sexta-feira, 28 de junho de 2013

10 Razões pelas quais é tão difícil tornar-se Católico


É difícil tornar-se Católico?

Eu já falei com mais ou menos entre 50 a 100 ministros protestantes que se tornaram Católicos ou que estão a pensar entrar em comunhão plena com a Igreja Católica. A maior parte são anglicanos ou presbiterianos. Poucos luteranos.

Com o passar dos anos, fui juntando as "dez grandes" coisas que ou causam dor ou levam uma pessoa a dizer "Não obrigado", à Igreja Católica.

#10 Submissão teológica
É difícil dizer serviam ("Servirei"). A teologia já não é "o que eu penso". Requer uma submissão da mente. Ao mesmo tempo, isto é uma libertação da mente. Ainda assim, é difícil dizer a si próprio: "Eu não percebo completamente o tesouro dos méritos, mas submeto a minha razão à razão da Igreja."

#9 Sacerdotes
Os sacerdotes Católicos não são como os ministros protestantes. Em termos relativos, eles são mais distantes que o clero protestante, embora por boas razões, algumas vezes. Um protestante tem a experiência de um ministro a sorrir sempre que o vê, que decora o seu nome e geralmente a mudar o seu caminho para criar uma ligação pessoal. Isto raramente acontece no Catolicismo. Eu admito isto - magoa um bocado o meu orgulho. Eu gostava de ser cumprimentado e aclamado pelo pastor depois da Missa. É de humildade fazer parte das massas na Missa.

Os ministros protestantes normalmente têm congregações mais pequenas e mais competição entre si. Assim sendo, é muito mais provável que o ministro diga, "Hey, 'bora ao Starbucks esta semana para falar sobre a tua fé."

Claro, eu conheço dúzias de sacerdotes Católicos que de facto se dão a conhecer a um nível pessoal mas, em grande parte, os sacerdotes Católicos esticam-se menos. Consequentemente, o acesso pessoal é mais raro. E, para ser honesto, fico contente por saber que os meus sacerdotes estão a ouvir confissões e a ir para o hospital a toda a hora. Estão assim a usar muito melhor o seu tempo do que quando estão a beber um café caro comigo.

#8 Liturgia
Começo a pensar que não há nada tão controverso como a liturgia da Igreja Católica. Está no centro de tudo.

Eu gosto de liturgias bonitas e exactas. Os rapazes de altar a virar-se num instante e a fazer um ângulo recto de 90 graus à volta do altar. Latim. Canto gregoriano. Genuflexões sincronizadas. Sinais da cruz bem definidos. O corporal dobrado da maneira certa (para cima e não para baixo!). Devem ter adivinhado. Eu assisto à Forma Extraordinária da Missa. 

No entanto, não é assim em todo o lado. Há algumas liturgias fantásticas e algumas liturgias não tão fantásticas. Às vezes, potenciais convertidos vão a uma liturgia não tão fantástica, com muitas rúbricas quebradas e excentricidades. É difícil para muitos deles - especialmente se vêm de uma forma de protestantismo mais litúrgica. Não sei qual a melhor maneira de responder a este problema. Tudo o que sei é que é um problema.

A minha sugestão é a "Grande Migração Católica do Século XXI." Carreguem aqui para saberem mais sobre a "grande migração."

#7 Lidar com o matrimónio, o divórcio, a homossexualidade, a contracepção e o aborto
Algumas pessoas têm casamentos irregulares, vivem estilos de vida homossexuais ou gozam dos confortos da contracepção. É doloroso permitir que o vosso divórcio e novo casamento seja examinado pelo tribunal do bispo. É embaraçoso falar de um "estilo de vida". Não é fácil imaginar ter uma carrinha cheia de lugares no carro ou ter que repensar a vasectomia.

Nalguns casos as pessoas têm que voltar a pensar num aborto que ocorreu décadas atrás. Este tipo de coisas cortam fundo no coração e fazem-nos sofrer. Tudo isto é compreensível e penso que estas coisas deviam ser tratadas com cuidado e compaixão. Se são potenciais convertidos, rezem e procurem um bom padre com quem possam falar em confidência.

Digo também, por experiência pessoal, que a cura de uma boa confissão é cerca de 100 vezes mais poderosa que qualquer vergonha ou medos associados com problemas passados. Penso que outros concordariam.

#6 Desconfortos financeiros
Se são clérigos então estão a preparar-se para perder a vossa grande pensão, os grandes benefícios de saúde, os fundos descricionários e o vosso salário. Eu já passei por isso e é duro. É como se não tivessem sido treinados para fazer alguma coisa que seja comerciável. Duvido que alguma pessoa vos pague para escreverem sermões para eles ou para liderar um pequeno grupo de estudo da Bíblia. Isto sem dizer que a maior parte dos ministros passam por um grande corte nos pagamentos quando se tornam Católicos. O dinheiro para sustentar a família vai-se abaixo. Normalmente começam a ter mais crianças. E, além disso, começam a pagar a educação na paróquia - mais outro tiro no bolso.

#5 Confusão vocacional
Foi difícil, no início, admitir que o meu sacerdócio anglicano era inválido. Eu não era sacerdote há muito tempo, mas ouvia confissões, ungia os moribundos, etc. O que é que eu estava a fazer? O que estava Deus a fazer? Porque é que Deus me deixava actuar sacramentalmente em pessoas que estavam profundamente afligidas? Ainda não sei como "classificar" esses actos ministeriais.

Penso que outros futuros convertidos lutam com estas mesmas ideias. Mesmo se sendo leigos, pensam sobre as suas funções passadas como professores da escola dominical, mentores, líderes de estudo da bíblia, conselheiros, etc.

#4 Ser ridicularizados e considerado estranhos por não-Católicos
A família e os amigos não percebem. Mesmo quando tentam perceber, nunca vão apreciar as frustrações, os estudos e a procura de coração que está por trás do tornar-se Católico. Alguns Anglicanos ainda me chamam "Padre", o que me faz sentir desconfortável. Outros escreveram coisas terríveis sobre mim. Nunca fui tão atacado por mais nada senão isto na minha vida.

A tensão normalmente aparece com os pais e irmãos. Até já ouvi falar de convertidos cujas heranças lhes foram cortadas por se terem tornado "Romanos".

#3 Ser ridicularizados e considerado estranhos por Católicos
Isto pode parecer estranho, mas alguns Católicos desconfiam dos que se convertem ao Catolicismo. Aparecem em duas formas. Tipo A é o Católico de berço que tem tudo organizado e suspeita que o convertido seja um cripto-protestante, sem prática nos modos próprios de ser Católico. Se o novo Católico reza de improviso, então diz "Nós não fazemos assim." Se o convertido cita a Escritura para dizer alguma coisa, eles também franzem os olhos sobre isto.

Alguns Católicos também pensam que ajuda ridicularizar o meu passado como não-Católico, como se isso de alguma forma me validasse como "um deles".  Alguns Católicos simplesmente gostam imenso de ouvir convertidos a dizer mal da sua antiga fé. Isto coloca o convertido numa posição estranha.

Tipo B é o Católico de berço que está menos comprometido com as coisas próprias da fé Católica. Eles vêem os convertidos cheios de zelo como uma ameaça. Estes convertidos preocupam-se demasiado com os dogmas e a verdade. E isto leva-nos ao obstáculo número dois...

#2 Catequese para adultos [RCIA (Rite for Christian Initiation of Adults)]
A catequese para adultos deve ter sido inventada para que cada conversão à Igreja Católica pareça, de algum modo, milagrosa. Isto porque a Catequese para adultos é normalmente dirigida ou organizada por alguém que é um Católico "tipo B" descrito em cima. Estas pessoas não parecem perceber o quão zelosos podem ser estes convertidos. Os catequistas salientam mais a parte dos "sentimentos" do Catolicismo e não a parte da "ortodoxia" do Catolicismo, para grande desgosto dos convertidos que já tiveram demasiados apelos protestantes aos seus sentimentos.

É impressionante quantas pessoas "desistem" na catequese para adultos. E também é impressionante quantos conseguem passar. Conheço muitas pessoas que tiveram experiências de catequeses para adultos maravilhosas, mas conheço muitas mais que tiveram que defender a fé Católica enquanto faziam a catequese.

Para assegurar que não magoo ninguém, saúdo e aplaudo todos os grandes catequistas de catequese para adultos que existem por aí. Sei que andam por aí e estamo-vos agradecidos! Continuem o bom trabalho.

#1 Orgulho
Não sei como dizer isto de uma forma espirituosa, mas o orgulho tem o primeiro lugar. Num certo ponto da vida, senti que era demasiado bom para todas aquelas pessoas que respeitavam o Menino Jesus de Praga. Tenho vergonha de o admitir, mas aí está. Porquê aderir a uma religião onde as pessoas pintam imagens de Nossa Senhora de Guadalupe nos capôs dos seus lowriders [carro típico americano]? (Eu cresci no Texas...) Um cavalheiro protestante uma vez disse-me que não podia ser Católico porque era "uma religião das massas". Eu perguntei-lhe o que é que ele queria dizer com isso e o termo "Mexicanos" estava implícito na sua resposta.

Estar contra a religião das massas e imigrantes é ser snob.

Simplesmente é mais giro ir a uma mega-igreja evangélica que tenha uma piscina, um campo de basket, apresentações powerpoint e uma fantástica "equipa de louvor". Às vezes gostava que as nossas homilias tivessem  boas referências culturais ou finais de cortar a respiração. No entanto, isto não é o mais comum na homilia de paróquias. Taylor Marshall


blogger

Sem comentários: