sexta-feira, 15 de março de 2013

Os tradicionalistas e o Papa Francisco: é preciso ter calma!


Papa Francisco a oferecer flores a Jesus e a Maria em Santa Maria Maior

Os tradicionalistas precisam de respirar bem fundo!

O Papa Francisco ainda não tinha sido eleito há duas horas e o sarcasmo começou a ser cuspido nas caixas de vários blogs. Muitos do grupo tradicional reagiram contra o Papa Francisco com palavras que eram francamente ofensivas. Se um dos meus filhos falasse assim de um padre (ou de qualquer pessoa mais velha, já agora), o rapaz levava uma palmada no rabo e uma longa estadia num quarto escuro.


Em poucos minutos do aparecimento de Sua Santidade na varanda, alguns "trads" começaram uma campanha online afirmando que ele era um perseguidor dos padres ortodoxos na Argentina. Depois disseram que proibiu a Missa Tradicional na sua diocese. Depois estavam a gozar com ele por não usar a mozeta papal encarnada. Também exprimiram desagrado sobre o facto de Sua Santidade ter rezado em italiano e não em latim. Depois, mostraram-se alarmados por ele ter tirado a estola imediatamente depois da benção. A seguir fizeram um grande alvoroço sobre o facto de a tapeçaria que se desenrolou sobre a varanda não ser a do predecessor de Sua Santidade. E estes comentários não são sequer os piores. E nem sequer quero enumerar algumas das outras coisas que têm escrito online. 

Muito bem, "trads"! Temos andado a trabalhar com tanto esforço sob o pontificado do Papa Bento XVI para mostrar que não somos uma subcultura de natureza zangada, odiosa, quase-cismática, jansenística, Católicos mais-santos-que-o-Papa. Todos pensam que aqueles que vão à liturgia de 1962 são julgadores, farisaicos e rudes. E guess what? Simplesmente limitaram-se a amplificar a terrível reputação por cem vezes. Parece que  as vossas palavras contrárias foram ditas no calor da paixão - e paixões agitadas são o recreio dos demónios. 

Depois de ler os comentários no meu blog e noutros blogs (especialmente no Rorate Caeli), sinto-me realmente embaraçado com tudo isto.Senti-me obrigado a limpar a caixa de comentários do meu blog, mas felizmente outros fizeram um bom trabalho a silenciar as vozes zangadas. 

Pensem nisto por um momento. Se tivessem um negócio ou fossem presidentes de uma grande organização, como se sentiriam se os empregados de cargos mais baixos se juntassem regularmente para murmurar sobre a vossa liderança? O que aconteceria se eles se juntassem com o único propósito de questionar a vossa liderança e credibilidade? E se criassem boatos e dissessem mal de vocês nas vossas costas? E se criassem salas de chat e espalhassem isso tudo pela internet? Será que estas pessoas seriam consideradas "fiéis" à vossa instituição? Iriam gostar destas pessoas? Iriam querer ajudar estas pessoas? Claro que não. Acções como essas são cobardes, imaturas e pequenas. 

Se calhar uma pessoa devia rezar 15 dezenas do Terço pelo Santo Padre antes de entrar online e desvalorizar o Vigário de Cristo, a quem Sta. Catarina de Sena chamou "o nosso doce Jesus na terra." 
Sim, sou membro de uma paróquia de Missa Tradicional (Igreja Católica Mater Dei, em Irving, Texas). Sou Chanceler do Catholic College* dos USA com a Forma Extraordinária do Santo Sacrifício da Missa sete dias por semana (Fisher More College). Faz parte da identidade e da missão da nossa Universidade. Vou à Forma Extraordinária quase exclusivamente. 

Estou "all in" no que toca à Missa Tradicional, mas também estou "all in" no que toca ao Papa. Eu não deixei o sacerdócio anglicano para pretender ser o meu próprio Papa mais uma vez, só que desta vez na Igreja Católica. 

Estou entusiasmado com o Papa Francico? Para ser honesto, não sei muito sobre Sua Santidade. Sim, eu admito: não estou tão excitado como se tivesse sido o Cardeal Burke ou o Cardeal Ranjith a aparecer naquela varanda ontem. Os que lêem  o meu blog diariamente sabem que o meu coração e a minha reputação estavam postos no Burke. Ok, pronto. Eu não sou Deus. Estava bem longe da marca. Ainda assim, o Santo Padre Francisco tem a minha devoção filial e obediência. 

Concedamos a Sua Santidade algum tempo. Rezemos por ele. Se estão realmente preocupados não venham para uma caixa de comentários de um blog. Façam jejum com pão e água, rezem mais o Terço, vão à confissão com mais regularidade, dêem esmola aos pobres, etc.

Gostava de nos encorajar a todos a conformar o padrão das nossas almas à alma da Bem-Aventurada Virgem Maria. Quando São Pedro, o nosso primeiro Papa, negou a Cristo três vezes, ela não publicou as notícias nas estradas e nas sebes. São João e Maria Madalena não foram gritar para os terraços das casas. De facto não nos compete mesmo andar a filtrar quais poderão ser os erros de um Papa que nós ainda não conhecemos.

Em conclusão, deixem-me enumerar três coisas que me deram grande esperança no Papa Francisco. Primeiro de tudo, fiquei emocionado com as palavras de Sua Santidade sobre a Bem-Aventurada Virgem Maria e o seu abandono pessoal a Ela. Além disso a sua primeira acção como Papa foi ir a Sta. Maria Maior em Roma e oferecer flores sob a pintura de Nossa Senhora chamada Salus Populi Romani. Isto significa que o nosso Santo Padre é Mariano. Ser Mariano é muito mais importante que o Missal de 1962. Os Santos Apóstolos eram Marianos, mesmo sem a Missa Tradicional. 

Em segundo lugar,  o Santo Padre Francisco, em Santa Maria Maior, ajoelhou-se e rezou diante do túmulo de São Pio V - esse grande Papa reformador do 16º século.

Em terceiro lugar, a primeira Missa de Sua Santidade foi o Novus Ordo em Latim. Ok, não é o Missal de 1962, mas também não vai ser uma Missa de palhaços. Vamos respirar fundo. Sejam caridosos. Rezem. 

Se calhar a vossa salvação vai estar em parte baseada no modo como receberem este Santo Padre. Não falhem nisto. Qualquer pessoa pode murmurar e encontrar falhas. A resposta verdadeira e adequada requer graça sobrenatural e um realinhamento com a vontade divina de Deus em todas as coisas. Deus irá  levar-nos ab omnibus malis praeteritis, praesentibus, et futuris intercedente beata et gloriosa semper Virgine Dei Genitrice Maria.

É fácil murmurar (como os israelitas no deserto pós-Egipto). O desafio sobrenatural é manter a fé, esperança e caridade em todas as coisas. Ok, amigos, de volta às contas! Mantenham-se calmos. Guardem a paz perfeita de Cristo. Viva Il Papa! Taylor Marshall


blogger

10 comentários:

Anónimo disse...

muito bom!

Nuno CB disse...

lindo!

Gabriel disse...

Obrigado, me esclareceu e me moustrou que não é só eu que penso assim. Em especial nesta parte: Estou entusiasmado com o Papa Francico? Para ser honesto, não sei muito sobre Sua Santidade. Sim, eu admito: não estou tão excitado como se tivesse sido o Cardeal Burke ou o Cardeal Ranjith a aparecer naquela varanda ontem. Os que lêem o meu blog diariamente sabem que o meu coração e a minha reputação estavam postos no Burke. Ok, pronto. Eu não sou Deus. Estava bem longe da marca. Ainda assim, o Santo Padre Francisco tem a minha devoção filial e obediência.

DominioFeminino disse...

Nós do DominioFeminino encontramos palavras de sabedoria e obediência nesta sua análise sobre as reações dos católicos tradicionais. Admito, por sermos tradicionalistas, que também nós aqui ficamos muito temerosas pelas inovações do Sumo Pontífice Francesco. Contudo, estamos rezando com muita fé e piedade para que a Santíssima Trindade seja a mão do Santo Padre.

Cristina Ribas disse...

Há uma questão que me parece fundamental que é o significado do que se faz, o que está por detrás do que se faz, a mensagem que se quer transmitir.

Não há dúvida que o Papa Francisco surpreendeu o mundo mas o que senti é que nos quer recentrar no essencial, quer-nos ajudar a perceber que as coisas grandes estão na simplicidade, na humildade, no encontro com os outros, na fraternidade, no ser com os outros. E tornou-se desde logo exemplo.

Para isso há que haver mudança nos nossos corações, há que haver conversão - e que contributo maravilhoso para a vivência da nossa quaresma!

Cuidado para não transformarmos a moral num conjunto de regras a cumprir sem compreendermos que elas são, antes de mais, uma consequência do que nos move interiormente.

O Papa Francisco quer construir a Igreja com todos nós - rezou connosco, pediu que rezássemos por ele, que pedíssemos a benção para ele, inclinando-se para receber a nossa oração, colocou o mundo inteiro a rezar ao mesmo tempo, talvez seja muito significativo... ou não?!...

Anónimo disse...

Obrigada!

Pedro Claver disse...

Parabéns Cristina Ribas concordo Plenamente faço de suas palavras minhas. Obrigado.

Anónimo disse...

Parabéns! É muito importante que nesse momento, tão difícil para a Igreja, se levantem vozes que conclamen as pessoas à calma, à prudência e sobretudo à fé. Uma atitude digna de verdadeiro cristão.
Temo que muitos, no meio tradicionalista, acabem por se perder nesse torvelinho de informações desencontradas e partindo para caminhos obscuros, sem volta.É realmente muito triste.

Anónimo disse...

Muito bem!

Anónimo disse...

É o espirito santo que conduz à igreja.Quem duvida disso,naõ é católico.O papa Francisco,foi o escolhido.