quinta-feira, 18 de junho de 2015

'Laudato Si': Papa Francisco critica ideologia de género e aborto

Foi divulgada hoje a 'Laudato Si', primeira encíclica escrita exclusivamente pelo Papa Francisco. A encíclica 'Lumen Fidei', que saiu já no pontificado actual, tinha sido escrita em grande parte pelo Papa Bento XVI.

A nova encíclica é bastante extensa, 187 páginas, e, como já se sabia, trata bastante de temas ecológicos e de sustentabilidade dos recursos naturais. 

Quando se trata de ecologia não é muito comum ver três críticas que o Papa faz: no parágrafo 50 à mentalidade contraceptiva, no parágrafo 155 à transexualidade e ideologia de género e no parágrafo 120 ao aborto. Vejamos as palavras do Papa:

50. Em vez de resolver os problemas dos pobres e pensar num mundo diferente, alguns limitam-se a propor uma redução da natalidade. Não faltam pressões internacionais sobre os países em vias de desenvolvimento, que condicionam as ajudas económicas a determinadas políticas de «saúde reprodutiva».

155. A ecologia humana implica também algo de muito profundo que é indispensável para se poder criar um ambiente mais dignificante: a relação necessária da vida do ser humano com a lei moral inscrita na sua própria natureza. Bento XVI dizia que existe uma «ecologia do homem», porque «também o homem possui uma natureza, que deve respeitar e não pode manipular como lhe apetece». 

Nesta linha, é preciso reconhecer que o nosso corpo nos põe em relação directa com o meio ambiente e com os outros seres vivos. A aceitação do próprio corpo como dom de Deus é necessária para acolher e aceitar o mundo inteiro como dom do Pai e casa comum; pelo contrário, uma lógica de domínio sobre o próprio corpo transforma-se numa lógica, por vezes subtil, de domínio sobre a criação. 

Aprender a aceitar o próprio corpo, a cuidar dele e a respeitar os seus significados é essencial para uma verdadeira ecologia humana. Também é necessário ter apreço pelo próprio corpo na sua feminilidade ou masculinidade, para se poder reconhecer a si mesmo no encontro com o outro que é diferente. 

Assim, é possível aceitar com alegria o dom específico do outro ou da outra, obra de Deus criador, e enriquecer-se mutuamente. Portanto, não é salutar um comportamento que pretenda «cancelar a diferença sexual, porque já não sabe confrontar-se com ela».

120. Uma vez que tudo está relacionado, também não é compatível a defesa da natureza com a justificação do aborto. Não parece viável um percurso educativo para acolher os seres frágeis que nos rodeiam e que, às vezes, são molestos e inoportunos, quando não se dá protecção a um embrião humano ainda que a sua chegada seja causa de incómodos e dificuldades: «Se se perde a sensibilidade pessoal e social ao acolhimento duma nova vida, definham também outras formas de acolhimento úteis à vida social».


blogger

1 comentário:

Jose gonçalves disse...

paragrafos que jamais serao destacados na midia porque sera