arrebatador e tremendamente desagradável. Quem ama sabe que isso mais se parece com uma espécie de maldição do que com narrativas infantis de final invariavelmente feliz...

Cavaleiros valentes e princesas encantadas são, no entanto, excelentes metáforas que pretendem passar a ideia da coragem e da nobreza de carácter essenciais a quem ama. Ama-se quando se é capaz de se ser quem é, verdadeiramente. Esta luta heróica pelo valor da essência do outro não está ao alcance de todos. A maior parte das pessoas são egocêntricas, alegram-se a entrançar os seus egoísmos em figuras improvisadas de resultado sempre disforme a que teimam chamar amor. Talvez porque assim consigam disfarçar o vazio que é a prova de quão frustrante, frívola e inútil é a sua passagem por este mundo.

Quando alguém ama verdadeiramente, perde-se. A busca por uma felicidade própria não faz sentido. Sem tempo nem espaço para pousar a cabeça, aquele que ama oferece-se generosamente ao outro num caminho por onde quase nunca é de manhã. O sofrimento aparece como a ponte por onde se deve entrar num mundo onde a felicidade não tem nada em comum com os amores daqui. Amar é cumprir uma vida com força, sentido e valor. A paz que serve de base ao amor nasce e alimenta-se da certeza que a vida que vivemos não é nossa, foi-nos oferecida com a condição e o propósito de amarmos.

Quando se ama, caminha-se por cima do nada. Mas se, a qualquer instante, se deixa de acreditar e se busca a firmeza de um chão, cai-se imediatamente no abismo por cima do qual antes se voava, num milagre que a inteligência não consegue nem conceber nem abarcar. O amor não é racional, não é humano. É a verdade pura que não se apreende com a inteligência comum. As palavras pouco dizem, pouco ensinam, entretém quem não quer viver... é preciso uma grande humildade para se compreender que nem tudo pode ser compreendido. Acreditar no amor, com o coração, é sentir a força de uma mão intangível, que nos traz, nos leva e, por vezes, nos alenta... outras nos testa pela dor profunda.

Amar é escolher um caminho por entre infinitas encruzilhadas. A eleição de um é a renúncia de todos e de cada um dos demais, através de uma fé que é substância da esperança e tem forma do sonho. Amar é escolher um caminho e fazê-lo... a partir do nada. Só pela angústia do amor é que o espírito humano se torna digno de se assenhorear de si mesmo. A raiz do mal está na inércia dos espíritos que tentam bastar-se a si mesmos... na preguiça – que é o maior de todos os pecados, porque faz com que o homem se contente com o que tem, deixando de querer ser o que é. Amar é dar a própria vida. De braços estendidos. Numa atitude perante o mundo semelhante à de um mendigo que estende a sua mão à caridade do estranho que passa... a solidão profunda de quem sente a terra tremer-lhe por baixo da alma que lhe segura os pés.
Eis a maior de todas as riquezas: Ser-se pobre por se ter dado tudo. Amar apesar da vontade de ser feliz.


blogger

Já chega de rebaldaria!




blogger

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

A pobreza de Jesus - Santo Afonso-Maria de Ligório

Jesus Cristo nasceu pobre, e pobre viveu toda a Sua vida; e não pobre, apenas, mas indigente, mendigo, para usarmos a expressão de São Paulo (2Co 8,9). [...] Em Nazaré, Jesus vive de forma pobre: «uma casa pobre, com uns móveis pobres, assim é o alojamento que o Criador do mundo escolheu». Ali vive de maneira humilde, ganhando o pão com o suor do Seu rosto, trabalhando arduamente, como todos os operários e filhos de operários. Ainda assim, não é verdade que os judeus não acreditavam n'Ele, e que lhe chamavam «o filho do carpinteiro»? (Mc 6,3; Mt 13,55). Depois, aparece em público para pregar o Evangelho. Durante esses três últimos anos da Sua vida, longe de melhorar a Sua forma de subsistência, pratica uma pobreza ainda mais rigorosa, e sobrevive de esmolas. 

A um homem que O queria seguir na esperança de passar a viver com maiores comodidades, responde: «As raposas têm tocas e as aves do céu têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.» Homem, quer Ele dizer, se, por Me seguires, pensas que vais conseguir ter uma vida mais abastada, enganas-te, porque eu vim à Terra ensinar a pobreza. Nesse propósito, tornei-Me mais pobre do que as raposas e os pássaros, que pelo menos têm abrigos; neste mundo, não tenho de Meu a mais ínfima parcela de terra onde possa repousar, e quero que os Meus discípulos sejam como Eu. [...] «Um servo de Jesus Cristo possui a Jesus Cristo e nada mais», afirma São Jerónimo. Nem sequer deseja possuir o que quer que seja, mas apenas a Jesus. Em suma, Jesus viveu sempre pobre, e pobre morreu: pois não teve de ser José de Arimateia a dar-Lhe o túmulo, e outros ainda a fazerem-Lhe a esmola de uma mortalha para o corpo?


blogger

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Solenidade da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria

A Assunção da Virgem, Peter Paul Rubens (1625)

Lembrai-Vos, ó piíssima Virgem Maria,
que nunca se ouviu dizer
que algum daqueles
que têm recorrido à vossa protecção,
implorado a vossa assistência,
e reclamado o vosso socorro,
fosse por Vós desamparado.
Animado eu, pois, de igual confiança,
a Vós, Virgem entre todas singular,
como a Mãe recorro,
de Vós me valho e,
gemendo sob o peso dos meus pecados,
me prostro aos Vossos pés.
Não desprezeis as minhas súplicas,
ó Mãe do Filho de Deus humanado,
mas dignai-Vos
de as ouvir propícia
e de me alcançar o que Vos rogo. Amen.


blogger

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Desporto por desporto - João César das Neves

A sociedade moderna, cortando as relações com o transcendente, teve de arranjar mitologias, cultos, teologias para se inspirar. O desporto, como a ciência, música e heroísmo, é um elemento central dessa espiritualidade. Os atletas alegadamente mostram o melhor do ser humano, esquecendo misérias, desgraças e maldades, promovendo a auto-superação, camaradagem, colaboração e paz. Os Jogos Olímpicos são a grande celebração mundial da mística, proclamando bem alto este evangelho.

Mas existe um abismo entre desporto e a alta competição dos certames mundiais que bate recordes. Aí a situação aproxima-se do que a sociedade moderna mais se orgulha de erradicar: a escravatura. O facto de ser voluntária e rodeada de fama não a redime. Torna-a paradoxal.

A vida dos atletas manifesta bem este paralelo. Treinos, dietas, disciplina, lesões, exaustão e sofrimento são coisas que, se fossem impostos a alguém, seriam consideradas campo de concentração. Além disso, há a rivalidade, obsessão pelas marcas, pressão psicológica, humilhações, violência moral, isolamento, exclusividade que são brutais. Até o mandamento central desta fé, levar-se a si próprio ao extremo, é vicioso, pois a virtude está no equilíbrio e moderação. A vida de atleta é, realmente, bastante miserável, destruindo a humanidade, em vez de a ampliar, como garante a mística.

O dogma oculta a verdade com um truque. Não nega a violência e angústia, mas, centrando a atenção nos vencedores, garante que tudo vale a pena perante a alegria do sucesso e a glória da vitória. Mas, ao contrário dos filmes de aventuras, os adversários vencidos não são vilões malvados. São outros atletas, que também pagaram os custos altíssimos, também forçaram e esfrangalharam a sua humanidade, tendo como única recompensa vergonha e fiasco.

A isto junta-se extrema injustiça e impiedade, oculta debaixo do rigor dos resultados. Com os níveis a que chegaram os recordes, o fracasso acontece por milésimos de segundo, centímetros, queda na pirueta, pequeno deslize, ligeira indisposição. Esse nada deita a perder anos de trabalho brutal, que valem zero. E o injustiçado, que se escravizou voluntariamente, nem sequer pode protestar contra o cronómetro, a fita métrica e evidência dos árbitros. Só tem de desaparecer e tentar outra vez, se ainda tiver idade.

Isto aponta outra evidente falha da mística: desporto é para jovens saudáveis. Uma fé que apenas dá sentido à vida a alguns durante uns anos, não presta. Os apóstolos defendem-se dizendo que desporto é para toda a vida, sendo a alta competição apenas dos mestres, como os mosteiros e eremitérios na religião. Mas no desporto, ao contrário da religião, vitória e fama fazem parte da mística. A falsidade da tese vê-se na vida posterior dos grandes atletas.

Tirando o pequeno punhado de superestrelas que vive da celebridade, à esmagadora maioria dos desportistas, mesmo grandes campeões, espera-os anos de nostalgia, anonimato, até miséria, pois muitos desperdiçaram a juventude sem aprender uma profissão útil. A mística tenta esconder a verdade, celebrando glórias passadas, mas ela por vezes emerge, como no filme Belarmino (Fernando Lopes, 1964) ou nas notícias recorrentes de ex-campeões que vendem as medalhas para comer.

É verdade que estes são precisamente os pontos em que toca o espírito olímpico. Ao contrário dos campeonatos, os Jogos dirigem-se a amadores, pessoas que praticam desporto por desporto, não por obrigação. Participar é mais importante do que vencer ou bater recordes. Esta é a teoria, muito longe da realidade. Repetidamente se ouvem os sumo sacerdotes lamentar a perda do espírito olímpico. Em grande medida, os Jogos são apenas mais um campeonato, para os mesmos profissionais que batem o circuito. Mas o mal estava na origem: se apenas interessa a prática, porquê criar medalhas e podium?

O desporto é uma excelente actividade humana, como a arte ou ciência, mas, como elas, não suporta ser erigida em finalidade de vida. O desporto só é desporto se for praticado por desporto.


blogger

Frase do dia

"Ofereça a Nossa Senhora o seu sofrimento, sem se lamentar." 

