terça-feira, 31 de maio de 2016

Verdadeira festa no Céu: Nossa Senhora coroada Rainha

"Por fim, a Assunção chega ao seu auge: a coroação de Nossa Senhora como Rainha dos Anjos e dos Santos, do Céu e da Terra, pela Santíssima Trindade. Houve então uma verdadeira festa no Céu. Ela foi coroada por ser Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, Filha do Padre Eterno e Esposa do Divino Espírito Santo!"[1]

Afirma S. Luís Maria Grignion de Montfort que, "no Céu, Maria dá ordens aos Anjos e aos bem-aventurados. Para recompensar a sua profunda humildade, Deus Lhe deu o poder e a missão de povoar de Santos os tronos vazios, que os anjos apóstatas abandonaram e perderam por orgulho. E a vontade do Altíssimo, que exalta os humildes (Lc. I, 52), é que o Céu, a Terra e o Inferno se curvem, de bom ou mau grado, às ordens da humilde Maria".

Quando o Filho de Deus entreabriu o Céu para descer até nós, foi Maria que Lhe serviu de porta. Maria é a porta do Céu, porque todos os que nele entram, fazem-no seguindo a Jesus, por meio de Maria. A Terra, que o pecado de Adão havia separado do Céu, reconciliou-se com este pela intercessão de Maria, que nos deu Jesus. É por essa porta que todas as nossas orações chegam até Deus, e é por meio d'Ela que obtemos as graças necessárias para a nossa salvação. Maria humilde: escrava de Deus e serva dos homens.

Diz-nos hoje o Papa Francisco sobre Nossa Senhora: "Mulher corajosa! As mulheres corajosas que estão na Igreja são como a Virgem. Estas mulheres que levam para a frente a família, estas mulheres que levam a cabo a educação das crianças, que enfrentam muitas dificuldades, tantas dores, que curam os doentes... Corajosas: levantar-se e servir, servir. O serviço é sinal dos cristãos."[2]

Toda a devoção a Maria termina em Jesus, tal como o rio que se lança ao mar. Nossa Senhora é aquela que do Céu reina sobre as almas cristãs, a fim de que haja a salvação: “É impossível que se perca quem se dirige com confiança a Maria e a quem Ela acolher” ( diz-nos Santo Anselmo).

"Maria é a rainha do Céu e da terra, por graça, como Cristo é Rei por natureza e por conquista" (diz S. Luís Maria Grignion de Montfort). O reinado de Maria semelhante e em perfeita coincidência com o Reino de Jesus Cristo não é temporal nem terreno, mas é um reino eterno e universal. "[E]sta realeza da Mãe de Deus se faz concreta no amor e no serviço a seus filhos, em seu constante velar pelas pessoas e suas necessidades." - diz o Papa Bento XVI.

"(...) Maria é rainha, por ter dado a vida a um Filho, que no próprio instante da sua concepção, mesmo como homem, era rei e senhor de todas as coisas, pela união hipostática da natureza humana com o Verbo. Por isso muito bem escreveu S. João Damasceno: "Tornou-se verdadeiramente senhora de toda a criação, no momento em que se tornou Mãe do Criador"."[3]

"Dessas premissas se pode argumentar: Se Maria, na obra da salvação espiritual, foi associada por vontade de Deus a Jesus Cristo, princípio de salvação, e o foi quase como Eva foi associada a Adão, princípio de morte, podendo-se afirmar que a nossa redenção se realizou segundo uma certa "recapitulação", pela qual o género humano, sujeito à morte por causa duma virgem, salva-se também por meio duma virgem; se, além disso, pode-se dizer igualmente que esta gloriosíssima Senhora foi escolhida para Mãe de Cristo "para lhe ser associada na redenção do género humano", e se realmente "foi ela que – isenta de qualquer culpa pessoal ou hereditária, e sempre estreitamente unida a seu Filho – o ofereceu no Gólgota ao eterno Pai, sacrificando juntamente, qual nova Eva, os direitos e o amor de mãe em benefício de toda a posteridade de Adão, manchada pela sua desventurada queda" poder-se-á legitimamente concluir que, assim como Cristo, o novo Adão, deve-se chamar rei não só porque é Filho de Deus mas também porque é nosso redentor, assim, segundo certa analogia, pode-se afirmar também que a bem-aventurada virgem Maria é rainha, não só porque é Mãe de Deus mas ainda porque, como nova Eva, foi associada ao novo Adão."[4]

"Procurem pois todos, e agora com mais confiança, aproximar-se do trono da misericórdia e da graça, para pedir à nossa Rainha e Mãe socorro na adversidade, luz nas trevas, conforto na dor e no pranto; e, o que é mais, esforcem-se por se libertar da escravidão do pecado, e prestem ao ceptro régio de tão poderosa Mãe a homenagem duradoura da devoção filial. Frequentem as multidões de fiéis os seus templos e celebrem-lhe as festas; ande nas mãos de todos a piedosa coroa do terço; e reúna a recitação dele – nas igrejas, nas casas, nos hospitais e nas prisões – ora pequenos grupos, ora grandes assembleias, para cantarem as glórias de Maria."[5] (No entanto,) "[n]em presuma alguém ser filho de Maria, digno de se acolher à sua poderosíssima protecção, se a exemplo dela não é justo, manso e casto, e não mostra verdadeira fraternidade, evitando ferir e prejudicar, e procurando socorrer e dar ânimo."[6]

"Em algumas regiões da terra, não falta quem seja injustamente perseguido por causa do nome cristão e se veja privado dos direitos divinos e humanos da liberdade. Para afastar tais males, nada conseguiram até hoje justificados pedidos e reiterados protestos. A esses filhos inocentes e atormentados volva os seus olhos de misericórdia, cuja luz dissipa nuvens e serena tempestades, a poderosa Senhora dos acontecimentos e dos tempos, que sabe vencer a maldade com o seu pé virginal. Conceda-lhes poderem em breve gozar a devida liberdade e cumprir publicamente os deveres religiosos. E, servindo a causa do Evangelho – com o seu esforço concorde e egrégias virtudes, de que no meio de tantas dificuldades dão exemplo – concorram para o fortalecimento e progresso das sociedades terrestres."[7]

"Foi pela Santíssima Virgem Maria que Jesus veio ao mundo e por ela também deverá Jesus reinar no mundo."[8] "Se, como é certo, o conhecimento e o Reino de Cristo chegarem ao mundo, isto será necessária consequência do conhecimento e do reino da Santíssima Virgem Maria".[9] "Por fim, o meu Imaculado Coração Triunfará".[10] Que venha o Reino de Maria, para que assim venha o Reino de Jesus Cristo!
  
Ad Iesum Per Mariam!

PF

Notas:
 

[1] Meditações dos Primeiros Sábados - Pe. António de Almeida Fazenda, SJ
 

[2] Papa Francisco, 31-05-2016, Homília na Casa de Santa Marta
 

[3] Pio XII, Carta enc. Ad Caeli Reginam, p. 33
 

[4] Pio XII, Carta enc. Ad Caeli Reginam, p. 36
 

[5] Pio XII, Carta enc. Ad Caeli Reginam, p. 46
 

[6] Pio XII, Carta enc. Ad Caeli Reginam, p. 47
 

[7] Pio XII, Carta enc. Ad Caeli Reginam, p. 48
 

[8] S. Luís Maria Grignion de Montfort, Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem Maria, p. 1
 

[9] S. Luís Maria Grignion de Montfort, Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem Maria, p.13
 

[10] Irmã Lúcia dos Santos, Terceira Parte do Segredo de Fátima, Tuy, 3-1-1944


blogger

Sem comentários: