sexta-feira, 31 de julho de 2020

Santo Inácio de Loyola revela as ciladas do demónio


6. Quando o demónio for descoberto pela sua cauda serpentina, isto é, pelo fim pernicioso a que nos quer levar, será útil considerar os pensamentos que nos sugeriu, examinar-lhes o princípio e ver como, pouco a pouco, nos fez perder a alegria espiritual até nos levar à sua perversa intenção. A fim de que, pela experiência alcançada, nos acautelemos para o futuro de suas costumadas fraudes.

12. O inimigo procede como uma mulher, mostrando-se fraco contra o forte, e forte contra o fraco. Assim como é próprio da mulher, quando luta com algum homem, perder a coragem e fugir, se o homem se mostra corajoso; e, ao contrário, se o homem se mostra cobarde e tímido, a ira da mulher chega até ao excesso: do mesmo modo costuma o nosso inimigo enfraquecer e fugir, se aquele que se exercita nas coisas espirituais lhe resiste varonilmente e se opõe diametralmente às suas sugestões; se, pelo contrário, aquele que se exercita, começa a ter medo e a perder a coragem em lhe resistir, não há fera no mundo mais terrível, que este inimigo da natureza humana.

13. Porta-se também o demónio como um falso amante, que não quer ser descoberto. Assim como um homem que, procurando seduzir, com suas ilusórias palavras, a filha dum pai honesto, ou a esposa dum marido honrado, lhes propõe silêncio e pede segredo para que suas pérfidas insinuações não cheguem aos ouvidos do pai ou do marido, pois desfazer-se-ia toda a sua tentativa: assim quer o inimigo que as falazes propostas, que segreda à alma justa, fiquem ocultas e não sejam manifestadas ao confessor ou a uma pessoa espiritual que conheça bem seus embustes, pois perderia toda a esperança de consumar a sua malícia ao ver descobertos todos os seus artifícios.

14. Porta-se também o demónio como um general, quando quer apoderar-se duma fortaleza. Pois, à semelhança dum comandante ou chefe militar que, depois de assentar os arraiais, explora as fortificações e obras de defesa, para saber qual é a parte mais fraca, para começar por ela o ataque: assim o maligno espírito anda rondando em volta de nós para explorar as nossas virtudes teologais, cardeais e morais, a fim de começar por onde nos achar mais fraco, e nos render.

Regras para o discernimento dos espírito (II parte) - Exercício Espirituais de Santo Inácio


blogger

Breve biografia de Santo Inácio de Loyola e a relação com os Beneditinos


Nasceu em Loyola, na Espanha do Norte, em 1491. Oitavo filho duma família de 13, entrou o jovem senhor de Loiola como pajem na corte de Fernando V. De natural ardente e belicoso, deixou-se seduzir pela carreira das armas.

Tendo sido gravemente ferido no cerco de Pamplona, deram-lhe na convalescença a ler, por falta de romances de cavalaria, a vida de Jesus Cristo e dos Santos. A leitura destes livros, que nunca lhe prendera os olhos, foi uma revelação para ele. Compreendeu que também a Igreja devia possuir uma milícia para defender, às ordens do representante de Jesus Cristo [o Papa], os interesses invioláveis do Deus dos exércitos. 

Colocou pois a espada aos pés da Virgem na célebre abadia beneditina de Monserrate, e a sua alma generosa que outrora se deixara empolgar pelas glórias do mundo, não aspirou daí por diante senão por trabalhar o mais possível pela glória do Rei dos Céus, a quem só iria doravante servir.

Na noite de 25 de Março, que se celebra o mistério da Anunciação e Incarnação do Verbo, fez a sua velada de armas e a Mãe de Deus armou-o cavaleiro de Cristo e da Igreja militante, sua esposa.

Dentro de pouco tempo, será o General dessa admirável Companhia de Jesus, suscitada por Deus para combater o protestantismo, o jansenismo e o paganismo renascente. Os filhos de S. Bento continuarão no alto da montanha a celebrar os louvores divinos, prelúdio da liturgia do Céu, os quais o Santo recomendava com insistência aos fiéis e a que nunca assistia sem chorar. E ele, sacrificando-se à nova missão de que o Senhor o incumbiu, descerá cá abaixo ao campo para fazer frente aos exércitos do inimigo, cujo embate o seu instituto é o primeiro sempre a experimentar.

Para conservar nos seus filhos aquela vida interior exigida pela actividade militante a que se devotam, Santo Inácio dotou-os duma forte estrutura hierárquica e deixou-lhes, como poderoso guia, um tratado magistral, recomendado altamente pela Santa Igreja, os ‹‹Exercícios Espirituais››, com que se têm santificado milhares de almas. Tem-se dito que foi no ‹‹Exercitatorum›› do abade beneditino Cisneros (1050) de Monserrate que o Santo se inspirou. De qualquer modo que seja, o certo é que os compôs em Manresa de maneira muito diferente e pessoal.

Santo Inácio arma os seus filhos com o escudo do nome de Jesus, dá-lhes por couraça o amor de Deus que o Salvador veio reacender na terra e por espada a palavra e a pena, o apostolado sobre todas as formas. Aos pés da Virgem, na Abadia beneditina de Monserrate, pegou Inácio a primeira vez nas suas novas armas, e em S. Dinis de Paris, dos beneditinos também, na festa da Assunção de 1539, e mais tarde no altar da Virgem da basílica de S. Paulo fora-dos-muros, servida pelos beneditinos, funda a Companhia de Jesus.

Em 1814, Pio VII, monge beneditino da abadia de Nossa Senhora de Cesena, restabelece a Companhia com todos os seus direitos. Foi Deus quem uniu aos pés da Virgem estas duas Ordens que tão poderosamente têm defendido a Igreja, porque Marta e Maria, a acção e a contemplação, contribuem ambas por meios diferentes para a glória de Deus. Por isso é que são tão semelhantes as divisas destas duas famílias religiosas: U.I.O.G.D. ‹‹Que em tudo Deus seja glorificado››. A.M.D.G. ‹‹Para maior glória de Deus››. Fazer tudo para glória de Deus e fazê-lo para a sua maior glória é o acume da santidade. 

É esta a finalidade da criação e da elevação do homem ao estado sobrenatural e dos conselhos evangélicos que arrastam do mundo as almas religiosas que se querem consagrar de modo mais perfeito ao serviço de Deus. Bento encheu a Europa de monges missionários, cujo múnus principal consiste na condigna celebração dos louvores divinos; Inácio, com os seus sacerdotes apóstolos, manifestam a sua vida interior na operosa actividade a que indefesamente se consagram. É a mesma árvore do amor de Deus, produzindo os mesmos frutos em ramos diferentes.

Quando Santo Inácio morreu em 31 de Julho de 1556, a Companhia contava já 12 províncias e 100 colégios. Peçamos a este grande Santo a graça de nos alcançar que os mistérios sacrossantos da Missa, fonte de toda a santidade, nos santifiquem no amor da verdade para que, combatendo na Terra a seu exemplo e com o auxílio da sua intercessão, mereçamos ser com ele coroados no Céu.

in Missal Quotidiano e Vesperal, Desclée de Brouwer, Bruges (1957)


blogger

O 'Gato de Cheshire' e a decadência do Cristianismo liberal


O projecto para destruir o Cristianismo está em curso há mais de três séculos, mas foi só nos últimos 50 anos que os anticristãos descobriram a sua arma mais eficiente.

Este projecto teve o seu início cerca do ano 1700 com o aparecimento do deísmo como alternativa ao Cristianismo. Surgiram umas quantas variedades de deístas. Alguns (por exemplo Voltaire e Tom Paine) detestavam o Cristianismo. Outros (como Jefferson e Kant), não odiavam o Cristianismo, simplesmente consideravam-no um sistema de crenças inferior, um sistema que contém alguns belos princípios morais, mas também algumas superstições perniciosas. Voltaire tentou destruir o Cristianismo (apelando à eliminação “da coisa infame” – Ecraszez l’infame) fazendo troça dele, como no seu Dicionário Filosófico. 

