terça-feira, 8 de julho de 2014

Missa Nova do Pe. Manuel Vaz Patto (diocese de Coimbra)




   © Tiago Monteiro Dias           
Pe. Manuel Vaz Patto e Pe. Hélder Ruivo


blogger

46 comentários:

Vitor Carreira disse...

Boas Tardes, poderia indicar qual é a igreja ? É que é muito semelhante à igreja da Paróquia dos meus pais em Carapinha no concelho de Tábua.

Obrigado

João Silveira disse...

Boa tarde caro Vitor. Foi na igreja paroquial de Nogueira do Cravo.

Anónimo disse...

De reparar na cara de sorriso e de felicidade de todos os sacerdotes que aparecem nas fotografias.

Vir fidelis beatus est.

Anónimo disse...

Ainda agora aqui vim e encontrei quatro sacerdotes amigos vestidos de batina, capa e tricórnio e agora já não os encontro...Ficaria triste e desapontada com tais sacerdotes se tivessem pedido para retirar a fotografia! Terão vergonha? Que pena...

Anónimo disse...

Que diria o Papa Francisco se visse isto?! "Este obscuro mundanismo manifesta-se em muitas atitudes, aparentemente opostas mas com a mesma pretensão de «dominar o espaço da Igreja». Nalguns, há um cuidado exibicionista da liturgia, da doutrina e do prestígio da Igreja, mas não se preocupam que o Evangelho adquira uma real inserção no povo fiel de Deus e nas necessidades concretas da história. Assim, a vida da Igreja transforma-se numa peça de museu ou numa possessão de poucos" (E.G.95).

Anónimo disse...

"Deus nos livre de uma Igreja mundana sob vestes espirituais ou pastorais! Este mundanismo asfixiante cura-se saboreando o ar puro do Espírito Santo, que nos liberta de estarmos centrados em nós mesmos, escondidos numa aparência religiosa vazia de Deus. Não deixemos que nos roubem o Evangelho" (Papa Francisco, E.G.97)!

Anónimo disse...

"Desenvolve-se a psicologia do túmulo, que pouco a pouco transforma os cristãos em múmias de museu. Desiludidos com a realidade, com a Igreja ou consigo mesmos, vivem constantemente tentados a apegar-se a uma tristeza melosa, sem esperança, que se apodera do coração como «o mais precioso elixir do demónio». Chamados para iluminar e comunicar vida, acabam por se deixar cativar por coisas que só geram escuridão e cansaço interior e corroem o dinamismo apostólico. Por tudo isto, permiti que insista: Não deixemos que nos roubem a alegria da evangelização" (Papa Francisco, E.G,83)!

Anónimo disse...

"A outra maneira é o neopelagianismo autorreferencial e prometeico de quem, no fundo, só confia nas suas próprias forças e se sente superior aos outros por cumprir determinadas normas ou por ser irredutivelmente fiel a um certo estilo católico próprio do passado. É uma suposta segurança doutrinal ou disciplinar que dá lugar a um elitismo narcisista e autoritário, onde, em vez de evangelizar, se analisam e classificam os demais e, em vez de facilitar o acesso à graça, consomem-se as energias a controlar. Em ambos os casos, nem Jesus Cristo nem os outros interessam verdadeiramente. São manifestações dum imanentismo antropocêntrico. Não é possível imaginar que, destas formas desvirtuadas do cristianismo, possa brotar um autêntico dinamismo evangelizador" (E.G.94).

João Francisco disse...

Bem, acho que a tanto magistério papal, só posso mesmo acrescentar a palavra do próprio Deus:"Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados"
Lucas 6,37. Certamente quem despejou aqui indevidamente as palavras do Santo Padre ignora, o sentido caridoso com que ele as escreveu para dar lugar a uma visão e utilização ideológica das mesmas. De certo também não conhecerá nenhum dos sacerdotes em questão. Ignora também tudo a que a Igreja sempre ensinou e até o que o Papa Bento XVI se esforçou por fazer pela Liturgia da Igreja, são demasiadas faltas de consideração para sequer considerar o motivo pelos quais fez este comentário, assim tentarei também não julgar o motivo pelo qual os fez para não cair no mesmo erro.

Anónimo disse...

E não voltam a colocar a fotos dos outros senhores padres de tricórnio, capa e batina?! Queria tanto...

João Vítor disse...

O anónimo ressaibiado trata-se do padre Amaro Gonçalo, diocese do Porto.
Note-se o ódio e a falta de caridade para com um padre novo de Aveiro. Esse senhor padre Amaro Gonçalo é louco e penso que ao contrário dele falo com justa causa. https://www.facebook.com/amaro.goncalo?ref=ts&fref=ts#!/amaro.goncalo

Anónimo disse...

Também dei conta que uma fotografia foi retirada. Qual foi a razão?
Vasco Conde

Anónimo disse...

Caro João Silveira, será que nos pode esclarecer do porquê de terem retirado a foto?! Ainda tive a oportunidade de a copiar para enviar às autoridades eclesiásticas competentes, para que possam apreciar... Mas seria agradável continuar a tê-la aqui disponível!

Anónimo disse...

Finalmente temos Padres a sério e não apenas uns engravatados com vergonha da batina! Deus seja louvado e dê à Sua Igreja mais Padres de batina e menos de gravata!

Anónimo disse...

Aqui não há falta de humildade nenhuma, mas sim obediência.

eu dispensava o chapeu mais isso sou eu.

louvado seja Deus!

Anónimo disse...

O Padre Amaro Gonçalo da diocese do Porto que faz aqui comentários depreciativos e na sua página pessoal de facebook devia é seguir o exemplo e ter vergonha na cara! Enquanto Padre tem uma atitude lamentável! Parabéns ao Pe Manuel Vaz Patto pela coragem tendo em conta as amostras de padres modernistas que temos por este país fora! Força. Rezo por si Pe Manuel.

Anónimo disse...

Reverendo Pe. Manuel Patto, assim como o Senhor vos escolheu para a Sua messe, da mesma forma vos dê a capacidade de suportar as contrariedades...rezo ao Senhor por si e pelos muitos outros Sacerdotes que sofrem as mesmas ou outras "perseguições".

Anónimo disse...

Concordo, em parte, com tudo o que acima ficou dito!
Como diz o povo - e bem - 'nem tanto ao mar, nem tanto à terra!'...
Gostei de ver os sacerdotes de batina e barrete, saturno, faixa, etc... As vestes são aprovadas pela Igreja e se existem é para serem usadas... Parabéns por isso!
Quanto ao facto, deos padres usarem gravata, tbm não concordo, contudo... É o que há!
As críticas que se vão fazendo são sempre do ponto de vista ideológico, claro está!
O que temos de perguntar: 'A liturgia deste modo é para bem do povo?' Se o povo a aceita assim, nela participa, não há problemas... Se assim não se verificar, então não se avance porque é bonito ou porque o próprio quer...
Pois celebrar missa 'ad orientem' ou 'versus deum' não é novo, o próprio Papa Francisco a celebrou...
Sejamos moderados no que dizemos! "Na Igreja há lugar para todos...", diz o Papa Francisco...
Parabéns ao meu colega Pe. Manuel Patto pela sua ordenação, que Deus o abençoe...

Anónimo disse...

Façam RESERT neste blog e descobriram muitos comentários depreciativos a diversos sacerdotes de Portugal que não coincidem com as opiniões do Autor ou seus condiscípulos! Descobriram videos, fotos do que eles chamam "abusos" litúrgicos ou infidelidades, heresias ou outros atributos1

João Silveira disse...

Caros Amigos,

Se alguma fotografia foi retirada foi por ordens superiores e para bem da Santa Igreja.

Contentemo-nos com estas, que mesmo assim já causaram muito escândalo farisaico.

Obrigado pela vossa compreensão. Rezemos por todos.

Pe. Nuno disse...

isto mais parece uma palhaçada para chamar a atenção deles mesmos. Coitados destes ministros de DEus. SErá que precisam de todas essas vestes lituúrgicas para louvar ao SEnhor? Para se pavaniarem a eles próprios, está muito bem. Julgo que, nos tempos que correm, precisamos de pastores e ministros que coloquem as mãos na massa e sejam simples e humildes como convém. Aprendam com João Baptista e com Jesus Cristo. Dispam-se desses mundanismos. Ao ver isto, o povo de DEus até pode gostar, mas não é disto que precisa.

Pe. Nuno disse...

vocês precisavam de ir para as missões ad gentes para perderem essas vaidades e mordomias todas. Aí ireis ver que essas morsomias nada valem perante outras grandezas.
Vocês tenham vergonha das tristes figuras que andam a fazer. PEçam aos vossos Bispos que vos mandem para as missões para perceberdes a grandeza do sacerdócio que não está nessas merdas que carregais. Raça de Viboras, diria João Baptista. Olhai para vós e mudai de posturas.

Pe. Nuno disse...

o que o Pe. Amaro Gonçalo diz tem toda a razão. DEixem-se moldar pela acção do Espírito Santo e vereis que isso nada conta para o vosso ministério. Ouçam o que diz o Papa FRancisco. LEiam muito bem a EG nº95. LEiam e reflictam. Não tenham medo pois isso é para vós.

Padre Amaro Gonçalo disse...

Reparei que um anónimo recolheu as citações do Papa Francisco, que citei na minha página do facebook, como comentário às fotos. Eu não me refugiei no anonimato, pois se assim fosse não teria colocado os comentários na minha página. Não instrumentalizei as palavras da E.G., pois as palavras são claríssimas e ilustram bem as tentações dos agentes pastorais. Estes neo-presbíteros, por acaso, alguma vez, conheceram a época que tentam reeditar? Sabem porventura o contexto em que esta forma de se apresentar teve lugar? O pior não são as vestes. Elas revelam precisamente o que escondem.

Anónimo disse...

Padres chamados "Nuno" conhecemos todos certamente vários....que triste falarem assim de irmãos no sacerdócio que nem acredito que conheçam pessoalmente. Respeito pelos carismas, amizade, obediência e fidelidade ou até mesmo quando necessária correcção fraterna ficarem muito bem! Ao Padre Manuel e ao Padre André recentemente ordenados a minha estima amizade e oração, pela vossa coragem em serem homens sem vergonha!! Sim sem vergonha de dizerem que são de Deus e da Igreja.

João Vieira

Padre Amaro Gonçalo disse...

Eliminei do facebook a partilha das imagens, porque o objetivo está alcançado: o efeito foi viral, como se diz agora, e assim consegui desplotar nos nossos responsáveis hierárquicos uma preocupação maior e uma adequada vigilância e discernimento, quanto à preparação e seleção dos candidatos ao sacerdócio no século XXI. Todo o cuidado é pouco. Eu bem sei onde vão parar estes extremos. O (ex-)Padre Mário da Lixa, aqui na Diocese do Porto, também começou assim.

Pe. Nuno disse...

completamente de acordo. Tudo isto é uma questão de formação. É preciso os formadores estarem muito mais atentos a estes comportamentos, ideias e estilos. As dioceses não podem deixar avançar para o sacerdócio pessoas com estes estilos. REzemos ao Esp+irito Santo.

Anónimo disse...

Mt.7,5 Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.

Deixem-se de mesquinhices e rezem antes uns pelos outros vós que sois irmãos no ministério Sacerdotal. Porque julgais quem ainda não teve sequer tempo de trabalhar na MESSE DO SENHOR!? preocupem-se com o que têm para fazer e não com o que os outros fazem.

Anónimo disse...

Terá sido esta a formação que vós, irmãos Sacerdotes, recebestes nos seminários? a de provocar escanda-lo, a de escandalizar o povo de Deus com as vossas atitudes? Como é que vos respeitará o Povo de Deus se vós próprios não vos respeitais?

Anónimo disse...

Este Pe Nuno que comenta é uma amostra de sacerdote Espiritano! Como se fosse exemplo para alguém não se inibe de fazer este tipo de comentários sobre outro sacerdote e depois vem falar de cuidados na escolha dos candidatos ao sacerdócio! Pois se houvesse cuidado o Pe Nuno espiritano que aqui comenta nunca seria Ordenado! É preciso ter muita lata! O homem vem para aqui fazer este tipo de comentários e ainda se acha! Há com cada imbecil!!!

Anónimo disse...

Pe Amaro Gonçalo, pároco da Senhora da Hora na Diocese do Porto, não me admiro com o seu espanto e a sua reacção, afinal pertence a uma Diocese que parou na década de 70 e que ainda vive com a febre de destruir tudo o que está para trás! Parece o pós Revolução Francesa. Esquecem-se é que no meio dessa febre de destruição é que se cometem os maiores exageros! A sua reação, por exemplo, é que devia ser denunciada, pois um sacerdote que provoca outro publicamente não me parece que saiba bem qual é a sua missão! Talvez uma batina lhe ficasse melhor do que essas fardapanas com que se veste! Pertence ao clube dos que se envergonham de ser sacerdotes?!

Anónimo disse...

Para que precisamos de maçonaria ou ateus? Para que precisamos de perseguição religiosa?! Com Padres como o Pe Amaro Gonçalo (diocese do Porto - Senhora da Hora) ou o Pe Nuno Miguel Rodrigues (Espiritano)a Igreja não precisa de inimigos!

Anónimo disse...

Diz o Pe Amaro Gonçalo:
"Eliminei do facebook a partilha das imagens, porque o objetivo está alcançado: o efeito foi viral"

O seu objectivo foi o de humilhar a Igreja na praça publica. Gritando a alto e bom som por todo o mundo da internet. O senhor é mesmo Padre?? Que coisa horrível. Estou chocado com a sua atitude.

Vou rezar pelo Pe. Manuel Vaz Patto para que continue o seu maravilhoso trabalho e que tenha força para aguentar com os ataques dos inimigos da Igreja. E pelo padre Amaro Gonçalo para que o espírito santo lhe toque no coração e passe a ser um verdadeiro padre e não um intriguista e caluniador.
Vasco Conde

Anónimo disse...

Pe Nuno Miguel Rodrigues, da Congregação do Espirito Santo
Tive oportunidade de acompanhar algum do seu trabalho e sinto-me bastante desiludida. Nunca esperaria vê-lo a atacar assim outro sacerdote. O Papa Francisco tem toda a razão quando diz que o inimigo está dentro da Igreja. Não esperava que o Pe Nuno fosse um desses "inimigos". Esperemos que o Papa Francisco consiga limpar da Igreja pelo menos alguns desses inimigos que a destroem. Rezemos pelo Pe Manuel Vaz Patto pois precisará de muita força para enfrentar o mau clero. Deus o abençoe Pe Manuel.

Anónimo disse...

Alguns que julgam bons pela maneira como se vestem não passam de rivalistas e saudositas de um passado que já não existe!!! Porque desejam uma Igreja do sec. XVI? O que pode acrescentar isso à nova Evangelização? Que teologia escondem? Será que o Vaticano II foi a desgraça da Igreja? Dizem que foram atacados, procurem postagens anteriores e vejam que ataca quem?

Anónimo disse...

Tenho apreciado esta contenda e ainda não percebi o motivo. O Pe Manuel é da minha paróquia, uma pessoa exemplar. Ficamos muito felizes por estar na sua Missa Nova e foi com orgulho que o recebemos numa terra que é a sua. Mais satisfeitos ficamos por ver que se apresentou verdadeiramente como um sacerdote (óbvio que preferimos um padre de batina a um de fato). Que eu saiba não infringiu nenhuma regra e tudo decorreu com a maior dignidade. Agora não percebo porque alguns padres se sentiram incomodados a ponto de darem publicamente tão mau exemplo!

Anónimo disse...

Eu gostava de ver mais preocupação em denunciar os abusos litúrgicos e sacerdotes hereges como o Anselmo Borges.
Sou leigo e ainda não sei que raio de padre é que pode ter vergonha da própria batina.
Muita força aos sacerdotes mais jovens que parecem querer contrariar a tendência do ninho de víboras que vive instalado na Igreja e que só serve para por detrás de uma falsa humildade e simplicidade destruir símbolos e provocar uma maior secularização da Igreja. Rezarei muito por si Pe Manuel Patto. Deus o guarde.

Anónimo disse...

Muito Muito Muito bem. Precisamos de muitos mais padres assim com o espírito da verdadeira doutrina e amor a Cristo. Um padre de batina e capelo nestes tempos é um verdadeiro servo de Deus um dom um sacerdote que são Luís Maria falava na sua oração inflamada no tratado da verdadeira devoção a nossa senhora!!! Continue sempre assim porque o demónio vai fazer de tudo para que se dispa do traje clerical como fez com Cristo no calvário. O demónio tem terror à batina, à comunhão de joelhos e à missa bem celebrada. Tem a minha oração e apoio!!!

Anónimo disse...

Queria perguntar uma coisa muito simples. Estes santos padres de batina e tricórnio vestem sempre assim? Também quando saem à noite...???

Helena Mendes Oliveira disse...

Estou escandalizada com tudo o que aqui li e desculpem que vos diga:ESTA NÃO É DE TODO A MINHA IGREJA!!! Felicidades para si padre VazPatto e não ligue às más sementes que tb a nossa igreja tem!!!

João Victor disse...

Que tristeza. Padre Amaro Gonçalo e padre Nuno: hipócritas!!!! Hão-de ser vomitados! Preocupem-se com o ministério que vos foi confiado e parem de faltar à caridade! Víboras venenosas!!

Anónimo disse...

O problema não é tanto a batina. O tricórnio e o capelo já dão que pensar. Os padres humildes de que nos lembramos que usavam batina há uns bons anos nada tinham que ver com estes «revivalismos», que restauram apenas o «folclórico», não o interior. Esta é uma nova forma de vaidade que Jesus fustigou nos fariseus. Usar batina é uma coisa. Acrescentar tricórnio, capelo, brasão de armas, rendas de mau gosto e trejeitos artificiais, isso mostra falta de sentido comum e de maturidade, enorme insegurança. De resto, esta Missa Nova, com pregação no púlpito (!) é um bom exemplo de tudo isto: um despropósito, que em tempos de microfones não tem sentido. Temos ali uma forçada teatralização, bastante oca, por sinal.

Anónimo disse...

O "folclórico" que o SR.PADRE deve querer falar no seu comentário, que muitos padres vaidosos usam é a gravata, as roupas de marca, O SACERDOTE DESPIDO NO ALTAR E NA RUA SEM SINAIS PORQUE TÊM VERGONHA DE SER PADRES e medo de desagradar ao mundo!!! Atacam as coisas santas como o tricórnio e o capelo que são símbolos importantes que existem na tradição da igreja e que se o sr estudasse um bocadinho mais perceberia o que está por detrás dos paramentos usados nesta celebração verdadeiramente "cristocêntrica" onde não é um padre vaidoso de casula engelhada que celebra o digníssimo sacrifício de Cristo mas um padre como dizia São João Maria "vestido como um rei mas humilde como um camponês"! Estude mais e fale menos para não dizer heresias não julgar os outros e chegar à vida eterna. No fundo é para isso que serve a batina o tricórnio o capelo e a casula romana!!!

João disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João disse...

Boa tarde,
Visito este site e regra geral aprecio os seus conteudos.
Longe de discutir o que aconteceu na celebração litúrgica, certamente válida e santificadora para quem nela participou, interrogo-me do seu acontecimento e da partipação actual de todo o Povo de Deus.

Será esta ritual de celebração consequente com a vida da comunidade paroquial onde aconteceu? Dispuseram-se os fiéis a participarem activamente nesta celebração como bem recorda a Sacrossantum Concilium : «Para fomentar a participação activa, promovam-se as aclamações dos fiéis, as respostas, a salmodia, as antífonas, os cânticos, bem como as acções, gestos e atitudes corporais. Não deve deixar de observar-se, a seu tempo, um silêncio sagrado.» (n. 30).

Fiquei com dúvidas: esta foi a Missa Nova do Pe. Manuel Patto ou foi a celebração da Igreja presente em Nogueira do Cravo, celebrada e presidida pelo Pe. Manuel Patto?

Mas certamente que no final acrescento uma nota de formação presbiteral. Certamente que este neo-presbítero aprofundou o sentido teológico da sua formação litúrgica, o conversou com os seus formadores, que legitimamente foram colocados pelo bispo responsável pelo seminário...

Anónimo disse...

Viva a missa de Pio v