sexta-feira, 30 de abril de 2021

O problema da Liberdade segundo o Bispo Fulton Sheen

A liberdade está plantada no espírito. Só as criaturas espirituais e racionais são livres. Só o homem tem determinação própria. Porque, dotado de razão, pode assentar os seus próprios projectos e propósitos e escolher os meios de usá-los. Sua suprema liberdade é obtida quando age dentro da lei de seu ser e escolhe dentre as boas coisas com o fim de alcançar o mais completo enriquecimento e a plenitude de sua personalidade em Deus.

A base de nossa liberdade, bem sabemos, é nossa alma racional. Mas existe uma garantia externa de nossa liberdade, já que não somos puramente espirituais, mas porque somos compostos de corpo e alma, matéria e espírito, necessitamos de algum sinal visível e externo de nossa invisível liberdade espiritual. Ou, se o homem é livre porque tem uma alma espiritual, não deverá haver um sinal externo para essa liberdade interna, algo que possa chamar de seu no mundo exterior, assim como chama a sua alma propriedade dentro de si?

Liberdade significa responsabilidade ou domínio de seus actos. Como pode, porém, esta responsabilidade interna melhor revelar-se externamente do que por meio da posse de alguma coisa material sobre a qual se possa exercer controle? O homem é mais livre em seu íntimo, quando possui alguma coisa no mundo exterior que possa chamar de seu, que possa dar cunho a sua personalidade.

Se o homem não possuísse nenhuma coisa que se pudesse tornar responsável, não seria livre nem dentro, nem fora de si. Deem-lhe, porém, alguma coisa que possa afeiçoar à sua própria imagem e semelhança, assim como Deus o fez à sua imagem e semelhança e o homem será economicamente livre. Tal coisa é a propriedade privada.

A propriedade privada, então, é a garantia económica da liberdade, tal como a alma é sua garantia espiritual -- a prova de que é tão livre em seus actos externos quanto em seu foro íntimo; a garantia de que é a fonte da responsabilidade não apenas no que se refere ao que ele é, mas também ao que possui.

O direito à propriedade privada baseia-se na dignidade da pessoa humana e não num privilégio do Estado. O Estado pode confirmar o direito natural, mas em nenhum sentido o cria. O direito à propriedade está, portanto, fundado na natureza humana. Não é o Estado que nos dá este direito. O homem tem esse direito antes do Estado e o Estado não pode destruí-lo sem destruir a natureza do homem.

Pelo facto de a propriedade em suas relações externas ser o sinal da liberdade, é que a Igreja tem feito da larga distribuição da propriedade privada a pedra angular de seu programa social. 'A riqueza, constantemente aumentada pelo progresso económico e social, deve ser distribuída por entre os vários indivíduos e classes de modo tal que seja alcançado o bem comum de todos' (Quadragesimo Anno).

A Igreja, por saber que a propriedade privada é a garantia económica de uma pessoa ou família, luta por ela. Porque renunciar à propriedade é ficar alguém sujeito a outrem. Se renunciar ao meu direito à propriedade, ficarei sujeito, quer:

1 - Ao Estado ou coletividade, como no comunismo;
2 - Ao próximo, como o capitalismo selvagem o quer;
3 - A Deus, como no voto de pobreza (neste caso, ele tudo possui, mas a tudo renuncia, pois nada tem a desejar).

Porque a abolição da propriedade é o começo da escravidão, opõe-se a Igreja ao capitalismo selvagem que encerra a propriedade nas mãos de poucos e ao comunismo, que confisca inteiramente em nome da colectividade.

Profundamente interessada na liberdade do homem, recorre a Igreja a um meio eficaz: sugere-lhe aquilo que o fará livre, isto é, dá-lhe alguma coisa que ele possa chamar de seu.''

Bispo Fulton Sheen in 'O Problema da Liberdade'


blogger

Santa Catarina de Sena recebeu de Jesus a coroa de espinhos

Enquanto Santa Catarina tratava os doentes foi visitada por Jesus que lhe ofereceu duas coroas: Uma de jóias e outra de espinhos. Perguntou-lhe, então: "Usarás a coroa de espinhos enquanto vives aqui na Terra e receberás a coroa de pedras preciosas na eternidade; ou usarás as jóias aqui na Terra e como tal usarás a coroa de espinhos daí em diante?" 

Catarina agarrou imediatamente a coroa de espinhos pressionando-a contra a sua cabeça. Tal como quando recebeu os estigmas, as marcas eram invisíveis durante a sua vida mas Catarina podia sempre senti-las na sua pele.


blogger

quinta-feira, 29 de abril de 2021

Os namorados devem viver juntos? Não é boa ideia!

Devem ir morar com o vosso namorado? Parece uma boa ideia porque querem conhecer mesmo bem a pessoa antes de lhe entregar a vossa vida. A maior parte dos namorados que vivem juntos e pensam casar vêem este esquema como uma boa maneira de experimentar, uma forma de terem a certeza de que são compatíveis antes de darem o nó. Afinal de contas, quem é que quer passar por um divórcio?

Pondo de parte todos os factores espirituais relacionados com o sexo antes do casamento, devíamos dar uma olhadela ao que os investigadores descobriram sobre viver juntos antes do casamento. Dois investigadores resumiram os seus resultados de muitos estudos ao dizer que "a expectativa de uma relação positiva entre a união de facto e a estabilidade do matrimónio foi destruída nos últimos anos por estudos feitos em vários países do Ocidente."[1] O que os estudos descobriram é isto: se não se querem divorciar, não vivam juntos até se casarem.

Porque é que é assim? Pensem nos seguintes factos sobre viver juntos antes do casamento: a maior parte dos casais que vivem juntos acabam por nunca se casar, mas os que realmente se casam têm uma taxa de divórcio de quase 80% mais alta do que os que esperaram até ao casamento para viverem juntos.[2] 

Os casais que viveram juntos antes do casamento também têm mais conflitos no matrimónio e pior comunicação, e vão mais frequentemente aos conselheiros de matrimónios.[3] 

As mulheres que viveram com outra pessoa antes do casamento têm uma probabilidade três vezes maior para enganar os seus maridos dentro do casamento.[4] O Departamento de Justiça dos EUA descobriu que as mulheres que vivem com o namorado antes do casamento têm sessenta e duas vezes mais probabilidade de serem agredidas pelo namorado-lá-de-casa do que por um marido.[5] 

Além disso têm três vezes mais probabilidade de ficarem deprimidas do que as mulheres casadas,[6] e os casais têm menor satisfação sexual do que os que esperaram por casar.[7]

Do ponto de vista da duração do matrimónio, paz no matrimónio, fidelidade no matrimónio, segurança física, bem-estar emocional e satisfação sexual, a união de facto não é bem a receita para a felicidade. Até o USA Today diz: "Poderá isto ser verdadeiro amor? Façam o teste no namoro, não a viver juntos antes do casamento."[8] Mesmo que não pensem que o vosso namorado vai ser um abusador ou que vão ficar deprimidas, as taxas de divórcio falam por si mesmas.

Como todos nós, vocês sonham com um amor que dura. Se querem mesmo fazer essa relação durar, salvem o vosso casamento antes dele começar e não vão viver com o vosso namorado antes do casamento.

in ChastityProject.com

[1]. William G. Axinn and Arland Thornton, “The Relation Between Cohabitation and Divorce: Selectivity or Casual Influence?” Demography 29 (1992), 357–374.
[2]. Cf. Bennett, et al., “Commitment and the Modern Union: Assessing the Link Between Premarital Cohabitation and Subsequent Marital Stability,” American Sociological Review 53:1 (February 1988), 127–138.
[3]. Elizabeth Thompson and Ugo Colella, “Cohabitation and Marital Stability: Quality or Commitment?” Journal of Marriage and the Family 54 (1992), 263; John D. Cunningham and John K. Antill, “Cohabitation and Marriage: Retrospective and Predictive Consequences,” Journal of Social and Personal Relationships 11 (1994), 90.
[4]. Koray Tanfer and Renata Forste, “Sexual Exclusivity Among Dating, Cohabiting, and Married Women,” Journal of Marriage and Family (February 1996), 33–47.
[5]. Chuck Colson, “Trial Marriages on Trial: Why They Don’t Work,” Breakpoint, March 20, 1995.
[6]. Lee Robins and Darrell Regier, Psychiatric Disorders in America: The Epidemiologic Catchment Area Study (New York: Free Press, 1991), 64.
[7]. Marianne K. Hering, “Believe Well, Live Well,” Focus on the Family, September 1994, 4.
[8]. William Mattox, Jr., “Could This be True Love? Test It with Courtship, Not Cohabitation,” USA Today, February 10, 2000, 15A (usatoday.com).


blogger

Traje tradicional dos noivos na Polónia




blogger

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Muita paciência para os animais e pouca para as pessoas

O mundo moderno encontra-se cheio de diversas formas de adoração dos animais; uma religião geralmente acompanhada com o sacrifício humano.

No entanto, ouve-se falar muito pouco sobre os reais predicados dos animais. Um deles é, seguramente, essa inocência de ser privado da monotonia. Talvez essa simplicidade resulte da inexistência de pecado.

Eu próprio possuo a necessidade da surpresa, embora eu aprecie a nova estrada bem como a velha estrada. Mas tenho muito mais cansaço do que o meu cão pois encontro monotonia na repetição de brincadeiras e não desato a saltar de alegria à volta das pessoas.

Eu seria incapaz de crueldade para com os animais mas receio dizer que muitos de nós, sob o argumento de detestar a crueldade para com os animais, têm uma excessiva paciência para com os animais.

Muita paciência, sobretudo comparada com a falta de paciência que demonstram para com os seres humanos.

G.K. Chesterton in 'A Nova Jerusalém'


blogger

A Presença de Deus

A santificação através da consciência permanente da Presença de Deus nas nossas vidas, mais ainda nas nossas almas, quando estamos na Sua Graça, é uma prática, ou melhor, uma espiritualidade cujas raízes se encontram nos Evangelhos.
 

A Santa Isabel da Trindade[1][2], uma carmelita, foi-lhe concedida a enorme Graça do reconhecimento interior da Presença de Deus Uno e Trino na sua alma. Vivia, por isso, quotidianamente, mergulhada no Mistério de Deus em si. Por isso, afirmava que já vivia o Céu na terra. De facto, o Céu, ultimamente, é Deus: a plena Comunhão com o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

 

Evidentemente que nestes textos telegráficos que vou enviando, não irei desenvolver esta espiritualidade, verdadeiramente infundida pelo Espírito Santo[3].


E, assim, enunciarei somente breves tópicos:


a) Quem assim vive ou aprende a viver estará praticamente imune aos ataques do Maligno (suposta, é claro, a vida Sacramental habitual).


b) Um confrade Sacerdote contou-me que a partir, não da confissão sacramental, mas somente de algumas conversas espirituais entendeu que a pessoa que o consultava experimentava uma grande dificuldade em vencer-se num pecado sexual. Este Padre, com uma audácia temerária, um dia disse-lhe. Faz então isso que costumas fazer aqui à frente de mim. A pessoa sentiu-se chocada, envergonhada e incapaz do acto, como era de esperar. Pelo que o Sacerdote lhe disse, se tu só pelo facto da minha presença, ultrapassas-te a tentação e o pecado, muito mais alcançarás fazê-lo se tiveres consciência da Presença de Deus que a tudo e a todos está presente.


c) Quanta gente, talvez em especial jovens, que usa uma linguagem indecorosa e que se comporta muito inadequadamente, estando na presença de adultos ou, pelo menos de pessoas que respeitam, se comportam como pessoas muito bem-educadas? Pois, com maior razão o farão se praticarem este exercício da consciência da Presença de Cristo e da Trindade.


d) É triste que esta Espiritualidade não seja pregada e ensinada habitualmente, uma vez que se perdem muitas Graças e se evitariam muitos pecados.

 

À honra de Cristo. Ámen.


Padre Nuno Serras Pereira

[2] Isabel Catez nasceu, no campo militar de Avor, perto de Bourges, França. O seu pai era capitão do exército francês. Desde muito cedo que Isabel mostrou ser uma criança turbulenta, muito viva, faladora, precoce e de temperamento colérico. A sua mãe quando fala dela nalgumas cartas chama-a «autêntico diabinho». E a sua irmã não hesita em escrever que era «um verdadeiro diabo». Chega mesmo a dizer que era tão violenta que os familiares a ameaçaram enviar para uma casa de correcção. 


No entanto, a sua mãe, atenta, soube modelar a fúria de Isabel e fazer sobressair nela a ternura e docilidade. E de tal maneira a ternura ganhou terreno que o maior castigo de Isabel acontecia quando a sua mãe, à noite, se despedia dela sem lhe dar um beijo. Então, Isabel compreendia que não se tinha portado bem, e, meditando fazia exame de consciência e corrigia-se. Isabel era ainda uma criança quando a sua família se mudou para a cidade de Dijon. Aqui Isabel perdeu o pai tão querido que a morte lhe roubou. O dia da primeira comunhão, a 19 de Abril de 1891, foi «o grande dia» da vida de Isabel. 


Tinha então 10 anos, pois nascera no dia 18 de Julho de 1880. Estudou piano desde os 8 anos de idade no Conservatório, vindo a tornar-se uma «excelente pianista», segundo expressão do seu professor de música. Participou em concertos organizados, e, os jornais falaram do seu grande talento ainda mal a menina Catez chegava aos pedais do piano. Entre músicas e festivais, bailes, férias e diversões foram decorrendo os anos de Isabel. 