E como era um homem com grande sentido de humor, até teve um certo sucesso. Jefferson tentou destruir o Cristianismo mostrando o quão porreiro Jesus era, desde que a sua imagem pudesse ser libertada das muitas superstições adicionais que os cristãos tinham afixado nele, como quem coloca decorações numa árvore de Natal. Vejam, nesse sentido, “A Vida e Moral de Jesus de Nazaré” que é, literalmente, uma edição de corta e cola do Novo Testamento.

Este tipo de ataque levou algumas pessoas a abandonar o Cristianismo, mas não muitas. Para ser afectado por críticas destas era preciso ler livros, e lê-los com alguma atenção. Por outras palavras, era preciso ser intelectual ou semi-intelectual.

Na segunda meta do século XIX surgiu outro grande ataque ao Cristianismo. Desta vez os anticristãos usaram a teoria de Darwin da evolução das espécies, a filosofia do agnosticismo de Spencer e a história crítica alemã da Bíblia para bater na velha religião. Mais uma vez, tratou-se de um ataque bastante intelectual, que apelava a pessoas que liam livros e artigos de revistas sérias. Contudo, devido ao grande crescimento da prosperidade económica durante o século XIX, o mundo tinha muito mais intelectuais e semi-intelectuais do que no século anterior. Por isso este ataque produziu muito mais deserções do Cristianismo. Não obstante, o Cristianismo continuaria, de longe, a ser o sistema de crenças dominante do mundo ocidental.

Um dos efeitos secundários deste ataque da era vitoriana foi o protestantismo liberal, que acreditava estar a adaptar o Cristianismo para o tornar mais apetecível ao homem moderno, mas que acabou por conduzir, nos primeiros sessenta e tal anos do século XX, a um grande número de deserções, algumas inconscientes, do protestantismo clássico. Um protestante liberal podia abandonar um após outro os artigos do Credo tradicional, tal como o nascimento virginal, a divindade de Cristo, a expiação e a Ressurreição, enquanto se continuava a apelidar de cristão e acreditar, mais ou menos honestamente, que o era. (Outro efeito secundário foi o Modernismo Católico, porém esse foi morto à nascença por Pio X).

Mas o maior golpe contra o Cristianismo, o golpe que parece ter sido em grande medida bem-sucedido no objectivo de reduzir o Cristianismo a um estatuto minoritário no mundo ocidental, foi a revolução sexual, que começou na década de 60. Não era preciso ser um intelectual ou um semi-intelectual para se participar na revolução sexual. Não era preciso ler livros ou artigos de revistas nem participar em conferências chiques.

Bastava cometer aquilo que o mundo cristão até então tinha chamado um pecado sexual e ao mesmo tempo sentir que o que tinha feito, longe de ser um pecado, era de facto um gesto bom. Nem sequer era preciso cometer este pecado pessoalmente, bastava dar a sua aprovação ao pecado em geral. A revolução foi só em parte uma alteração em grande escala do comportamento sexual. Em maior medida constituiu uma mudança na avaliação moral do comportamento sexual, transformando os sinais negativos em positivos.

Claro que o protestantismo liberal (a que se juntou, depois do Vaticano II, o Catolicismo neomodernista que tinha recuperado do golpe aparentemente mortal que lhe tinha sido infligido no início do século XX por Pio X) fez aquilo que faz melhor e disse que se podia ser um cristão mesmo enquanto se repudiava a moral sexual que remonta aos primórdios do Cristianismo. Num acto incrível de auto-ilusão, muitos protestantes e católicos conseguiram mesmo convencer-se de que isso é verdade. Mas este tipo de ilusão tem pouco poder de permanência. É tão claramente ridículo que não é o género de coisa que possamos passar a gerações futuras.

Vivemos numa era em que o Cristianismo, tal como o Gato de Cheshire – de Alice no País das Maravilhas – está gradualmente a apagar-se na maior parte dos países mais desenvolvidos do mundo. O Gato de Cheshire deixou apenas o seu sorriso. O Cristianismo liberal, seja protestante ou católico, também está a deixar para trás o que parece ser um sorriso, um sorriso que diz, “sou um grande fã de Jesus, o tipo porreiro cuja mensagem intemporal se resume às magníficas palavras, ‘não julgues para que não sejas julgado’”.

David Carlin in thecatholicthing.org (traduzido por 'Actualidade Religiosa')


blogger

quinta-feira, 30 de julho de 2020

Conferência em Lisboa sobre a Missa Tradicional



blogger

Concílio de Trento sobre Matrimónio e Adultério

Se alguém afirmar que a Igreja erra quando ensinou e ensina que, segundo a doutrina evangélica e apostólica, o vínculo do matrimónio não pode ser dissolvido pelo adultério de um dos cônjuges e que nenhum dos dois, nem sequer o inocente que não deu motivo ao adultério, pode contrair outro matrimónio em vida do outro cônjuge, e que comete adultério tanto aquele que, repudiada a adúltera, casa com outra como aquela que, abandonado o marido, casa com outro, seja anátema.

Concílio Tridentino, Sess. XXIV c. 7


blogger

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Santa Teresinha do Menino Jesus escreve sobre Santa Marta

Uma alma abrasada de amor não pode ficar inactiva. Sem dúvida que, como Santa Maria Madalena, ela permanece aos pés de Jesus, e escuta a sua palavra doce e inflamada. Parecendo não dar nada, dá muito mais do que Marta, que se aflige com muitas coisas e que quereria que sua irmã a imitasse. 

Não são, de modo nenhum, os trabalhos de Marta que Jesus censura; a esses trabalhos se submeteu humildemente sua Mãe durante a vida, pois tinha de preparar as refeições da Sagrada Família. Era apenas a inquietação da sua ardente anfitriã que Ele queria corrigir.

Todos os santos o compreenderam, e mais particularmente talvez aqueles que encheram o universo com a iluminação da doutrina evangélica. Não foi acaso na oração que os santos Paulo, Agostinho, João da Cruz, Tomás de Aquino, Francisco, Domingos e tantos outros ilustres amigos de Deus beberam esta ciência divina que arrebata os maiores génios? 

Houve um sábio que disse: «Dai-me uma alavanca, um ponto de apoio, e levantarei o mundo.» O que Arquimedes não pôde obter, porque o seu pedido não se dirigia a Deus, e por não ser feito senão sob o ponto de vista material, obtiveram-no os santos em toda a plenitude: o Todo-Poderosos deu-lhes como ponto de apoio Ele mesmo e Ele só; e como alavanca a oração, que abrasa com fogo de amor. E foi assim que levantaram o mundo; é assim que os santos que ainda militam na terra o levantam e que, até ao fim do mundo, os futuros santos o levantarão também.

Santa Teresinha do Menino Jesus in Manuscrito autobiográfico C, 36 r° - v°


blogger

terça-feira, 28 de julho de 2020

O que é a Alma?


Alma é um espírito imortal, incorruptível, dotado de inteligência e de vontade, criado por Deus para forma do corpo humano. É criada para cada corpo humano depois de concebido, e contrai o pecado original no momento da sua união com o corpo. É operação própria da alma entender o que abstrai das coisas sensíveis por meio dos sentidos. 

É pela alma que conhecemos e queremos. Está toda em todo o corpo e em cada parte do corpo, dando-lhe unidade e vida. Após a morte, vai imediatamente ou para o Céu, ou para o Purgatório, ou para o Inferno, segundo a sentença que Deus lhe der, e conserva os conhecimentos adquiridos
neste mundo. 

Pode conhecer as acções dos vivos pelas almas que vão entrando na eternidade, ou pelos Anjos, ou pelos demónios, ou por revelação de Deus, e pode aparecer aos vivos, mas tal aparição é miraculosa. A alma, porque é puramente espiritual, não tem forma, nem peso, nem cor; é invisível, mas todos
vêem os seus efeitos, actos que nenhum corpo é capaz de produzir: entender, querer, amar, raciocinar. 

Devemos querer-lhe mais do que ao corpo. A salvação da nossa alma é o negócio mais importante da nossa vida, pois disse Jesus: «Que aproveita ao homem ganhar todo o mundo, se vier a perder a sua
alma?». Ev. S. Mat. XVI. 26. É também um negócio absolutamente pessoal, pois ninguém pode substituir outrem no trabalho da sua santificação. Ao mesmo tempo é um negócio urgente, porque a vida é breve e a morte pode chegar repentinamente. Por isso Jesus preveniu: «Estai preparados». 

