terça-feira, 25 de setembro de 2018

Carta do Grão-Mestre da Ordem do Santo Sepulcro sobre a crise dos abusos sexuais na Igreja

Aos Membros da Ordem de Cavalaria do Santo Sepulcro,

Muitos de vós se recordarão do livro e do filme Tempestade Perfeita [The Perfect Storm] - quando vários padrões meteorológicos ocorrem em simultâneo - entram em colisão e originam danos terríveis.

A nossa Igreja Católica encontra-se no meio de uma tempestade perfeita - uma tempestade demoníaca perfeita: o Chile, a Irlanda, a Holanda, a Austrália, os Estados Unidos - e quantos mais países se juntarão?! A revoltante vida dupla, profundamente vergonhosa, de um Cardeal da Igreja. O relatório quase pornográfico, de 900 páginas, resultante da investigação do Grande Júri da Pensilvânia – actos de depravação indizíveis contra jovens e pessoas vulneráveis. As acusações de um antigo Núncio do Vaticano contra as mais altas autoridades da Igreja.

Já lhe chamaram “UMA OBRA-PRIMA DIABÓLICA”!

Os poderes de Satanás [estão] em acção procurando minar as próprias fundações da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica – e vindo do seu interior!

Estamos num momento de grave crise, provavelmente a maior crise que a nossa Igreja enfrentou em muitos séculos.

Hoje, como ao longo da história da Igreja, aos fiéis – a vós – é oferecida uma escolha:

· Há a tentação de fugir, de abandonar a Igreja – obtendo Satanás uma vitória;

· Ou podemos cerrar fileiras. A nossa fé não radica nos seres humanos, mas em Jesus Cristo. Os Cavaleiros do Santo Sepulcro jamais desertaram. Pelo contrário, mantiveram-se firmes na sua posição de defesa da Igreja, em tempos das maiores crises.

Exorto todos os nossos membros que se mantenham firmes: que redobrem esforços, voltando-se para os recursos da Fé que nos foram concedidos por Deus: a oração, a Eucaristia, a adoração ao Santíssimo Sacramento, a penitência e o jejum.

· Participai nas liturgias e vigílias de oração promovidas pelas paróquias e dioceses, em reparação dos deploráveis sacrilégios perpetrados contra os

inocentes indefesos pelos que receberam o sacramento da Ordem [diáconos, presbíteros e bispos]. Traições escandalosas à confiança depositada nos que se comprometeram a ser outros Cristos.

· Apoiai a grande maioria dos sacerdotes nos vossos meios - os vossos bons sacerdotes, que lutam diariamente para se tornarem Cristo para vós. Eles estão em grande sofrimento.

· Também eu requeri, juntando-me à Conferência Episcopal, Católica, dos Estados Unidos, na investigação promovida pelo Vaticano, envolvendo especialistas leigos, com especiais competências, para apurar responsabilidades na progressão do Arcebispo McCarrick dentro da hierarquia.

Ao longo da história, Deus tem demonstrado ser capaz de fazer sair o bem a partir do pior dos males. Basta olhar para um crucifixo!

Rezai para que deste pesadelo possa sair a purificação da nossa Igreja e a restauração da confiança na sua liderança.

Reconhecei que Jesus Cristo é o Senhor da Ressurreição, Ele que transformou o momento horrível de uma morte vergonhosa num momento de salvação.

E rezai juntamente com o Santo Padre, o Papa Francisco, para que Nossa Senhora, que envolveu nos seus braços o corpo crucificado e martirizado de seu Filho, o faça novamente. Que, nestes tempos, segure nos seus braços o Corpo ensanguentado, agredido e sofredor - o Corpo d’Ele, a Igreja - próximo do seu coração, e em oração pela cura.

Os meus agradecimentos a todos pela vossa firme lealdade e fidelidade.

No Senhor,
Edwin O’Brien, Cardeal


blogger

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Cardeal Raymond Burke fala sobre a crise da Igreja e como reagir


32º Anual Church Teaches Forum
“A Mensagem de Fátima: Paz para o Mundo”
Galt House, Louisville, Kentucky


Desenvolvendo Vidas de Paz seguindo o Coração de Maria

Recentemente, participei numa conferência de 3 dias sobre a Sagrada Liturgia, na qual muitos bons jovens padres também participaram. Houve várias ocasiões para falar com eles sobre o seu ministério sacerdotal. Como tenho experienciado na maioria dos locais que visito, os sacerdotes expressaram uma grande preocupação com a situação em que o mundo e a Igreja se encontram. É uma situação que pode ser descrita simplesmente como confusão, divisão e erro. Perto do final da conferência, um jovem pastor aproximou-se de mim e perguntou: "Cardeal, pensa que estamos no fim dos tempos?" A expressão na sua cara tornou clara a sinceridade da sua questão e a profunda preocupação que a motivou. Eu não hesitei e respondi: “É possível que sim.”

Estamos a viver tempos muito atribulados no mundo e também na Igreja. A secularização tem devastado a cultura de muitas nações, especialmente no Ocidente, alienando a cultura da sua única e verdadeira fonte em Deus e o Seu plano para nós e o nosso mundo. Há o ataque diário e generalizado à vida humana inocente e indefesa, com a resultante violência sem precedentes na vida familiar e na sociedade em geral. Há a cada vez mais virulenta ideologia de género, que propaga a total confusão sobre a nossa identidade como homem e mulher, e leva a uma profunda infelicidade e até à auto-destruição de muitos na sociedade. Há também a negação da liberdade religiosa, que tenta impedir, se não extinguir completamente, qualquer discurso público sobre Deus e a nossa necessária relação com Ele. Com a negação da liberdade religiosa vem a tentativa de forçar os indivíduos tementes a Deus a agir contra a sua consciência bem formada, isto é, contra a lei de Deus inscrita no coração humano. Em países supostamente livres, o governo força na sociedade práticas como o aborto, esterilização, contracepção, eutanásia e falta de respeito pela sexualidade humana, até mesmo ao ponto de doutrinar crianças pequenas na iníqua "teoria de género".

Ao mesmo tempo, o relativismo e materialismo ateístas levam à busca inescrupulosa de saúde, prazer e poder, enquanto o estado de direito, ditado pela justiça, é espezinhado. Em tal condição cultural perversamente desordenada, existe o medo legítimo de um confronto global que só pode significar destruição e morte para muitos. Claramente, a presente situação do mundo não pode continuar sem levar à total aniquilação.

O mundo nunca precisou tanto do ensinamento sólido e direção que Nosso Senhor, no Seu incomensurável e incessante amor pelo homem, deseja dar ao mundo através da Sua Igreja e, especialmente, através dos seus pastores: o Romano Pontífice, os Bispos em comunhão com a Cátedra de Pedro, e os seus principais cooperadores, os padres. Mas, de uma maneira diabólica, a confusão e o erro que levaram a cultura humana no caminho da morte e destruição também entraram na Igreja, de modo que ela se aproxima da cultura sem parecer conhecer a sua própria identidade e missão; sem parecer ter a clareza e a coragem de anunciar o Evangelho da Vida e do Amor Divino à cultura radicalmente secularizada. Por exemplo, depois da decisão de 30 de Junho de 2017 do Parlamento Alemão de aceitar o chamado “casamento homossexual”, o Presidente da Conferência de Bispos na Alemanha declarou que a decisão não era uma grande preocupação para a Igreja que, segundo ele, devia estar mais preocupada com a intolerância em relação às pessoas que sofrem de atracção pelo mesmo sexo.1 Claramente, em tal abordagem, já não há a justa e necessária distinção entre o amor que nós, como Cristãos, devemos ter sempre pela pessoa envolvida no pecado e o ódio que também devemos ter sempre pelos actos pecaminosos.

O Papa Bento XVI, na sua saudação na ocasião da Missa fúnebre pelo Cardeal Joachim Meisner, Arcebispo Emérito de Colónia, na Alemanha, fez referência à situação geral da Igreja em relação à cultura. Tendo tido o privilégio de conhecer o Cardeal Meisner relativamente bem e de trabalhar com ele na defesa dos ensinamentos da Igreja sobre o Santo Matrimónio, a Sagrada Comunhão e a lei moral, sei o quanto sofreu com a crescente confusão sobre o ensinamento da Igreja dentro da própria Igreja. Claramente, ele tinha expressado as mesmas preocupações ao Papa Bento XVI, preocupações que aparentemente eram mútuas, enquanto ao mesmo tempo ele reafirmava, como a nossa fé nos ensina a fazer, a sua confiança em Nosso Senhor, que prometeu permanecer com o Seu Corpo Místico “todos os dias, até à consumação dos séculos”.2

Relativamente às permanentes preocupações pastorais do Cardeal Meisner, o Papa Bento XVI escreveu:
Nós sabemos que este apaixonado pastor achou difícil deixar o seu cargo, especialmente num tempo em que a Igreja está particularmente necessitada de pastores convincentes que conseguem resistir à ditadura do espírito da época e que vivem e pensam a fé com determinação. Contudo, o que me moveu ainda mais foi que, neste último período da sua vida, ele aprendeu a viver com uma profunda convicção de que o Senhor não abandona a Sua Igreja, mesmo quando o barco ficou com tanta água que está quase a virar.3

Quando falei pela última vez com o Cardeal Meisner em Colónia, a 4 de Março de 2017, ele estava sereno mas, ao mesmo tempo, expressou a sua determinação para continuar a lutar por Cristo e pelas verdades que Ele nos ensina, numa linha inquebrável, através da Tradição Apostólica.

A fidelidade do Cardeal Meisner ao seu ofício de pastor do rebanho, mesmo quando já não era Arcebispo de Colónia, foi uma tremenda fonte de força para muitos outros pastores na Igreja que lutam cada dia para conduzir o rebanho no caminho de Cristo. Por qualquer motivo, muitos pastores estão em silêncio sobre a situação em que a Igreja se encontra, ou abandonaram a clareza dos ensinamentos da Igreja pela confusão e erro que se pensa, erradamente, responder mais eficazmente ao total colapso da cultura Cristã. O jovem pastor que me perguntou a questão sobre a possível natureza apocalíptica do tempo presente na Igreja e no mundo falou de uma experiência de desafios cada vez maiores em ensinar as verdades da fé com integridade, enquanto testemunhava uma aparente falta de clareza e coragem da parte da autoridade eclesial superior.

De facto, a cultura totalmente materialista e relativista, abraçada e fortemente apoiada pelos meios seculares da comunicação e o lobby político dos secularistas ricos, encoraja a confusão e divisão na Igreja. Algum tempo atrás, um Cardeal em Roma comentou sobre o quão bom era que os media seculares já não atacavam a Igreja, como tinham feito ferozmente durante o pontificado do Papa Bento XVI. A minha resposta foi que a aprovação dos media seculares é para mim, pelo contrário, um sinal de que a Igreja está a falhar muito no seu claro e corajoso testemunho para o mundo, para a salvação do mundo.

Juntamente com o interesse dos inimigos da Igreja em louvar e promover a confusão e o erro dentro da Igreja, há também uma leitura política mundana do governo da Igreja. Para os arquitectos de uma Igreja secular e politizada, aqueles que apresentam o que a Igreja sempre ensinou e praticou são agora os inimigos do Papa. Doutrina e disciplina, que juntamente com o Culto Sagrado são os presentes essenciais de Cristo para nós na Igreja, são agora vistas como as ferramentas de supostos fundamentalistas rígidos que estão a tentar dificultar o cuidado pastoral dos fiéis, como é desejado pelo Papa Francisco. Até testemunhamos a triste situação de membros da hierarquia a acusarem-se publicamente uns aos outros de uma agenda política e mundana, tal como os políticos se atacam uns aos outros para promover uma agenda política.

A este respeito, a plenitude do poder (plenitudo potestatis) essencial para o exercício do ofício do Sucessor de São Pedro é falsamente retratada como poder absoluto, traindo assim a primazia do Sucessor de São Pedro, que é o primeiro entre nós em obediência a Cristo vivo para nós na Igreja através da Tradição Apostólica. As vozes seculares promovem a imagem do Papa como um reformador que é um revolucionário, isto é, aquele que empreende a reforma da Igreja rompendo com a Tradição, a regra da fé (regula fidei) e a correspondente regra da lei (regula iuris). Mas o ofício de São Pedro não tem nada que ver com a revolução, que é basicamente um termo político e mundano. Como o Concílio Vaticano II assinalou, o Sucessor de Pedro “é o perpétuo e visível fundamento da unidade, não só dos Bispos mas também da multidão dos fiéis.”4 A plenitude do poder, o exercício desimpedido do ofício do Romano Pontífice, é precisamente para o proteger de todo o tipo de pensamento mundano e relativista que leva à confusão e à divisão. Também permite que ele anuncie e defenda a fé na sua integridade. Descrevendo o que ficou conhecido como “o poder das chaves”, o Catecismo da Igreja Católica recorda-nos que este é fundado na confissão de São Pedro de Nosso Senhor como Deus Filho Incarnado para a nossa salvação eterna5 e declara:

Graças à fé que confessou, Pedro permanecerá o rochedo inabalável da Igreja. Terá a missão de defender esta fé para que nunca desfaleça e de nela confirmar os seus irmãos. 6

Portanto, é absurdo pensar que o Papa Francisco pode ensinar qualquer coisa que não está de acordo com o que os seus predecessores, por exemplo o Papa Bento XVI e o Papa São João Paulo II, solenemente ensinaram.

Quanto às frequentes declarações do Papa Francisco, desenvolveu-se uma compreensão popular de que todas as afirmações do Santo Padre devem ser aceites como ensinamento ou magistério papal. Os mass media certamente quiseram escolher entre as declarações do Papa Francisco, de modo a demonstrar que a Igreja Católica está a passar por uma revolução e está a mudar radicalmente os seus ensinamentos em certas questões chave da fé e, especialmente, da moral. A questão é complicada porque o Papa Francisco regularmente escolhe falar de maneira coloquial, seja durante entrevistas dadas em aviões, ou para meios de comunicação, ou em comentários espontâneos para vários grupos. Sendo assim, quando alguém coloca as suas observações dentro do contexto apropriado do ensinamento e prática da Igreja, pode ser acusado de falar contra o Santo Padre. Lembro-me de um dos eminentes Padres da Sessão Extraordinária do Sínodo dos Bispos, realizada durante Outubro de 2014, se aproximar de mim durante um intervalo para dizer: “O que está a acontecer? Quem de nós está a apoiar o que a Igreja sempre ensinou e praticou é agora chamado de inimigo do Papa?” Como resultado, uma pessoa é tentada a permanecer em silêncio ou a tentar explicar doutrinalmente a linguagem que confunde ou até contradiz a doutrina.

O modo como tenho vindo a perceber o dever de corrigir o entendimento popular sobre o ensinamento da Igreja e as declarações do Papa é distinguir, como a Igreja sempre fez, as palavras do homem que é o Papa e as palavras do Papa como Vigário de Cristo na terra. Na Idade Média, a Igreja falou dos dois corpos do Papa: o corpo do homem e o corpo do Vigário de Cristo. Aliás, a veste Papal tradicional, especialmente a mozzetta encarnada com a estola, representando os Apóstolos São Pedro e Paulo, representa visivelmente o verdadeiro corpo do Papa quando ele está a proclamar o ensinamento da Igreja.

Em tempos recentes, a Igreja não tem sido habituada a um Romano Pontífice que fala publicamente de uma maneira coloquial. Aliás, foi sempre tomado um grande cuidado para que quaisquer palavras do Papa publicadas estejam de acordo com o Magistério. Alguns meses atrás, estava a falar com um Cardeal que, como jovem prelado, tinha trabalhado de perto com o Papa Paulo VI. O Papa Paulo VI foi um pregador talentoso que falou muitas vezes sem ter um texto preparado. Estes sermões foram posteriormente transcritos para publicação, mas o Papa Paulo VI nunca permitia a publicação de nenhum destes sermões sem estudar minuciosamente o texto impresso. Como ele disse ao jovem prelado, eu sou o Vigário de Cristo na terra, e tenho uma responsabilidade muito séria de assegurar que nenhuma palavra minha possa ser interpretada de maneira contrária ao ensinamento da Igreja.

O Papa Francisco escolheu falar frequentemente no seu primeiro corpo, o corpo do homem que é Papa. De facto, mesmo em documentos que, no passado, representavam um ensinamento mais solene, ele afirma claramente que não está a oferecer ensinamentos magisteriais, mas o seu próprio pensamento. Mas aqueles que estão acostumados a uma maneira diferente de discurso Papal querem fazer de cada declaração dele, de algum modo, parte do Magistério. Fazer isto é contrário à razão e ao que a Igreja sempre entendeu. É simplesmente errado e prejudicial para a Igreja receber cada declaração do Santo Padre como uma expressão do ensinamento ou magistério papal.

Fazer a distinção entre os dois tipos de discurso do Romano Pontífice não é, de forma alguma, desrespeitoso para o Ofício Petrino. Muito menos constitui inimizade ao Papa Francisco. Aliás, pelo contrário, mostra um respeito último pelo Ofício Petrino e pelo homem a quem Nosso Senhor o confiou. Sem esta distinção, facilmente perderíamos respeito pelo papado ou seríamos levados a pensar que, se não concordamos com as opiniões pessoais do homem que é o Romano Pontífice, então temos de quebrar a comunhão com a Igreja.

Em qualquer caso, qualquer declaração do Romano Pontífice tem de ser entendida dentro do contexto do constante ensinamento e prática da Igreja, para que a confusão e divisão sobre o ensino e a prática da Igreja não entrem no seu corpo, para grande dano das almas e grande dano da evangelização do mundo. Lembrem-se das palavras de São Paulo no princípio da Carta aos Gálatas, uma comunidade dos primeiros Cristãos onde tinha entrado uma grande confusão e divisão. Como um bom pastor do rebanho, São Paulo escreveu as seguintes palavras para resolver esta preocupante situação:

Estou admirado de que tão depressa vos afasteis daquele que vos chamou pela graça de Cristo, para seguirdes outro Evangelho; que outro não há, o que há é certa gente que vos perturba e quer perverter o Evangelho de Cristo. Mas, até mesmo se nós ou um anjo do céu vos anunciar como Evangelho o contrário daquilo que vos anunciámos, seja anathema! Como anteriormente dissemos, digo agora mais uma vez: se alguém vos anuncia como Evangelho o contrário daquilo que recebestes, seja anathema! Estarei eu agora a tentar persuadir homens ou a Deus? Ou será que estou a procurar agradar aos homens? Se ainda pretendesse agradar aos homens, não seria servo de Cristo. 7

Embora mantendo firmemente a fé Católica no que diz respeito ao Ofício Petrino, não podemos cair numa idolatria do papado, que faria com que cada palavra dita pelo Papa fosse doutrina, mesmo que seja interpretada como contrária à própria palavra de Cristo, por exemplo, em relação à indissolubilidade do matrimónio.8 Em vez disso, com o Sucessor de Pedro, devemos esforçarmo-nos por entender mais e mais plenamente a palavra de Cristo, a fim de a viver mais e mais perfeitamente.

Surpreendentemente, há alguns meses, o Superior Geral dos Jesuítas sugeriu que não podemos saber o que Cristo realmente disse acerca de nenhum assunto, uma vez que não temos gravações dos Seus discursos. Para além do absurdo da sua afirmação, dá a impressão de que já não existe um ensinamento e uma prática constantes da fé como chegou até nós, numa linha interrupta, desde o tempo de Cristo e dos Apóstolos.

Da mesma forma, não é uma questão de um chamado “pluralismo” legítimo na Igreja, isto é, de uma diferença legítima de opinião teológica. Os fiéis não estão livres para seguir as opiniões teológicas que contradizem a doutrina contida nas Sagradas Escrituras e na Sagrada Tradição, e confirmada pelo Magistério ordinário, mesmo que essas opiniões encontrem ampla audiência na Igreja e não sejam corrigidas pelos pastores da Igreja, como os pastores são obrigados a fazer.

Observando o centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima, temos de nos recordar de como a sua Mensagem ou, como por vezes é chamado, o seu Segredo, destina-se principalmente a abordar uma apostasia generalizada na Igreja e o fracasso dos pastores da Igreja em corrigi-la. O triunfo do Coração Imaculado de Maria é, em primeiro lugar, o triunfo da Fé que nos ensina qual é a nossa relação correcta com Deus e com os outros.

Certamente, Cristo o Bom Pastor exige que aqueles ordenados para agir na Sua pessoa em nome de todo o rebanho saiam em busca da ovelha perdida. 9 Mas quando o bom pastor encontra a ovelha perdida, ele não a deixa nessa sua condição, mas leva-a nos seus ombros de volta para o rebanho. O verdadeiro pastor do rebanho, conformado sacramentalmente a Cristo o Bom Pastor e esforçando-se por crescer cada vez mais fielmente na sua identidade sacerdotal, é um bom pai que procura o filho errante ou perdido, a fim de o trazer de volta para o rebanho, para Cristo, Aquele que nos salva do nosso pecado. Referindo-se à alegria do pastor que trouxe de volta a casa a ovelha perdida, Nosso Senhor conclui a parábola da Ovelha Perdida com estas palavras:

Ao encontrá-la, põe-na alegremente aos ombros. E, ao chegar a casa, convoca os amigos e vizinhos e diz-lhes: “Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida.” Digo-vos Eu: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão. 10

Qual deve ser, então, a nossa resposta aos temos extremamente difíceis em que vivemos, tempos que realisticamente parecem ser apocalípticos? Tem de ser a resposta da fé, da fé em Nosso Senhor Jesus Cristo, que está vivo para nós na Igreja e que nunca deixa de ensinar, santificar e guiar-nos na Igreja, mesmo ao professar que iria permanecer sempre connosco até ao Seu regresso no Último Dia para inaugurar “os novos céus e a nova terra” 11, para receber os fiéis no Banquete das Núpcias do Cordeiro.12 Nós sabemos o que Cristo nos ensina na Igreja. Está no Catecismo da Igreja Católica, no ensino oficial da Igreja. O Seu ensinamento não muda. No meio da presente confusão e divisão, temos de estudar mais atentamente os ensinamentos da fé contidos no Catecismo da Igreja Católica e estar preparados para defender esses ensinamentos contra qualquer falsidade que irá deteriorar a fé e, portanto, a unidade da Igreja.

Ao mesmo tempo, na nossa angústia sobre as muitas manifestações perturbadoras de confusão, divisão e erro na Igreja, não devemos deixar de reconhecer também os muito edificantes sinais de fidelidade a Cristo na Igreja. Penso em tantos bons lares católicos em que o conhecimento, amor e serviço a Cristo é o centro da vida. Penso em tantos bons e inabaláveis fiéis, padres e bispos que vivem a fé e prestam contas disso pela sua vida diária. Nos atribulados tempos em que estamos, é importante que bons e fiéis Católicos se unam para aprofundar a sua fé e encorajar-se uns aos outros. Por favor permitam-me observar que o The Church Teaches Forum fornece um serviço muito importante a todos nós na Igreja, especialmente num tempo em que a Igreja está em crise.

Para permanecermos completamente unidos a Cristo, para sermos um só coração com o Sagrado Coração de Jesus, temos de ir à Bem-Aventurada Virgem Maria, Mãe de Cristo e Mãe da Igreja, para imitar a unidade do seu Imaculado Coração com o glorioso Coração perfurado de Jesus e para procurar a sua maternal intercessão. As últimas palavras da Virgem Mãe do Redentor recordadas nos Evangelhos são as palavras que ela disse aos serventes de vinho nas Bodas de Caná, que vieram a ela angustiados com a falta de vinho suficiente para os convidados dos recém-casados. Ela respondeu-lhes, e à sua situação de grande angústia, conduzindo-os para o seu Divino Filho, também um convidado nas Bodas, e instruindo-os: “Fazei tudo o que Ele vos disser.”13 Estas simples palavras expressam o mistério da Divina Maternidade pela qual a Virgem Maria se tornou a Mãe de Deus, trazendo Deus Filho Incarnado ao mundo. Pelo mesmo mistério, ela continua a ser o canal de todas as graças que, incomensurável e incessantemente, fluem do glorioso Coração perfurado do seu Divino Filho para os corações dos Seus irmãos fiéis, na peregrinação terrena para a sua casa eterna com Ele no Céu. Não menos do que ela fez com os serventes de vinho nas Bodas de Caná, a nossa Bem-Aventurada Mãe atrair-nos-á sempre para mais perto de Cristo, o Único que nos traz a paz no meio das nossas tribulações.

Invocando a intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria, devemos também invocar frequentemente ao longo do dia a intercessão de São Miguel Arcanjo. Não há qualquer dúvida de que a Igreja está no meio de um tempo particularmente feroz da batalha contra as forças do mal, contra Satanás e as suas cortes. Há um envolvimento definitivamente diabólico na sempre crescente confusão, divisão e erro dentro da Igreja. Como São Paulo nos lembrou na Carta aos Efésios, “a nossa luta não é contra a carne e o sangue, mas contra os Principados e as Potestades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra os espíritos do mal que estão nos céus.”14 São Miguel é o nosso defensor na batalha, é o nosso “auxílio contra as maldades e as ciladas do demónio”, que não dorme enquanto “vagueia pelo mundo para perder as almas”.15

A nossa Bem-Aventurada Mãe também nos torna conscientes da nossa comunhão com todos os santos e, de um modo particular, com o seu castíssimo esposo e pai-adoptivo do seu Divino Filho, São José. São José é o patrono da Igreja Universal. Devemos rezar-lhe diariamente pela paz da Igreja, pela sua proteção contra todas as formas de confusão e divisão, que são sempre obra de Satanás. Não sem razão, um dos títulos de São José é “Terror dos demónios”. Como um bom pai, ele intercederá pela Igreja, Corpo Místico de Cristo.

A nossa Bem-Aventurada Mãe também nos levará a procurar a intercessão de São Pedro para o seu sucessor, o Papa Francisco, de modo a que ele saiba como melhor abordar a grave situação do mundo e da Igreja, fielmente ensinando a palavra de Cristo e dirigindo-a no amoroso e firme caminho de um verdadeiro pai espiritual para a situação do mundo hoje. Devemos também invocar a intercessão dos grandes santos papas que guiaram a Igreja em tempos difíceis com santidade heróica. Penso no Papa São Leão Magno, Papa São Gregório Magno, Papa São Gregório VII, Papa São Pio V, Papa São Pio X e Papa São João Paulo II.

De um modo particular, devemos rezar pelos cardeais da Igreja, que são os principais conselheiros do Romano Pontífice, para que sejam de verdadeira assistência ao Santo Padre no exercício do seu ofício como “o perpétuo e visível fundamento da unidade, não só dos bispos mas também da multidão dos fiéis.”16 Em tais tempos, o serviço dos cardeais requer deles uma particular clareza e coragem, e a disposição para aceitar qualquer sofrimento necessário de modo a ser fiel a Cristo e à Sua Igreja, “até ao derramamento do seu sangue” (“usque ad effusionem sanguinis”).

Tendo-nos aproximado da Mãe de Deus que infalivelmente nos leva ao seu Divino Filho, temos de permanecer serenos porque a nossa fé em Cristo não permitirá que as “portas do inferno” prevaleçam contra a Sua Igreja. 17 A serenidade não significa que ignoremos ou neguemos a gravidade da situação em que o mundo e a Igreja se encontram. Significa que estamos plenamente conscientes da seriedade da situação, enquanto ao mesmo tempo dirigimos todas as necessidades do mundo e da Igreja a Cristo nosso Salvador, através da intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria, São Miguel Arcanjo, São José e toda a plêiade dos santos.

Serenidade significa que não cedemos a um desespero mundano que se expressa de maneiras agressivas e sem caridade. A nossa confiança está em Cristo. Sim, devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para defender a nossa fé católica em qualquer circunstância em que esteja a ser atacada, mas sabemos que a vitória pertence última e unicamente a Cristo. Assim, quando tivermos feito tudo o que podemos fazer, estamos em paz, mesmo que reconheçamos que continuamos a ser “servos inúteis”. 18

Não pode haver lugar no nosso pensamento ou agir para o cisma, que é sempre e em qualquer lugar errado. Devemos estar prontos para aceitar qualquer sofrimento que possa vir pelo bem de Cristo e do Seu Corpo Místico, a nossa Santa Madre Igreja. Como Santo Atanásio e os outros grandes santos que defenderam a fé em tempos de graves tribulações na Igreja, devemos estar prontos para aceitar o ridículo, a incompreensão, perseguição, exílio e até morte, para permanecermos unidos a Cristo na Igreja, sob a maternal proteção da Bem-Aventurada Virgem Maria. Rezemos para que, no fim da nossa peregrinação na terra, possamos ser capazes de dizer com São Paulo:

Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça está-me guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a Sua vinda. 19

O cisma é fruto de um modo de pensar mundano, de pensar que a Igreja está nas nossas mãos, em vez de nas mãos de Cristo. A Igreja no nosso tempo tem uma grande necessidade de purificação de qualquer tipo de pensamento mundano. Em vez disso, com São Paulo que sofreu tanto pela pregação da fé a todas as nações, devíamos alegrar-nos por completar na nossa carne o que falta à paixão de Cristo pelo bem da Sua Esposa, a Igreja. 20

Dada a particular natureza das provações da Igreja no nosso tempo, temos de salvaguardar especialmente a nossa fé no Ofício Petrino e o nosso amor pelo Sucessor de São Pedro, o Papa Francisco. Nosso Senhor constituiu a Sua Igreja sob o firme fundamento de São Pedro e os seus sucessores. O ministério de São Pedro é essencial para a vida da Igreja. Renovemos diariamente a nossa fé na Igreja e no ofício divino do Romano Pontífice, e rezemos fervorosamente pelo Romano Pontífice, para que ele sirva Cristo com toda a obediência e com toda a generosidade.

Para concluir, na minha resposta ao jovem padre que expressou a preocupação de que podemos estar a viver o fim dos tempos, depois de dizer que pode ser que sim, continuei dizendo que não é para nos preocuparmos se estes tempos são apocalípticos ou não, mas para permanecermos fiéis, generosos e corajosos no servir a Cristo no Seu Corpo Místico, a Igreja. Nós sabemos que o capítulo final da história destes tempos já está escrita. É a história da vitória de Cristo sobre o pecado e o seu fruto mais mortal, a morte eterna. Resta-nos escrever, com Cristo, os capítulos intervenientes pela nossa fidelidade, coragem e generosidade como Seus verdadeiros cooperadores, como verdadeiros soldados de Cristo. Resta-nos sermos servos bons e fiéis, que esperam para abrir a porta para o Mestre na Sua Vinda. 21

É minha esperança que estas reflexões sejam úteis para que vivam a vossa fé Católica o mais plena e perfeitamente possível nestes tempos atribulados. De um modo particular, é minha esperança que vos ajude a viver vidas de paz, seguindo o Imaculado Coração de Maria, sob o qual Deus Filho tomou um coração humano, a fim de ganhar a paz para os nossos corações sempre. Façamos nosso o hino mais antigo preservado para a Virgem Mãe de Deus, descoberto já num papiro egípcio no 3º século:

À vossa proteção nos acolhemos, Santa Mãe de Deus; não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades; mas livrai-nos de todos os perigos, sempre Virgem gloriosa e bendita. 22

Da mesma forma, rezemos nas palavras do antigo hino das Vésperas nas festas da Bem-Aventurada Virgem Maria, Ave Maris Stella:

Mostrai que sois nossa mãe: por Vós ouça as nossas preces Aquele que, para nos salvar, quis ser Vosso Filho. 23

Nunca duvidemos de que a Bem-Aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus e Mãe da Graça, nos guiará para o seu Divino Filho, para que os nossos corações, unidos ao seu Imaculado Coração, possam descansar sempre no Seu Coração, a única fonte da nossa salvação. Então encontraremos paz. Iremos conhecer, amar e servir Cristo no nosso dia-a-dia.

Obrigado pela vossa amável atenção. Por favor rezem por mim. Que Deus vos abençoe, e abençoe os vossos lares e todos os vossos trabalhos.


Cardeal Raymond Leo BURKE



---------------------------------------------------------------
1 Cf. http://www.catholicculture.org/news/headlines/index.cfrm?storyid=32128. “Interview: Kardinal Marx, empfinden Sie die ‘Ehe für alle’,” Augsburger Allgemeine, 14. Juli 2017.
2 Mt 28, 20.
3 “Wir wissen, dass es ihm, dem leidenschaftlichen Hirten und Seelsorger, schwerfiel, sein Amt zu lassen und dies gerade in einer Zeit, in der die Kirche besonders dringend überzeugender Hirten bedarf, die der Diktatur des Zeitgeistes widerstehen und ganz entschieden aus dem Glauben leben und denken. Aber um so mehr hat es mich bewegt, dass er in dieser letzten Periode seines Lebens loszulassen gelernt hat und immer mehr aus der tiefen Gewissheit lebte, dass der Herr sein Kirche nicht verlässt, auch wenn manchmal das Boot schon fast zum Kentern angefültt ist.” newsdesk@erzbistum-koeln.de.
4 Lumen Gentium, n. 23.
5 Cf. Mt 16, 13-20.
6 Catecismo da Igreja Católica, n. 552.
7 Gal 1, 6-10.
8 Cf. Mt 19, 9.
9 Cf. Lc 15, 1-7.
10 Lc 15, 7.
11 2 Pe 3, 13.
12 Ap 19, 9.
13 Jo 2, 5.
14 Ef 6, 12.
15 Oração a São Miguel Arcanjo.
16 Lumen Gentium, n. 23.
17 Mt 16, 18.
18 Lc 17, 10.
19 2 Tim 4, 7-8.
20 Cf. Col 1, 24-29.
21 Cf. Lc 12, 35-38.
22Sub tuum praesidium confugimus, sancta Dei Genetrix; nostras deprecationes ne despicias in necessitatibus nostris, sed a periculis cunctis libera nos semper Virgo gloriosa et benedica.” Enchiridion Indulgentiarum. Normae et concessiones, ed. 4ª (Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 1999), p. 65, n. 17. [EnchInd].
23 “Monstra te esse matrem, sumat per te preces qui pro nobis natus tulit esse tuus.” The Raccolta or A Manual of Indulgences. Prayers and Devotions Enriched with Indulgences, tr. Joseph P. Christopher, Charles E. Spence and John F. Rowan (New York: Benziger Brothers, Inc., 1957), pp. 222-223, no. 321.



blogger

domingo, 23 de setembro de 2018

Imagens raras da vida de Padre Pio

Há 50 anos, no dia 23 de Setembro de 1968, morria São Pio de Pietrelcina, um dos maiores místicos da Igreja.







blogger

A Santa Missa de Padre Pio

Perguntas feitas ao Padre Pio sobre o valor da Santa Missa

Senhor Padre, ama o Sacrifício da Missa?
Sim, porque Ela regenera o mundo.

Que glória dá a Deus a Missa?
Uma glória infinita.

Que devemos fazer durante a Missa?
Compadecer-nos e amar.

Senhor Padre, como devemos assistir à Santa Missa?
Como assistiram a Santíssima Virgem e as piedosas mulheres. Como assistiu S. João Evangelista ao Sacrifício Eucarístico e ao Sacrifício cruento da Cruz.

Senhor Padre, que benefícios recebemos ao assistir à Santa Missa?
Não se podem contar. Vê-los-ás no céu. Quando assistires à Santa Missa, renova a tua fé e medita na Vítima que se imola por ti à Divina Justiça. Não te afastes do altar sem derramar lágrimas de dor e de amor a Jesus, Crucificado por tua salvação. A Virgem Dolorosa acompanhar-te-á e será a tua doce inspiração.

Senhor Padre, o que é a sua Missa?
Uma união sagrada com a Paixão de Jesus. Minha responsabilidade é única no mundo. (Dizia isto a chorar.)

O que é que devo procurar na sua Santa Missa?
Todo o Calvário.

Senhor Padre, diga-me tudo o que sofre durante a Santa Missa.
Sofro tudo o que Jesus sofreu na sua Paixão, embora sem proporção, só o que pode fazê-lo uma criatura humana. E isto apesar de cada uma de minhas faltas e só por Sua bondade.

Senhor Padre, durante o Sacrifício divino o senhor padre carrega os nossos pecados?
Não posso deixar de fazê-lo, já que é uma parte do Santo Sacrifício.

Considera-se a si mesmo um pecador?
Não o sei, mas temo que assim seja.

Eu já o vi a tremer ao subir aos degraus do altar. Porquê? Pelo que tem de sofrer?
Não pelo que tenho de sofrer, mas pelo que tenho de oferecer.


Em que momento da Missa é que sofre mais?
Na Consagração e na Comunhão.

Senhor Padre, esta manhã na Missa, ao ler a história de Esaú, que vendeu os direitos de sua primogenitura, os seus olhos encheram-se de lágrimas.
Parece-te pouco desprezar o dom de Deus!?

Ao ler o Evangelho, porque é que chorou quando leu estas palavras: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue...”
Chora comigo de ternura!

Senhor Padre, porque é que chora quase sempre que lê o Evangelho na Missa?
A nós parece-nos que não tem importância que um Deus fale às suas criaturas e elas O contradigam e O ofendam continuamente com a sua ingratidão e incredulidade.

A Sua Missa, senhor Padre, é um sacrifício cruento?
Herege!

Perdão, senhor Padre, queria dizer que na Missa o Sacrifício de Jesus não é cruento, mas a sua participação em toda a Paixão o é. Engano-me?
Não, nisso não te enganas. Creio que tens toda a razão.

Quem é que lhe limpa o sangue durante a Missa?
Ninguém.

Senhor Padre, porque é que chora no Ofertório?
Queres saber o segredo? Pois bem: porque é o momento em que a alma se separa das coisas profanas.

Durante a sua Missa, senhor Padre, o povo faz um pouco de barulho...
Se estivesses no Calvário, não ouvirias gritos, blasfêmias, ruídos e ameaças? Havia um alvoroço enorme.

Não o distraem os ruídos?
Em nada.

Senhor Padre, porque é que sofre tanto na Consagração?
Não sejas maldoso... (Não quero que me perguntes isso...)

Senhor Padre, diga-me: porque é que sofre tanto na Consagração?
Porque nesse momento se produz realmente uma nova e admirável destruição e criação.

Senhor Padre, porque é que chora no altar e o que é que significam as palavras que pronuncia na Elevação? Pergunto por curiosidade, mas também porque quero repeti-las consigo.
Os segredos do Rei Supremo não se podem revelar nem profanar-se. Perguntas-me porque choro, mas eu não queria derramar essas pobres lagrimazinhas, mas sim torrentes de lágrimas. Não meditas neste grandioso mistério?

