quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Um Resumo da Divina Comédia de Dante Alighieri

A Divina Comédia de Dante, a maior obra da literatura italiana, é vista por muitos como uma das maiores obra de literatura do mundo.

Para além de citada por muitos estudiosos ao longo dos séculos, foi também muito citada por Papas e em textos Cristãos desde que existe.

É interessante porque esta é uma obra medieval, uma era considerada por muitos como a idade das trevas.

Ainda que seja uma obra épica, de ficção, é totalmente baseada naquilo a que os Cristãos chamam os novíssimos: a Morte, a Ressureição, o Inferno e o Paraíso e, portanto, pode ajudar muitos a meditar sobre o destino eterno do Homem.

Existe publicada em Portugal uma adaptação em prosa da Divina Comédia por Manuel Marques Braga, publicada pela Sá da Costa editora. Esta adaptação em prosa é recomendada pelo plano de leitura nacional do 9º ano de escolaridade.

Segue de seguida a introdução desta adaptação em prosa:


--------------

No tempo de Dante o sistema astronómico vigente era o ptolomaico, que supunha a Terra imóvel no centro do universo, girando em torno vários céus concêntricos que tomavam o nome de Sol, Lua, etc., e tinham, cada um, um movimento próprio.

A Divina Comédia compõe-se de três partes: INFERNOPURGATÓRIOPARAÍSO.

O INFERNO DANTESCO

Nas entranhas da Terra, debaixo de Jerusalém, Dante coloca o Inferno que consiste num abismo circular, estreitando-se de cima para baixo até tocar o centro da Terra.

Quem se aproxima, encontra-se num patamar circular, vestíbulo do reino infernal - o Anti-Inferno, reservado às almas dos Inertes, repelidos igualmente por Satanás e por Deus.

Ao longo deste vestíbulo está o rio Aqueronte, principiando então o verdadeiro Inferno.

Este está dividido em nove patamares ou círculos, que se vão estreitanto.

Os primeiros cinco círculos formam o Alto Inferno, os quatro últimos o Baixo Inferno, chamado também cidade de Dite - cidade infernal.

O 1º círculo é o Limbo onde estão as almas dos que não puderam ser baptizados; no 2º estão os sensuais; no 3º os gulosos; no 4º os avarentos e os pródigos; no 5º os iracundos.

Com o 6º círculo começa o Baixo Inferno, a Cidade de Dite - em que estão os hereges e incrédulos. 

No 7º círculo, em três compartimentos concêntricos, estão respectivamente os violentos contra o próximo, contra si e contra Deus.

O 8º círculo chamado Malebolge, está dividido em dez bolgias ou fossos em que estão respectivamente os sedutores, aduladores, simoníacos, advinhos, fraudulentos, hipócritas, ladrões, maus conselheiros, os fundadores de seitas e os falsários.

O 9º círculo é formado por quatro divisões concêntricas, em que jazem os que traíram os parentes, a pátria e os benfeitores.

No centro deste círculo está o Imperador do Reino Doloroso, Satanás (Lúcifer ou Dite) com três faces e três bocas, tragando a Judas, Cássio e Bruto.

O PURGATÓRIO DANTESCO

Purgatório tem uma configuração inversa à do Inferno, e surge numa ilha no meio do Oceano.

É uma montanha com a forma de dois troncos de cone sobrepostos.

O 1º - a base - mais largo: é o Anti-purgatório; o 2º mais aguçado: o verdadeiro Purgatório.

No 1º dos círculos purificam-se os soberbos, que andam curvados sob enormes pesos.

No 2º círculo expia-se o pecado da inveja. Um cilício aperta os invejosos, que, além disso, têm os olhos cosidos com arame.

No 3º círculo repara-se o pecado da cólera. As almas dos coléricos estão envolvidas numa nuvem de fumo.

O círculo 4º é aquele onde se expia o pecado da preguiça, e no 5º purificam-se os avarentos e os pródigos.

No 6º círculo repara-se o pecado da gula. Neste há uma árovre, cheia de odoríferos frutos, regada por uma cristalina corrente.

No 7º, que é o último círculo, purifica-se, entre chamas, o pecado da luxúria.

O PARAÍSO DANTESCO

Dante refere que, guiado por Beatriz, pôde, desde o Paraíso terreal - planalto do monte que coroa o Purgatório - elevar-se ao Céu.

Na companhia dela, penetra no 1º céu planetário, que é o da Lua, onde se encontram as almas que havendo feito voto de se consagrarem à vida religiosa o não cumpriram.

No 2º céu - o de Mercúrio - residem as almas que praticaram o bem, mas buscaram as glórias e as honras mundanas.

No 3º céu - o de Vénus - encontram-se os que juntaram a devoção ao amor terreno.

No 4º céu - o do Sol - estão as almas de sábio doutores da Igreja.

No céu de Marte, que é o 5º, está Jesus Cristo com as almas dos Bem-aventurados, que combateram pela Fé.

No 6º - o de Júpiter - vêem-se as almas dos Santos, que administraram sã justiça na Terra.

No 7º céu - o de Saturno - estão as almas dos que se dedicaram à vida contemplativa.

O 8º céu - é o das estrelas fixas - onde se vê o triunfo de Cristo.

O 9º céu cristalino - é intitulado o 1º móvel. Nesta esfera nona observa-se um ponto luminoso em torno do qual vão girando nove círculos, que estão em relação com as novas esferas do mundo sensível.

No círculo 10º, onde está a Virgem Maria, - que é o Empíreo - vê-se o triunfo dos Anjos e Bem-aventurados, formando, como pétalas, uma rosa - a cândida rosa - e contempla-se a grandeza e a glória do Paraíso.


blogger

Sem comentários: