terça-feira, 19 de maio de 2015

Quando o Técnico foi a Fátima

Foi uma semana cheia de miséria: o bullying nas escolas ou a brutalidade no final da noite em que o Benfica venceu o campeonato. Por isso, é sempre bom relembrar que é possível ser bom, é possível ser feliz. É possível lutar (e vencer) contra esta onda por onde o mundo nos tenta arrastar.

A beleza de ver vidas concretas a mudar para se tornarem melhores contrasta com estes males. E torna evidente que o coração do homem está feito para um algo enorme - infinito. Um coração que, em todas as situações da vida humana, grita a necessidade de Deus: "Quero repousar em Vós" dizia Sto. Agostinho há mais de 1600 anos e, com ele, tantos outros homens e mulheres. Ainda hoje.

Este fim-de-semana, 60 rapazes e raparigas puseram-se a pé a caminho de Fátima. Só que era um grupo especial, diferente dos outros que há anos caminham por estes dias de Maio. É que 2015 foi o ano que presenciou a primeira peregrinação a Fátima do Instituto Superior Técnico (IST), a maior escola de ciência e engenharia do país.
O Técnico é uma instituição que muitos julgam ser marcada pelo ateísmo ou agnosticismo ou, pior ainda, por um indiferentismo em relação às coisas de Deus. Mas não podiam estar mais enganados. Como disse um professor do Instituto, que foi falar ao último dia da peregrinação, o Técnico é uma faculdade propícia à conversão - antes de mais pelo estudo rigoroso que faz da Natureza.

Tudo se torna evidente quando vemos que em 2010 começavam, humildemente, as missões universitárias no Técnico e em 2015 o IST já é a faculdade do país com mais missões. E agora faz peregrinações.

Mais ainda, esta era uma peregrinação a Fátima onde se podia falar de ciência sem causar estranheza: não era raro ouvir falar de "refracção e dispersão da luz" ou até de "coordenadas cilíndricas", no meio de muitas outras conversas saudáveis. Se calhar foi por existir esta implícita ânsia de seriedade e de verdade que se fizeram, ao longo da peregrinação, prospostas tão exigentes e tão sérias com as que foram feitas.

Para os que não acreditam em Fátima admito que ver estudantes de cadeiras de física e de matemática caminhar para Fátima faça alguma confusão. É normal. O milagre do Sol, como qualquer outra coisa, merece ser questionado e compreendido. Por isso é que a própria peregrinação começou com uma conferência sobre o olhar da ciência sobre o milagre do Sol, a coluna da mensagem de Fátima (ver mais sobre isto aqui).

E depois continuou com um olhar, ainda assente na razão, sobre a mensagem de Fátima.

Daí a insistência em rezar o Terço todos os dias, como Nossa Senhora pediu, em fazer sacrifícios para consolar o Céu, em ouvir que a confissão tem que ser, no mínimo, uma vez por mês, ou em aprender que na Missa estamos diante de um Sacrifício - o Calvário da Cruz de Jesus. O sacerdote que acompanhou estes estudantes também foi uma pérola preciosa. Estava feliz por estar com gente de ciência, dada a sua paixão pela filosofia e teologia de S. Tomás de Aquino, reflexo da sua fidelidade à Igreja.

Não era raro ver, no final do grupo que caminhava, o padre de cabeção a confessar pessoas, mesmo em subidas acentuadas, à torreira do Sol.

É este o núcleo da mensagem da Fátima: a graça de Deus a actuar nos corações dos homens, enquanto o mundo dá voltas e voltas. Foi por isso que foram escolhidos três pastorinhos de Aljustrel para falar com Nossa Senhora. E foi por isso que agora estes 60 foram escolhidos para participar este fim-de-semana na primeira peregrinação do Técnico. 

Nossa Senhora disse em Fátima que o Seu Imaculado Coração iria triunfar. Mais, o conteúdo do Segredo de Fátima (2ª parte), inclui a vontade expressa de Deus em estabelecer no mundo a devoção ao Imaculado Coração de Maria. Por mais oposição que os homens lhe façam, a acção da Graça no silêncio, mais tarde ou mais cedo, irá revelar-se. E este fim-de-semana revelou-se no Técnico. Mas iluda-se quem pense que isto vai ficar por aqui.

Não serão os já existentes cursos de fé e ciência, conferências sobre a existência de Deus, Terços semanais, Missas mensais ou missões anuais uma rampa de lançamento para algo mais?

Como disse o Papa Bento XVI em Fátima:
"Iludir-se-ia quem pensasse que a missão profética de Fátima esteja concluída. (...)  Então eram só três, cujo exemplo de vida irradiou e se multiplicou em grupos sem conta por toda a superfície da terra, nomeadamente à passagem da Virgem Peregrina (...). Possam os sete anos que nos separam do centenário das Aparições apressar o anunciado triunfo do Coração Imaculado de Maria para glória da Santíssima."

Nuno CB



blogger

5 comentários:

Pedro disse...

Quem era o sacerdote?

hlx disse...

Muito bom texto, com antigo aluno do IST fico muito contente com os frutos que vão surgindo!

Apenas uma correção:

As missões do Técnico começaram em 2004 e não em 2010, embora tenha havido um interregno de 2 anos. Parece que também nas missões do Técnico foi necessário a morte para haver verdadeira vida!!

Nuno CB disse...

Caro hlx,

É verdade, eu sabia que já tinham acontecido missões no Técnico, alguns anos antes de 2010, mas referia-me a este reinício.

E é isso mesmo - parece que o Técnico fervilha por Deus, em todas as gerações.

Obrigado!,
NCB

Anónimo disse...

qual o mal de do indiferentismo a Deus?
É uma universidade. Não é uma igreja.
Cada coisa no seu lugar. Quem quer saber de Deus, que queira, quem não quer, que não o faça. Agora caracterizar estabelecimentos assim desse modo é simplesmente ridículo

Daniel disse...

Muito bem, como antigo aluno do IST e agora padre, fico muito contente por ver o Evangelho a mexer com a vida daqueles estudantes. Achei graça porque reconheci o tal professor na foto. Deu-me aulas de Mecânica de Fluidos, já no início deste século...