quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Olá, queres congelar os teus óvulos? Eu pago, não te preocupes!

A Apple e o Facebook ofereceram-se para pagar o congelamento de óvulos das suas funcionárias. São tão generosos, não são? Mesmo queridos, dar assim dinheiro às senhoras, apenas interessados no seu bem-estar.

Acho que estas duas empresas são fortes candidatas ao prémio Nobel da Paz, depois desta proposta tão altruísta.

Para uma mulher, nada como trabalhar como se não houvesse amanhã enquanto é nova, estoirar-se toda, a bem da empresa, e depois, quando já não for tão útil, pode ir ter filhos à vontade, os óvulos estão ali congeladinhos à espera.

Afinal de contas quem é que quer ser mãe quando pode ser avó? Ser avó é muito mais giro: só se diz coisas agradáveis às crianças, dá-se chocolates à vontade e salta-se aquela parte aborrecida de fazer cara de má, ter que dizer que não, e correr atrás dos cachopos.

Assim como assim sabe-se que os velhinhos são como as crianças, por isso podem aproveitar para passar juntos essa fase da vida, tão diferente mas tão igual. Até dizem que se comprarmos fraldas às dúzias é mais barato, isto é só vantagens!

A primeira metade da vida? Essa foi dedicada à carreira e à empresa, que bem precisa, coitadinha. A partir da meia-idade é que vai ser ter filhos à grande, vai ser à fartazana!

A Humanidade tem que agradecer à Apple e ao Facebook por provarem mais uma vez que tudo o que pode ser feito DEVE ser feito, a bem da conta bancária e da capitalização bolsista.

João Silveira


blogger

1 comentário:

Pedro Salter Cid disse...

À Senza Pagare,
Tive oportunidade de comentar há dois dias essa informação, quando foi publicada pela TSF. É de facto lamentável que duas empresas "sociais" tenham a ousadia de responder a um apelo das suas funcionárias para adiar a geração de novas vidas. É por a vida "on hold" e, como se afirma no vosso texto, dar-lhes o bom da vida, a maior disponibilidade, os melhores anos, para depois já cansadas, se retirarem para serem mães/avós...
Porque foi uma resposta a um pedido das funcionárias. Mas mesmo assim, é pena que trabalhar e produzir riqueza aos outros seja mais importante do que tratar das nossas famílias.
Obrigado ao Senza Pagare pelos artigos que nos traz.
Pedro de Salter Cid, AD14/X/17.