S. Pio de Pietrelcina


blogger

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Prato do Papa Bento XVI (twitter do Cardeal Gianfranco Ravasi)




blogger

Santidade e humildade - Beata Teresa de Calcutá

Para nos tornarmos santos, precisamos de humildade e oração. Jesus ensinou-nos a rezar e também nos disse para aprendermos, seguindo o Seu exemplo, a ser mansos e humildes de coração. Só alcançaremos uma e outra coisa se soubermos o que é o silêncio. Tanto a humildade como a oração provêm de um ouvido, de uma inteligência e de uma língua que provaram o silêncio junto de Deus, pois Deus fala no silêncio do coração. Esforcemo-nos verdadeiramente por aprender a lição de santidade de Jesus, cujo coração era manso e humilde. 

A primeira lição dada por este coração é a de examinarmos a nossa consciência, sendo que o resto – amar, servir – surge logo a seguir. Este exame não é exclusivamente da nossa competência, mas releva de uma colaboração entre nós e Jesus. 

Não vale a pena perder tempo a contemplar inutilmente as nossas misérias; trata-se, isso sim, de elevar o coração a Deus e deixar que a Sua luz nos ilumine. Se fores humilde, nada te afectará, nem a lisonja, nem a desgraça, pois saberás o que és. Se te repreenderem, não te sentirás desencorajado; e se alguém te disser que és santo, não te colocarás num pedestal. Se fores santo, agradece a Deus; se fores pecador, não te fiques por aí. Cristo diz-te para aspirares muito alto: não para seres como Abraão ou David, ou como qualquer outro santo, mas como o nosso Pai celeste (Mt 5,48). «Não fostes vós que Me escolhestes, fui Eu que vos escolhi» (Jo 15,16).


blogger

domingo, 12 de agosto de 2012

A Catholic Joke

The children were lined up in the cafeteria of a Catholic elementary school for lunch. At the head of the table was a large pile of apples. The nun made a note, and posted on the apple tray: "Take only ONE. God is watching."

Moving further along the lunch line, at the other end of the table was a large pile of chocolate chip cookies. A child had written a note, "Take all you want.
God is watching the apples."


blogger

O bem que me foi dado - Rui Corrêa de Oliveira

Deus criou o homem à Sua imagem e destinado para o bem. A experiência do mal, nos pequenos e grandes problemas da vida, levam-me a esquecer como fui feito para o bem e para a felicidade. Mais ainda, fui feito por Deus «à imagem da Sua própria natureza». Este desígnio de Deus sobre mim, quando dele tomo consciência, deixa-me extasiado pela dignidade de que sou portador. Em vez de fixar o meu coração nesta certeza, vivo mais tempo vergado pelo peso dos meus problemas do que alegre e agradecido por tão grande dom. 

É injusto que eu viva assim, esquecido daquilo para que fui feito, e de quanto bem me foi dado, porque Deus que fez todas as coisas, viu que tudo era bom. Em tempos como os que vivemos, objectivamente dramáticos, é preciso que eu faça memória desta bondade original em que fui criado e no bem que está em tudo o que vejo e me rodeia. 

 Ajuda-me Senhor a libertar-me de um viver resignado, e a abrir o meu coração a todo bem que a vida traz, ainda que manchado por dor ou sofrimento. Porque, mesmo assim, tudo concorre para o meu bem e salvação.


blogger

sábado, 11 de agosto de 2012

Dia de Santa Clara de Assis




blogger

A autenticidade não é um valor em si - José Luís Nunes Martins

De entre as virtudes da vida quotidiana, uma das que vai sendo cada vez mais difícil de encontrar é a autenticidade. Trata-se da capacidade de uma pessoa ser quem é; uma rectidão no sentir, pensar e agir que não é condicionada por qualquer outro factor senão pela essência da pessoa em questão. Infelizmente, hoje são cada vez mais as pessoas que consideram ter o direito de mentir. Uma espécie de medo de si mesmas que as leva a não ser o que são, tentando ser quem não são, numa mentira da qual são as principais vítimas...

Este mal enraíza-se na ideia errada de que se é pobre. Mas a verdadeira riqueza não consiste em ser uma multiplicidade de pessoas, mas em ser-se senhor da única que se é e respeitá-la.

A verdade é sempre dura. Aceitá-la é o melhor dos primeiros passos de um caminho para a conseguir alterar. A autenticidade reconhece a humildade e, por isso mesmo, aceita a verdade. Parte daí e segue adiante, numa lógica de continuidade e mudança sustentadas. Sem artifícios, mentiras ou escapes. É certo que se espera que cada um de nós se adapte a cada situação, mas isso é bem diferente de se estar disponível para recomeçar sempre tudo do zero, sem história nem lógica.

No mundo hoje, há quem defenda que se pode agir de forma incorreta se deste modo se conseguir corrigir as injustiças de que se é vítima. Defende-se até que se trata de uma mera questão de sobrevivência... chamam qualidade a esta capacidade de plasticamente se adaptarem a qualquer circunstância, mas que incapacita qualquer homem da verticalidade de, mesmo tendo os pés na lama, conseguir erguer-se, levantando-se e elevando a cabeça até bem perto das nuvens. Respeitando-se.

Inautêntico é todo aquele que encara o mundo e os outros com má fé. Furta-se a todos os tipos de responsabilidade. Tem listas enormes de culpados que garantem álibis para cada um dos mais pequenos erros eventual e realmente relacionados consigo próprio. Pessoas autênticas são raras, a sociedade enquanto entidade tende a aniquilar as diferenças, principalmente as que põe a nu os aspectos mais nauseabundos da maioria. A rectidão de uns revela de forma inequívoca a indigência moral dos outros.
Os autênticos reconhecem-se, mas são poucos. Muito poucos. A autenticidade é elogiada por todos mas encontra-se quase sempre a morrer de frio... sem um abraço sequer.

Ser recto é ser autêntico. É respeitar a sua essência, assumindo-a de forma simples, na sua maior pura. Conduzir a vida de acordo com os sonhos, lutando a cada passo com lodo que tenta prender os pés. Cair e levantar-se, cair e levantar-se, cair e levantar-se... Esta determinação simples não é uma pobreza. Bem pelo contrário. A pureza é sempre simples.

Devemos pois reconhecer que cada um de nós é alguém que se determina a si mesmo; que não podemos nunca deixar de tomar decisões, não podemos escolher não escolher e, porque cada gesto nosso é resultado de uma eleição íntima, somos sempre responsáveis pelos nossos gestos. Mesmo quando se decide não fazer nada, será também algo pelo qual seremos chamados a responder... pela nossa consciência, se ainda a conseguirmos escutar. Infelizmente, há muitos que parece já terem conseguido inativar este mecanismo inteligente que detecta as diferenças entre o que é e o que devia ser e nos avisa... nos teima em manter numa linha onde seremos mais quem somos, e bem melhores... Vivendo sempre de acordo com a nossa identidade e os sonhos que implica.

Em qualquer caso, mesmo o mais pobre dos homens não está isento do dever de ser recto. Afinal, quem não é recto, ainda que tenha tudo o mais em abundância, é um verdadeiro miserável. Nada é. Autenticamente.


blogger

Catecismo da Igreja Católica §§ 830-835

A Igreja é católica: a palavra «católica» significa «universal» no sentido de «segundo a totalidade» ou «segundo a integralidade» «A Igreja é católica em duplo sentido: é católica porque nela Cristo está presente. 'Onde está Cristo Jesus, está a Igreja católica'.» (Santo Inácio de Antioquia); nela subsiste a plenitude do Corpo de Cristo unido à sua Cabeça (Ef 1,22-23). Neste sentido fundamental, a Igreja era católica no dia de Pentecostes e sê-lo-á sempre, até o dia da Parusia. Ela é católica porque é enviada em missão por Cristo à universalidade do género humano (Mt 28,19). «Todos os homens são chamados a pertencer ao novo Povo de Deus. 

Por isso este Povo, permanecendo uno e único, deve estender-se a todo o mundo e por todos os tempos, para que se cumpra o desígnio da vontade de Deus, que no início formou uma natureza humana e finalmente decretou congregar os Seus filhos que estavam dispersos». (Vaticano II, LG 13). Cada igreja particular é católica. Essas Igrejas particulares «são formadas à imagem da Igreja universal; é nelas e a partir delas que existe a Igreja católica una e única» (LG 23). As Igrejas particulares são plenamente católicas pela comunhão com uma delas: a Igreja de Roma, «que preside à caridade» (Santo Inácio de Antioquia). «Pois com esta Igreja, em razão da sua origem mais excelente, deve necessariamente concordar cada Igreja, isto é, os fiéis de toda a parte» (Santo Ireneu). A rica variedade de disciplinas eclesiásticas, de ritos litúrgicos, de patrimónios teológicos e espirituais próprios das Igrejas locais «mostra mais luminosamente a catolicidade da Igreja indivisa, devido à sua convergência na unidade» (LG 23).


blogger

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Férias de Deus? Não, obrigado!



blogger

Frase do dia

"Na noite da Última Ceia, os Apóstolos estavam a discutir qual deles teria o primeiro lugar. Nessa altura Nosso Senhor ajoelhou-se, lavou os pés deles e secou-os com uma toalha. Quão poucos há a lutar pela toalha." 

Venerável Fulton Sheen


blogger

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Ilyas Khan: Um muçulmano que abraçou a Igreja

Existem muitos muçulmanos que gostariam de renunciar ao islão para abraçar o cristianismo. No entanto, na maioria dos casos, o medo da perseguição impede-os de o fazer. Mesmo assim, existem aqueles que têm a coragem de fazer tomar essa decisão, não só na intimidade do coração, mas afirmando-a publicamente no site do jornal National Catholic Register.

É o caso de Ilyas Khan, filantropo britânico, nascido de pais muçulmanos, crescido na Grã-Bretanha, banqueiro de formação, dono do clube de futebol Accrington Stanley e presidente do Leonard Cheshire Disability, a maior organização mundial de assistência às pessoas com necessidades especiais.

"A minha fé conta com a grande contribuição da educação que eu recebi até os meus 4 anos", revela Ilyas ao entrevistador, que lhe pergunta o que o levou à fé católica. "A minha mãe estava muito doente. Quem me criou naqueles primeiros anos foi a minha avó, que era profundamente católica. Eu não tinha como não me considerar cristão". Dos 4 aos 17 anos, porém, Ilyas foi criado e educado como muçulmano. Ele conta: "Na faculdade, a divina providência interveio novamente. Fui morar na Netherhall House, que é uma casa de estudantes do Opus Dei".

O tempo que passou naquela casa de estudantes aproximou-o da espiritualidade e da fé católica. Ele mesmo afirma: "Eu não posso dizer que fui induzido à fé inconscientemente, pelo contrário, lá pelos 18 ou 19 anos, descobri pessoas como Hans Urs von Balthasar, e comecei a ler muito os textos da biblioteca. Fiquei interessado na teologia, em Santo Agostinho e Orígenes".

Essas leituras provocaram no jovem Ilyas um movimento interior que já então o empurrava a proclamar as próprias crenças abertamente, mas o medo de causar uma dor profunda nos pais, ainda vivos, sufocava-o.
A virada decisiva, lembra Khan, foi um "grau maior de consciência de toda a minha vida e das minhas bases morais". "O desejo de abandonar o islão  era profundo, mas foi o impulso de Cristo que me levou à decisão". A contribuição fundamental veio da rotina de "viver a vida da Igreja" durante uma estadia em Hong Kong, aos 25 anos. A igreja chinesa de São José "foi o lugar onde eu descobri o catolicismo tradicional. Dos 25 anos em diante, não tive mais nenhuma dúvida: eu era católico".

Mas houve um momento em particular que marcou indelevelmente a fé de Ilyas: uma "visão" durante uma visita à basílica de São Pedro. "Eu estava a caminhar pela basílica e lembro-me de ter sido ‘arrebatado’ ao ver a Pietá de Michelangelo. Vieram-me mil perguntas enquanto olhava para aquele rosto de Maria que contempla o seu Filho. E eu disse para mim mesmo: 'Este é Deus! Não pode não ser Deus'. Para o islão, dizer que Deus se fez homem é uma heresia. Foi ali que me caíram por terra todas as dúvidas.

O testemunho de Ilyas Khan, por um lado, serve como estímulo para todos aqueles que ainda têm dúvidas ou medos quanto às próprias crenças. Por outro lado, a sua conversão despertou reacções negativas, traduzidas em demonstrações de ódio e em ameaças de morte.

Ilyas não tem medo de expressar a sua fé nem de proclamar publicamente a sua beleza. Ele é considerado hoje, na Grã-Bretanha, como "o mais importante neo-converso ao catolicismo". in Zenit


blogger

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Frase do dia

"Guardar o coração significa amar com pureza e paixão aqueles a quem devemos amor, e excluir ao mesmo tempo os ciúmes, as invejas e inquietações, que são causas certas de desordem no amor. A guarda do coração significa sempre a ordem no amor. A guarda do coração ensina o cristão a penetrar na profundidade de alma, para descobrir os seus movimentos e tendências." 

Salvatore Canals in Ascética Meditada


blogger

Cristo-Rei e as duas torres




blogger

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Frase do dia

"Caminha com alegria e com o coração aberto e sincero. E quando não conseguires manter esta santa alegria, ao menos nunca percas a confiança em Deus." 

S. Pio de Pietrelcina


blogger

Livres à Força? - Pe.Gonçalo Portocarrero de Almada

A propósito de uma sentença do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

Há quem esteja tão empenhado na defesa dos direitos fundamentais que até os queira impor … à força! Parece ser o caso do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, na sua sentença de 31 de Janeiro passado, contra a Roménia. Ao arrepio do mais elementar sentido comum e desrespeitando mais de dois mil anos de tradição cristã, esse Tribunal entendeu legítima, em virtude do artigo 11º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem, a pretensão de alguns sacerdotes ortodoxos romenos e seus colaboradores pastorais de se constituírem em sindicato.

É muito de saudar o empenho pela aplicação universal dos direitos humanos, exigência em que a Doutrina Social da Igreja foi precursora, mas em que a revolução francesa e outros movimentos cívicos também colaboraram. Contudo, o reconhecimento formal e efectivo dessas prerrogativas, decorrentes da irrenunciável dignidade humana, não pode ultrapassar certos limites, em cujo caso a sua aplicação seria contrária ao mais essencial dos direitos fundamentais: a liberdade responsável das pessoas e instituições. 

Reconheça-se, com empenho, o direito à sindicalização dos trabalhadores, mas não se imponha autoritariamente a todos o exercício desse direito, a que alguns devem, em virtude de uma razão maior, renunciar. De igual modo, a todos compete o direito ao matrimónio, mas o seu exercício a ninguém deve ser, como é óbvio, imposto. E quem opte, consciente e voluntariamente, por uma entrega pessoal que exclua o matrimónio, não se lhe permita que o invoque, para efeitos de uma improcedente reivindicação.

Poder-se-ia questionar se o ordenamento jurídico pode aceitar, como válida e eficaz, uma renúncia a um direito fundamental, como o prescrito no artigo 11º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem. Decerto, não seriam nunca aceitáveis, por absurdas hipóteses, contratos de venda da própria pessoa, ou de aluguer do seu corpo, que seriam necessariamente aberrantes e inválidos. Mas é tolerável e até meritório que alguns cidadãos optem por dar à sua vida uma dimensão de serviço à comunidade, através da sua consagração religiosa, que pressupõe a livre e legítima abdicação de algumas prerrogativas pessoais. 

A determinação, expressa pelos votos religiosos, ou por um compromisso análogo, de não possuir bens materiais, de obedecer ao seu superior, mais além do que seria exigível numa relação laboral, ou de permanecer célibe, não só não ofende a condição humana como a dignifica: não há maior amor do que dar a própria vida pelos outros. Portanto, aos que se comprometem liberrimamente com a sua Igreja, mediante um vínculo de voluntária e consciente obediência, a respectiva entidade religiosa, paternal mas não paternalista, pode e deve exigir uma coerência responsável. O Estado, por sua vez, deve respeitar a sacralidade desse vínculo, bem como a especificidade do ministério eclesial, o que não se verificaria se reduzisse esse munus a uma simples relação laboral. Também não seria pertinente que o jugo matrimonial fosse equiparado a uma mera prestação de serviços domésticos, ou a um sui generis arrendamento da habitação familiar.  

Foi no dia 17 de Julho de 1794 que foram guilhotinadas, em Paris, dezasseis carmelitas do convento de Compiègne. O seu crime não era apenas a sua fé em Deus, mas também e principalmente a ousadia da sua liberdade. Foram mártires não só porque eram religiosas num país oficialmente ateu mas, sobretudo, porque eram livres sob um jugo totalitário, que se dizia defensor da «liberdade, igualdade e fraternidade».   

Em nome de todos os Carmelos franceses, a prioresa de Grenelle enviara um Memorial à Assembleia Nacional revolucionária, nos seguintes termos: «As riquezas das Carmelitas nunca foram objecto de cobiça. A nossa fortuna consiste nessa pobreza evangélica que, mesmo depois de saldadas todas as dívidas para com a sociedade, ainda tem meios para ajudar os necessitados e socorrer a pátria e, em todas as circunstâncias, nos torna felizes com as privações que passamos. A liberdade mais completa preside aos nossos votos; a igualdade mais perfeita reina nas nossas casas; entre nós, não há ricas nem nobres […]. No mundo comprazem-se em publicar que os mosteiros só encerram vítimas que se vão consumindo lentamente pelos seus sofrimentos; mas nós declaramos diante de Deus que, se há na terra autêntica felicidade, nós a temos […]. Depois de terdes proclamado com tanta solenidade que o homem é livre, querereis obrigar-nos a pensar que já não o somos?».

Conta a história que as mártires de Compiègne morreram cantando o Te Deum e a Salvé Rainha. Madame Roland, fervorosa revolucionária que, não obstante, também foi guilhotinada, não teve a dita de uma tão excelsa inspiração à hora da morte, mas não lhe faltou razão quando, a caminho do cadafalso, afirmou: «Ó liberdade, quantos crimes se cometem em teu nome!».


blogger

domingo, 5 de agosto de 2012

Frase do dia

"Se a fé está em perigo iminente, os prelados devem ser acusados pelos seus súbditos, mesmo em público." 

S. Tomás de Aquino


blogger

A Santa Missa - Mistério da Fé



blogger

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Boa pergunta




blogger

Exercícios piedosos aos cristãos - São Pio X

Um bom cristão, pela manhã, assim que desperta, deve fazer o sinal da Cruz, e oferecer o coração a Deus, dizendo estas ou outras palavras semelhantes: "Meu Deus, eu vos dou o meu coração e a minha alma".

Ao levantar da cama e enquanto nos vestimos, deveríamos pensar que Deus está presente, que este dia pode ser o último da nossa vida; ademais, devíamos levantar-nos e vestir-nos com toda a modéstia possível.

A um bom cristão, apenas se tenha levantado e vestido, convém pôr-se na presença de Deus e ajoelhar-se, se pode, diante de alguma devota imagem, dizendo com devoção: "Eu Vos adoro, meu Deus, e Vos amo de todo o coração; dou-Vos graças por me terdes criado, feito cristão e conservado nesta noite; ofereço-Vos todas as minhas acções, e peço-Vos que neste dia me preserveis do pecado, e me livreis de todo o mal. Assim seja". E rezar depois o Pai-Nosso, a Ave-Maria, o Credo, e os Actos de Fé, de Esperança e de Caridade, acompanhando-os com um vivo afeto do coração.

O cristão, podendo, deveria todos os dias:

1º. Assistir com devoção à Santa Missa;

2º. Fazer uma visita, por breve que fosse, ao Santíssimo Sacramento;

3º. Rezar o terço do Santo Rosário.

Antes do trabalho, convém oferecê-lo a Deus, dizendo do coração: "Senhor, eu Vos ofereço este trabalho, dai-me a vossa bênção". Deve-se trabalhar para glória de Deus e para fazer a sua vontade.

Antes da refeição, convém fazer o sinal da Cruz, estando de pé, e depois dizer com devoção: "Senhor, abençoai-nos a nós e ao alimento que vamos tomar, para nos conservarmos no vosso santo serviço".

Depois da refeição, convém fazer o sinal da Cruz, e dizer: "Senhor, eu Vos dou graças pelo alimento que me destes; fazei-me digno de participar da mesa celeste".

Quando nos vemos atormentados por alguma tentação, devemos invocar com fé o Santíssimo Nome de Jesus ou de Maria, ou recitar fervorosamente alguma oração jaculatória, como, por exemplo: "Dai-me a graça, Senhor, de que eu nunca Vos ofenda"; ou então fazer o sinal da Cruz, evitando porém que as outras pessoas, pelos sinais externos, suspeitem da tentação.

Quando uma pessoa reconhece ou receia ter cometido algum pecado, convém fazer imediatamente um acto de contrição, e procurar confessar-se quanto antes.

[Quando fora da igreja se ouve o sinal de elevação da Hóstia na Missa solene, ou da bênção do Santíssimo Sacramento] é bom fazer, ao menos com o coração, um acto de adoração, dizendo, por exemplo: "Graças e louvores se dêem a todo o momento ao Santíssimo e diviníssimo Sacramento".

Ao toque das Ave-Marias [pela manhã, ao meio-dia e à noite], o bom cristão recita o Anjo do Senhor ["Angelus"] com três Ave-Marias.

À noite, antes de se deitar, convém pôr-se, como de manhã, na presença de Deus, recitar devotamente as mesmas orações, fazer um breve exame de consciência, e pedir perdão a Deus dos pecados cometidos durante o dia.

Antes de adormecer, farei o sinal da Cruz, pensarei que posso morrer esta noite, e oferecerei o coração a Deus, dizendo: "Meu Senhor e meu Deus, eu Vos dou todo o meu coração. Trindade Santíssima, concedei-me a graça de bem viver e de bem morrer. Jesus, Maria e José, eu Vos encomendo a minha alma’.

No decurso do dia pode-se invocar a Deus freqüentemente com as orações breves que se chamam "jaculatórias". [Eis algumas:]

"Senhor, valei-me";

"Senhor, seja feita a vossa santíssima vontade";

"Meu Jesus, eu quero ser todo vosso";

"Meu Jesus, misericórdia";

"Doce Coração de Jesus, que tanto nos amou, fazer que eu Vos ame cada vez mais";

"Doce Coração de Maria, sede minha salvação";

É muito útil recitar, durante o dia, muitas jaculatórias, e podem recitar-se também com o coração, ser preferir palavras, caminhando, trabalhando, etc.

Além das orações jaculatórias, o cristão deveria exercitar-se na "mortificação cristã". Mortificar-se quer dizer privar-se, por amor a Deus, daquilo que agrada, e aceitar o que desagrada aos sentidos ou ao amor-próprio.

Quando é o Santíssimo Sacramento levado a um enfermo, devemos, sendo possível, acompanhá-Lo com modéstia e recolhimento; e, se não é possível acompanhá-Lo, fazer um ato de adoração em qualquer lugar que nos encontremos, e dizer: "Consolai, Senhor, este enfermo, e concedei-lhe a graça de se conformar com a vossa sAntíssima vontade e de conseguir a sua salvação".

Ouvindo tocar o sino pela agonia de algum moribundo, irei, se puder, à igreja orar por ele; e, não podendo, encomendarei a Nosso Senhor a sua alma, pensando que dentro em breve hei de encontrar-me também eu nesse estado.

Ao ouvir sinais pela morte de alguém, procurarei rezar um "De profundis" ou um "Réquiem", ou um Pai-Nosso e uma Ave-Maria, pela alma desse defunto, e renovarei o pensamento da morte.  
in Catecismo Maior de São Pio X


blogger

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Vida de S. Francisco de Assis - Anónimo de Perugia

§97 Desde o início da sua conversão até ao dia da sua morte, o bem-aventurado Francisco sempre foi muito duro com o seu corpo. Mas a sua principal e maior preocupação era possuir e conservar sempre, interior e exteriormente, a alegria espiritual. Afirmava que se o servo de Deus se esforçasse por possuir e conservar a alegria espiritual, interior e exterior, que procede da pureza do coração, os demónios não poderiam fazer-lhe mal algum, pois seriam obrigados a reconhecer: «Dado que este servo de Deus conserva a sua alegria tanto na tribulação como na prosperidade, não encontramos nenhum meio de lhe prejudicar a alma.» 

Um dia, repreendeu um dos seus companheiros que tinha um ar triste e o rosto amargurado: «Porque manifestas assim a tristeza e a dor que sentes dos teus pecados? Isso é entre ti e Deus. Pede-Lhe para te dar, pela Sua bondade, a alegria da salvação (Sl 50,14). À minha frente e à frente dos outros, trata de te mostrares sempre feliz, porque não convém que um servo de Deus apareça diante dos irmãos ou dos outros homens com um rosto triste e carrancudo.»


blogger

Bebes comem limão pela primeira vez



blogger

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Ovo de crocodilo - João César das Neves

Ficamos sempre impressionados ao considerar a incapacidade de sociedades antigas em antecipar o que mais as afectaria. Parece incrível que pessoas inteligentes se tenham deixado cair em horrores para nós tão evidentes. Pensando assim vamos, como eles, dirigindo-nos inconscientemente para as próximas catástrofes.

Não é preciso recuar à queda do império romano ou ao fim de Constantinopla. Um dos mistérios da história é a inépcia da brilhante sociedade iluminista em precaver os horrores seguintes, com a sangrenta Revolução Francesa e o cruel império napoleónico. Porque foram tão cegos alguns dos mais profundos espíritos da nossa civilização? Também é sumamente incongruente que a sofisticada Alemanha do início do século XX falhasse no pressentimento da barbaridade nazi que germinava no seu seio. Em 1977, Ingmar Bergman usou a comparação de O Ovo da Serpente para manifestar este espanto. Como não viram, através da casca translúcida, o réptil em formação?

A conclusão desta meditação não deve ser que algo falhava nessa elevação intelectual ou que os movimentos da História escapam até aos génios. Isso deve motivar-nos a procurar as múltiplas sementes de abominação que brotam hoje, como sempre. Que tendências nos podem conduzir ao horror? As histórias revelam que tais venenos raramente estão entre aqueles que a sociedade identifica.

Dizer que a nossa época se encaminha para o cataclismo não é propriamente grande novidade. Não temos a complacência do Trianon ou Weimar. Desde a bomba atómica que a humanidade encara a extinção, e a recente crise financeira levou ao paroxismo a sensação de fim de regime. Mas também aqui as nossas preocupações escondem-nos a verdadeira ameaça. Não é a falência do Lehman Brothers ou o programa nuclear iraniano que nos arruinarão. O mal não está nas exigências de Angela Merkel ou na concorrência com a China. Apesar de graves, esses são detalhes laterais como o Caso do Colar de 1785. A serpente está noutro ovo, que teimamos em não olhar à transparência.

Aquilo que os nossos descendentes não conseguirão compreender é a nossa inacreditável ligeireza e inoperância perante factos devastadores, que subjazem a tudo o mais: "No primeiro semestre deste ano, nasceram menos quatro mil bebés do que no mesmo período de 2011. Se a tendência de decréscimo se mantiver, 2012 poderá ficar para a história como o ano em que os nascimentos não chegaram aos 90 mil, algo que nunca aconteceu desde que há registos" (DN, 5/Julho). Sem portugueses não há economia, consumo, emprego, ensino, justiça, país. Com a atenção centrada no défice, desemprego, ou pior, nas tricas do momento, Portugal resvala para a decadência perante a apatia generalizada.

Somos um dos países do mundo com menor taxa de fertilidade, muito inferior à dos nossos parceiros, aliás também entre os mais estéreis. Essas sociedades desenvolvidas há muito identificaram o problema e criaram políticas resolutas para o enfrentar, com sucessos muito díspares. Em Portugal a medida recente neste campo é o subsidiação do aborto, que aliás é a única área da Saúde onde os cortes financeiros não têm efeito.

Pior, neste tema, ao contrário dos casos históricos, estamos em violação aberta dos mais elementares princípios da civilização. Luís XVI ou Von Hindenburg podiam dizer que a sua boçalidade seguia os cânones recebidos. Nós, ao apregoarmos o aborto como direito, contrariamos séculos de civilização. Que a atrocidade de arrancar o embrião do seio da sua mãe, prática recusada por toda as sociedades cultas, seja por nós promovida pelo Estado será incompreensível aos nossos poucos descendentes.

Nos raros casos em que o tema surge nas conversas, atribui-se a redução da natalidade à crise e ao desemprego, sem notar a incongruência de serem os pobres os mais férteis. Insiste-se na muralha de falácias que tenta esconder a multidão de pequenos cadáveres. Após novo gole de café, o debate regressa às intrigas da semana. É perfeito o paralelo com Versalhes em 1789. Porque o ovo de crocodilo é opaco.


blogger