sábado, 1 de fevereiro de 2014

Confessar custa, mas é bom

Ontem confessei-me a um amigo meu.

A sensação assemelha-se à que se sente antes de ir ao dentista: contar os meus pecados a alguém que conheci muito antes de ser Padre, que foi ordenado há pouco tempo e para quem olho mais como amigo do que como Padre não é fácil.

Ter que admitir as minhas misérias a outra pessoa custa, ainda mais quando é alguém que conhecemos e que não queremos que fique a pensar mal de nós.

Mas o que se passa na confissão vai além desta cobardia imposta pelo orgulho, o que se passa ali é sobrenatural. Eu não conto os meus pecados a um homem, mas ao próprio Jesus Cristo que está ali na pessoa daquele homem. 

Não me vou confessar para impressionar o confessor nem para desabafar, nem sequer para falar dos pecados dos outros, mas sim para ser perdoado, porque cometi erros, ofendi a Deus e aos outros, e quero recomeçar.

No confessionário entro como culpado e saio inocente. Não pelo meu mérito, nem sequer pelo do Padre, mas pelo mérito de Jesus Cristo que morreu na Cruz por mim.


blogger

4 comentários:

Rute disse...

Bravo!

MD disse...

Senti o mesmo quando me confessei a um grande amigo (o meu ex. namorado que agora é Padre).

João Silveira disse...

Wow, isso é ainda mais radical!

Sonia disse...

Já entendi. Aprender a olhar para o padre como Jesus através dessa pessoa no sacramento de confissão. Fixe este artigo.