sábado, 16 de novembro de 2019

A redenção do Padre X

Foi num dia de Novembro, há alguns anos, quando enterrámos o Padre X. Um sacerdote com quase noventa anos, que confessava todos os dias, e quase durante todo o dia, numa igreja nos subúrbios de uma grande cidade e ajudou a servir a todos, mesmo nos trabalhos mais humildes. Nenhum dos seus paroquianos conhecia o "grande milagre silencioso" que ele vivera aos quarenta e dois anos de sua vida.

Alguns anos depois de ter sido ordenado sacerdote, ele abandonou tudo; e, para evitar provocar escândalo aos seus paroquianos, partiu para um país distante para "refazer a sua vida", como ele disse.

A sua vida não foi exemplar: duas uniões civis fracassaram, graças a Deus sem nenhum filho. Não faltou o álcool, também. Com a consciência entorpecida foram passando os anos, um após outro, sem grandes horizontes ou sacrifícios especiais, enquanto trabalhava como contabilista num armazém e vivia uma vida infeliz; muitas vezes com manifestações de ateísmo.

Um dia, sentado no seu escritório, enquanto fazia os últimos balanços do mês, ouviu uma voz que gritou pedindo ajuda: Um padre, um padre! Na entrada do prédio, um grupo de pessoas cercou uma jovem desmaiada no chão. Um amigo, ajoelhado, tentou reanimá-la. Ele era médico e tinha percebido que era um ataque cardíaco agudo, que deixava poucas possibilidades de sobrevivência. Mais uma vez gritou procurando por um sacerdote. 

X chegou naquele momento e quando viu a jovem em agonia, que abriu os olhos e olhou para ela reviveu todo o seu passado como um terremoto na sua alma. "Tu es sacerdos in aeternum - para sempre - secundum ordinem Melchisedech." As palavras da sua ordenação surgiram vigorosamente na sua cabeça e no seu coração.

O médico amigo da moribunda, quando o viu chegar, percebeu a expressão no seu rosto e perguntou-lhe sem hesitar: você é padre? X sentiu um calafrio por todo o corpo. Como é que aquele homem poderia saber? Ele hesitou e finalmente respondeu: sim.

Absolva-a imediatamente, ela está prestes a morrer! Ela fez um aborto há algumas semanas, estava com uma depressão profunda e queria pedir desculpas ao Senhor pelo seu pecado. Absolva-a, por favor!

As palavras da absolvição sacramental vieram imediatamente à sua boca. Com voz trémula disse: "Eu te absolvo dos seus pecados, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". E os seus olhos ficaram húmidos.

Demorou alguns meses até deixar o Espírito Santo entrar na sua alma, mas finalmente abriu as portas do seu coração, depois de uma visita a um Santuário da Virgem Maria. Ele não chegara a pedir uma dispensa de seus deveres sacerdotais. Seria possível voltar ao ministério sacerdotal?

O seu Bispo já havia falecido. Depois de pensar um pouco decidiu falar com um Bispo de uma diocese longe da sua diocese de origem. A sua Mãe também havia morrido e ele não tinha irmãos nem outros laços familiares. Tudo começou de novo.

Um padre amigo, e seu companheiro de seminário, esteve ao seu lado durante todo o processo de reintegração. O Diabo sabe como tentar nesses momentos, mas falhou. Uns exercícios espirituais e a recepção amigável do Bispo deixaram-no em paz. X, arrependido de todo o coração, voltou a exercer o seu ministério. A primeira vez que ele vestiu a batina, e se viu ao espelho, chorou amargamente. Lembrou-se de São Pedro.

Ernesto Juliá in Infocatolica

Tradução: Senza Pagare


blogger

Sem comentários: