domingo, 12 de julho de 2015

Papa Francisco não sabia que lhe iam oferecer a foice e o martelo

O Papa Francisco foi apanhado de surpresa pelos gestos de Evo Morales, quando chegou à Bolívia na quarta-feira. 

Naquela ocasião e na tradicional troca de presentes entre os dois, Morales começou por colocar à volta do pescoço do Papa duas condecorações, apesar de os papas fazerem questão de nunca aceitarem condecorações nas suas visitas a outros países. 

Mas a grande surpresa estava reservada para depois, quando o Presidente boliviano entregou a Francisco um crucifixo que é simultaneamente uma foice e martelo, símbolo comunista. 

“Não estou aqui para interpretar as intenções do Presidente Evo Morales. O que tenho de falar é da atitude do Papa”, afirmou esta tarde o padre Federico Lombardi, director da sala de imprensa da Santa Sé, aos jornalistas. 

O Papa não o sabia, eu não o sabia e muito outros bispos não o sabiam. Nestas coisas, há sempre um problema de interpretação e utilização correctas. Porque, para nós, o mais importante é que não haja nenhuma confusão nem utilização ideológica da fé, um risco de confusão entre o religioso e o ideológico. E este, evidentemente, é um símbolo problemático”, disse o sacerdote. 

Morales justificou na altura o gesto com o facto de aquele crucifixo ser uma réplica de uma cruz usada pelo padre Luis Espinal, um missionário espanhol que foi morto no Chile por paramilitares em 1980. Segundo o padre Lombardi, Espinal não usava o símbolo como defesa do comunismo mas sim como sinal de diálogo. 

Existe ainda alguma confusão sobre a reacção do Papa quando viu o crucifixo. Francisco diz algo a Morales e vários órgãos de comunicação estão a dizer que as palavras foram “isso não está certo”. Contudo, como confirmou esta tarde o padre Lombardi, o som não é claro e é até mais provável que o Papa esteja a dizer “não o sabia”, em relação à história de Espinal. Sobre essa questão, porém, o padre Lombardi não soube esclarecer.

Aura Miguel in Rádio Renascença

Acrescentamos aqui o filme do momento em que o Santo Padre recebe o presente, onde o vemos a dizer, discretamente, "no está bien eso":


blogger

5 comentários:

Jose gonçalves disse...

o que o santo padre ensina em relaçao aos pobres e a economia nao e mais do que a doutrina social da igreja alguns querem instrumentalizar o papa . Ele ensina sempre que nos catolicos amamos os pobres por amor a DEUS portanto amar o proximo e resultado de amar a DEUS sobre todas as coisas.o cristianismo e o primado de DEUS.

Anónimo disse...

No entanto não ficou ofendido e até a levou para o Vaticano.

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2015/07/13/papa-nega-que-crucifixo-de-morales-tenha-sido-ofensivo.htm

Nem sei o que pensar. :(
Nossa Senhora de Fátima rogai por nós.

Nuno CB disse...

Caro anónimo, pelo contrário.

O Papa não ficou pessoalmente ofendido com tal objecto, mas considerou-a como "arte de protesto" que é em si mesma uma forma de protesto contra o Cristianismo: "io lo qualifico come arte di protesta che in alcuni casi può essere offensiva, in alcuni casi."

Veja a entrevista no avião na íntegra, aqui:
http://w2.vatican.va/content/francesco/it/speeches/2015/july/documents/papa-francesco_20150712_paraguay-conferenza-stampa.html

Obrigado pelo comentário,
NCB

Anónimo disse...

Caro Nuno CB. Vocês justificam tudo o que o Papa faz, é impressionante. Aqui não dá para dar a volta.
Acham mesmo que o que o Papa disse faz algum sentido?
Utilizar um crucifixo, Jesus Cristo crucificado!, como arte de protesto?? Oh Mãe do Céu o que é isto? Ele é o Papa, ele é o sucessor de S. Pedro no qual Jesus Cristo edificou a Sua Igreja.
Um crucifico não pode ser usado em arte de protesto. Ainda mais com símbolos do comunismo. Aqueles símbolos representam a perseguição da Igreja e a matança de 150 000 000 de pessoas directos. Para não falar de toda a trampa que aquela ideologia espalhou pelo mundo como por exemplo o aborto como um direito da mulher. Nossa Senhora bem nos avisou em Fátima.
Parem de tentar justificar o injustificável. Nessa entrevista o Papa fala da teologia da Libertação com a maior das naturalidades como se fosse uma coisa normalissima.
Dói-me o coração. :(

Anónimo disse...

Essa tentativa de enfiar os discursos do papa dentro da DSI já tá dando vergonha...