Há quem diga que a alma não existe, que o homem é apenas um animal aperfeiçoado. Isto é uma
afirmação falsa. Com efeito, se o homem fosse apenas um animal aperfeiçoado, não haveria entre ele e os outros animais senão uma diferença de grau, isto é, as faculdades que existem nos animais seriam mais perfeitas no homem, e nele não haveria mais faculdades que nos animais. Mas sucede o contrário: o homem é menos forte que o boi, menos ligeiro que o cão, etc. 

Há no homem faculdades que nenhum animal possui: a faculdade de pensar, a de compreender, a de julgar, a de falar, a de progredir, a de prestar culto. Estas faculdades são absolutamente distintas das faculdades do corpo, são de natureza mais elevada, mais nobre, são de natureza espiritual. Os animais têm o instinto preciso para se conservarem e se reproduzirem. Só o homem tem a inteligência indispensável para progredir. As faculdades que são só do homem existem na alma humana.

Padre José Lourenço in Dicionário da Doutrina Católica


blogger

Irmãs do Instituto de Cristo Rei e Sumo Sacerdote recebem hábito

8 postulantes das Irmãs Adoradoras do Coração Real de Jesus Sumo Sacerdote receberam o hábito, em Nápoles.









blogger

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Os horrores da Revolução Francesa: o genocídio de Vendeia


O primeiro genocídio dos tempos modernos foi o genocídio de Vendeia: Em 18 meses, até à decapitação de Robespierre em 27 de Julho de 1794, 117 000 pessoas da região de Vendeia foram assassinadas com o objectivo declarado de fazer um genocídio. 

Motivo: a população apoiou o credo católico e a fé em Cristo. As pessoas foram mortas e esfoladas da cintura para baixo, sendo a sua pele curtida e usada para fazer calças para os soldados. 150 corpos de mulheres foram fervidos para obter 10 barris de graxa. 
(Fonte: Reynald Secher, La Vendé Vengé: le genocide franco-français, Presses Universitaires de France, 1986)

O caso de Marie Leroy é exemplificativo. Era costureira e tinha os dois pais inválidos. Negou ter escondido sacerdotes. Ficou registado que não podia assinar a acta de julgamento por ser iletrada. A acusação proferiu: "Marie Leroy, costureira, 25 anos, solteira, de Montillié, é condenada à morte por ser muito fanática e aristocrata." 

O general François Joseph Westermann declararia: "A Vendeia já não existe! Morreu sobre os sabres da nossa liberdade com as suas mulheres e crianças. Esmaguei as crianças sob as patas dos meus cavalos, massacrei todas as mulheres que nunca mais hão-de gerar bandidos. Não tenho que me censurar por ter feito prisioneiros. Matei-os a todos. As ruas estão cobertas de cadáveres. São tantos que em muitos lugares formam pirâmides." 

Agostino Nobile in Governados Pela Mentira


blogger

50 anos da morte de António de Oliveira Salazar

No dia 27 de Julho de 1970 rendia à alma ao Criador António de Oliveira Salazar, considerado por muitos um dos maiores estadistas da história de Portugal. Publicamos aqui Excertos do discurso proferido que proferiu a 7 de Janeiro de 1949, na inauguração da conferência da União Nacional.


blogger

domingo, 26 de julho de 2020

Mãe de Família conta como começaram recentemente a ir à Missa Tradicional

Leila Marie Lawler é esposa de um, mãe de sete e avó de quatorze...até agora. Vive no centro de Massachusetts. Encontrou o Cristianismo quando ainda era estudante e entrou na Igreja Católica em 1979, ano em que se casou com Philip Lawler, um conhecido jornalista católico. No seu blog descreveu como a sua Família começou a ir à Missa Tradicional numa paróquia da Fraternidade de São Pedro (FSSP):

Recentemente, começámos a frequentar uma paróquia da FSSP, depois de anos numa paróquia menos do que morna. Estávamos com medo que os nossos filhos ficassem assustados, ou confusos, e que não seriamos capazes de explicar o que estava a acontecer. Mas descobrimos que os nossos filhos estavam mais atentos à Missa, mais admirados, e todos estávamos mais conscientes dos mistérios que nos cercavam. 

Tivemos dificuldade em explicar isto a amigos que estão perplexos por lá termos ido, quando há uma paróquia a 20 minutos de nossa casa, que às vezes tem Missa Novus Ordo em latim. Mas além dessa também tem uma Missa para adolescentes, uma Missa de cânticos contemporâneos, uma Missa de cânticos tradicionais, etc. É como escolhermos o nosso próprio livro de aventuras ou escolher o sabor do gelado! 

Quando vamos à paróquia da FSSP sabemos o que lá vamos encontrar. Missa baixa ou Missa Solene. Tradição sem pedir desculpas por isso. E descobrimos, durante a COVID, que também nos oferece um pouco de normalidade quando o resto do mundo fica louco. Mais tempo para confissões, mais Missas. Estes padres estão a trabalhar no duro para levar os sacramentos aos fiéis. É fantástico.


blogger

Sant'Ana, Mãe de Nossa Senhora e Avó de Jesus


Santa Ana, ou Sant'Ana - do hebraico Hannah: Graça - foi a Mãe de Maria Santíssima e pertencia à família do sacerdote Aarão. O seu marido, São Joaquim, homem pio, fora censurado pelo sacerdote Rúben por não ter filhos. Segundo narra a Tradição, Rubén parou Joaquim quando este estava para entrar no Templo para levar a sua costumeira oferenda anual em dinheiro e disse: “Tu não tens o direito de ser o primeiro, porque não geraste prole”. 

Sant’Ana já era idosa e estéril, e São Joaquim não queria tomar outra mulher para gerar filhos, segundo os costumes hebraicos, porque amava a esposa. Confiando no poder divino, São Joaquim retirou-se ao deserto para rezar e fazer penitência. Ali um anjo do Senhor apareceu-lhe e disse que Deus havia ouvido as suas preces. Tendo voltado a Jerusalém, ambos se encontraram na Porta Áurea. 

Algum tempo depois Sant’Ana, a quem também aparecera concomitantemente um anjo (“Ana, Ana, o Senhor ouviu a tua prece e tu conceberás e parirás e falar-se-á da tua prole em todo o mundo”), ficou grávida. A paciência e a resignação com que sofriam a esterilidade deu-lhes o prémio de ter por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jesus. 

O santo casal residia em Jerusalém, perto da Porta dos Leões, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Sant'Ana, construída pelos Cruzados e cuidada pelos Padres Brancos (Sociedade dos Missionários da África). Num Sábado, 8 de Setembro do ano 20 a.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam - do hebraico: "Senhora da Luz", passado para o latim como Maria. 

Os pais de Maria nunca foram nomeados nos textos bíblicos; a sua história foi narrada pela primeira vez nos apócrifos¹ Protoevangelho de Tiago e Evangelho do Pseudo-Mateus². Depois foi enriquecida de detalhes hagiográficos no curso dos séculos, incluindo a Legenda Aurea de Jacopo de Varazze. 

A Tradição conta que as relíquias de Sant’Ana foram salvas de serem destruídas pelo centurião Longinho. Os restos foram custodiados na Terra Santa até que, por obra de alguns monges, chegaram a França, onde permaneceram durante anos. Durante as incursões otomanas, o inteiro corpo da Santa foi guardado num caixão de cipreste e murado, por precaução, que se encontrava numa capela escavada sob a nascente catedral de Apt. Muitos anos depois, o corpo foi encontrado, graças a diversos milagres e graças também a uma inscrição em grego. De seguida, o corpo foi desmembrado e as relíquias enviadas por toda parte do Ocidente. Actualmente, o crânio está em Castelbuono, na Sicília, onde no dia 27 de Julho é levado em procissão. Entre os milagres, conta-se o do "lumezinho" que permaneceu aceso ao lado do caixão durante anos, apesar da ausência de ar.

A mãe da Virgem possui os mais diferentes patronatos, quase todos ligados a Maria; por ter levado no ventre a Esperança do Mundo (Maria), o manto de Sant'Ana é verde. Por isso na Bretanha, onde são devotíssimos, é invocada na colheita do feno. Por ter custodiado Maria como uma jóia num cofre, ela é patrona dos ourives e tanoeiros. Protege também os mineiros, os marceneiros, os carpinteiros e os oleiros. 

Por ter ensinado à Virgem a cuidar da casa, tecer e costurar, é a padroeira dos fabricantes de vassouras, dos tecelões, dos costureiros, dos fabricantes e comerciantes de tecidos. É sobretudo a padroeira das mães de família, das viúvas, e, por ter concebido a mais alta das criaturas humanas, sobretudo das parturientes; é invocada nos partos difíceis e nos casos de esterilidade conjugal.

in Pale Ideas


blogger

sábado, 25 de julho de 2020

Líderes pró-vida apelam aos Católicos que recebam a Comunhão na boca

"Por causa do amor e reverência devidos a Nosso Senhor 
não recebo a Comunhão na mão."


blogger

São Tiago Maior, íntimo de Nosso Senhor


Hoje é dia de São Tiago, ou Santiago. Filho do pescador galileu Zebedeu, era o irmão mais velho de S. João Evangelista e não de São Tiago Menor, a quem se costuma confundir como irmão mais novo. Junto com João foi chamado por Cristo para tornar-se, com Pedro e André, num dos apóstolos. O epíteto o Maior significa justamente que foi um dos primeiros chamados. Junto a São Pedro e São João assistiu à Transfiguração e à Agonia de Cristo, no monte das Oliveiras. 

O glorioso Apóstolo Santiago, Maior, Luz e Patrono das Espanhas, foi natural da Província de Galileia, filho do Zebedeu e de Maria Salomé (filha de Alfeu ou Cleofas, irmão de São José, e de Maria: Maria de Cleofas), e irmão maior de São João Evangelista, e primo de Jesus Cristo, segundo a carne. Foram pescadores, ambos os irmãos, como o foi o Pai Zebedeu, que vivia nas margens do mar da Galileia e devia ser pescador rico, pois tinha navio próprio e criados. São Jerónimo diz que eram nobres. Quanto à vida de Tiago, deveremos tirar o que dele e do seu irmão dizem os sagrados evangelistas. 

Estando um dia com o pai e o irmão a consertar redes, passou Jesus e disse-lhes: “Sigam-me”. João e Tiago imediatamente obedeceram; deixaram o pai e as redes e seguiram Jesus, como fiéis discípulos, para todo o sempre. Eles sempre estavam no grupo dos três: Pedro, Tiago e João. Eram, talvez, os mais íntimos.

Podemos entender também o pedido feito a Jesus, por Maria Salomé, de que os colocasse no seu Reino, um à sua direita e o outro à sua esquerda. Era um pedido de mãe; porém, provavelmente ela expressou o desejo mais íntimo dos dois apóstolos.

Naquele momento, Jesus, sem considerar o parentesco, repreendeu-os ainda e disse: “Não sabeis o que pedis. Podeis beber o cálice que eu hei de beber?”. Eles prontamente responderam: “Podemos”. Por fim o Senhor afirma que tal decisão cabe tão somente ao Pai.

Depois de os ter chamado, o Senhor mudou-lhes o nome, chamando-lhes Boanerges, que quer dizer, Filhos do trovão. Isto é coisa particular, digna de consideração, pois que só a São Pedro e a estes dois irmãos, entre todos os apóstolos, lemos que o Senhor lhes trocou os nomes. 

A Pedro, mudando-lhe o nome de Simão em Pedro ou Cefas, porque seria a cabeça da Igreja e a pedra fundamental sobre a qual, depois de Cristo, ela deveria edificar-se. E a São Tiago e São João, porque depois de São Pedro, seriam os mais próximos, familiares, mais favorecidos e prendados, como se vê em muitas coisas que lhes comunicou, excluindo os restantes. 

Levou-os consigo quando foi ressuscitar a filha do Chefe da Sinagoga, quis que fossem testemunhas da glória da sua sagrada humanidade, quando se transfigurou, e resplandeceu o seu divino rosto mais que o Sol no monte Tabor. Somente levou os três consigo, deixando os outros, quando foi rezar no horto de Getsémani e lhes mostrou a sua tristeza e agonia, a fim de o verem desfigurado e suando sangue, ao que antes tinham visto cheio com tanta glória e claridade. 

O evangelista Lucas narra um facto que caracteriza bem a índole dos dois irmãos, como também a sua dedicação e fidelidade ao Mestre. E deu-lhes o nome de Filhos do trovão, como principais capitães do seu exército e que com a voz sonora da sua pregação e doutrina, a jeito de trovão, haveriam de espantar e converter o mundo e trazê-lo ao conhecimento e Fé no seu criador. 

E embora isto seja mais evidente em S. João, fundador, pai e mestre de todas as igrejas da Ásia, o qual fixando, como Águia-real, os seus limpos e agudos olhos nos raios do Sol, nos mostrou a geração do Verbo eterno. E, enquanto se ouviam trovões e relâmpagos espantosos do céu, também se cumpriu em Santiago, seu irmão que para além de ter pregado na Judeia e em Espanha, defendeu tantas vezes estes reinos e como terrível trovão e furioso raio, desbaratou e destruiu os exércitos dos mouros e de outros inimigos dos cristãos. E, com apoio e protecção deste glorioso apóstolo, os espanhóis levaram por todo o mundo o estandarte da cruz e plantaram nas Índias e noutras províncias e reinos a doutrina evangélica e deram a conhecer a gentes cegas os resplendores da divina luz. 

E refere o evangelista São Lucas que indo o Senhor, próximo da Páscoa, a Jerusalém, enviou alguns dos seus discípulos adiante à cidade de Samaria onde haviam de passar, a fim de que preparassem o que haviam de comer. Porventura, como reconheceram, por seus modos e traje, que eram judeus e de diferente religião da sua, não foram bem recebidos pelos Samaritanos que não quiseram tratar com eles, nem admiti-los na sua cidade. 

Quando São Tiago e São João, seu irmão que eram filhos do trovão, viram a descortesia dos Samaritanos, movidos de zelo e desejosos de vingar a injúria que se fazia a Cristo, disseram-lhe: Senhor, não quereis que façamos descer fogo do céu e que toda esta gente seja abrasada? Mas o Senhor respondeu-lhes: Não sabeis de que espírito sois, dando a entender que aquele espírito e zelo que os movia, era espírito de vingança e não de brandura, espírito do Velho Testamento e não do Novo, de Elias e não de Jesus Cristo, o qual como tinha vindo a ensinar e ganhar os pecadores, assim o modo de os ensinar e ganhar devia ser brandura, suavidade e caridade evangélica.

Tiago, o irmão mais velho, sempre foi uma referência para João evangelista e para os demais discípulos, pois era corajoso e determinado. Santo Epifânio afirma que Tiago viveu sempre em perfeita castidade.

in Pale Ideas


blogger

sexta-feira, 24 de julho de 2020

São Tomás de Aquino sobre Maomé e o Islão

 
A maravilhosa conversão do mundo à Fé cristã é um certíssimo indício dos sinais havidos no passado, que não precisaram ser reiterados no futuro, visto que os seus efeitos são evidentes.

Seria realmente o maior dos sinais miraculosos se o mundo tivesse sido induzido, sem aqueles maravilhosos sinais, por homens rudes e vulgares, a crer em verdades tão elevadas, a realizar coisas tão difíceis e a desprezar bens tão valiosos.

Mas ainda, nos nossos dias, Deus, por meio dos Seus santos, não cessa de operar milagres para confirmação da Fé.

No entanto, os iniciadores de seitas erróneas seguiram um caminho oposto, como se tornou patente em Maomé, fundador do Islão.

a) Ele (Maomé) seduziu os povos com promessas referentes aos desejos carnais, excitados que são pela concupiscência.

b) Formulou também preceitos conformes àquelas promessas, relaxando, desse modo, as rédeas que seguram os desejos da carne.

c) Além disso, não apresentou testemunhos da verdade, senão aqueles que facilmente podem ser conhecidos pela razão natural de qualquer medíocre ilustrado. Além disso, introduziu, em verdades que tinha ensinado, fábulas e doutrinas falsas.

d) Também não apresentou sinais sobrenaturais. Ora, só mediante estes há conveniente testemunho da inspiração divina, enquanto uma acção visível, que não pode ser senão divina, mostra que o mestre da verdade está inspirado de modo invisível.

