terça-feira, 31 de julho de 2018

Santo Inácio de Loyola e as perseguições

Foi com Santo Inácio que fiz uma das mais importantes descobertas que mudou radicalmente a minha vida, e que sintetizo desta forma: “A doutrina da Igreja não é um pesado jugo que temos de carregar sobre os nossos ombros: é um dos dons mais preciosos que Jesus nos deixou para acertarmos caminho”.

Estou profundamente grato a Santo Inácio por esta descoberta que me abriu o caminho da verdadeira felicidade (o caminho da conversão e da santidade). Naturalmente, neste caminho, que segundo as palavras de Jesus, não é uma “estrada larga” mas uma “estrada estreita”, não nos devemos surpreender se aparecem dificuldades e mesmo perseguições, tal como o próprio Cristo previu.

Sobre isto escrevia São Cláudio La Colombière, SJ, meditando na sua própria experiência de vida: “É estranho a quantidade de inimigos que temos que combater desde o momento que tomamos a resolução de nos tornarmos santos. Parece que tudo se desencadeia: o Demónio com as suas astúcias, o mundo com os seus atractivos, a natureza com sua resistência que se opõe aos nossos bons desejos; os louvores dos bons, a crítica dos maus, as pressões dos tíbios”...

Mas, na verdade, se queremos seguir Jesus não há outro caminho. Como disse Jesus: “O servo não é maior do que o seu senhor. Se me perseguiram a mim, também vos hão-de perseguir a vós” (Jo 15, 20). Resta-nos seguir Jesus, imitá-lo e confiar: “Para imitar e parecer-me mais actualmente com Cristo nosso Senhor, eu quero e escolho antes pobreza com Cristo pobre que riqueza; desprezos com Cristo cheio deles que honras; e desejo mais ser tido por insensato e louco por Cristo que primeiro foi tido por tal, que por sábio ou prudente neste mundo” (Santo Inácio de Loyola, Exercícios Espirituais 167).

Como não há nada de mais belo neste mundo do que ser discípulo de Jesus e "acertar o caminho", eu sou o homem mais feliz e agradecido do mundo! Obrigado Santo Inácio. Guia-me sempre no caminho da vontade de Deus.

Tomai, Senhor, e recebei toda a minha liberdade, a minha memória, o meu entendimento e toda a minha vontade, tudo o que tenho e possuo; Vós mo destes; a Vós, Senhor, o restituo. Tudo é vosso, disponde de tudo, à vossa inteira vontade. Dai-me o vosso amor e graça, que esta me basta.

(Santo Inácio de Loyola, Exercícios Espirituais 234)

Pe. Fernando António, SJ


blogger

Os três tipos de humildade segundo Santo Inácio de Loyola

O primeiro tipo de humildade é necessário à salvação eterna. E consiste em me rebaixar e me humilhar tanto quanto me for possível, para obedecer em tudo à Lei de Deus Nosso Senhor. De tal modo que, mesmo que me tornassem senhor de todas as coisas criadas neste mundo ou mesmo que estivesse em risco a minha própria vida temporal, nunca pensaria em transgredir um mandamento, fosse ele divino ou humano.

O segundo tipo de humildade é uma humildade mais perfeita que a primeira. E consiste nisto: encontro-me num ponto em que não desejo nem tendo a possuir a riqueza mais do que a pobreza, a querer a honra mais do que a desonra, a desejar uma vida longa mais do que uma vida curta, quando as alternativas não afectam o serviço de Deus Nosso Senhor e a salvação da minha alma.

O terceiro tipo de humildade é a humildade mais perfeita: é quando, incluindo a primeira e a segunda, sendo iguais o louvor e a glória da Sua divina majestade, para imitar Cristo Nosso Senhor e me assemelhar a Ele mais eficazmente, desejo e escolho a pobreza com Cristo pobre em vez da riqueza, o opróbrio com Cristo coberto de opróbrios em lugar de honrarias; e desejo mais ser tido por insensato e louco para Cristo, que antes de todos foi tido como tal, do que «sábio e prudente» neste mundo (Mt 11, 25).


blogger

domingo, 29 de julho de 2018

Cardeal Müller alerta para o perigo que a Igreja se converta ao mundo e não a Deus

Entrevista do Catholic World Report (CWR) ao Cardeal Gerhard Müller, ex-Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé

CWR: Desde 2014, tem havido, dentro da Igreja, uma contínua onda de conflitos e tensões que envolvem muitos bispos da Alemanha. Qual o contexto desse fenómeno? Qual é a fonte desses diversos conflitos sobre eclesiologia, Sagrada Comunhão e assuntos relacionados?

Cardeal Gerhard Müller: Um grupo de bispos alemães, com o seu presidente [i.e., da Conferência Episcopal] na dianteira, vêem-se como lançadores de tendências na Igreja Católica em direcção à modernidade. Eles consideram a secularização e a descristianização da Europa como um desenvolvimento irreversível. Por essa razão, a Nova Evangelização — programa de João Paulo II e Bento XVI — é, na visão deles, uma batalha contra o curso objetivo da história, assemelhando-se à batalha de Dom Quixote contra os moinhos de vento. Portanto, todas as doutrinas da fé que se opõem ao “mainstream”, ao consenso social, devem ser reformadas.

Uma consequência disso é a demanda para que se distribua a Sagrada Comunhão mesmo a pessoas sem a Fé Católica e também àqueles Católicos que não estão em estado de graça. Também estão na agenda: bênção para parelhas de pessoas do mesmo sexo, intercomunhão com protestantes, relativização da indissolubilidade do sacramento do matrimónio, introdução dos viri probati e abolição do celibato sacerdotal; aprovação de relações sexuais antes e fora do casamento. Essas são as metas, e para alcançá-las eles estão dispostos a aceitar até a divisão da conferência episcopal.

Os fiéis que levam a doutrina Católica a sério são rotulados como conservadores e empurrados para fora da Igreja, expostos a campanha difamatória dos media liberais e anti-católicos.

Os muitos bispos, a revelação da verdade e da profissão da Fé Católica é só mais uma variável no jogo de poder político intra-eclesial. Alguns deles citam acordos individuais com o Papa Francisco e pensam que as suas declarações em entrevistas com jornalistas e figuras públicas distantes de serem católicos oferecem uma justificativa mesmo para “diluir” verdades de Fé definidas, infalíveis (=dogmas). Tudo isso dito, estamos lidando com um patente processo de protestantização.

O ecumenismo, pelo contrário, tem a sua meta na plena unidade de todos os cristãos, que já está sacramentalmente realizada na Igreja Católica. O mundanismo do episcopado e do clero no século XVI foi a causa da divisão da cristandade, que é diametralmente oposta à vontade de Cristo, fundador da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. A doença daquela era é agora supostamente o remédio com o qual a divisão deve ser superada. A ignorância da Fé Católica naquela época era catastrófica, especialmente entre Bispos e Papas, que se dedicavam mais à política e ao poder do que em testemunhar a verdade de Cristo.

Hoje, para muitos, ser aceite pelos media é mais importante que a verdade, pela qual devemos também sofrer. Pedro e Paulo sofreram o martírio por Cristo em Roma, centro do poder naquela época. Eles não eram celebrados pelos grandes desse mundo como heróis, mas zombados como Cristo na cruz. Nunca nos devemos esquecer a dimensão martirológica do ministério Petrino e do múnus episcopal.

CWR: Por que razão alguns bispos alemães desejam permitir o acesso à Sagrada Comunhão a protestantes?

Cardeal Müller: Nenhum bispo tem autoridade para administrar a Sagrada Comunhão a cristãos que não estão em plena comunhão com a Igreja Católica. Apenas em situações de perigo de morte um protestante pode pedir a absolvição sacramental e a Sagrada Comunhão como viaticum, se ele compartilha de toda a Fé Católica e, assim, ingressa em plena comunhão com a Igreja Católica, embora não tenha ainda declarado sua conversão oficialmente.

Infelizmente, até Bispos já não conhecem a Fé Católica na unidade da comunhão sacramental e eclesial, e justificam a sua infidelidade à Fé Católica com uma suposta preocupação pastoral ou com explicações teológicas que, entretanto, contradizem os princípios da Fé Católica. Toda a doutrina e praxis devem ser fundamentadas na Sagrada Escritura e na Tradição Apostólica, e não devem contradizer os pronunciamentos anteriores do Magistério da Igreja. Este é o caso da permissão para cristãos não católicos receberem a Comunhão durante a Santa Missa.

CWR: Como avalia, em primeiro lugar, o estado da Fé Católica na Alemanha e, depois, na Europa? Pensa que a Europa pode ou irá recobrar o sentido de sua identidade cristã anterior?

Cardeal Müller: Há muitas pessoas que vivem a sua Fé, amam a Cristo e a sua Igreja, e colocam toda a sua esperança em Deus, na vida e na morte. Mas, entre eles, há muitos que se sentem abandonados e traídos pelos seus pastores. Ser popular perante a opinião pública é, actualmente, critério para supostamente ser um bom Bispo ou Padre. Experimentamos agora uma conversão ao Mundo, não a Deus, contrariamente à afirmação do Apóstolo Paulo: “Por acaso eu procuro o favor dos homens, ou de Deus? Estou tentando agradar aos homens? Se ainda estivesse a agradar aos homens, não deveria ser servo de Deus.” (Gal 1, 10).

Precisamos de Padres e Bispo cheios do zelo pela casa de Deus, dedicados inteiramente à salvação dos seres humanos na peregrinação de Fé para a nossa casa eterna. Não há futuro para um Cristianismo "light”. Precisamos de cristãos com espírito missionário.

CWR: A Congregação para a Doutrina da Fé reiterou recentemente o ensino perene da Igreja de que as mulheres não podem ser ordenadas ao sacerdócio. Por que pensa que este ensinamento, que já foi repetido diversas vezes nos anos recentes, continua a ser contestado por muitos na Igreja?

Cardeal Müller: Infelizmente, actualmente, a Congregação para a Doutrina da Fé não é particularmente estimada, e seu significado para o primado Petrino não é reconhecido. O Secretariado de Estado e os serviços diplomáticos da Santa Sé são muito importantes para a relação da Igreja com diversos Estados, porém, a Congregação para a Doutrina da Fé é mais importante para a relação da Igreja com a sua Cabeça, da qual toda graça procede.

A Fé é necessária à salvação; a diplomacia Papal podem fazer muito bem ao mundo. Mas a proclamação da Fé e da doutrina não devem ser subordinados às demandas e condições dos actores do poder terreno. A Fé sobrenatural não depende de poderes terrenos. Na Fé é absolutamente claro que o Sacramento da Ordem só pode ser recebido validamente por um homem católico baptizado, porque apenas ele pode simbolizar e sacramentalmente representar Cristo como Esposo da Igreja. Se o ministério sacerdotal é compreendido como uma posição de poder, então essa doutrina da exclusividade das Sagradas Ordens a católicos de sexo masculino é uma forma de discriminação contra as mulheres.

Mas essa perspectiva de poder e prestígio social é falsa. Apenas se virmos toda a doutrina da Fé e dos sacramentos com olhos teológicos, e não em termos de poder, a doutrina da Fé sobre os pré-requisitos naturais para o sacramento da Sagrada Ordem e do matrimónio serão também evidentes para nós. Apenas um homem pode simbolizar Cristo enquanto Esposo da Igreja. Apenas um homem e uma mulher podem simbolicamente representar a relação de Cristo e da Igreja.

CWR: Recentemente apresentou a edição italiana do livro de Daniel Mattson, Why I Don’t Call Myself Gay [Por que não me chamo gay]. O que o impressionou no livro e na sua abordagem? Como se distingue de algumas abordagens “pro-gay” e posturas adoptadas por alguns Católicos? O que pode ser feito para explicar, em termos positivos, o ensinamento da Igreja sobre sexualidade, casamento e assuntos relacionados?

Cardeal Müller: O livro de Daniel Mattson foi escrito a partir de uma perspectiva pessoal. Ele é fundamentado em uma profunda reflexão intelectual sobre a sexualidade e o matrimónio, que o faz diferente de qualquer forma de ideologia. Portanto ajuda pessoas com atracção para o mesmo sexo a reconhecer a sua dignidade e a seguir um benéfico caminho no desenvolvimento da sua personalidade, e a não se deixarem ser usados como peças nos jogo de poder de ideológico. Um ser humano é uma unidade interior de princípios espirituais e materiais, e, consequentemente, uma pessoa e um sujeito livremente actuante de uma natureza que é espiritual, corpórea e social.

O homem é criado para uma mulher e a mulher para um homem. A meta da comunhão matrimonial não é o poder de um sobre o outro, mas, antes, a unidade num amor que se doa, no qual ambos crescem e juntos alcançam o objectivo em Deus. A ideologia sexual que reduz o ser humano ao prazer é hostil à sexualidade pois nega que a meta do sexo e do eros é agape. Um ser humano não pode permitir ser degradado ao status de um animal mais desenvolvido. Ele é chamado a amar. Apenas se amo o outro por si mesmo eu chego a mim mesmo; só assim sou libertado da prisão do meu egoísmo primitivo. Não se pode ser realizado às custas dos outros.

A lógica do Evangelho é revolucionária num mundo de consumismo e narcisismo. Pois apenas o grão de trigo que cai no chão e morre não permanece sozinho, mas produz muitos frutos. “Quem amar a sua vida perdê-la-á, e quem odiar a sua vida neste mundo a guardará para a vida eterna.” (Jo 12, 25)

Tradução: Fratres In Unum


blogger

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Cardeal Arinze responde aos políticos que são a favor do aborto



blogger

Sem verdade a caridade não passa de sentimentalismo

Sem verdade, a caridade cai no sentimentalismo. O amor torna-se um invólucro vazio, que se pode encher arbitrariamente. 

É o risco fatal do amor numa cultura sem verdade; acaba prisioneiro das emoções e opiniões contingentes dos indivíduos, uma palavra abusada e adulterada chegando a significar o oposto do que é realmente.

A verdade liberta a caridade dos estrangulamentos do emotivismo, que a despoja de conteúdos relacionais e sociais, e do fideísmo, que a priva de amplitude humana e universal.

Papa Bento XVI in Caritas in Veritate


blogger

quinta-feira, 26 de julho de 2018

Mensagem de Avó de Papa Francisco

O Papa Francisco conta no livro entrevista 'O Jesuíta', quando ainda era Arcebispo de Buenos Aires, que sempre leva dentro do Breviário um papel com estas palavras que a sua Avó Rosa lhe escreveu: 

“Que estes meus netos, a quem dei o melhor de meu coração, tenham uma vida longa e feliz, mas se em algum dia de dor, a doença ou a perda de uma pessoa amada os encha de desconsolo, que recordem que um suspiro no Tabernáculo, onde está o maior e mais augusto mártir, e um olhar a Maria ao pé da Cruz, podem fazer cair uma gota do bálsamo sobre as feridas mais profundas e dolorosas.”


blogger

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Visitar Jesus no Santíssimo Sacramento

Se é tão agradável estar em companhia de um amigo querido, será possível que nós, neste vale de lágrimas, não sintamos nenhum prazer na companhia do melhor dos amigos, dum amigo que pode encher-nos de todos os bens, de um amigo que nos ama apaixonadamente e que, por isso, quer entreter-se continuamente connosco? 

Pois bem; aqui, no Santíssimo Sacramento, podemos entreter-nos com Jesus à vontade, abrir-lhe o nosso coração, expor-lhe as nossas necessidades, pedir-lhe graças; numa palavra, neste sacramento adorável, podemos tratar com o Rei do céu com toda a confiança e singeleza.

Santo Afonso Maria de Ligório


blogger

terça-feira, 24 de julho de 2018

A inquietante descrição do Inferno feita por Santa Faustina

Hoje, conduzida por um anjo, fui levada às profundezas do inferno, um lugar de grande castigo; e como é grande a sua extensão! Tipos de tormentos que vi:

O primeiro tormento que constitui o inferno é a perda de Deus; o segundo, o contínuo remorso da consciência; o terceiro, o de que esse destino nunca mudará; o quarto tormento é o fogo que atravessa a alma, mas não a destrói; é um tormento terrível, é um fogo puramente espiritual, aceso pela ira de Deus; o quinto é a contínua escuridão, o terrível cheiro sufocante e, embora haja escuridão, os demónios e as almas condenadas vêem-se mutuamente e vêem todo o mal dos outros e o deles mesmos. O sexto é a continua companhia do demónio; o sétimo tormento, o terrível desespero, ódio a Deus, maldições, blasfémias.

São tormentos que todos os condenados sofrem juntos. Mas não é o fim dos tormentos. Existem tormentos especiais para as almas, os tormentos dos sentidos. Cada alma é atormentada com o que pecou, de maneira horrível e indescritível. Existem terríveis prisões subterrâneas, abismos de castigo, onde um tormento se distingue do outro. Eu teria morrido vendo esses terríveis tormentos se não me sustentasse a omnipotência de Deus.

Que o pecador saiba que será atormentado com o sentido com que pecou, por toda a eternidade. Escrevo por ordem de Deus, para que nenhuma alma se escuse dizendo que não há inferno ou que ninguém esteve lá e não sabe como é.

Eu, irmã Faustina, por ordem de Deus, estive nos abismos para falar às almas e testemunhar que o inferno existe. Sobre isso não posso falar agora, tenho ordem de Deus para deixar isso por escrito. Os demónios tinham grande ódio contra mim, mas, por ordem de Deus, tinham que me obedecer. 

O que eu escrevi dá apenas uma pálida imagem das coisas que vi. Percebi, no entanto, uma coisa: o maior número das almas que lá estão é justamente daqueles que não acreditavam que o inferno existisse. Quando voltei a mim, não me podia refazer do terror de ver como as almas sofrem ali terrivelmente e, por isso, rezo com mais fervor ainda pela conversão dos pecadores; incessantemente, peço a misericórdia de Deus para eles. 

Ó meu Jesus, prefiro agonizar até o fim do mundo nos maiores suplícios a ter que Vos ofender com o menor pecado que seja! 

in Diário de Santa Faustina, 741


blogger

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Mulheres voltam a usar o véu nas igrejas





blogger

Chiara, uma jovem mulher que soube amar

Foi aberta a causa de beatificação de Chiara Corbella Petrillo

Numa época em que se defende a ideia de que liberdade é poder fazer o que se quer; numa sociedade cada vez mais individualista e confusa diante dos reais valores da vida, surge um grande desafio aos cristãos: ser sinal de contradição para este mundo.

Neste contexto, o testemunho de Chiara Corbella deixa muitos impressionados. Logo na sua primeira gravidez, ela teve uma surpresa ao fazer a ecografia e descobrir que a sua filha, Maria, fora diagnosticada com anencefalia. O casal decidiu seguir a gravidez até o fim, o que já foi uma surpresa para muitos. Trinta minutos depois de nascer, Maria veio a falecer.

O segundo filho do casal, David, ainda no início da gestação, foi diagnosticado com uma deficiência: ele não possuía as pernas e tinha má-formação visceral. Como na vez anterior, contra a expectativa de muitos, os pais decidiram prosseguir. Ambos os filhos, Maria e David, chegaram a nascer e, mesmo vivendo poucos minutos, foram acompanhados pelos pais até o último minuto.

Chiara engravidou novamente, desta vez era um Francesco. Os exames mostravam que o menino era saudável, para a alegria do casal. Porém, no quinto mês de gravidez, Chiara descobriu uma lesão na língua e logo na primeira cirurgia os médicos diagnosticaram que se tratava de um cancro. Ela tinha duas opções: seguir com a gravidez ou interrompê-la por causa do tratamento do cancro. A escolha de Chiara foi pela vida de seu filho, o que colocou em risco a sua própria vida. Apenas depois do parto Chiara deu início ao tratamento com quimioterapia e radioterapia, que enfrentou com muita serenidade e total confiança na Providência.

Diante de cada uma das suas lutas, Chiara reagiu sempre  aceitando-as como provações que Deus lhe concedeu viver. Foi então que, no dia 13 de Junho de 2012, com 28 anos, Chiara não resistiu e morreu. Hoje, o pai Enrico cuida do filho Francesco e testemunha, por onde passa, a alegria de ter lutado pela vida dos seus filhos, e também a coragem e fé que a sua esposa teve durante a sua caminhada neste mundo.

A história de Chiara mostra-nos que podemos nos opor-nos à massiva ideologia que despreza vidas indefesas nos ventres maternos por tantos e quaisquer motivos. A capacidade e coragem de dizer “sim” à vida, mesmo em momentos de tribulação, é intrínseca nos cristãos.

in Aleteia



blogger

Quais são os 4 fins da Santa Missa?

1. Adorar a Deus, presente realmente no Santíssimo Sacramento: fim latrêutico;
2. Reparar o pecado que cortou a nossa ligação com Deus, algo que só foi possível com o Sangue de Jesus derramado por nós: fim propiciatório;
3. Dar graças a Deus por nos ter salvado na Cruz e por tudo o que nos deu: fim eucarístico;
4. Pedir a Deus o que mais precisamos, especialmente a salvação da nossa alma: fim impetratório.


blogger

sábado, 21 de julho de 2018

Confeiteiro recusa bolo a dupla LGBT e o Supremo Tribunal dá-lhe razão

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos julgou em favor de Jack Phillips, dono da confeitaria familiar “Masterpiece Cakeshop” em Lakewood, Denver (Estado do Colorado), que recusou fazer um bolo de casamento para uma parelha do mesmo sexo por motivos religiosos. 

A informação agastou os meios de comunicação social americanos, como o “The Washington Post”.

Os juízes do Supremo, 7 contra 2, discordaram da Comissão de Direitos Civis do Colorado, que aceitou como válidas as queixas LGBT contra Jack Phillips. O Supremo Tribunal considerou que a Comissão mostrou hostilidade contra uma religião. O Supremo Tribunal considerou que a ideologizada Comissão violou os direitos religiosos de Phillips garantidos pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA. 

A Comissão dizia que o confeiteiro violou a lei antidiscriminação do Colorado, que proíbe a qualquer um recusar serviços com base em "raça, sexo, estado civil ou orientação sexual".

Jack Phillips recusa serviços para festas contrárias à Fé e à moral

Os supremos magistrados, pelo contrário, concluíram que para o confeiteiro cristão “criar um bolo de casamento para duas pessoas do mesmo sexo seria o equivalente a participar de uma celebração contrária às suas crenças mais profundas. 

Centenas de pessoas juntaram-se em torno da confeitaria para comemorar a sensata decisão do Supremo, noticiou a Catholic News Agency

Phillips e a sua família vinham recebendo ameaças e mensagens email e telefónicas impregnadas de crueldade, ódio e violência, mas não perderam a calma, acrescentou a mesma Catholic News Agency.

Dos 50 Estados americanos 21 têm leis antidiscriminação que protegem os LGBT, incluindo o Colorado. Mas o caso ultrapassou os limites e tornou-se um caso simbólico que pode ter profundos efeitos na polarizada sociedade americana. Estão em jogo princípios, valores religiosos, fanatismo igualitário e activismo LGBT, além da liberdade de expressão protegida pela Primeira Emenda da Constituição, mas que pareceu de nada valer para o dono da pequena doceira. 

Manifestação de apoio a Jack Phillips

Phillips explicou que a sua padaria “Masterpiece Cakeshop” não podia aceitar o pedido da dupla que, aliás, soou a provocação e montagem. Os advogados argumentaram, com razão, que o bolo representa a instituição do casamento e, portanto, na decisão do confeiteiro estava envolvida uma mensagem sobre o conceito de família. Um advogado da dupla LGBT afirmou que assim que explicaram o bolo que queriam, o confeiteiro “disse imediatamente que não iria fazê-lo para um casal homossexual”. 

O acórdão do Supremo Tribunal foi um dos mais aguardados neste ano, escreveu o “The Washington Post”. Agitadores LGBT escarneciam a religião e as Sagradas Escrituras do lado de fora do Tribunal.

O tema está no cerne do conflito cultural que opõe a crescente direita religiosa aos agressivos grupos LGBT, bastante promovidos e financiados pela anterior administração Obama e poderosos grupos económicos.

Via 'Valores inegociáveis: respeito à vida, à família e à religião'


blogger

Como Hollywood via a Santa Missa em 1944



blogger

sexta-feira, 20 de julho de 2018

10 ideias para aproveitar o Verão em família

1. Flexibilidade dentro de uma ordem: Embora estejamos de férias, é importante não perder de todo os hábitos adquiridos durante o inverno. Para isso, estabelecer um horário, mas com flexibilidade e margem; estamos numa nova situação, noutro contexto.
2. Fazer actividades em família: Embora cada um tenha os seus gostos e os seus planos, é importante encontrar tempo para fazer coisas juntos: cozinhar, passear, andar de bicicleta, fazer excursões, visitar a nossa cidade…
3. Gratidãoo ambiente relaxado do Verão é perfeito para impulsionar o agradecimento, que às vezes, com as pressas, fica um pouco no esquecimento. Saber agradecer aos outros pelos pormenores, pelos planos ou por se terem divertido juntos.
4. Desfrutar de pequenas coisas: O plano perfeito não tem porque ser caro ou extravagante. É preciso ensinar, desde tenra idade, a desfrutar com as coisas pequenas como, por exemplo, ver um pôr-do-sol, comer um gelado, etc.
5. Abrir-se aos outros: Estarmos todo o dia nós com nós mesmos pode ser pouco enriquecedor. O verão é a época perfeita para nos abrirmos aos outros; tomar a iniciativa de convidar os amigos para nossa casa e ensinar os filhos a fazerem o mesmo.
6. Actividades culturaisEducar o gosto dos mais pequenos não tem por que ser aborrecido se se escolhe e se prepara bem; estudar as possibilidades culturais da zona e visitar alguns museus, monumentos ou exposições.
7. Tempo para lerA leitura é uma viagem grátis que alimenta os neurónios de grandes e pequenos: livros de aventuras, biografias, contos… Procurar uma biblioteca nas proximidades e toca a escolher!
8. Visitar familiares e pessoas necessitadas: Durante o ano, quer por falta de tempo quer pelas distâncias, às vezes é difícil visitar a família: avós, primos, tios… Além disso, também se podem fazer visitas a pessoas doentes ou mais necessitadas.
9. IdiomasDeixa de lado os formatos mais académicos e acostuma toda a família a ver séries ou filmes na versão original, para ver quem percebe primeiro!
10. Dar graças a Deus por se divertirem e estarem juntos.
in opusdei.pt


blogger

quinta-feira, 19 de julho de 2018

100 mil pessoas em peregrinação pelo centenário da execução dos Romanov

Mais de 100 mil russos fizeram uma peregrinação de 21 km's até Ecaterimburgo para relembrar a Família Imperial Russa, assassinada há 100 anos pelos comunistas. As pessoas carregaram cruzes, ícones e cantaram durante as 4 horas que durou a caminhada até ao local onde decorreu a execução e depois até onde os corpos foram escondidos, na esperança de nunca mais serem encontrados.





blogger

Irmãs assistem ao 'Tour de France' em Marselha






blogger

quarta-feira, 18 de julho de 2018

O Santo Sudário é um rastro de Deus neste mundo

Entrevista com Dr. Juan Francisco Sánchez Espinosa, membro da Sociedade Espanhola de Sindonologia, ou seja, estudos relacionados com o Santo Sudário. Este médico espanhol estuda há longos anos o mais singular tecido da cristandade. 

