quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Padre Duarte Sousa Lara explica os perigos do Halloween



blogger

Primeiro dia da Peregrinação Summorum Pontificum 2018

A peregrinação Summorum Pontificum ad Petri Sedem junta centenas de católicos e acontece todos os anos em Roma, nos dias que antecedem o Domingo de Cristo Rei. No primeiro dia desta peregrinação foi celebrada uma Missa Solene na igreja Trinità dei Pellegrini. Celebrou o Padre Charles Ike, da Fraternidade Sacerdotal de São Pedro na Nigéria.












Fotografias: Don Elvir Tabaković, Can.Reg.


blogger

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Halloween ou Dia de Todos os Santos?




blogger

Yves Congar explica que a Missa Tradicional vem pelo menos desde Gregório Magno

Yves Congar foi um dos teólogos mais influentes do Concílio Vaticano II e um dos responsáveis pela chamada "Nouvelle théologie". Nesta passagem de um dos seus livros, Congar, que foi feito Cardeal em 1994 pelo Papa João Paulo II, explica que a Missa Tradicional Romana, tal como a conhecemos hoje, vem praticamente desde os tempos do Papa Gregório Magno (540-604 d.C.). É uma boa resposta para os que dizem que a "Missa Tridentina" começou no Concílio de Trento:

Basta entrar numa igreja antiga, benzer-se com água benta, como Pascal e Serapione fizeram antes de nós, para acompanhar uma Missa que, desde Gregório Magno, não mudou muito, nem sequer nos seus aspectos exteriores (...). Tudo foi preservado para nós, e nós podemos tomar posse de uma herança que poderemos facilmente transmitir àqueles que virão depois de nós.


O ritual, como meio de comunicação e vitória sobre o tempo devorador, é também um poderoso meio de comunicação da mesma realidade entre os homens separados por séculos de mudanças e sujeitos a influências muito diferentes."

Yves Congar OP in La tradizione e le tradizioni (Edizioni Paoline, Roma 1965)


blogger

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Te Deum do Império Português em 1940



blogger

Queremos saber o que se passa do outro lado do Mundo mas não como está o nosso vizinho

As pessoas rústicas das aldeias falam sempre verdades ou mentiras dos vizinhos, mas a moderna cultura dos bairros abastados acredita em tudo o que vê nos jornais, desde as iniquidades do Papa, até o martírio do rei das ilhas Canibais, e no entanto, perdida na excitação de todos esses tópicos, não chega a saber o que está a acontecer na casa do lado.

G.K. Chesterton in 'O Segredo do Padre Brown'


blogger

domingo, 28 de outubro de 2018

O rapaz que morreu enquanto gritava: "Viva Cristo Rei"

Aos 13 anos, diante da perseguição que sofria a Igreja, José Sanchez del Río, apresentou-se e disse: "Vim aqui para morrer por Cristo Rei." E isso confirmou-se quando, mesmo preso e torturado, continuou a proclamar: “Viva Cristo Rei e a Virgem de Guadalupe!"

Quem foi esse rapaz tão especial?

José Luíz Sanchez Del Río nasceu a 28 de Março de 1913, na cidade Sahuayo, província de Michoacan, México. Vivia uma vida comum, como qualquer outro menino do interior do México, até que esta normalidade foi quebrada pela ascensão de Plutarco Elias Calles à chefia do poder daquela nação.

Este presidente empreendeu em todo o país uma das maiores perseguições que a Igreja Católica sofreu no século XX. Com o pretexto de “livrar a nação do fanatismo religioso", Plutarco Calles iniciou uma investida militar contra sacerdotes, religiosos e fiéis leigos que demonstrassem qualquer sinal da fé católica. Confiscou todas as Igrejas, prendeu e matou padres, bispos, frades e freiras, dentre muitos outros. Após tanta perseguição, um grupo de fiéis católicos viu-se obrigado a pegar em armas para garantir a sua sobrevivência. Este conflito ficou conhecido como Cristiada ou Guerra Cristeira, em homenagem aos soldados cristãos que eram conhecidos como Cristeros.

Um dia, José viu os soldados comunistas entrarem a cavalo na sua igreja e enforcarem o velho sacerdote. Foi então visitar o túmulo do beato mártir Anacleto González Flores, que havia morrido durante a perseguição de maneira brutal e impiedosa. Rezou a Deus, pedindo para que também ele pudesse morrer em defesa da sua Fé. 

Aos 13 anos de idade foi procurar o general Prudencio Mendoza, que tinha a sua base na vila de Cotija, para que pudesse ingressar no exército cristero. Ao chegar, dirigiu-se ao general que o indagou:
- O que viste fazer aqui meu rapaz? Ele respondeu:
- Vim aqui para morrer por Cristo Rei.

A sinceridade daquelas palavras e o vívido olhar destemido daquele nobre rapaz ressoaram profundamente no coração do general cristero, que autorizou a sua entrada na milícia. Ao longo de um ano, José Sanchez del Río combateu em muitos confrontos ferozes contra o exército do governo comunista e maçom.

Por ser o menor, José ia à frente dos revolucionários com um estandarte com a imagem da Virgem de Guadalupe. Muitos cristãos morreram em combate. José escreveu à sua Mãe: “Nunca foi tão fácil ganhar o Céu.”

Numa dessas lutas, o general dos cristeros perdeu o cavalo e ia ser capturado. José disse-lhe: “Meu general, aqui está meu cavalo, salve-se, mesmo que me matem! Eu não faço falta, o senhor sim”. 

Foi dessa forma corajosa que José foi capturado, pelos sádicos soldados do governo de Plutarco. Na intenção de fazer com que o menino renunciasse à Fé, descamaram a planta dos seus pés até aos nervos e amarraram-no a um cavalo, obrigando-o a andar durante cerca de 14 quilómetros a pé e descalço. Não é necessário referir aqui o nível de dor que esta pobre criança sentiu, mas, mesmo assim, nos momentos em que as dores lhes eram insuportáveis, o menino, cheio da Graça Divina, bradava em voz alta e vigorosa “Viva Cristo Rei e a Virgem de Guadalupe!"

Sem sucesso na tentativa de que José abjurasse da Fé por meio da dor mais causticante e alucinante possível, os soldados tentaram intimidá-lo de outra maneira. Ao chegarem à vila em que nascera, para ser executado no dia seguinte, os soldados fizeram com que a Mãe do menino lhe escrevesse uma carta pedindo para que ele abjurasse da Fé católica, para poder ser libertado. José Sanchez del Río respondeu assim ao bilhete da sua mãe:

“Minha querida Mãe: Fui feito prisioneiro em combate neste dia. Creio que daqui a pouco tempo vou morrer, mas não importa, nada importa, Mãe. Resigna-te à vontade de Deus; eu morro muito feliz porque no fim de tudo isto, morro ao lado de Nosso Senhor. Não te aflijas pela minha morte, que é o que me mortifica. Antes, diz aos meus outros irmãos que sigam o exemplo do mais pequeno, e tu faz a vontade do nosso Deus. Tem coragem e manda-me a tua bênção juntamente com a do meu Pai. Saúda a todos pela última vez e recebe, por último, o coração do teu filho que tanto te quer e tanto desejava ver-te antes de morrer."