Mas Maomé manifestou ter sido enviado pelo poder das armas, que também são sinais dos ladrões e dos tiranos.

e) Ademais, desde o início, homens sábios, versados em coisas divinas e humanas, não acreditaram nele.

Nele, porém, acreditaram homens que, animalizados no deserto, eram totalmente ignorantes da doutrina divina. No entanto, foi a multidão de tais homens que obrigou os outros a obedecerem, pela violência das armas, a uma lei.

f) Finalmente, nenhum dos oráculos dos profetas que o antecederam dele deu testemunho, visto que ele deturpou com fabulosas narrativas quase todos os factos do Antigo e do Novo Testamento.

Tudo isso pode ser verificado ao estudar-se a sua lei. Já também por isso, e sagazmente pensado, não deixou que os seus seguidores lessem os livros do Antigo Testamento, para que não o acusassem de impostura.

g) Fica assim comprovado que os que lhe dão fé crêem levianamente.


in Suma contra os Gentios - Livro I, Capítulo VI


blogger

Contracepção: Releiamos a Humanae Vitae à luz da Casti Connubii


O Ocidente conheceu nas últimas décadas uma Revolução anti-familiar sem precedentes na História. Um dos pilares desse processo de desagregação da instituição familiar tem sido a separação dos dois fins primários do matrimónio, o procriativo e o unitivo.

O fim procriativo, separado da união conjugal, levou à fertilização in vitro e ao útero alugado. O fim unitivo, emancipado da procriação, levou à apoteose do amor livre, hetero e homossexual. Um dos resultados dessas aberrações é o recurso das parelhas de pessoas do mesmo sexo ao útero alugado para realizar uma grotesca caricatura da família natural.

A encíclica Humanae Vitae, de Paulo VI, cujo quinquagésimo aniversário será celebrado em 25 de Julho de 2018, teve o mérito de reafirmar a inseparabilidade dos dois significados do casamento e de condenar claramente a contracepção artificial, tornada possível nos anos 60 do século passado pela comercialização da pílula do Dr. Pinkus.

No entanto, até a Humanae Vitae tem culpa no cartório: a de não ter afirmado com igual clareza a hierarquia dos fins, ou seja, a primazia do fim procriativo sobre o unitivo. Dois princípios, ou valores, nunca podem estar num mesmo nível, em condição de igualdade. Um é sempre subordinado ao outro.

Isto acontece nas relações entre a fé e a razão, a graça e a natureza, a Igreja e o Estado, e assim por diante. Essas são realidades inseparáveis, mas distintas e ordenadas hierarquicamente. Se a ordem dessas relações não for definida, as tensões e os conflitos se seguirão, até a inversão da ordem dos princípios. Deste ponto de vista, uma das causas do processo de desintegração moral dentro da Igreja foi a falta de uma definição clara do fim primário do casamento pela encíclica de Paulo VI.

A doutrina da Igreja sobre o casamento foi afirmada como definitiva e obrigatória pelo Papa Pio XI na sua encíclica Casti Connubii, de 31 de Dezembro de 1930. Neste documento, o Papa recorda à Igreja e à Humanidade as verdades fundamentais sobre a natureza do casamento, estabelecido não pelos homens, mas pelo próprio Deus, e sobre as bênçãos e benefícios que advêm daí para a sociedade.

O primeiro objectivo é a procriação: que não significa apenas trazer filhos ao mundo, mas educá-los intelectual e moralmente, e, acima de tudo, espiritualmente, para conduzi-los ao seu destino eterno que é o Céu. O segundo objetivo é a assistência mútua entre os cônjuges, que não é apenas material, nem tampouco sexual ou sentimental, mas antes de tudo uma assistência e uma união espiritual.

A encíclica contém uma condenação clara e vigorosa do uso de meios contraceptivos, definidos como “uma acção torpe e intrinsecamente desonesta”. Portanto: “Qualquer uso do casamento em que pela maldade humana o acto seja destituído da sua virtude procriadora natural, vai contra a Lei de Deus e da natureza e aqueles que ousam cometer tais acções se tornam responsáveis de culpa grave.”

Pio XII confirmou em muitos discursos o ensinamento do seu antecessor. O esquema original sobre a família e o casamento do Concílio Vaticano II, aprovado por João XXIII em Julho de 1962, mas rejeitado no início dos trabalhos pelos Padres Conciliares, reafirmou essa doutrina, condenando explicitamente “teorias que invertem a ordem correcta dos valores, colocam o fim primordial do matrimónio no segundo plano em relação aos valores biológicos e pessoais dos cônjuges e que, na mesma ordem objectiva, indicam o amor conjugal como fim primário” (nº 14).

O fim procriativo, objectivo e enraizado na natureza cumpre-se espontaneamente. O objectivo unitivo, subjectivo e baseado na vontade dos cônjuges pode desaparecer. A primazia do fim procriativo salva o casamento, a primazia do fim unitivo o expõe a sérios riscos.

Além disso, não devemos esquecer que os fins do casamento não são dois, mas três, porque subsidiariamente existe também o remédio para a concupiscência. Ninguém fala deste terceiro fim, porque se perdeu o significado da noção de concupiscência, confundido muitas vezes com o pecado, à maneira luterana.

A concupiscência, presente em todos os homens, excepto na Santíssima Virgem, imune do pecado original, recorda-nos que a vida na Terra é uma luta incessante, porque, como diz São João, “no mundo não existe se não concupiscência da carne, concupiscência dos olhos e orgulho da vida” (1 Jo 2, 16).

A exaltação dos instintos sexuais, inoculados na cultura dominante pelo marxismo-freudismo, não é senão a glorificação da concupiscência e, consequentemente, do pecado original.

Essa inversão dos fins matrimoniais, que conduz inevitavelmente à explosão da concupiscência na sociedade, aflora na exortação do Papa Francisco Amoris Laetitia, de 8 de Abril de 2016, em cujo o número 36 se lê: “Com frequência apresentamos o casamento de modo tal que o fim unitivo, o convite a crescer no amor e o ideal de ajuda mútua permanecem à sombra de uma nota quase exclusiva sobre o dever de procriar.”

Estas palavras repetem quase literalmente aquelas pronunciadas pelo cardeal Leo-Joseph Suenens na aula conciliar, em 29 de Outubro de 1964, num discurso que escandalizou Paulo VI. “Pode ser – disse o cardeal arcebispo de Bruxelas – que tenhamos acentuado a palavra da Escritura: ‘Crescei e multiplicai’ a ponto de deixar a outra palavra divina nas sombras: ‘Os dois serão uma só carne’. (…) Caberá à Comissão dizer se não enfatizámos muito o primeiro objectivo, que é a procriação, em detrimento de um fim igualmente imperativo, que é o crescimento da unidade conjugal”.

O cardeal Suenens insinua que a finalidade principal do casamento não é crescer e multiplicar, mas que “os dois sejam uma só carne”. Passamos de uma definição teológica e filosófica para uma descrição psicológica do casamento, apresentada não como um vínculo enraizado na natureza e dedicado à propagação da humanidade, mas como uma comunhão íntima, voltada para o amor recíproco dos cônjuges.

O casamento é reduzido mais uma vez a uma comunhão de amor, enquanto o controle de natalidade – natural ou artificial – é visto como um bem que merece ser encorajado sob o nome de “paternidade responsável”, pois ajuda a fortalecer o bem primário da união conjugal. A consequência inevitável é que, no momento em que essa comunhão íntima vier a fracassar, o casamento pode se dissolver.

A inversão dos fins é acompanhada pela inversão dos papéis dentro da união conjugal. O bem-estar psicofísico da mulher substitui sua missão de mãe. O nascimento de uma criança é visto como um elemento que pode perturbar a íntima comunhão de amor do casal. A criança pode ser considerada como um injusto agressor do equilíbrio familiar, da qual o casal se defende com a contracepção e, em casos extremos, com o aborto.

A interpretação que demos das palavras do cardeal Suenens não é forçada. Em coerência com aquele discurso, o cardeal primaz da Bélgica liderou em 1968 a revolta dos bispos e teólogos contra a Humanae Vitae. A Declaração do episcopado belga, de 30 de Agosto de 1968, contra a encíclica de Paulo VI, foi, com a do episcopado alemão, uma das primeiras elaboradas por uma Conferência Episcopal e serviu de modelo de protesto a outros episcopados.

Aos herdeiros dessa contestação, que se propõem reinterpretar a Humanae Vitae à luz da Amoris Laetitia, respondemos com firmeza que continuaremos a ler a encíclica de Paulo VI à luz da Casti Connubii e do Magistério perene da Igreja.

Roberto de Mattei in Corrispondenza Romana
Tradução: Hélio Dias Viana – FratresInUnum.com


blogger

quinta-feira, 23 de julho de 2020

D. Athanasius Schneider convoca uma Cruzada Eucarística

Os pecados contra o Santíssimo Sacramento
e a necessidade de uma cruzada de reparação eucarística

D. Athanasius Schneider

Nunca houve um tempo na história da Igreja em que o Santíssimo Sacramento tenha sofrido abusos e ofensas tão assustadores e sérios quanto os infligidos nas últimas cinco décadas, especialmente desde a autorização oficial e a aprovação papal em 1969 da prática da comunhão na mão. Esses abusos são ainda mais agravados pela prática generalizada em muitos países quando os fiéis, sem terem recebido o sacramento da penitência durante muitos anos, recebem, no entanto, regularmente a Comunhão. 

A gravidade dos abusos da Santa Eucaristia é confirmada na admissão à Santa Comunhão de casais que vivem em estado público e objectivo de adultério, violando assim os seus laços matrimoniais sacramentais válidos e indissolúveis, como no caso dos chamados “divorciados e novamente casados”. Em algumas regiões, essa admissão à comunhão foi oficialmente aprovada com normas específicas e, no caso da região de Buenos Aires na Argentina, essas normas foram até ratificadas pelo Papa. Além desses abusos, a prática de admissão oficial à Santa Comunhão também é verificada para cônjuges protestantes de casamentos mistos, por exemplo, em algumas dioceses da Alemanha.

Dizer que o Senhor não está a sofrer por causa dos ultrajes perpetrados contra Ele no Santíssimo Sacramento pode levar-nos a minimizar as enormes atrocidades cometidas. Algumas pessoas dizem: Deus ofende-Se com o abuso do Santíssimo Sacramento, mas o Senhor não sofre pessoalmente. Essa é, no entanto, uma visão teológica e espiritualmente muito estreita. Embora Cristo esteja agora em seu estado glorioso e, portanto, já não esteja sujeito ao sofrimento humano, Ele é, no entanto, afectado e tocado no Seu Sagrado Coração pelos abusos e ultrajes cometidos contra a Sua Divina Majestade e contra o Seu amor infinito no Santíssimo Sacramento. Nosso Senhor expressou a alguns santos as suas queixas e tristeza pelos sacrilégios e ultrajes com que os homens O ofendem. Podemos entender essa verdade com as palavras que o Senhor dirige a Santa Margarita Maria de Alacoque, como o Papa Pio XI as relata na sua encíclica Miserentissimus Redemptor:

Quando Jesus Cristo aparece a Santa Margarida Maria, manifestando-lhe a infinidade do Seu amor, juntos, como se estivesse entristecido, queixa-se de tantos ultrajes que recebe dos homens por estas palavras que teriam que ser gravadas em almas piedosas para que nunca fossem esquecidas: «Aqui está este coração que amou tanto os homens e os encheu de tantos benefícios e que, em preço de seu amor infinito, não encontra gratidão, mas ultrajes, às vezes até mesmo daqueles que são obrigados a amá-lo com amor especial.»

O Frei Michel de la Sainte Trinité deu uma explicação teológica profunda do significado do "sofrimento" ou "tristeza" de Deus por causa das ofensas que os pecadores cometem contra Ele:

“Este “sofrimento”, esta "tristeza" do Pai Celestial ou de Jesus desde a sua Ascensão devem ser entendidos de maneira analógica. Eles não sofrem passivamente como nós, mas, pelo contrário, são livremente escolhidos como expressão máxima da sua misericórdia para com os pecadores chamados à conversão. Eles são apenas uma manifestação do amor de Deus pelos pecadores, um amor que é soberanamente livre e gratuito e que não é irrevogável.” (cf. Toda a verdade sobre Fátima, vol. I 1311-1312).

Este significado espiritual análogo da "tristeza" ou "sofrimento" de Jesus no mistério eucarístico é confirmado pelas palavras do Anjo em sua aparição em 1916 aos pastorinhos de Fátima e especialmente pelas palavras e exemplo da vida de São Francisco Marto. As crianças foram convidadas pelo anjo para reparar as ofensas contra Jesus sacramentado e consolá-lo, como podemos ler nas Memórias da Irmã Lúcia:

Estando, pois, aí, apareceu-nos pela terceira vez, trazendo na mão um cálix e sobre ele uma Hóstia, da qual caíam, dentro do cálix, algumas gotas de sangue. Deixando o cálix e a Hóstia suspensos no ar, prostrou-se em terra e repetiu três vezes a oração: – Santíssima Trindade, Padre, Filho, Espírito Santo… Depois, levantando-se, tomou de novo na mão o cálix e a Hóstia e deu-me a Hóstia a mim e o que continha o cálix deu-o a beber à Jacinta e ao Francisco, dizendo, ao mesmo tempo: – Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolei o vosso Deus.” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, pp. 170-171)

Relatando a terceira aparição em 13 de julho de 1917, a Irmã Lúcia sublinhou como Francisco percebeu o mistério de Deus e a necessidade de consolá-lo por causa das ofensas dos pecadores:

O que mais o impressionava ou absorvia era Deus, a Santíssima Trindade, nessa luz imensa que nos penetrava no mais íntimo da alma. Depois, dizia: – Nós estávamos a arder, naquela luz que é Deus, e não nos queimávamos. Como é Deus!!! Não se pode dizer! Isto sim, que a gente nunca pode dizer! Mas que pena Ele estar tão triste! Se eu O pudesse consolar” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, p. 145)

A Irmã Lúcia escreveu como Francisco percebeu a necessidade de consolar Deus, que ele entendia "triste" por causa dos pecados dos homens:

Um dia perguntei-lhe: “Francisco, tu, de que gostas mais: de consolar a Nosso Senhor ou converter os pecadores, para que não (vão) fossem mais almas para o inferno? – Gostava mais de consolar a Nosso Senhor. Não reparaste como Nossa Senhora, ainda no último mês, se pôs tão triste, quando disse que não ofendessem a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido? Eu queria consolar a Nosso Senhor e depois converter os pecadores, para que não O ofendessem mais” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, p. 155)

Nas suas orações e na oferta de seus sofrimentos, São Francisco Marto tinha como prioridade a intenção de "consolar o Jesus escondido", isto é, o Senhor Eucarístico. A Irmã Lúcia relatou estas palavras de Francisco, que ele lhe disse: “Olha: vai à Igreja e dá muitas saudades minhas a Jesus escondido. Do que tenho mais pena é de não poder já ir a estar uns bocados com Jesus escondido. Mas primeiro ofereço para consolar a Nosso Senhor, a Nossa Senhora e depois, então, é que ofereço por os pecadores e por o Santo Padre.” (Memórias da Irmã Lúcia I, Fátima 2007, p. 156)

Jesus Cristo continua misteriosamente a sua paixão no Getsémani ao longo dos séculos, no mistério da sua Igreja e também no mistério eucarístico, o mistério do seu imenso amor. É conhecida esta expressão de Blaise Pascal: “Jesus ficará em agonia até o fim do mundo. Não devemos dormir durante esse tempo”. (Pensées, n. 553) O cardeal Karol Wojtyla deixou-nos uma profunda reflexão sobre o mistério dos sofrimentos de Cristo no Getsémani, que, em certo sentido, continuam na vida da Igreja. O cardeal Wojtyla também falou sobre o dever da Igreja de consolar Cristo:

E agora a Igreja procura recuperar aquela hora no Getsémani - a hora perdida por Pedro, Tiago e João - para compensar a falta de companhia do Mestre que aumentou o sofrimento da sua alma. O desejo de compensar essa hora tornou-se uma verdadeira necessidade de muitos corações, especialmente para aqueles que vivem tão plenamente quanto possível o mistério do Coração Divino. O Senhor Jesus permite-nos encontrá-lo a essa hora e convida-nos a compartilhar a oração do seu coração. Diante de todas as provações pelas quais o homem e a Igreja precisam passar, há uma necessidade constante de retornar ao Getsémani e empreender essa participação na oração de Cristo, nosso Senhor.” (Sinal de contradição, capítulo 17, "A oração no Getsémani")

Jesus Cristo, no mistério eucarístico, não é indiferente e insensível ao comportamento que os homens Lhe mostram neste sacramento de amor. Cristo está presente neste sacramento também com a sua alma, que está hipostaticamente unida à sua Pessoa Divina. O teólogo romano Antonio Piolanti apresentou uma sólida explicação teológica a esse respeito. Embora o Corpo de Cristo na Eucaristia não pudesse ver ou sentir com os sentidos o que está acontece ou o que é dito no lugar da sua presença sacramental, Cristo na Eucaristia "ouve tudo e vê com conhecimento superior". Piolanti então cita o cardeal Franzelin:

"A santa humanidade de Cristo vê todas as coisas em si mesma em virtude do infinito conhecimento infuso do Redentor da humanidade, do Juiz dos vivos e dos mortos, do Primogénito de todas as criaturas, do centro de toda a história celestial e terrestre. Todos esses tesouros da visão beatífica e do conhecimento infuso estão certamente na Alma de Cristo, na mesma medida em que estão presentes na Eucaristia. Além dessas razões, por outro título especial, assim como a alma de Cristo está formalmente na Eucaristia, para o próprio objectivo da instituição do mistério, ela vê todos os corações dos homens, todos os pensamentos e afectos, todas as virtudes e todos os pecados, todas as necessidades de toda a Igreja e dos seus membros individuais; as obras, as ansiedades, as perseguições, os triunfos - numa palavra, toda a vida interna e externa da Igreja, sua Esposa, alimentada com a sua carne e o seu precioso Sangue. Assim, para um título triplo (se é que podemos dizer), Cristo no Santíssimo Sacramento vê e de certa maneira divina percebe todos os pensamentos e afectos, a adoração, as homenagens e também os insultos e pecados de todos os homens em geral, de todos os seus fiéis especificamente e os seus sacerdotes em particular; Ele percebe homenagens e pecados que se referem directamente a este inefável mistério do amor”. (De Eucharistia, pp. 199-200, citado em Il Mistero Eucaristico, Firenze 1953, pp. 225-226)

Um dos maiores apóstolos da Eucaristia nos tempos modernos, São Pedro Julião Eymard, deixou-nos as seguintes profundas reflexões sobre os efeitos do amor sacrificial de Cristo na Eucaristia:

Ao instituir o seu sacramento, Jesus perpetuou os sacrifícios da Sua paixão ... Ele estava familiarizado com todos os novos Judas; ele contou-os entre os seus, entre os seus filhos amados. Mas nada disso poderia detê-lo. Ele queria que o seu amor fosse além da ingratidão e malícia do homem; ele queria sobreviver à malícia sacrílega do homem. Ele sabia de antemão a tibieza dos seus seguidores: conhecia a minha tibieza; Ele sabia quão pouco fruto obteríamos da Sagrada Comunhão. Mas Ele queria amar da mesma maneira, amar mais do que era amado, mais do que aquilo que o homem poderia retribuir. Existe algo mais? Mas não é nada ter adoptado esse estado de morte quando se tem a plenitude da vida, uma vida glorificada e sobrenatural? Não é nada para ser tratado e considerado morto? Nesse estado de morte, Jesus não tem beleza, movimento ou defesa; é envolto na espécie sagrada como uma mortalha e colocado no tabernáculo como uma sepultura. No entanto, está lá; Ele vê tudo e ouve tudo. Ele submete-se a tudo como se estivesse morto. O seu amor projecta um véu sobre o seu poder, sobre a sua glória, nas mãos, nos pés, no rosto formoso e nos lábios sagrados; escondeu tudo. Ele apenas deixou o seu coração para nos amar e a sua condição de vítima para interceder por nós”. (A Presença Real: O Santíssimo Sacramento não é Amado!, III)”

São Pedro Julião Eymard escreveu a seguinte profissão comovente e quase mística do amor eucarístico de Cristo, com um ardente apelo à reparação eucarística:

O coração que suportou os sofrimentos com tanto amor está aqui no Santíssimo Sacramento; ele não está morto, mas vivo e activo; não é insensível, mas ainda mais carinhoso. Jesus já não pode sofrer: é verdade; mas, infelizmente, o homem ainda pode se tornar culpado de ingratidão monstruosa. Vemos cristãos que desprezam Jesus no Santíssimo Sacramento e mostram desprezo pelo coração que os amou tanto e que consome amor por eles. Para desprezá-lo, alegremente, aproveitam-se do véu que O oculta. Eles insultam-No com as suas irreverências, pensamentos pecaminosos e olhares criminosos na presença d'Ele. Para expressar o seu desprezo por Ele, aproveitam-se da sua paciência, da bondade que tudo sofre em silêncio, como aconteceu com o soldado ímpio de Caifás, Herodes e Pilatos. Eles blasfemam sacrílegamente contra o Deus da Eucaristia. Eles sabem que o seu amor O deixa sem palavras. Eles crucificam-No mesmo nas suas almas culpadas. Eles recebem-No. Eles atrevem-se a pegar esse coração vivo e amarrá-lo a um cadáver imundo. Eles atrevem-se a entregá-lo ao diabo que é seu senhor! Não! Nem mesmo nos dias da sua paixão Jesus recebeu tantas humilhações como no seu Santíssimo Sacramento! A terra para Ele é um calvário de ignominias. Na sua agonia, procurou alguém para confortá-lo; na cruz, pediu a alguém que compartilhasse as suas aflições. Hoje, mais do que nunca, devemos expiar e reparar a honra do adorável Coração de Jesus. Vamos esbanjar a nossa adoração e o nosso amor pela Eucaristia. Ao coração de Jesus que vive no Santíssimo Sacramento seja dada honra, louvor, adoração e poder real para todo o sempre!” (A Presença Real. O Sagrado Coração de Jesus, III)

Na sua última encíclica Ecclesia de Eucharistia, o Papa João Paulo II nos deixou reflexões luminosas com as quais destacou a extraordinária santidade do mistério eucarístico e o dever dos fiéis de tratar este sacramento com a máxima reverência e ardente amor. De todas as suas exortações, essa afirmação se destaca: “Não há perigo de exagerar no cuidado que lhe dedicamos, porque, «neste sacramento, está condensado todo o mistério da nossa salvação»” (São Tomás de Aquino, Summa Theologiae, III, q. 83, a. 4c). ” (n. 61)

Seria uma medida pastoralmente urgente e espiritualmente frutuosa para a Igreja estabelecer em todas as dioceses do mundo um "Dia de reparação pelos crimes contra a Santíssima Eucaristia". Esse dia poderia ser a Oitava dia da festa de Corpus Christi. O Espírito Santo dará graças especiais de renovação à Igreja em nossos dias quando, e somente quando, o Corpo Eucarístico de Cristo será adorado com todas as honras divinas, amado, cuidadosamente tratado e defendido como realmente o Santo dos Santos. Santo Tomás de Aquino diz no hino Sacris sollemniis: “Ó Senhor, visitai-nos na medida em que nós Vos veneramos neste sacramento.” (sic nos Sua visita, sicut Te colimus) E podemos dizer sem dúvida: Ó Senhor, Vós nos visitareis na Vossa Igreja em nossos dias, na medida em que a prática moderna da Comunhão nas mãos retrocede e na medida em que Vos oferecemos actos de reparação e amor.

Na actual chamada "Emergência Pandémica COVID-19", os horríveis abusos do Santíssimo Sacramento aumentaram ainda mais. Muitas dioceses em todo o mundo ordenaram a Comunhão na mãos e, nesses lugares, o clero, de uma maneira muitas vezes humilhante, nega aos fiéis a possibilidade de receber o Senhor de joelhos e em boca, demonstrando um clericalismo deplorável e exibindo o comportamento de neopelagianos rígidos. Além disso, em alguns lugares, o adorável Corpo Eucarístico de Cristo é distribuído pelo clero e recebido pelos fiéis com luvas domésticas ou descartáveis. O tratamento do Santíssimo Sacramento com luvas apropriadas para o tratamento do lixo é um abuso eucarístico indescritível.

Em vista dos horríveis maus tratos de Nosso Senhor Eucarístico - que é continuamente pisoteado por causa da Comunhão na mão, durante a qual pequenos fragmentos da Santa Hóstia quase sempre caem no chão; em vista do facto que o Corpo do Senhor é tratado de maneira minimalista, privado do sagrado, tratado como uma bolacha ou como lixo pelo uso de luvas de uso doméstico - nenhum bispo, sacerdote ou fiel fiel católico pode permanecer indiferente e  ficar simplesmente a assistir.

Deve ser iniciada uma cruzada mundial de reparação e consolo do Senhor Eucarístico. Como medida concreta para oferecer ao Senhor Eucarístico os urgentemente necessários actos de reparação e consolo, cada católico pode prometer oferecer pelo menos uma hora inteira de adoração eucarística mensalmente, seja diante do Santíssimo Sacramento no tabernáculo ou diante do Santíssimo Sacramento exposto no ostensório. A Escritura Sagrada diz: "Onde abundaram os pecados, a graça abundou mais" (Rom. 5, 20) e podemos acrescentar de maneira análoga: "Onde abundam os abusos eucarísticos, os actos de reparação serão mais abundantes".

O dia em que, em todas as igrejas do mundo católico, os fiéis recebem o Santíssimo Sacramento, velado sob as espécies da pequena Sagrada Hóstia, com verdadeira fé e coração puro, no gesto bíblico de adoração (prosquinesis), isto é, ajoelhado e com a atitude de uma criança, abrindo a boca e deixando-se alimentar pelo próprio Cristo com um espírito de humildade, então a verdadeira primavera espiritual virá sem dúvida. A Igreja crescerá na pureza da fé católica, no zelo missionário pela salvação das almas e na santidade do clero e dos fiéis. De facto, o Senhor visitará a sua Igreja com suas graças na medida em que o veneramos em seu sacramento inefável de amor (sic nos Tu visita, sicut Te colimus).

Queira Deus que, através da Cruzada Eucarística de reparação, possa aumentar o número de adoradores, amantes, defensores e reparadores do Senhor Eucarístico. Que os dois pequenos apóstolos eucarísticos de nossa época, São Francisco Marto e o em breve bem-aventurado Carlo Acutis (beatificação em 10 de Outubro de 2020) e todos os santos eucarísticos sejam os protectores desta Cruzada Eucarística. Porque, como lembra São Pedro Julião Eymard, a verdade irrevogável é a seguinte: “Uma época prospera ou diminui proporcionalmente à sua devoção à Eucaristia. Esta é a medida da sua vida espiritual, da sua fé, caridade e virtude. ”

+ Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria em Astana

Oração da Cruzada de Reparação ao Coração Eucarístico de Jesus


Ó Divino Coração Eucarístico de Jesus, aqui estamos nós, prostrados com um coração contrito e adorador diante da majestade do Vosso amor redentor no Santíssimo Sacramento. Declaramos que estamos dispostos a reparar por expiação voluntária, não apenas por os nossos próprios pecados pessoais, mas, em particular, pelos ultrajes indescritíveis, sacrilégios e indiferenças com os quais Vós estais ofendido no Santíssimo Sacramento do Vosso Divino Amor neste nosso tempo, especialmente pela prática da Comunhão na mão e pela recepção da Sagrada Comunhão em estado de descrença e pecado mortal.

Quanto mais a incredulidade ataca a Vossa Divindade e a Vossa presença real na Eucaristia, mais acreditamos em Vós e Vos adoramos, o coração eucarístico de Jesus, em quem habita toda a plenitude da Divindade!

Quanto mais os Vossos sacramentos são desprezados, mais creremos neles e mais reverentemente queremos recebê-los, ó Coração Eucarístico de Jesus, fonte de vida e santidade!

Quanto mais o Vosso Santíssimo Sacramento é ultrajado e blasfemado, mais proclamaremos solenemente: “Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo Vos! Peço Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam“, o Coração Eucarístico de Jesus, digno de todo louvor!

Quanto mais Vos sois abandonado e esquecido em Vossas igrejas, mais queremos visitar Vos que habitais entre nós nos tabernáculos das nossas igrejas, ó Coração Eucarístico de Jesus, Casa de Deus e Porta do Céu!

Quanto mais a celebração do sacrifício eucarístico é privada de seu carácter sagrado, mais queremos apoiar uma celebração reverente da Santa Missa, orientada externa e internamente para Vos, ó Coração eucarístico de Jesus, tabernáculo do Altíssimo!

Quanto mais Vós sois recebido na Sagrada Comunhão nas mãos e em pé, sem um sinal visível de humildade e adoração, mais queremos receber Vos ajoelhados e na boca, com a humildade do publicano e a simplicidade de uma criança, ó Coração Eucarístico de Jesus, de infinita majestade!

Quanto mais corações impuros em estado de pecado mortal Vos receberem na Sagrada Comunhão, mais queremos fazer actos de contrição e purificar os nossos corações com a frequente recepção do Sacramento da Penitência, ó Coração Eucarístico de Jesus, nossa Paz e Reconciliação!

Quanto mais o inferno trabalha pela perdição de almas, mais o nosso zelo pela salvação delas arde com o fogo do Vosso amor, ó Coração Eucarístico de Jesus, salvação daqueles que esperam em Vós!

Quanto mais a diversidade de religiões é declarada como vontade positiva de Deus e como um direito baseado na natureza humana; e quanto mais o relativismo doutrinário cresce, mais confessamos vivamente que Vós sois o único Salvador da humanidade e o único caminho para Deus Pai, ó Coração Eucarístico de Jesus, Rei e centro de todos os corações!

Quanto mais algumas autoridades da Igreja não se arrependerem da exibição de ídolos pagãos nas igrejas, e mesmo em Roma, mais confessaremos a verdade: "Que acordo existe entre o templo de Deus e os ídolos?" (2 Cor. 6, 16); e mais condenaremos convosco “a abominação da desolação no lugar santo” (Mateus 24, 15), ó Coração eucarístico de Jesus, templo santo de Deus!

Quanto mais os Vossos santos mandamentos são esquecidos e transgredidos, mais queremos observá-los com a ajuda de Vossa graça, ó Coração eucarístico de Jesus, abismo de todas as virtudes!

Quanto mais a sensualidade, o egoísmo e o orgulho reinam entre os homens, mais queremos dedicar nossa vida a Vós com um espírito de sacrifício e abnegação, ó Coração Eucarístico de Jesus, saturado de opróbrios!

Quanto mais violentamente as portas do inferno assaltam a Vossa Igreja e a rocha de Pedro em Roma, mais cremos na indestrutibilidade de Vossa Igreja, ó Coração Eucarístico de Jesus, fonte de toda a consolação, que não abandonais Vossa igreja ou a rocha de Pedro, nem mesmo nas tempestades mais pesadas!

Quanto mais as pessoas se separam em ódio, violência e egoísmo, mais intimamente nós, como membros da única família de Deus na Igreja, queremos amar uns aos outros em Vós, ó Coração eucarístico de Jesus, cheio de bondade e de amor!

Ó Divino Coração Eucarístico de Jesus, concedei-nos a Vossa graça, para que sejamos fiéis e humildes adoradores, amantes, defensores e reparadores do Vosso Coração Eucarístico nesta vida e recebamos as glórias do Vosso amor na visão beatífica por toda a eternidade! Amém.

Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo Vos! Peço Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam. (três vezes)

Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, rogai por nós!

São Tomás de Aquino, São Pedro Julão Eymard, São Francisco Marto, São Pio de Pietrelcina e todos os santos eucarísticos, rogai por nós!


blogger