terça-feira, 19 de dezembro de 2017

"Presépio" do Santuário de Fátima escandaliza fiéis

A reitoria do Santuário de Fátima decidiu colocar este "Presépio" na Basílica do Santuário, no ano do Centenário das Aparições. A evidente falta de beleza destas figuras gerou uma onda de protestos na página do Santuário e um pouco por toda a internet. Será muito difícil perceber que isto é horrível e uma ofensa à Sagrada Família? Quem dirige o Santuário de Fátima parece não conseguir ver o que todos nós vemos.

Estes objectos estranhos juntam-se à longa lista de obras de "arte sacra" desastrosas que têm preenchido o Santuário de Fátima, tornando-o cada vez mais num lugar feio e sem sinais do Sagrado. Gastar as doações dos peregrinos, muitos deles pobres, nestas coisas hediondas é uma ofensa grave e uma prova de gestão danosa no Santuário de Fátima. Até quando se prolongará este pesadelo sem qualquer acção da Conferência Episcopal Portuguesa ou da Santa Sé? 

João Silveira


blogger

15 comentários:

Walter disse...

lAMENTÁVEL E ENTRISTECEDOR

Unknown disse...

Eu gostaria que me explicassem , onde está a beleza ?

marie poirier disse...

Hoooorrrivel!😠
Medonho!...mau gosto puro!😝

É..o fim. Essa..."igreja" berGOGlia
na....NAO É ...a IGREJA CATOLICA fundada por JESUS CRISTO!!

Esses...."padres"...estao "bicados" pelo inimigo: estao...contaminados!
INFELIZMENTE!😝

MARANATHA!!!

marie poirier disse...

Hoooorrrivel!😠
Medonho!...mau gosto puro!😝

É..o fim. Essa..."igreja" berGOGlia
na....NAO É ...a IGREJA CATOLICA fundada por JESUS CRISTO!!

Esses...."padres"...estao "bicados" pelo inimigo: estao...contaminados!
INFELIZMENTE!😝

MARANATHA!!!

Sim, sou Católico disse...

Além de serem peças, no mínimo, muito feias, elas não cumprem aquele que deveria ser o seu principal objetivo: levar à oração. Isso não é arte sacra e, em não sendo, jamais poderiam estar ali.

Anónimo disse...

É muito triste... Jesus, Nossa Senhora e os Pastorinhos devem estar muito tristes...


Celeste Novais disse...

Acho estas imagens muito feias e não nos levam a viver o nascimento do Menino Jesus.

teresa disse...

Quem escolhe estas imagens ??? Até o Santuário de Fátima é vitima de interesses ocultos e de escultores que não têm absolutamente ideia nenhuma do que é a Arte Sacra ? Esta apenas existe para nos levar á oração e se isto não é conseguido então é MÀ independentemente do nome do escultor ser famoso ou não.

Fernando Liz disse...

É para mim muito evidente, que estas imagens servem outro propósito...
o problema NÃO é serem feias, é serem assexuadas.
Não se consegue discernir um Homem e uma Mulher, ou seja estamos a abrir a porta à "família alternativa"
Daqui a 10 anos possivelmente teremos qualquer coisa deste tipo,
https://pbs.twimg.com/media/DPb5-63VAAA_4SI.jpg
para "não ofender ninguém", sermos politicamente correctos e muito "inclusivos"
o pior cego é o que não quer ver...

Anónimo disse...

Pior é a forma como muitas pessoas se comportam dentro do Santoario

Luna disse...

Figuras assustadoras, sem duvida que vão provocar alguns pesadelos as crianças que as virem, à falta de talento e de qualidade chamam hoje "arte" ...
Maria Pinto

Anónimo disse...

Gostos não se discutem e na verdade o coração dos fiéis nem deveria de estar aqui a criticar o quer que seja. Aprendam a amar pura e simplesmente... parece que nem sabem ao que é alusiva esta quadra!!! Jesus,sim... ficaria triste e desapontado com estes comentários pois não são estes os seus ensinamentos. Bonito ou feio, gordo ou magro, velho ou novo, alto ou baixo... somos todos seres humanos e o que a doutrina vos ensina é a amar incondicionalmente o vosso irmão. Ele curou leprosos e dignificou Maria Madalena, etc, etc... quem somos nós para julgar quem quer que seja. A verdadeira essência perdeu-se realmente e prende-se com futilidades tais como estas!!! Como se nós todos não soubessemos como é constituído um presépio e necessitassemos de lá colocar legendas!!! Enfim... julgo haver situações bem mais preocupantes a tratar relativamente ao Santuário que não esta. Arte é assim mesmo e quem não gosta, simplesmente respeita. Se a questão é o dinheiro das pessoas que lá o deixam, também refiro o seguinte, foi lá deixado ou doado com uma intenção, quanto ao resto, já nada importa! Só o deixa lá quem quer e se não gostam da forma como é gerido, que não deixam lá mais nenhum!

Ismael Hernández disse...

18-JAN-2018

Ao Comentador que se intitula «Anónimo»:

E´ verdade que «gostos ñ se discutem»; mas... há que ter bom senso para saber discernir entre SACRO e PROFANO:
- as figuras desse pseudo «presépio» colocado à entrada da Basílica de Fátima, além de uma aberraçäo, säo un INSULTO, ñ só a DEUS, mas também à piedade dos fiéis (e cada vez säo menos as pessoas que väo ao «santuário» [que, de Santidade, POUCO ou NADA tem]) e que, ao fim e ao cabo, ainda säo, hoje en día, o sustentáculo de todo un «folklore» pseudo-«religioso» que tomou conta do «santuário», de há vários anos a esta parte... e eu falo c/ conhecimento de causa, porquanto fui trabalhador dessa Instituiçäo, durante 26 anos...

E´ evidente que esse «presépio» (se é que tal título se lhe pode atribuir...) chegou ao "fin-de-linha", porquanto as Festividades do Natal terminaram e, como tal, já terá sido removido do lugar que, INDEVIDAMENTE, ocupou...
E, de igual modo, o pseudo «presépio» (montado, já há vários anos, ao lado da entrada da Reitoría) ñ passa de outro ABORTO que, segundo me constou, nessa época, custou uns 22.000 «contos» (isto é mesmo ñ saber o que fazer ao dinheiro, havendo tanta gente a morrer de fome e/ou a "ganir" c/ o chamado «salário mínimo nacional», que mal dá p/ comer, ou seja, uma autêntica AFRONTA à pobreza e dignidade humana).

E "isto"... é -apenas e só- un pequeno pormenor dos abusos de "poder" e prepotências ocorrentes no día-a-día do «santuário», ñ referindo o que concerne a Liturgía e Música «Sacra» (que, de SACRA... POUCO tem...).

Há un provérbio que diz:
- «No Convento, só sabe o que lá se passa quem está lá dentro».
Por tanto, as pessoas que ñ sabem o que se passa lá Fátima, é melhor absterem-se de tecerem comentários sobre aquilo que ñ sabem.
Jesús Cristo, falando aos Seus Discípulos -a propósito dos FARISEUS-, dizía:
- «Fazei o que eles dizem, mas ñ façais o que eles fazem, porque eles dizem... mas ñ fazem...» (assim é o «santuário» de Fátima). Por tanto, cuidado c/ essa gentinha...

Ismael HDEZ.

Ismael Hernández disse...

«O MEU DEPOIMENTO

Ao aproximar-se o fim deste ano 2017, ano em que ocorreu o primeiro centenário das Aparições de Fátima, e estando já concluídas as celebrações comemorativas, não poderia, nem deveria – a bem da verdade – faltar, publicamente, com o meu depoimento. A tal me obriga não só a rara gravidade dos factos, mas também a dimensão do escândalo que conspurca a imagem daquele lugar que é, metaforicamente, chamado “altar do mundo”.
No passado mês de Março ficou vago o lugar de IIº organista do Santuário de Fátima. Quem ocupava este lugar, desde Abril de 1991, era o Ismael Hernández, aluno do nosso saudoso Professor Antoine Sibertin-Blanc e da Professora D. Júlia d´Almendra, no Centro de Estudos Gregorianos. As circunstâncias do seu afastamento, compulsivo e injusto, foram denunciadas, pelo próprio, junto das autoridades eclesiásticas competentes, sem que, todavia, tivesse tido, até ao momento, qualquer resposta.
Ora, para o preenchimento desta vaga o Santuário abriu um concurso público. Depois de muito ponderar, e tendo analisado os prós e os contras, decidi, embora com muitas reservas, enviar o meu “curriculum”.
Ser organista em Fátima não seria para mim uma novidade. A minha primeira experiência como organista substituto do Santuário foi em Setembro de 2006, quando terminei o IIIº Curso Nacional de Música Litúrgica e fui convidado, pelo Pe. Artur Oliveira, na altura Director do Coro e responsável pela Música do Santuário, para fazer as férias dos organistas Nicolas Roger (na altura, organista titular) e Ismael Hernández (IIº organista). Tal experiência veio a repetir-se nos anos subsequentes.
No dia 6 de Julho, fui contactado, por telefone, pela responsável dos recursos humanos, para saber da minha disponibilidade para uma entrevista, presencial, no dia 19 desse mesmo mês de Julho, às 17 horas, na Reitoria, e uma prestação de provas, na Missa das 18:30, na Basílica. Segundo indicação dessa senhora, na entrevista, estariam presentes, como elementos integrantes do júri, além dela própria, o Vice-Reitor, o organista titular e o director artístico do Santuário. Quanto à prestação de provas, e tendo eu perguntado em que consistia, a responsável dos recursos humanos respondeu-me: “-Não será nada que não esteja à sua altura, e o nosso organista titular estará presente para lhe dar as indicações necessárias.”

[continúa]

Ismael Hernández disse...

[continuação]:

Tendo chegado o dia e o momento da entrevista, constato que um dos elementos do júri, o Vice-Reitor, não estava presente. A responsável dos recursos humanos começou por agradecer-me o ter enviado o meu “curriculum” e candidatar-me à vaga para organista e descreveu-me, pormenorizadamente, em que consistia tal função. A restante parte da entrevista foi conduzida pelo director artístico do Santuário. Cedo apercebi-me de que quem me fazia as perguntas tinha um conhecimento muito diminuto dos assuntos, próprio de quem nunca os estudou nem sequer sabe do que está a falar. Que saberia esse senhor sobre Canto Gregoriano ou sobre a Música para Órgão de J. S. Bach, para elencar apenas alguns dos temas de que falei? Não seriam tais questões o reflexo da incompetência em matéria musical? Que autoridade e que poder tem este senhor no Santuário? Quem lhe deu esse poder? Como é admissível que a entrevista para selecção de um organista, e, portanto, de alguém que participa activamente nos actos litúrgicos, decorra sem a presença de um único membro do clero do Santuário? Sobrepor-se-á o director artístico à autoridade do Reitor do Santuário?
Relativamente à prestação de provas, durante a Missa das 18:30, a primeira parte, desde o Cântico de Entrada até à improvisação do Ofertório, foi tocada por um outro candidato, tendo eu tocado a segunda parte, desde o Sanctus até à improvisação final. Junto ao Órgão, esteve o organista titular, dando-nos as indicações de registação e do programa. Terminada a Missa, junto à porta que dá acesso ao Órgão, a responsável dos recursos humanos e o director artístico do Santuário agradeceram-nos e disseram-nos que, em breve seriamos contactados.
No dia 7 de Agosto fui contactado, telefonicamente, por uma funcionária do Santuário que me anunciou: “optámos por uma outra pessoa.” A “outra pessoa” chama-se José Davide Barros e não é organista; "é nadador-salvador".
De joelhos em terra, agradeço, infinitamente, por não ter sido seleccionado, pois, de outro modo, a minha trasladação para Fátima seria o mesmo que ir para o inferno, dado o ambiente nefasto que se respira naquele lugar. Esta mesma constatação me fizeram alguns amigos.
Felizmente, já não vive o primeiro organista e capelão do Santuário, o Dr. Gregório! Que diria se visse o Santuário entregue aos lobos? Infelizmente, depois de mais de vinte e cinco anos, o Ismael Hernández teve de deixar o seu lugar de IIº organista para, hoje, estar ocupado por um nadador-salvador.
Passou o centenário! O inimigo logrou o que queria; silenciou a Mensagem. Onde está a penitência e a oração? Destruiu a arte. Que é aquele mamarracho e aquele adamastor cruxificado? Aniquilou a música. Que são aquele culto da dissonância e aquelas aberrações harmónicas a que nos querem habituar?
Está a chegar a hora, e já chegou, de denunciar, vigorosamente, tremendamente, a ocupação do Santuário por forças estranhas à Igreja Católica!

Luís Coelho».