quinta-feira, 4 de junho de 2015

“Tive a sensação de que aquela Hóstia estava MESMO consagrada”

Alguns vão achar isto provocativo. Eu acho que é verdade.

Tive que fazer hoje uma chamada para o gabinete paroquial e, enquanto falava com a secretária, percebi que ela tinha ido à sua primeira Missa na Forma Extraordinária do Rito Romano. Perguntei-lhe o que é que ela tinha achado e a sua resposta foi:

“Eu tive a sensação de que aquela Hóstia estava MESMO consagrada.”

Depois continuou, explicando que percebe que as duas Missas são a mesma, [Ambas válidas.] mas que ela tinha sentido definitivamente que havia algo mais solene a acontecer na Missa Tradicional cantada.

O comentário dela marcou o meu dia e achei que podia marcar o seu também!

Este comentário abre muitos assuntos.

Primeiro, ela não está a dizer que a Hóstia está mais consagrada porque é a Forma Extraordinária. Para ser claro: Quando eu consagro a Hóstia na Forma Ordinária ela não está mais ou menos consagrada do que quando uso a Forma Extraordinária. Nem ficava mais ou menos consagrada se eu consagrasse segundo o Rito Maronita, o Rito Ambrosiano, o Rito Bizantino ou o Rito de Braga. Nem estaria mais ou menos consagrada do que se eu eventualmente fosse nomeado um monsenhor ou, pelos meus pecados, um bispo, cardeal ou papa.

No entanto, considerar a Missa meramente do ponto de vista do mínimo indispensável da validade é perigoso. Não devemos cair nessa armadilha. A Missa é mais do que a sine qua non, mais importante, consagração válida. A Missa é um conjunto.

Sim, algo mais está a acontecer durante uma Missa Cantata na forma tradicional e mais ainda na Missa Solemnis e ainda mais na Missa Pontificalis. É importante que forma antiga, tradicional, seja revivida, reaprendida, recuperada em todos os sítios. Precisamos da sua influência. Precisamos dela para reabilitar o culto litúrgico na Igreja Latina em todo o lado. Nenhuma iniciativa de "Nova Evangelização" ou de renovamento da Igreja vai ter um efeito concreto a não ser que renovemos o nosso culto litúrgico.

PORTANTO, fico profundamente agradecido e encorajado quando oiço seminaristas dizer que eles e muitos dos seus colegas estão abertos e/ou com vontade para aprender e depois usar a Forma Extraordinária.

Bento XVI deu-nos uma visão e uma missão. A visão e a missão permanecem. Não foram substituídas. Não foram canceladas, anuladas, repudiadas. Tal como disse antes, é tempo de tirar as rodinhas e pôr a andar a bicicleta! Se querem a Missa Tradicional, trabalhem por ela. Se é difícil, continuem a trabalhar. 

Este NÃO é o tempo para descansar. Este é precisamente o tempo para continuar a empurrar para a frente, fazendo petições para mais e mais e mais, e não apenas pelas pequenas migalhas que caiem da mesa dos meninos giros liberais. Os padres jovens apoiam-vos. Apoiem-nos a 100%.

Fr. John Zuhlsdorf in  Fr. Z's Blog


blogger

1 comentário:

José Lima disse...

A tradução em palavras simples da máxima "Lex Credendi, Lex Orandi"!