segunda-feira, 18 de março de 2013

Papa Francisco: A devoção a Maria e a "Nova Evangelização"

O que é a Nova Evangelização? O termo é tão usado mas eu ainda não sei o que é ou como será feita? Por vezes preocupo-me que se tenha tornado um mero clichè ou um slogan. Já está impresso em quase todas as brochuras católicas, críticas de livros e websites. Mas o que é exactamente "A Nova Evangelização"? É uma estratégia, um renovamento cultural, um esforço missionário, algo relacionado com a internet, ou um renovamento de algo que já existe?

O Papa Francisco pode ter um entendimento totalmente diferente da "Nova Evangelização"? Penso que Sua Santidade nos pode surpreender ao relegar a "Nova Evangelização" a algo simplesmente Mariano.

No meu novo livro, The Eternal City: Rome & the Origins of Catholicism escrevi (na Conclusão) que a Nova Evangelização só vai ter sucesso no sentido em que se modelar à Velha Evangelização da Europa - um processo que foi profundamente Romano, evangélico, missionário, milagroso e monástico. No entanto, quando escrevi o livro, deixei de fora um ingrediente chave. Os grandes missionários, santos e doutores da Igreja partilham uma consagração total da sua vida e apostolado à Bem-Aventurada Virgem Maria. Todos os grandes "evangelizadores" foram profundamente Marianos.

Por esta razão, fiquei entusiasmado quando soube que o Papa Francisco reza os 15 Mistérios do Santo Rosário diariamente. Descobri este detalhe interessante enquanto via os "fast facts" sobre o Papa Francisco em NewAdvent.org. O Terço é a devoção central da minha vida e da minha família. É a maneira principal em que conheço e percebo melhor o meu Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Depois da morte do Papa João Paulo II em 2005, o então Cardeal Jorge Mario Bergoglio contou como o exemplo de João Paulo II o tinha inspirado a "recitar os quinze mistérios do Rosário todos os dias".

Foi em 1985, se me lembro bem. Uma noite fui rezar o Santo Terço que estava a ser guiado pelo Santo Padre [João Paulo II]. Ele estava à frente de toda a gente, de joelhos. O grupo era numeroso; eu via o Santo Padre de costas e, a pouco e pouco, perdi-me na oração. Não estava sozinho: estava a rezar no meio do povo de Deus a quem eu e todos os que lá estávamos pertencíamos, guiados pelo nosso Pastor.
Senti que este homem [João Paulo II], escolhido para guiar a Igreja, estava a subir um caminho para a sua Mãe no céu, um caminho começado desde a sua infância. E apercebi-me do peso das palavras da Mãe de Guadalupe a São João Diogo: 'Não tenhas medo, não sou eu a tua mãe?' Percebi a presença de Maria na vida do Papa.
Este testemunho não ficou esquecido num instante. Desde aquela altura que rezo os quinze mistérios do Rosário todos os dias.
Penso que esta citação fala abundantemente sobre o Papa Francisco. Ontem, escrevi sobre como o campo tradicional estava a resmungar sobre a "não-preferência" do Papa Francisco pela Forma Extraordinária da Santa Missa. No entanto, também tenho lido preocupações de Católicos a expressar uma ligeira frustração de que os cardeais não tenham eleito um "Papa JP2" enérgico, pronto para acender a "Nova Evangelização" ao lidar com a cultura e os meios sociais.

Depois de ler esta longa citação pelo então Cardeal Bergoglio, penso que podemos ter esperança. O nosso novo Santo Padre não parece interessado em métodos ou clichés novos. Ele sente-se atraído por santos como São João Diogo e São Francisco de Assis. Homens pequenos, pobres e humildes com GRANDE devoção à Mãe de Deus. Não admira: Este dois humildes santos trouxeram os maiores momentos de evangelização na história da Igreja.

Evangelização, velha ou nova, depende sempre das intercessões mediáticas da grande Mãe de Deus, Maria Santíssima. Cristo escolheu entrar no mundo através dela e Ele estabeleceu que chegássemos a Ele mais facilmente através dela. A maior "Nova Evangelização" no Novo Mundo aconteceu quando a Santíssima Mãe apareceu ao humilde e esquecido camponês chamado João Diogo. A Virgem de Guadalupe rapidamente converteu 9 milhões de nativos!

Agora, a maior "Nova Evangelização" no Velho Mundo da Europa (depois do tempo de Cristo e dos Apóstolos) foi sem dúvida o ministério de S. Francisco de Assis que "reconstruiu" a Igreja de Cristo. Francisco estava tão conformado a Cristo que levava em si as chagas de Cristo, na sua carne.

São Francisco foi provavelmente o santo mais Mariano que alguma vez viveu. A sua vida inteira foi consagrada a Maria. Ele é provavelmente o primeiro santo a identificar Maria como a "Esposa do Espírito Santo". Num sonho do irmão Leo, São Francisco indicou aos frades que o Céu não podia ser ganho através de grandes penitências, mas pela entrega confiada à Santa Mãe de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Mais ainda, a igreja mãe de São Francisco de Assis, a "Portiuncula" ou Santa Maria dos Anjos, foi-lhe revelada como uma "pequena parte" de Maria. Francisco desejou que esta "igreja mãe" de Maria fosse um lugar de peregrinação - com o significado igual (com a mesma indulgência) a Roma e Jerusalém. Quando Francisco morreu, quis ser colocado nu no chão dessa pequena Igreja de Santa Maria - de tal modo que morresse nas mãos de Maria!

O meu palpite é que o Papa Francisco acredita que a verdadeira devoção a Maria é a chave tanto para a conversão pessoal como para a conversão do mundo inteiro a Cristo Rei. Espero que o Papa Francisco traga consigo aquele caloroso "brilho Mariano" que os Papas Pio IX, Leão XIII, São Pio X, Pio XII e João Paulo II trouxeram.

Quando a imprensa secular falar da "humildade" no Papa Francisco, talvez o que eles vejam realmente é um Pontífice que é sobriamente Mariano. O tempo o dirá. Taylor Marshall


blogger

11 comentários:

Maria de Fátima disse...

É o mesmo João Silveira, estudante de Teologia que, ontem, em Roma, foi entrevistado para a televisão ( já não me lembro qual)?

João Silveira disse...

É sim :)

Anónimo disse...

Só um pormenor: o Rosário passou a ter 20 mistérios. Além disso, é de facto sumamente edificante saber que o Santo Padre recita 15 mistérios do Rosário por dia. Deus conservet eum!

Maria de Fátima disse...

Pois gostei de o conhecer.
Fazia-o mais velho (deve ser pela maturidade na fé que demonstra).:)

Anónimo disse...

Já agora:

o autor deste texto é o mesmo que fez constar que a renúncia de Bento XVI tinha a ver com uma locução de Maria?

Albertino

Anónimo disse...

De Maria nunquam satis. I liked to read this about the Holy Father. Thank you.

Nuno CB disse...

É o mesmo, sim.

Anónimo disse...


Obrigado. Era só para avaliar a credibilidade do que aqui está escrito. Zero, portanto.

Albertino

Anónimo disse...

Excelente artigo!

Nuno CB disse...

Credibilidade zero? Porque diz isso?

apenas um cristão disse...

Cristo escolheu entrar no mundo através dela e Ele estabeleceu que chegássemos a Ele mais facilmente através dela.- QUE LEGAL, UM ATALHO...