No dia seguinte, 10 de Fevereiro de 1928, Sexta-Feira, o menino que estava prestes a completar 15 anos ofereceu a sua vida terrena para não perder a vida eterna ao lado de Jesus Cristo, em Quem ele depositou a sua Fé com bravura e fidelidade.

Quando o Papa Pio XI soube de José e o que os cristãos estavam sofrendo no México, escreveu: “Queridos irmãos, entre aqueles adolescentes e jovens existem alguns – e eu não consigo segurar as lágrimas ao recordá-los – que, levando nas mãos o rosário e aclamando Cristo Rei, sofrem espontaneamente a morte.”

José Sanchez del Río foi declarado beato pelo Cardeal Saraiva Martins na cidade de Guadalajara, no dia 20 de Novembro de 2005. Foi canonizado pelo Papa Francisco, na Praça de S. Pedro, no dia 16 de Outubro de 2016.

São José Sanchez del Río, rogai por nós.

in coisasdesantos.blogspot.com


blogger

Um Rei cujo trono é uma cruz – Papa Bento XVI

Ainda hoje, como há 2000 anos, habituados a ver os sinais da realeza no sucesso, na força, no dinheiro ou no poder, temos dificuldade em aceitar um tal rei, um rei que Se faz servo dos mais pequeninos, dos mais humildes; um rei cujo trono é uma cruz. 

E todavia – como ensinam as Escrituras – é assim que se manifesta a glória de Cristo; é na humildade da sua vida terrena que Ele encontra o poder de julgar o mundo. Para Ele, reinar é servir! E aquilo que nos pede é segui-Lo por este caminho: servir, estar atento ao clamor do pobre, do fraco, do marginalizado.

A pessoa baptizada sabe que a sua decisão de seguir Cristo pode acarretar-lhe grandes sacrifícios, às vezes até mesmo o da própria vida. Mas, como nos recordou São Paulo, Cristo venceu a morte e arrasta-nos atrás de Si na sua ressurreição; introduz-nos num mundo novo, um mundo de liberdade e felicidade. 

Ainda hoje temos muitos vínculos com o mundo velho, muitos medos que nos mantêm prisioneiros, impedindo-nos de viver livres e felizes. Deixemos que Cristo nos liberte deste mundo velho. A nossa fé n’Ele, vencedor de todos os nossos medos e misérias, faz-nos entrar num mundo novo: um mundo onde a justiça e a verdade não são objecto de burla, um mundo de liberdade interior e de paz connosco, com os outros e com Deus. Tal é o dom que Deus nos fez no nosso Baptismo. 

in Homilia de Cristo-Rei - Viagem Apostólica ao Benim (20/XI/2011)


blogger

sábado, 27 de outubro de 2018

Boss




blogger

Oração a Nossa Senhora do Rosário

Nossa Senhora do Rosário,
dai a todos os cristãos a graça
de compreender a grandiosidade
da devoção do santo rosário,
na qual, à recitação da Ave Maria
se junta a profunda meditação
dos santos mistérios da vida,
morte e ressurreição de Jesus,
vosso Filho e nosso Redentor.

São Domingos, apóstolo do rosário,
acompanhai-nos com a vossa bênção,
na recitação do terço, para que,
por meio desta devoção a Maria,
cheguemos mais depressa a Jesus,
e como na batalha de Lepanto,
Nossa Senhora do Rosário nos leve a vitória
em todas as lutas da vida;
por seu Filho, Jesus Cristo,
na unidade do Pai e do Espírito Santo.
Amen.


blogger

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

A quem recorrer nestes tempos de confusão doutrinal? D. Athanasius Schneider responde



blogger

Papa Pio XI contra a educação sexual nas escolas

Mormente perigoso é portanto aquele naturalismo que, em nossos tempos, invade o campo da educação em matéria delicadíssima como é a honestidade dos costumes. Assaz difuso é o erro dos que, com pretensões perigosas e más palavras, promovem a pretendida educação sexual, julgando erradamente poderem precaver os jovens contra os perigos da sensualidade, com meios puramente naturais, tais como uma temerária iniciação e instrução preventiva, indistintamente para todos, e até publicamente, e pior ainda, expondo-os por algum tempo às ocasiões para os acostumar, como dizem, e quase fortalecer-lhes o espírito contra aqueles perigos.

Estes erram gravemente, não querendo reconhecer a natural fragilidade humana e a lei de que fala o Apóstolo: contrária à lei do espírito, e desprezando até a própria experiência dos factos, da qual consta que, nomeadamente nos jovens, as culpas contra os bons costumes são efeito, não tanto da ignorância intelectual, quanto e principalmente da fraqueza da vontade, exposta às ocasiões e não sustentada pelos meios da Graça.

Se consideradas todas as circunstâncias se torna necessária, em tempo oportuno, alguma instrução individual, acerca deste delicadíssimo assunto, deve, quem recebeu de Deus a missão educadora e a graça própria desse estado, tomar todas as precauções, conhecidíssimas da educação cristã tradicional, e suficientemente descritas pelo já citado Antoniano, quando diz: 

«Tal e tão grande é a nossa miséria e a inclinação para o mal, que muitas vezes até as coisas que se dizem para remédio dos pecados são ocasião e incitamento para o mesmo pecado. Por isso importa sumamente que um bom pai quando discorre com o filho em matéria tão lúbrica, esteja bem atento, e não desça a particularidades e aos vários modos pelos quais esta hidra infernal envenena uma tão grande parte do mundo; não seja o caso que, em vez de extinguir este fogo, o sopre ou acenda imprudentemente no coração simples e tenro da criança. Geralmente falando, enquanto perdura a infância, bastará usar daqueles remédios que juntamente com o próprio efeito, inoculam a virtude da castidade e fecham a entrada ao vício.» (Dell'educazione cristiana dei figliuoli, lib. II, c. 88).

Papa Pio XI in Carta Encíclica 'Divini Illius Magistri' - Sobre a educação cristã da juventude - 31 de Dezembro de 1929


blogger

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

A jóia de Fátima que Portugal não usa e a dívida pública a Santa Maria

Fátima, tal como o Evangelho e fazendo eco dele, é uma mensagem muito simples, muito clara, não dá margens a dúvidas e é acessível a todos. Foi entregue a 3 crianças, não letradas, mas de coração puro e atento, que foram coerentes e viveram admiravelmente tudo quanto lhes foi confiado por Aquela Senhora mais brilhante do que o Sol.

Muitos quiseram dizer que eram histórias que não passavam de uma invenção e a própria Igreja demorou 13 anos a reconhecer oficialmente as Aparições como verdadeiras. Mas Nossa Senhora tinha já prometido em 13 de Julho de 1917, com 3 meses de antecedência, um milagre, a realizar em dia e hora marcados (a 13 de Outubro desse mesmo ano, durante a aparição ao meio-dia solar), para que todos acreditassem.

Dos muitíssimos testemunhos desse milagre, entre os quais se encontram os do Dr. Almeida Garrett e do poeta Afonso Lopes Vieira, nomeio um parágrafo relatado no jornal o «Século» de então, dada a sua total independência: «Aos olhos deslumbrados daquele povo, cuja atitude nos transporta aos tempos bíblicos e que, pálido de assombro, com a cabeça descoberta, encara o azul, o sol tremeu, o sol teve nunca vistos movimentos bruscos, fora de todas as leis cósmicas, - o sol bailou, segundo a típica expressão dos camponeses.»

Em Fátima, a Virgem Maria falou de muitas coisas, todas elas relacionadas com os maiores anseios do coração humano, como Deus, a Eternidade e a Paz.

Interessante que, no meio de uma Mensagem que se apresenta riquíssima para quem a quiser conhecer (não cabendo aqui esse estudo), há uma oração que se vem a apresentar como uma jóia, quer pela insistência com que é pedida, quer pela universalidade de problemas que Deus diz, pelos lábios de Maria, que ela está escolhida para resolver: o Terço do Rosário!

Passo a palavra a Nossa Senhora (e também à Lúcia). Em 13 de Maio de 1917:

- E o Francisco (também vai para o Céu)? – perguntou Lúcia.
- Também, mas tem que rezar muitos terços. – respondeu Nossa Senhora.
- Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra. – disse Maria no final desta aparição.

Em 13 de Junho:

- Quero […] que rezeis o terço todos os dias. – insistiu Nossa Senhora.

Em 13 de julho:

- Quero que venham aqui no dia 13 do mês que vem, que continuem a rezar o terço todos os dias, em honra de Nossa Senhora do Rosário, para obter a paz do mundo e o fim da guerra, porque só Ela lhe pode valer. – disse a Virgem Maria.
- Tenho aqui por pedido se Vossemecê melhora um aleijadinho da Moita (João Carreira). – disse Lúcia.
- Sim, melhorá-lo-ei, ou dar-lhe-ei meios de se governar. Que reze, sempre, o terço com a família. – respondeu a Aparição.
- Tenho aqui por pedido se Vossemecê melhora uma mulher do Pedrogão. – continuou a Lúcia.
- Que reze o terço. Dentro de um ano, curar-se-á. – respondeu Nossa Senhora.

E assim por diante, em Agosto, Setembro e Outubro, a Senhora da Aparição insiste na oração diária do Terço… Nos Seus lábios, ele é solução para tudo: para a paz do mundo, para a salvação eterna de cada alma, para a cura ou melhoria de doentes…

Poderiam ser dadas muitas explicações de Fé, teológicas e históricas para que Deus tenha escolhido o Terço para ser revelado em Fátima com tanto poder para resolver os problemas do nosso tempo, como uma verdadeira jóia espiritual. Não cabem aqui! Mas há uma razão que Portugal não deve esquecer…

Dom Afonso Henriques, fundador deste país, fez para com Santa Maria o seguinte compromisso: «Desejando agora ter também por advogada diante de Deus a Bem-aventurada Virgem, coloco-me a mim, ao meu reino, ao meu povo e aos meus sucessores debaixo do amparo e protecção de Santa Maria» (…) «pagando-Lhe todos os anos, como feudo e vassalagem, 50 maravedis de ouro… e o Abade Dom Bernardo e os seus sucessores para sempre receberão cada ano este feudo no dia da Anunciação de Santa Maria».

Séculos mais tarde, na Restauração, D. João IV vem renovar este compromisso. Por decreto real de 25 de Março de 1646, D. João IV declarou: «… e uma vez mais eu ofereço-Lhe» (à Virgem da Imaculada Conceição) «em meu nome e em nome dos meus descendentes, sucessores, reinos, senhores e vassalos, entregando à Sua Santa Casa da Imaculada Conceição 50 cruzados de ouro todos os anos, como um sinal de tributo e vassalagem. Eu escolho esta Igreja, situada em Vila Viçosa, porque ela é a primeira na Península Ibérica chamada com o título de Imaculada Conceição.»

Onde estão os sucessores destes Reis a cumprir a promessa feita por eles de se colocarem debaixo do amparo e protecção de Santa Maria, atitude simbolizada na entrega anual dos 50 maravedis ou cruzados de ouro?! Há muito que esta promessa foi esquecida…

Por isso, Maria, que não quer que nos esqueçamos de Lhe confiar as nossas vidas, como boa e cuidadosa Mãe que é, veio lembrar-nos este compromisso de Portugal, pedindo-nos em Fátima 50 Ave-Marias diárias, com as quais Lhe entregamos o coração e Ela derrama sobre nós todo o tipo de bênçãos…

Quereremos nós, portugueses, pagar esta dívida pública a Santa Maria, contribuindo assim eficazmente para resolver pelos meios espirituais trazidos do Céu tantas ‘crises’ que se vivem em Portugal e que os meios somente humanos não conseguem, ou às vezes não querem, resolver?

Que nos tornemos a geração da confiança, com o Terço nos lábios e no coração, diariamente, para que se realize entre nós a promessa de Nossa Senhora de Fátima: «Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará»… sobre todas as injustiças e males.

REZEMOS TODOS OS DIAS O TERÇO EM REPARAÇÃO AO CORAÇÃO IMACULADO DE MARIA POR PORTUGAL

Fernanda Mendes


blogger

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Graças à biologia mágica um aborto até às 10 semanas não mata um ser humano, mas no dia seguinte sim!




blogger

Quem é o Arcanjo São Rafael?

São Rafael é um dos sete espíritos que estão sempre de pé na presença de Deus e que oferecem o incenso da adoração deles e a dos homens. Conhecemo-lo pelo livro de Tobias:

"Quando oravas com lágrimas e sepultava os mortos eu apresentava ao Senhor as tuas orações." 

Como o anjo que vinha agitar as águas da piscina Probática, veio Rafael curar a cegueira de Tobias. O seu título de médico admirável e de companheiro de viagem do jovem Tobias deu-lhes jus a ser invocado pelos viajantes e nos perigos mais difíceis da vida. 

Louvamos, com sentimentos de veneração, todos os Príncipes da Corte Celeste, mas particularmente São Rafael, médico e companheiro fiel, que sujeitou o demónio ao seu império. 

Ó Cristo, rei de bondade, Vós que nos concedestes tão grande protector, não deixeis que o inimigo nos faça mal. (Hino de Vésperas)

Bento XV estendeu a festa de São Rafael a toda a Igreja.

Dom Gaspar Lefebvre in 'Missal Quotidiano e Vesperal'. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.


blogger

terça-feira, 23 de outubro de 2018

9 pecados veniais que convém especialmente evitar

A alma deve evitar todos os pecados veniais, especialmente os que abrem caminho ao pecado grave. Ó minha alma, não chega desejar firmemente antes sofrer a morte do que cometer um pecado grave. É necessário ter uma resolução semelhante em relação ao pecado venial. Quem não encontrar em si esta vontade, não pode sentir-se seguro. 

Não há nada que nos possa dar uma tal certeza de salvação eterna do que uma preocupação constante em evitar o pecado venial, por insignificante que seja, e um zelo definido e geral, que alcance todas as práticas da vida espiritual — zelo na oração e nas relações com Deus; zelo na mortificação e na negação dos apetites; zelo em obedecer e em renunciar à vontade própria; zelo no amor de Deus e do próximo. Para alcançar este zelo e conservá-lo, devemos querer firmemente evitar sempre os pecados veniais, especialmente os seguintes:


1. O pecado de dar entrada no coração de qualquer suspeita não razoável ou de opinião injusta a respeito do próximo. 
2. O pecado de iniciar uma conversa sobre os defeitos de outrem, ou de faltar à caridade de qualquer outra maneira, mesmo levemente. 

3. O pecado de omitir, por preguiça, as nossas práticas espirituais, ou de as cumprir com negligência voluntária. 

4. O pecado de manter um afecto desregrado por alguém. 

5. O pecado de ter demasiada estima por si próprio, ou de mostrar satisfação vã por coisas que nos dizem respeito. 

6. O pecado de receber os Santos Sacramentos de forma descuidada, com distracções e outras irreverências, e sem preparação séria. 

7. Impaciência, ressentimento, recusa em aceitar desapontamentos como vindo da Mão de Deus; porque isto coloca obstáculos no caminho dos decretos e disposições da Divina Providência quanto a nós. 

8. O pecado de nos proporcionarmos uma ocasião que possa, mesmo remotamente, manchar uma situação imaculada de santa pureza. 

9. O pecado de esconder propositadamente as nossas más inclinações, fraquezas e mortificações de quem devia saber delas, querendo seguir o caminho da virtude de acordo com os caprichos individuais e não segundo a direcção da obediência.

Santo António Maria Claret


blogger

Seminarista português da Fraternidade de São Pedro recebeu a batina e tonsura

Decorreu - na Catedral de Notre-Dame em Lindau - a cerimónia de tomada de batina e tonsura de 11 seminaristas do seminário da Fraternidade de São Pedro, que se encontra em Wigraztbad (Baviera). A Santa Missa foi celebrada pelo Mons. Wolfgang Haas, Arcebispo de Vaduz (Lichtenstein).

Rezemos por estes seminaristas, especialmente pelo Manuel. 















blogger

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Ladainha a São Miguel Arcanjo

Senhor, tende piedade de nós 
Jesus Cristo, tende piedade de nós 
Senhor, tende piedade de nós 

Jesus Cristo, ouvi-nos 
Jesus Cristo, atendei-nos 

Pai do Céu, que sois Deus, tende piedade de nós. 
Filho Redentor do mundo, que sois Deus, tende piedade de nós. 
Espírito Santo que sois Deus, tende piedade de nós. 
Santíssima Trindade que sois um só Deus, tende piedade de nós.  

Santa Maria, Rainha dos Anjos, rogai por nós, 
São Miguel rogai por nós, rogai por nós
São Miguel, cheio de graça de Deus, rogai por nós
São Miguel, perfeito adorador do Verbo Divino rogai por nós
São Miguel, coroado de honra e de glória, rogai por nós
São Miguel, poderosíssimo Príncipe dos exércitos do SENHOR, rogai por nós
São Miguel, porta e estandarte da Santíssima Trindade, rogai por nós

São Miguel, guardião do Paraíso rogai por nós,
São Miguel, guia e consolador do povo Israelita, rogai por nós
São Miguel, esplendor e fortaleza da Igreja militante, rogai por nós
São Miguel, honra e alegria da Igreja triunfante, rogai por nós
São Miguel, luz dos Anjos, rogai por nós
São Miguel, baluarte da verdadeira fé, rogai por nós
São Miguel, força daqueles que combatem pelo estandarte da Cruz, rogai por nós

São Miguel, baluarte da verdadeira fé rogai por nós
São Miguel, força daqueles que combatem pelo estandarte da Cruz, rogai por nós
São Miguel, luz e confiança das almas no último momento da vida, rogai por nós
São Miguel, socorro muito certo, rogai por nós
São Miguel, nosso auxílio em todas as adversidades, rogai por nós
São Miguel, mensageiro da sentença eterna, rogai por nós

São Miguel, consolador das almas do Purgatório, Vós a quem o SENHOR incumbiu de receber as almas depois da morte, rogai por nós
São Miguel, nosso Príncipe, rogai por nós
São Miguel, nosso Advogado, rogai por nós.

Cordeiro de DEUS que tirais o pecado do Mundo, perdoai-nos Senhor 
Cordeiro de DEUS que tirais o pecado do Mundo, ouvi-nos Senhor 
Cordeiro de DEUS que tirais o pecado do Mundo, tende piedade de nós, Senhor 

Jesus Cristo ouvi-nos. 
Jesus Cristo atendei-nos. 

Rogai por nós glorioso São Miguel, Príncipe da Igreja de Jesus Cristo. 
Para que sejamos dignos das Suas promessas. Ámen

Oremos:

Senhor Jesus Cristo, santificai-nos por uma bênção sempre nova e concedei-nos, por intercessão de São Miguel, a sabedoria que nos ensina a ajuntar riquezas no Céu e a trocar os bens do tempo presente pelos bens eternos. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos. Ámen.


blogger

Rezar o Terço em Família

Análoga urgência de empenho e de oração surge de outra realidade crítica da nossa época, a da família, célula da sociedade, cada vez mais ameaçada por forças desagregadoras a nível ideológico e prático, que fazem temer pelo futuro desta instituição fundamental e imprescindível e, consequentemente, pela sorte da sociedade inteira. 

O relançamento do Rosário nas famílias cristãs, no âmbito de uma pastoral mais ampla da família, propõe-se como ajuda eficaz para conter os efeitos devastantes desta crise da nossa época.

Papa João Paulo II in Rosarium Virginis Mariae, 6


blogger

domingo, 21 de outubro de 2018

Oferecer a Santa Missa durante a vida

"A Santa Missa serviria mais às pessoas se a oferecessem durante a sua vida do que as Missas que são oferecidas depois da sua morte."

Papa Bento XV


blogger

Papa Bento XVI sobre a necessidade de ter um director espiritual

Reflectindo sobre esta figura de Simeão, o Novo Teólogo, podemos detectar mais um elemento da sua espiritualidade. No caminho da vida ascética que ele propôs e percorreu, a forte atenção do monge na sua própria experiência interior conferiu ao Pai espiritual do mosteiro uma importância fundamental.

Já quando era rapaz, o jovem Simeão tinha encontrado um director espiritual, que o ajudou muito e por quem conservou uma enorme estima, ao ponto de lhe dedicar, após a morte, uma veneração pública.

E eu diria que continua a ser válido para todos - sacerdotes, pessoas consagradas e leigos, e especialmente para os jovens - o convite a recorrer ao conselho de um bom pai espiritual, capaz de acompanhar cada um no conhecimento profundo de si mesmo, e de o conduzir à união com o Senhor, de modo que a sua existência cada vez mais se conforme com o Evangelho.

Para ir para o Senhor, precisamos sempre de um guia, de um diálogo. Não podemos fazer isso apenas com os nossos pensamentos. E este é também o sentido da ecclesialidade da nossa fé: o de encontrar este guia.

Papa Bento XVI in Audiência Geral (16.IX.2009)


blogger

sábado, 20 de outubro de 2018

É possível a Castidade no namoro?



blogger

Muitos dos que perseguiam o Padre Américo se converteram

Passava eu por ali, naquele mês e ano, quando um garoto da rua embarga o meu caminho num angustioso e imperativo «venha ver o meu pai que está na cama e a gente passamos fome».

O casebre era ali mesmo. Subi a escada apoiado ao corrimão e aos ombros do rapaz, sempre a dizer-me baixinho: «Não caia, meu senhor»; que se os perigos dos Alpes são grandes pela altura, aqui não são menores pela escuridão. Entrei no cubículo. Coisas e formas emergiam da sombra, lentamente. Reconheci o homem com quem falava. Tratava-se de um tipógrafo da Imprensa da Universidade de Coimbra, mandada fechar, ao tempo, por ordem superior e hoje abrigo de pombas nos buracos das paredes.

Quantas vezes não fui eu assobiado às portas daquela casa, só porque uso batina e digo Missa no altar – quantas! Nós éramos conhecidos.

O padre é o grande mal do mundo, assim diziam os companheiros mai-los livros que ele compunha; corrê-lo da sociedade é um grande benefício. «Muitos, hão-de julgar fazer bem ao mundo perseguindo-vos, por causa do Meu Nome, até à morte», ensina Aquele que tudo vê no presente. Tinha chegado a este homem o feliz momento de ouvir estas verdades e a mim o de me vingar dele à maneira do Evangelho!

Este foi o terceiro tipógrafo encontrado no meu giro que teve a sorte de compreender antes de morrer. Antes dele, um seu colega recebera-me na trapeira com uma pedra na mão: «Enganou-se, padre; aqui não há dinheiro». Morava na numa rua antiga da Alta, casa de degraus até ao céu, íngremes, carunchosos, sem luz. O homem era de idade em flor e tinha saído das oficinas para a casa onde morreu, com sangue pela boca. Os colegas visitaram-no, fizeram uma subscrição e, por fim, esqueceram-no. O tempo tudo gasta, até as maiores simpatias. Começa ele agora a viver do que é seu. Primeiramente o relógio, a seguir os trastes, depois as roupas – tudo. Só tinha os olhos da cara quando na mansarda entrei.

O padre, corrido ontem, volta no dia seguinte com mimos e tabaco; arrisca duas palavras e some-se nos degraus – para vencer. Muitas vezes convém recuar para atacar com mais força. Com estas armas na mão, nestes campos de batalha, contra inimigos assim, nunca ninguém naufragou. Este caiu varado, dentro de pouco tempo; e sobre o leito da morte, na maré dos sacramentos, fez o seu testamento deixando-me herdeiro universal de tudo quanto possuía: uma filho mai-la viúva.

Ainda um outro tipógrafo deu-me uma tremenda lição sobre a vilania da esmola e mandou-me pentear macacos diante de toda a gente, numa enfermaria dos Lázaros. Não fui. Voltei à enfermaria. Os mais doentes não querem que eu vá à beira do celerado, tais coisas ele dizia: «Não lhe dê mais nada que o homem é mau e diz mal dos padres».

Os tempos rodaram. O homem escapou. Pregava eu uma missão em certa vila. Há tropel na igreja; é gente que acaba de chegar. O tipógrafo arrastava o povo à Missão e não faltou um dia, enquanto ela durou. Já não diz mal de ninguém!

in 'Obra da Rua' - Padre Américo - 5ª edição, Editorial da Casa do Gaiato, Paço de Sousa, 2012


blogger

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

São Pedro de Alcântara, Padroeiro do Brasil

São Pedro de Alcântara, de nome de baptismo Juan de Garabito y Vilela de Sanabria (Alcântara, 1499 — Arenas de San Pedro, 18 de Outubro de 1562), foi um frade franciscano espanhol que fez grandes reformas na sua ordem religiosa, a Ordem dos Capuchinhos, no Reino de Portugal. 

Nasceu em 1499, em Alcântara, Estremadura, Espanha. Filho de Pedro Garavita, governador, e a sua era mãe membro de uma família nobre de Sanabia. Estudou gramática e filosofia em Alcântara, e leis canónicas e civis na Universidade de Salamanca. Franciscano com 16 anos em Manjarez, fundou o convento em Babajoz com 20 anos e serviu como seu superior. Ordenado em 1524, com 25 anos, ele era notável pregador. Um recluso por natureza, vivia no convento de Santo Onóphrius, um local remoto onde ele poderia estudar e rezar entre as missões. 

Não obstante essa reclusão, foi indicado Provincial Franciscano para o Mosteiro de São Gabriel na Estremadura, em 1538. Trabalhou em Lisboa, em 1541, ajudando à reforma da Ordem. Em 1555, iniciou as reformas "Alcântarinas", hoje conhecidas como a "Estrita Observância". Amigo e confessor de Santa Teresa d'Ávila, ajudou-a em 1559 durante o trabalho de reforma da sua Ordem. Místico e escritor, os seus trabalhos foram usados por São Francisco de Sales.  

Morreu a 18 de Outubro de 1562 na Estremadura de causas naturais. Foi canonizado em 1669 pelo Papa Clemente IX. Indicado pelo Papa Pio IX em 1862, como Padroeiro do Brasil. É também padroeiro de Estremadura, Espanha (indicado em 1962) e dos vigias, também em 1962.  

«Com a proclamação da República no Brasil, São Pedro de Alcântara foi discretamente esquecido, provavelmente porque seu nome lembrava o dos imperadores e, além disso, mostrava o quanto havia de positiva ligação entre o Império e a Religião. Porém, seu nome ainda continua a ser lembrado nos missais da Igreja Católica. E foi num destes missais que se encontra a oração transcrita a seguir, a São Pedro de Alcântara, Padroeiro do Brasil, conforme consta no índice do missal. 

Oração a São Pedro de Alcântara, Padroeiro do Brasil

Ó grande amante da Cruz e servo fiel do divino Crucificado, São Pedro de Alcântara; à vossa poderosa protecção foi confiada a nossa querida Pátria brasileira com todos os seus habitantes. Como Varão de admirável penitência e altíssima contemplação, alcançai aos vossos devotos estes dons tão necessários à salvação. Livrai o Brasil dos flagelos da peste, fome e guerra e de todo mal. Restituí à Terra de Santa Cruz a união da fé e o verdadeiro fervor nas práticas da religião.  

De modo particular, vos recomendamos, excelso Padroeiro do Brasil, aqueles que nos foram dados por guias e mestres: os padres e religiosos. Implorai numerosas e boas vocações para o nosso país. Inspirai aos pais de família uma santa reverência a fim de educarem os filhos no temor de Deus não se negando a dar ao altar o filho que Nosso Senhor escolher para seu sagrado ministério.

Assisti, ó grande reformador da vida religiosa, aos sacerdotes e missionários nos múltiplos perigos de que esta vida está repleta. Conseguí-lhes a graça da perseverança na sublime vocação e na árdua tarefa que por vontade divina assumiram.

Lá dos Céus onde triunfais, abençoai aos milhares de vossos protegidos e fazei-nos um dia cantar convosco a glória de Deus na bem-aventurança eterna. Assim seja!»

(“Adoremus – Manual de Orações e Exercícios Piedosos” – Por Dom Frei Eduardo, O.F.M. – XX Edição Bahia – Tipografia de São Francisco – 1942, p. 284)


blogger

Vocações jovens




blogger

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Tradição em França: história e situação em 2018

Desde a publicação do motu proprio Summorum Pontificum em 2007, a “Paix Liturgique” tem-se esforçado por ilustrar a universalidade do interesse pela liturgia tradicional publicando reportagens, testemunhos e inquéritos recolhidos todos os continentes, e todos demonstram que o apego à liturgia e à Fé tradicional não é e jamais foi, como se ouve dizer vezes sem conta, “affaire franco-français” (ou seja, “coisa dos franceses e dos que falam francês”). Ainda assim, nas nossas viagens, acontece frequentemente perguntarem-nos sobre o catolicismo tradicional em França e sobre o que ele representa. Esta carta pretende, por isso, apresentar um balanço sucinto da Tradição em França neste ano de 2018, isto é, da sua actual situação, mas também da sua história.

13.000 foi o número dos peregrinos que, em 2018, acorreu à peregrinação de "Notre-Dame de Chrétienté" entre Paris e Chartres (peregrinação animada pelas comunidades “Ecclesia Dei”). A esta cifra deve ainda juntar-se os 6.000 peregrinos próximos da Fraternidade São Pio X que rumaram de Chartres em direcção a Paris nesse mesmo fim de semana de Pentecostes. Juntando ambos os grupos obtém-se, de facto, um número muito importante, que aliás está em constante aumento e que atesta a vitalidade extraordinária do catolicismo tradicional francês. O Cardeal Sarah que, no domingo à tarde se encontrou com os peregrinos antes de os acolher na catedral de Chartres na segunda seguinte, declarou ter ficado impressionado pelos muitos jovens e pelas tantas famílias aí presentes, a provarem que as raízes cristãs da França ainda dão fruto.


I – Raízes fundas

É frequente que, tanto em França como no estrangeiro, se tenda a limitar a reacção dos católicos franceses às conturbações conciliares e pós-conciliares à figura de Mons. Marcel Lefebvre, primeiro arcebispo de Dakar e superior geral dos Espiritannos por ocasião do Concílio. Porém, bem antes que Mons. Lefebvre se decidisse a fundar a Fraternidade Sacerdotal São Pio X em 1970, para a preservação e restauração do sacerdócio católico, numerosos franceses, clérigos e leigos, haviam já manifestado os seus receios e a sua recusa em face das reformas modernistas.

A reacção sacerdotal revestiu diferentes facetas. Uma faceta intelectual, em primeiro lugar, com a publicação de numerosos textos que criticaram os erros neomodernistas – pense-se, por exemplo, nos trabalhos do P. Calmel, OP, teólogo dominicano, ou nos do Abbé de Nantes, fundador da "Contra-Reforma Católica", de quem se pode dizer ter sido o primeiro “resistente” tradicionalista francês (1). Depois, uma faceta militante, com sacerdotes como o P. Coache ou o P. Barbara (2), que conduzirão centenas de peregrinos a Roma no início dos anos 70, para aí manifestarem a sua ligação à missa de São Pio V. Por fim, uma faceta local, com numerosos párocos que, em cada diocese, se foram esforçando por conservar ou restaurar nas próprias paróquias tudo aquilo que os ventos conciliares iam fazendo desaparecer. 

Infelizmente, a maior parte deles foi perseguida – e por vezes, foram perseguidos de modo muito cruel – pela própria hierarquia e por outros sacerdotes, com a intenção de que deixassem de viver a sua vida católica como a tinham recebido e tal como ela fora antes, desde tempos imemoriais. Somente alguns “párocos-testemunhas”, as mais das vezes de zonas rurais, conseguiram atravessar os anos de chumbo, mas assim que tiveram de abandonar os próprios encargos por motivos de idade ou por terem sido chamados pelo Senhor, a sua obra logo desapareceu a grande velocidade, deixando num isolamento quase completo os fiéis ligados ao que eles tinham preservado...

Também entre as comunidades religiosas aconteceram reacções que precederam a de Mons. Lefebvre. Naturalmente, cumpre mencionar desde logo o papel desempenhado pela abadia beneditina de Fontgombault e pela sua primeira “filha”, Notre-Dame de Randol, que conservaram a missa tradicional até 1974 (3), e por Dom Gérard Calvet, fundador dum priorado beneditino em Bédoin, na região de Vaucluse (e que, mais tarde, viria a fundar a abadia de Sainte-Madeleine du Barroux), sem omitir alguns sacerdotes da congregação de São Vicente de Paulo, e sem esquecer ainda, do lado feminino, as dominicanas do Espírito Santo (Pontcalec) ou os dois ramos de dominicanas dedicadas ao ensino que acompanharam a obra de Mons. Lefebvre (Fanjeaux e Brignoles) e que contribuíram para preservar, através da educação católica de jovens moças, a própria essência da família católica.

Ao lado dos clérigos, a mobilização dos fiéis teve também uma importância imensa, pois os leigos dispunham de maior liberdade para agir e reagir, ainda que, em certas ocasiões, acreditando estar ainda nos felizes tempos da Igreja de antes do concílio, as autoridades eclesiásticas francesas tenham tentado usar de força ou dum direito tornado entretanto completamente anacrónico por causa do próprio concílio, a fim de fazer calar esses espíritos livres e independentes, recorrendo para tanto a ameaças de sanções canónicas...

Volvido mais de meio século desde esse período sombrio, cumpre prestar especial homenagem a Jean Madiran, que, à frente da revista Itinéraires, desempenhou, com coragem, inteligência e obstinação, um papel decisivo na “grande recusa” oposta ao novo Ordo da missa, ao abandono do catecismo e à falsificação das Escrituras. Houve ainda outras personalidades que também tiveram um papel eminente, como foi o caso, entre outros, de Michel de Saint-Pierre, Louis Salleron, Jacques Perret, e personalidades inspiradas e inspiradoras como Henri e André Charlier e Jean Ousset, o qual, conquanto não se implicando directamente nas questões religiosas e litúrgicas, contribuiu ainda assim para criar as condições para essa reacção, ao colaborar na formação de um quadro humano propício no âmbito da “Cité Catholique”. 

Essencial veio também a ser a criação da “Una Voce” por Georges Cerbelaud-Salagnac, em 1964, e a do movimento dos “Silenciosos da Igreja” por Pierre Debray (4). No quadro desta faceta militante, recordamos ainda a “Aliança Saint-Michel”, que apareceu na linha da frente a lutar contra os abusos mais gritantes. E cabe enfim citar a fundação dos “Escuteiros da Europa” em 1958 (que, à época, se mostravam claramente comprometidos com a oposição às novidades religiosas), e do MJCF em 1967.

II – O estado de coisas em 2018

A) Locais de culto

A partir do final dos anos 60, a hierarquia francesa, com a autoridade que tinha sobre as paróquias e as obras católicas, trabalhou no sentido de fazer cessar tudo quanto tivesse a feição de uma oposição às novidades conciliares. No seio das estruturas eclesiásticas, foram perseguidos aqueles homens e mulheres que permaneciam ligados ao espírito tradicional, e outro tanto aconteceu com os leigos, que tiveram muito que penar com os obstáculos que se lhes iam levantando sempre que mostravam querer continuar a ter acesso a missas tradicionais e a uma catequese ortodoxa para os seus filhos.

Por entre uma parte deles, levantou-se então um vento de resistência – jovens, velhos, mulheres e homens –, indo em socorro de sacerdotes fiéis a fim de que estes continuassem a celebrar a missa entretanto interditada, e para conseguirem os meios que a eles próprios lhes permitissem continuar a assistir à missa. Foi assim que, comprando aqui uma garagem (ou um antigo talho, como aconteceu na Rua da Cossonnerie, em Paris!), arrendando ali uma sala de espectáculos, transformadas entretanto em lugar de culto ocasional, eles chegaram a criar ao cabo de uma dezena de anos uma extraordinária rede de “missas selvagens”, com o propósito de que a França pudesse continuar a ser irrigada por uma missa verdadeiramente católica.

Não foi senão em 1988 que, com o motu proprio Ecclesia Dei, promulgado pelas autoridades romanas à guisa de corta-fogo diante das ordenações episcopais realizadas por Mons. Lefebvre, veio a ser possível ir abrindo lentamente o dique, sem esquecermos porém as palavras de Dom Gérard quando afirmava que «todos os benefícios alcançados após as consagrações episcopais, só o haviam sido graças a elas»... Mais tarde, foi a vez do motu proprio Summorum Pontificum, de 2007, que veio legitimar esta “resistência” à missa conciliar, decidindo então que a missa tradicional jamais havia sido interdita – o que era, pelo menos, discutível no plano dos factos, especialmente em França – e permitiu enfim, mas nem sempre de maneira muito generosa, alargar o número das igrejas e capelas onde se celebra a liturgia que esse documento qualificou como «extraordinária».

Chegados a 2018, a celebração da missa tradicional só continua ausente em três dos 95 distritos (“departamentos”) da França continental. Trata-se de três departamentos rurais: Ardèche, Creuse e Haute-Saône. Concretamente, isto significa que, em França, onde quer que estejamos, existe sempre uma missa tradicional acessível a menos de uma hora de carro. Assim, existem hoje em França 285 lugares de missa (dominical ou não) reconhecidos pelas dioceses, contra os 132 existentes aquando da promulgação do m.p. Summorum Pontificum em 2007. Se a isso juntarmos os 203 lugares de culto da FSSPX (contra 184 em 2007), obtemos um total de 488 lugares de culto tradicional em 2018, contra os 316 em 2007. 

É certo que, se confrontarmos esse número com as 4.300 paróquias existentes em França, pode parecer pouco. E, no entanto, pode hoje dizer-se que, se bem que com diferente periodicidade, a missa tradicional é celebrada em mais de 10% das paróquias francesas, e isto 50 anos depois de esta missa ter sido suprimida, esmagada, perseguida!

B) Os seminários das comunidades tradicionais

Ao longo de cerca de 20 anos, a estratégia de perseguir os sacerdotes fiéis e de proibir a ordenação de seminaristas – e mesmo quando apenas eram tidos por um pouco conservadores – foi vista como o meio para erradicar o motor da resistência católica, isto é, o sacerdócio tradicional.

Acontecera, porém, que Mons. Lefebvre havia criado em 1970 um seminário aberto a jovens que desejassem tornar-se sacerdotes segundo um espírito clássico. O respeito extraordinário e o espantoso entusiasmo de multidões de fiéis pelo prelado-resistente assentava muito simplesmente no facto de que ele “criava padres”: a missa, a catequese, a vida católica das famílias podia assim continuar a ser como era antes. Nisso Mons. Lefebvre foi apreciado por todas as realidades do catolicismo dito “integral”, que, desde os anos 50 até aos anos 70, foram constituindo o terreno do catolicismo tradicional francês (5) e que permitiram que se erguesse ao longo de meio século uma resistência espiritual, litúrgica, catequética, familiar extraordinariamente perseverante e, por vezes, até heróica, feita de fiéis e famílias católicos.

A FSSPX, a Fraternidade São Pedro, o Instituto de Cristo-Rei e o Instituto do Bom Pastor nasceram de uma importante raiz fundadora francesa. As duas primeiras estabeleceram-se ambas na Suíça e têm os seus seminários europeus na Alemanha, conquanto a FSSPX haja instalado desde há muito tempo o seu ano de espiritualidade (propedêutico) em Flavigny, perto de Dijon, na Borgonha. O Instituto de Cristo-Rei Sumo Sacerdote tem o seu seminário na Toscana. Hoje, somente o Instituto do Bom Pastor tem o seu seminário em França. Podemos pois rezar para que todos estes institutos tenham muito em breve um seminário também em solo francês...

C) As comunidades religiosas

Fizemos já menção das comunidades religiosas que resistiram ou tentaram resistir durante aqueles anos de chumbo e lágrimas. A criação por Mons. Lefebvre de um seminário que permitisse realizar ordenações fez com que a ele acorressem numerosas vocações religiosas, o que mais tarde permitiu o florescimento de novos institutos religiosos. Estas novas comunidades são hoje numerosas, tanto de direito pontifício ou diocesano, entre as quais, a obra de Riaumont, os religiosos de São Vicente Ferrer, o cónegos da Mãe de Deus, os Missionários da Misericórdia Divina, como outras que são próximas da FSSPX, entre as quais, a Comunidade da Transfiguração, os capuchinhos de Morgon, os beneditinos de Bellaigue, comunidades carmelitas, os dominicanos d'Avrillé, que entretanto se separaram, etc. Poderíamos ainda falar de algumas comunidades com afinidades, como a de São Tomás Becket, sendo todas elas, dum modo ou outro, frutos da resistência católica francesa no imediato pós-concílio.

D) As vocações

Desde há alguns anos que nos temos vindo a dedicar a contabilizar com precisão e a fazer uma comparação das vocações tradicionais relativamente às vocações diocesanas. Nos últimos anos, em média, em cada 5 novos sacerdotes franceses, um foi ordenado para a forma extraordinária do rito romano. Este fenómeno também toca as vocações religiosas, mais difíceis de contabilizar, mas cujo crescimento tem sido idêntico. Desde a reforma litúrgica, Fontgombault, abadia ela própria filha de Solesmes, deu já origem às abadias de Randol, Triors e Donezan, em França, e à abadia de Clear Creek, nos Estados Unidos, além de ter recuperado a abadia agonizante de Wisques. 

Fundada por Dom Gérard Calvet, a abadia do Barroux deu origem por seu turno ao priorado de La Garde e, indirectamente, a várias fundações ligadas à FSSPX (do Brasil ao Novo-México, donde emergiu Bellaigue, em França). Um idêntico e espantoso dinamismo encontramo-lo entre as religiosas, a começar pelas dominicanas que se dedicam ao ensino, de Fanjeaux e Brignoles (FSSPX), e as do Espírito Santo (“Ecclesia Dei”), como junto das beneditinas e das dominicanas contemplativas d'Avrillé e noutros lados mais...

E) As organizações de jovens, de famílias e sociais

O extraordinário fervilhar que acabámos de descrever continua ainda hoje. Um dos seus efeitos foi o desenvolvimento surpreendente de associações e revistas, e a profusão florescente na internet de sites de informação, piedade e reflexão. Mas não é tudo: há ainda o escutismo, a catequese por correspondência, os movimentos de jovens, o acompanhamento espiritual de famílias (“Domus Christiani”), as iniciativas pró-vida e caritativas, sem esquecer, claro está, “Notre-Dame de Chrétienté” com a organização da peregrinação Paris-Chartres, que recordámos no início desta carta, etc. Estas obras resplandecem e estendem a sua acção para lá do universo tradicional, como é o caso da Marcha pela Vida, o “SOS Chrétiens d'Orient”, para falar apenas de duas iniciativas que nos últimos anos têm sido como faróis.

F) As escolas

A malha de escolas católicas por altura do concílio exibia uma extrema riqueza. Todavia, como aconteceu com todas as demais obras católicas, também elas viriam a pôr de parte qualquer tipo de relação com o espírito tradicional, quando não se deu o caso de se tornarem centros militantes de oposição a esse espírito. Por isso se explica que no momento em que as famílias, graças às suas orações e à sua firmeza de decisão, voltaram a ter lugares onde assistir à missa tradicional, a preocupação que de imediato as assaltou tenha sido a de recriar escolas onde reinasse um autêntico espírito católico. O resultado está à vista e é impressionante: o mapa das escolas livres e plenamente católicas conta, no momento presente, com 172 escolas que recusaram qualquer contrato com o Estado e se eximiram a qualquer controlo diocesano. 

Este número explodiu sobretudo nos últimos 15 anos, como de resto todo o conjunto do sector escolar “fora de contrato” (“hors-contrat”). Do mesmo modo que os católicos americanos privilegiam o “homeschooling” (“ensino em casa”), assim os católicos tradicionais franceses encaminham de bom grado os seus filhos para escolas que eles próprios criam e financiam, cujos programas perpetuam os valores aos quais estão ligados e onde a educação religiosa é geralmente confiada a sacerdotes ou religiosas pertencentes a institutos ou comunidades “Ecclesia Dei”, à FSSPX ou a sacerdotes diocesanos “Summorum Pontificum” que celebrem a forma extraordinária do rito romano.

G) Perspectivas para o futuro: os católicos franceses e a liturgia tradicional

Em 2001, 2006 e 2008, a “Paix Liturgique” encomendou a organismos profissionais e independentes três sondagens para todo o território da França continental a respeito da relação dos católicos franceses com a liturgia tradicional da Igreja: IPSOS, em Abril de 2001, e CSA, em Novembro de 2006 e Setembro de 2008. A partir do final de 2009, completámos o quadro destes inquéritos nacionais com outras sondagens, desta feita diocesanas e paroquiais. Ao longo de dois anos, até ao Verão de 2011, e novamente em 2018, encomendámos 14 sondagens naquelas dioceses francesas que nos pareceram mais significativas, a fim de completar e afinar os resultados das sondagens nacionais. Os resultados destas sondagens – os únicos estudos estatísticos sérios levados a cabo sobre esta questão até ao presente – mostram uma grande coerência, no tempo e no espaço, do sentir dos católicos franceses acerca do que se convencionou chamar a “forma extraordinária do rito romano”. 

Os resultados são muito claros: EM FRANÇA, UM EM CADA TRÊS CATÓLICOS (no mínimo!) DECLARA-SE DISPOSTO A ASSISTIR À MISSA TRADICIONAL SE A MESMA FOR CELEBRADA NA SUA PARÓQUIA. Por conseguinte, há ainda caminho pela frente, incompreensões a superar, homens de boa vontade a convencer, e portanto anos de trabalho e de orações, para se poder enfim chegar à meta, mas quanta alegria e quanta esperança para nós e para as nossas famílias: «Nunc dimittis servum tuum Domine...»

III - Conclusão

Acaso não é tudo isto fruto da Providência e dos homens que a Providência suscita, não é isto pôr em prática a divisa da Santa Joana d'Arc, Padroeira de França: «Os homens de armas combaterão e Deus dar-lhes-á a vitória»? Deus nunca falha nem é superado em generosidade, e é isso mesmo que aqui nos está a mostrar ao permitir uma situação como a actual, que NINGUÉM PODERIA CRER SER POSSÍVEL HÁ 50 ANOS!

Mais: o que se passou em França não é senão um exemplo do que também se veio a dar noutros locais, nos Estados Unidos, no México como noutros países, e é algo que pode ainda acontecer em muitos outros lugares durante os anos vindouros.

E tudo isto não é senão o começo, uma primeira etapa do restabelecimento da Igreja e das suas obras, da sua missão e da sua liturgia. Para citar o lema beneditino, há que continuar a rezar e a trabalhar... Sem cessar!...

------ 

(1) Hoje pouco influente, a “Contra-Reforma Católica” gozou de uma grande aura desde o seu aparecimento em 1967, em virtude da notoriedade que recebera anteriormente a Carta que desde os anos 50 o Abbé de Nantes dirigia aos seus amigos.

(2) Pároco de Montjavoult, na diocese de Beauvais, o P. Louis Coache é destituído pelo seu bispo após ter restaurado a procissão do Corpo de Deus na sua paróquia, que então se veio a transformar no Ônfalo da resistência católica da região parisiense. Depois, abriu a Casa Lacordaire em Flavigny-sur-Ozerain, na Borgonha, onde se dedicou a pregar retiros espirituais. A sua presença nessa aldeia favoreceu que aí se instalasse entretanto uma abadia beneditina olivetana bem como a FSSPX, a quem cedeu a sua própria casa.
Pároco da diocese de Constantine, o P. Noël Barbara, autor de uma catequese sobre o matrimónio católico, agregou-se, a princípio, aos Cooperadores Paroquiais de Cristo-Rei, congregação votada à pregação de retiros espirituais de Santo Inácio segundo o método do seu fundador, o P. Vallet. Depois, radicou-se em Touraine, onde veio a animar a associação e a revista “Forts dans la Foi”.

(3) Sob pressão de Paulo VI, elas viriam a renunciar a celebrá-la... para a retomar mais tarde aproveitando do motu proprio Ecclesia Dei de 1988.

(4) Da mesma maneira que o “Opus Sacerdotal” do cónego Catta (ver a nossa Carta 400), também os “Silenciosos da Igreja” não fizeram da defesa da liturgia tradicional o centro do seu combate, apostando em ser um travão diante das derivas modernistas, mais do que promotores da restauração tradicional. De qualquer modo, vista a sua extensão numérica e o seu carácter inclusivo, estas duas iniciativas desempenharam um papel importante na preservação do sensus fidei entre os católicos franceses.

(5) Fazemos aqui alusão ao artigo do P. Grégoire Célier, “Un terreau fertile : La Tradition en France avant la Fraternité Saint-Pie X (1958-1976)”; “Um terreno fértil: A Tradição em França antes da Fraternidade São Pio X (1958-1976)”.

Paix Liturgique - Carta 93


blogger