Senhor Padre, o senhor sofre, durante a Missa, a amargura do fel?
Sim, muito frequentemente...

Senhor Padre, como é que se pode estar de pé no Altar?
Como estava Jesus na Cruz.

No altar, o senhor Padre está pregado na Cruz, como Jesus no Calvário?
E ainda me perguntas?

Como é que o senhor Padre se acha?
Como Jesus no Calvário.

Senhor Padre, os carrascos deitaram a Cruz no chão para pregar os pregos em Jesus?
Evidentemente.

A si também lhos pregam?
E de que maneira!

Também deitam a Cruz no chão para si?
Sim, mas não devemos ter medo.

Senhor Padre, durante a Missa pronuncia as Sete Palavras que Jesus disse na Cruz?
Sim, indignamente, mas também as pronuncio.

E a quem é que diz: “Mulher, aí tens o teu filho”?
Digo assim para Ela: “Aqui tens os filhos do Teu Filho”.

Sofre a sede e o abandono de Jesus?
Sim.

Em que momento?
Depois da Consagração.

Até que momento?
Costuma ser até a Comunhão.

Diz que tem vergonha de dizer: “Procurei quem me consolasse e não encontrei”. Porquê?
Porque os nossos sofrimentos de verdadeiros culpados não são nada em comparação com os de Jesus.

Diante de quem sente vergonha?
Diante de Deus e da minha consciência.

Os Anjos do Senhor reconfortam-no no Altar em que se imola?
Pois... não o sinto.

Se não lhe vem o consolo até à alma durante o Santo Sacrifício, e o senhor Padre sofre, como Jesus, o abandono total, a nossa presença não serve para nada.
A utilidade é para vós. Por acaso foi inútil a presença da Virgem Dolorosa, de São João e das piedosas mulheres aos pés de Jesus agonizante?

O que é a Sagrada Comunhão?
É toda uma misericórdia interior e exterior, todo um abraço. Pede a Jesus que se deixe sentir sensivelmente.

Quando Jesus vem, visita só a alma?
O ser inteiro.

O que é que Jesus faz na Comunhão?
Deleita-se na sua criatura.

Quando Jesus se une a si na Santa Comunhão, o que é que quer que peçamos a Deus por si?
Que eu seja outro Jesus, todo Jesus e sempre Jesus.

Também sofre na Comunhão?
É o ponto culminante.

Depois da Comunhão, os seus sofrimentos continuam?
Sim, mas são sofrimentos de amor.

A quem se dirigiu o último olhar de Jesus agonizante?
À sua Mãe.

E o senhor Padre para quem olha?
Para os meus irmãos de exílio.

Morre na Santa Missa?
Misticamente, na Sagrada Comunhão.

É por excesso de amor ou de dor?
Por ambas as coisas, porém mais por amor.

Se morre na Comunhão, continua a ficar no Altar? Porquê?
Jesus morto permanecia pendente da Cruz no Calvário.

Senhor Padre, disse que a vítima morre na Comunhão. A colocam-no  nos braços de Nossa Senhora?
Nos de São Francisco.

Senhor Padre, Jesus desprega os braços da Cruz para o descansar?
Sou eu quem descansa n’Ele!

Quanto ama a Jesus?
O meu desejo é infinito, mas a verdade é que, infelizmente, tenho de dizer nada e causa-me pena.

Senhor Padre, porque é que o senhor chora ao pronunciar a última palavra do Evangelho de São João: “E vimos a sua glória como de Filho Unigénito do Pai, cheio de graça e de verdade”?
Parece-te pouco? Se os Apóstolos, com os seus olhos de carne, viram essa glória, como será a que veremos no Filho de Deus, em Jesus, quando se manifestar no céu?

Que união vamos então ter com Jesus?
Eucaristia dá-nos uma ideia.

A Santíssima Virgem assiste à sua Missa?
Julgas que a Mãe não se interessa pelo seu Filho?

E os Anjos?
Em multidões.

Senhor Padre, quem é que está mais perto do Altar?
Todo o Paraíso.

Gostaria de celebrar mais de uma Missa por dia?
Se eu pudesse, não quereria descer do Altar.

Disseram-me que traz consigo o seu próprio Altar...
Sim, porque se realizam estas palavras do Apóstolo: “Eu trago no meu corpo os estigmas de Jesus”. “Estou cravado com Cristo na Cruz.” “Castigo o meu corpo, e o reduzo à escravidão...”

Nesse caso, não me engano quando digo que estou a ver Jesus Crucificado!
(Nenhuma resposta)

Senhor Padre, lembra-se de mim na Santa Missa?
Durante toda a Missa, desde o princípio até o fim, lembro-me de ti.

A Missa do Padre Pio, nos seus primeiros anos, durava mais de duas horas. Foi sempre um êxtase de amor e de dor. O seu rosto estava inteiramente concentrado em Deus e cheio de lágrimas. Um dia, ao confessar-me, perguntei-lhe sobre este grande mistério:

Senhor Padre, quero fazer-lhe uma pergunta.
Diz-me, filho.

Queria perguntar-lhe o que é a Missa?
Por que me perguntas isto?

Para ouvi-la melhor, senhor Padre.
Filho, posso dizer-te o que é a minha Missa.

Pois é isso o que eu quero saber, senhor Padre.
Meu filho, estamos na Cruz, e a Missa é uma contínua agonia.

in Tradition Catolica, nº 141, nov. 98 citando "Assim Falou o Padre Pio" (S. Giovanni Rotondo, Foggia, Itália, 1974) com o Imprimatur de D. Fanton, Bispo Auxiliar de Vicenza.


blogger