O que é o Santo Sudário?

É um lençol funerário. Alguns autores afirmam, com base nos vários tipos de estudos que já foram feitos, que a sua origem remonta ao século I antes ou depois de Cristo, pelo tipo de estrutura que tem. Curiosamente, as medidas não foram sempre as mesmas, porque, ao longo do tempo, foi havendo várias sobreposições para sustentar o tecido. As medidas actuais são de aproximadamente 4,36m x 1,10m. O vocábulo grego “síndon”, que significa tecido, deu origem à palavra com que chamamos o Santo Sudário, o “Sudário” de Turim. E a sindonologia é o estudo desse tecido tão singular para toda a cristandade.

O que podemos ver no Sudário?

Vemos uma imagem dorsal e frontal de um homem que foi morto mediante a crucificação. Vemos múltiplas feridas disseminadas por todo o tórax, pelo abdómen, pelos membros superiores e inferiores, do que parecem açoites; lesões na cabeça, mais de 600 feridas. E também feridas de transfixação nos pulsos e nos pés.

Como descreveria a imagem que podemos ver no Sudário?

É preciso estar a mais de um metro e meio de distância para conseguir visualizá-la. Não se sabe onde começa e onde acaba. É uma imagem que se formou na superfície do linho, de 4 ou 5 mícrones de profundidade, por uma desidratação da celulose do linho; não existe nenhum resto de pigmento, como foi demonstrado num dos exames feitos em 1978. É algo extraordinário porque, com toda a tecnologia do século XXI, não somos capazes de saber realmente como é que a imagem se formou. Alguns falam dela como a imagem impossível, porque não existe explicação científica.

Também aparecem restos de sangue no Santo Sudário, não é? Que explicação pode haver?

É curioso que o sangue seja prévio à formação da imagem. E é curiosíssimo porque algumas partes do tecido foram raspadas e ficou comprovado que não há imagem. Então podemos concluir que a imagem se formou depois do sangue estar incrustado no tecido. O que sabemos é que se trata de sangue do grupo AB. Mais ou menos 16% da população semítica ou hebraica tem esse tipo de sangue. E, curiosamente, o sangue detectado no Sudário de Oviedo (um pano com a imagem de um rosto) também é do grupo AB. Um detalhe importante é que, no sangue, aparece uma grande quantidade de bilirrubina; e isso acontece quando a morte é causada por muito stress.

Por que podemos dizer que o Santo Sudário é um “negativo fotográfico”?

O primeiro que reparou nisso foi o fotógrafo italiano Secondo Pia, em 1898. Alguns estudos dizem que essa imagem pôde surgir por causa de uma radiação ortogonal; ou seja, que sai verticalmente do corpo e produz a imagem. É como se o corpo tivesse emitido uma radiação; mas, realmente, não se sabe exactamente como aconteceu.

Em 1988, foi feito o exame de Carbono 14 e alguns dizem que o resultado não é determinante para precisar a idade do tecido. Por quê?

Essa prova tem uma fiabilidade de 67% e a única coisa que ela faz é medir o número de átomos de carbono 14 que existem nesse organismo. O carbono é gerado pelos raios cósmicos que formam o nitrogénio. Deram quatro mostras do Sudário, mas todas cortadas do mesmo pedaço. E era o pedaço que foi chamado de “remendo fantasma”, porque nele existem misturas. Isso é um erro de metodologia, porque o lógico teria sido pegar vários pedaços de diferentes partes do Santo Sudário. Quando se diz que a Sudário é da Idade Média, é porque nas mostras que foram dadas às universidades que a estudaram havia tecido medieval misturado com o tecido original. É uma técnica chamada "tecelagem francesa", que usa algodão tingido.

Que aspectos da imagem ressaltaria do ponto de vista médico?

É uma imagem que me diz o tipo de morte que aquele homem sofreu; que ele teve um sofrimento brutal, que sofreu perfuração nos pulsos e nos pés. Isso causou uma dor horrorosa, porque, provavelmente, atingiu o nervo mediano; por isso o dedo polegar ficou puxado para dentro. Também há mais de 600 lesões que devem ter causado no homem da Sudário uma hemorragia descomunal, com uma perda de sangue muito grande. 

Há lesões de chicotadas compatíveis com o “flagrum taxilatum”, que era uma espécie de chicote formado por tiras de couro terminadas nos chamados “taxil”, formados por pedaços de ossos ou de chumbo que se cravavam na carne; de facto, há pedaços de músculo que foram recolhidos do Sudário, na altura das costas da imagem. Deve ter sido um espancamento selvagem. Esse tipo de tortura podia destroçar a musculatura intercostal, lesionar órgãos internos, etc.

Alguns estudiosos falam também do pólen como prova de que o Sudário veio de Jerusalém, não é?

Sim, porque, nos estudos, foi descoberto que muitas mostras de pólen do tecido vêm da área de Jerusalém. Concretamente, quatro ou cinco espécies que são próprias da região do Mar Morto e de Jerusalém. Alguns pesquisadores judeus da Universidade Hebraica de Jerusalém, como Uri Baruh, concluíram que o Santo Sudário esteve em Jerusalém durante a Primavera e, aproximadamente, há 2000 anos atrás.

O Santo Sudário é um milagre?

Para mim, sim, é um milagre. Eu acredito que Deus deixa rastros neste mundo e um deles é o Santo Sudário, porque não há explicação científica. O Santo Sudário interpela-nos porque, se é verdade que ele fala de Jesus Cristo morto e ressuscitado, o que a Igreja diz também é verdade e, portanto, precisamos de mudar de vida. E se não nos interessa mudar de vida, então não vale a pena ouvir nada disto.

in Zenit


blogger

Danças impróprias na Igreja da Misericórdia em Leiria

Esta fotografia reporta-se a um "espectáculo" de dança realizado na Igreja da Misericórdia, situada no centro histórico de Leiria. O resto das fotografias, que nos abstemos de divulgar, demonstram bem o baixo nível daquela coreografia, que à pouca roupa dos protagonistas aliou também movimentos sensuais, e que destoa totalmente do local onde foi realizada.

A Igreja da Misericórdia já não era usada para culto público, e precisava de um restauro bastante dispendioso, de modo que em 2014 o Bispo de Leiria-Fátima, agora Cardeal António Marto, assinou o decreto de redução a uso profano.
No entanto, o cân. 1222, que regula a redução de uma igreja a uso profano, sublinha que esse uso, apesar de profano (por exemplo que a igreja sirva como um museu), jamais poderá ser sórdido:

Cân. 1222 — § l. Se alguma igreja de modo nenhum puder servir para o culto divino e não haja possibilidade de a reparar, o Bispo diocesano pode reduzi-la a usos profanos, mas não sórdidos. 

§ 2. Quando outras causas graves aconselharem a que alguma igreja deixe de empregar-se para o culto divino, o Bispo diocesano, ouvido o conselho presbiteral, pode reduzi-la a usos profanos não sórdidos, com o consentimento daqueles que legitimamente sobre ela reivindiquem direitos, e contanto que daí não sofra detrimento o bem das almas. 

A dança sensual protagonizada na Igreja da Misericórdia foi um uso sórdido, e por isso ilegítimo, com a agravante acrescida de que foram deixadas na igreja as imagens sacras e até o sacrário. Aquelas imagens escandalizaram os fiéis e é-lhes devida uma explicação e uma reparação do mal feito.

Quem quiser poderá enviar um email ao Cardeal Marto pedindo para se pronunciar publicamente sobre este assunto, e fazer os possíveis para garantir que isto não volte a acontecer: gabinetebispo@leiria-fatima.pt.

João Silveira


blogger

terça-feira, 17 de julho de 2018

Ordenações sacerdotais do Instituto Cristo Rei

Em Florença, foram ordenados 4 novos sacerdotes para o Instituto Cristo Rei Sumo Sacerdote. O Bispo ordenante foi o Cardeal Raymond Burke, estando presente também o Bispo de São Francisco (Estados Unidos da América), Mons. Salvatore Cordileone. Rezemos pelos novos sacerdotes: Fernando Fernandes de Almeida, Baudouin Chaptal de Chanteloup, Pablo Piaggio Kokot, e Paul d’Aubigny.















Fotografias: Latin Mass Society


blogger

As 16 Carmelitas que a Revolução Francesa mandou decapitar

No dia 17 de Julho de 1794 as 16 Carmelitas de Compiègne foram conduzidas ao Tribunal Revolucionário (em Paris) e condenadas à morte. O seu crime? Levar uma vida de oração segunda a Regra de Santa Teresa de Ávila. A "liberdade" instaurada pela Revolução Francesa não era suficiente para que estas pobres mulheres vivessem de maneira pobre, casta e obediente.

Aguardaram a execução com orações e cânticos de louvor a Deus. Aos pés da gilhotina cantaram o "Veni Creator Spiritus" em acção de graças, e renovaram os votos de carmelitas. Depois disso subiram os degraus para demonstrar (mais uma vez) que quem acredita em Jesus Cristo e dá a vida por Ele não teme a morte porque viverá para sempre.

Estas corajosas monjas foram beatificadas por São Pio X em 1906.







blogger

segunda-feira, 16 de julho de 2018

A profecia de Hilaire Belloc sobre a batalha final

Aproximamo-nos agora do maior de todos os momentos.

A Fé não está agora na presença de uma heresia particular, como no passado - a ariana, maniqueísta, albigense, a maometana -, nem está na presença de uma espécie de heresia generalizada, como quando ele teve de lidar com a Revolução protestante. O inimigo que a Fé tem de enfrentar agora, e pode ser chamado de "o ataque moderno", é um assalto em massa contra os fundamentos da Fé, a própria existência da Fé. 

E o inimigo que agora avança contra nós está cada mais consciente de que não pode existir neutralidade. As forças actualmente opostas à Fé pretendem destruir. A batalha é travada numa linha definida de ruptura e resultará na sobrevivência ou destruição da Igreja Católica. E de toda a sua filosofia, não uma parte dela.

Sabemos, é claro, que a Igreja Católica não pode ser destruída. Mas não sabemos qual a extensão da área em que sobreviverá, qual o seu poder de ressurgir e qual o poder do inimigo para a afundar mais e mais até às suas últimas defesas, até que pareça que chegou o Anticristo e está para acontecer a decisão final. Tal é a importância da luta diante da qual o mundo se encontra...

Hilaire Belloc in "The Great Heresies"


blogger

domingo, 15 de julho de 2018

sábado, 14 de julho de 2018

Humanae Vitae: a coragem de ir contra a "revolução sexual"

Entrevista ao Pe. Ángel Rodríguez Luño, decano de teologia da Universidade Pontifícia da Santa Cruz, sobre a Humanae Vitae. Neste documento do Papa Paulo VI a contracepção é condenada, em sintonia com a doutrina que a Igreja sempre defendeu.

Há 50 anos foi publicada a encíclica Humanae Vitae. Qual o significado dessa publicação naquela época?

Paulo VI publicou a Humanae Vitae dois meses depois dos acontecimentos de Maio de 68, que provocaram, entre outras coisas, a “revolução sexual”. Existia uma forte pressão de alguns meios de comunicação social e os especialistas divulgavam previsões demográficas pessimistas e alarmistas, que a realidade negou mais tarde. Alguns ambientes eclesiais sofriam uma certa desorientação causada por interpretações abusivas do Concílio, e alguns dos participantes nos estudos preparativos da encíclica publicaram informes que não eram definitivos. Neste contexto Paulo VI, depois de longa reflexão, reafirmou a visão cristã da sexualidade, na qual o Criador uniu duas dimensões de significado e de valor, que a encíclica chama “significado unitivo” e “significado procriativo”. Esta conexão não pode desarticular-se sem que sofram ambas dimensões, e não apenas a que se deseja excluir.


De um ponto de vista teológico, foi revolucionária? Em quais pontos?


Depende do que se entende por "revolucionária". Substancialmente Paulo VI propõe novamente a visão antropológica e moral que Pio XI, na sua encíclica sobre o matrimónio, tinha considerado como “doutrina cristã ensinada desde o princípio e nunca modificada”. Neste sentido a Humanae Vitae não representa nenhuma evolução. Revolucionária é a valentia com a qual Paulo VI se opôs a uns estereótipos culturais então muito difundidos, que eram impostos, e que eram e continuam a ser nocivos para a vida das pessoas casadas e para a cultura moral geral. Embora a encíclica se refira directamente ao matrimónio, o que estava em jogo era a visão global da sexualidade.


Para entender o contexto histórico: O que é que levou o Papa Paulo VI a escrever esta encíclica? O que era necessário responder?


Acho que a delicadeza do problema e a complexidade do contexto levaram Paulo VI a ocupar-se pessoalmente do estudo e da resolução desta questão. À luz da tradição moral da Igreja, ninguém podia duvidar que a contracepção é um comportamento intrinsecamente desordenado. Existia uma ideia, no imaginário colectivo, de que a anticoncepção consistia em manipular de alguma forma a realização da relação conjugal. Como a pílula anovulatória (que quase não existe mais hoje porque a maioria dos remédios contraceptivos têm também outros efeitos além do anovulatório) não altera a relação conjugal, alguns perguntaram se a sua utilização deveria ser sempre considerada como um pecado de contracepção. A questão não era, portanto, se a contracepção é pecado ou não, mas se o uso esponsal da pílula anovulatória é ou não anticoncepcional. Isto forçou a definir melhor a essência da contracepção, que Paulo VI refere-se quando escreveu: “exclui-se também toda acção que, ou em previsão do acto conjugal, ou na sua realização, ou no desenvolvimento das suas consequências naturais, se proponha, como fim ou como meio, tornar impossível a procriação". Para colocá-lo de forma gráfica: se descobríssemos que comer uma laranja antes da relação conjugal a fechasse para a transmissão da vida, quem comesse a laranja propondo-se, como fim ou como meio, tornar impossível a procriação cometeria o pecado de contracepção. Uso essa hipótese irreal para dar a entender onde está a contracepção, que não depende do facto de que o medicamento contraceptivo seja um produto artificial.


Considera que na formação dos noivos falte um maior aprofundamento de alguns aspectos da Humanae Vitae?


Parece-me que, efectivamente, na formação que se dá aos noivos seria necessário estudar com profundidade e integridade a Humanae Vitae. Mas isso levar-nos-ia longe. Limitar-me-ei a uma só coisa que a minha experiência confirma continuamente. Quando a encíclica de Paulo VI estava a ser preparada alguns diziam que a moral sexual cristã acaba por danificar o amor entre o homem e a mulher e a estabilidade do matrimónio. A experiência diz que hoje, numa cultura na qual se difunde o recurso à contracepção e às relações pré-matrimoniais, os fracassos dos casais são cada vez mais numerosos, bem como também são mais numerosos os fenómenos de violência e de infidelidade. Certamente outras causas podem levar a estes fenómenos. Mas continuo admirado por que é que muitos casais, que tiveram um longo período de namoro, às vezes excessivamente concentrado nos aspectos sexuais, depois de se casar, descobrem que não se conheciam bem. Talvez pudessem ter conversado mais e se juntado menos, porque juntar-se nem sempre é comunicação e conhecimento. A maior parte das vezes, pelo contrário, impede detectar e corrigir o egoísmo próprio e o da outra parte.


Muitas das questões abordadas neste documento continuam a ser debatidas: aborto, fecundação artificial... Com o passar do tempo é ainda maior a ‘oposição’ aos fundamentos teológicos da Igreja sobre estas questões?


A nossa cultura evoluiu da forma que sabemos. Denunciar as causas que fez com que as mudanças sociais tomassem esse rumo requereria uma reflexão muito interessante, mas também muito longa para esta entrevista. Não há dúvida de que, para alguns, também para alguns fieis católicos, é difícil entender alguns aspectos da moral cristã. Talvez seria necessário mais esforço para explicá-la melhor e mais esforço para compreendê-la melhor. Mas, para mim, é muito significativo que a maioria dos fiéis praticantes considerem muito positivo o seu próprio esforço por viver a moral cristã, embora ocasionalmente cometam erros.

in Zenit


blogger