Aos catorze anos sentiu-se irresistivelmente atraída por Jesus. Aos 18 a sua mãe pretendeu casá-la com um esplêndido noivo, mas Isabel respondeu: «o meu coração já não está livre, dei-o ao Rei dos reis, já dele não posso dispor». O desgosto da mãe foi grande. Mas foi mais amargo quando soube que Isabel queria entrar no Carmelo, que tantas vezes tinham visitado, pois ficava ali a dois passos. A mãe apenas consentiu a entrada da filha no Carmelo quando alcançou a maioridade, aos 21 anos. No dia 2 de Agosto de 1901, Isabel entra definitivamente nessa bela montanha do Carmo que pela sua solidão e beleza a atraiu irresistivelmente. A partir de então o seu nome será Irmã Isabel da Santíssima Trindade. «Gosto tanto do mistério da Santíssima Trindade! É um abismo no qual me perco. Deus em mim, eu n’Ele. É o grande sonho da minha vida. Para uma carmelita viver é estar em comunhão com Deus desde a manhã até à noite, e desde a noite até de manhã. Se Deus não enchesse as nossas celas e os nossos claustros, oh!, como tudo seria vazio! Mas é Ele que enche toda a nossa vida fazendo dela um céu antecipado». 

A irmã Isabel tomou o hábito a 8 de Dezembro de 1901. Iniciada a vida de noviciado a paz e a felicidade mudou-se em noite escura; foi o momento da purificação interior. Com a profissão religiosa, que fez a 11 de Janeiro de 1903, recuperou a paz e a serenidade interior. Depressa a Irmã Isabel descobriu a sua vocação. Lendo S. Paulo descobriu que ela devia ser o «louvor da glória de Deus». Esta ideia e esta vocação serão o rumo e o norte de Isabel da Santíssima Trindade: «louvor de glória» é uma alma que mora em Deus e O ama com amor puro, amante do silêncio qual lira mantida sob o toque misterioso do Espírito Santo, fazendo sair de si harmonias divinas. 

«Louvor de glória» é uma alma que contempla a Deus em fé simples e permanece como um eco perene do eterno cântico celeste. O segredo da felicidade é não se preocupar consigo mesmo, é negar-se em todo o momento». 

Seguindo o Caminho que é Cristo, a Irmã Isabel entrou no mistério de Deus através de Maria a quem gosta de chamar a Porta do céu. Seguindo os nossos pais e mestres~, Teresa de Jesus e, sobretudo, João da Cruz, de quem constantemente fala nos seus escritos, Isabel mergulha no mistério das Três Pessoas Divinas, nesse Oceano sem fundo que é a Santíssima Trindade e que ela se sente envolvida por dentro e por fora. Tal como S. João da Cruz se sentiu fascinado pela formosura de Deus, também Isabel da Trindade se sente atraída pela beleza de Deus. Isabel gostava de ver o sol penetrar nos claustros e recordar aquela comparação de Santa Teresa que dizia que a alma é como um cristal que reflecte a Deus. A nossa irmã deixou-nos este testemunho: «cada dia na minha vida de esposa me parece mais belo, mais luminoso, mais envolto em paz e amor». 


Mas foi a vivência total daquela frase de S. João da Cruz: «a alma perfeita e unida a Deus em tudo encontra alegria e motivo de deleite até naquilo que entristece os outros, e sobretudo alegra-se na cruz» que levou a Irmã Isabel a perder-se em Deus como uma gota de água no Oceano, segundo a sua própria expressão. Foi o perfeito louvor da glória de Deus, por isso, apenas com 26 anos se encontrava preparada para voar para a paz: «tudo é calma, tudo fica tranquilo e é tão bom, a paz do Senhor». 

Nos finais de Março de 1906, a Irmã Isabel foi colocada na enfermaria. Sentia-se feliz por morrer carmelita e escreve esta frase que é uma cópia do verso de S. João da Cruz: «sem outro ofício senão o de amar, estou na enfermaria». As Irmãs rezavam pela sua cura e Isabel juntou o seu pedido às orações da comunidade, mas sentiu que Jesus lhe dizia que os ofícios da terra já não eram para ela. No dia 1 de Novembro comungou pela última vez e dois dias antes da sua morte disse ao seu médico: «é provável que dentro de dois dias esteja no seio da Santíssima Trindade. É a Virgem Maria, aquele ser tão luminoso, tão puro, com a pureza do mesmo Deus, quem me levará pela mão e me introduzirá no céu tão deslumbrante». Pouco antes da sua morte, Isabel disse às suas Irmãs esta frase tão bela e que ficou célebre: «Tudo passa! No entardecer da vida só o amor permanece». Frase que se parece com aquela outra de S. João da Cruz, também muito bela e conhecida: «à tarde serás examinado no amor». A sua última noite foi terrivelmente penosa, pois às suas horríveis dores juntou-se-lhe também a falta de ar, mas ao amanhecer Isabel sossegou, e inclinando a cabeça abriu os olhos, e exclamou: «vou para a Luz, para o Amor, para a Vida», e adormeceu para sempre. Era a madrugada do dia 9 de Novembro de 1906. 

[3] “Ó meu Deus, Trindade que eu adoro, ajudai-me a esquecer-me inteiramente, para me estabelecer em vós, imóvel e pacífica como se já a minha alma estivesse na eternidade. Que nada possa perturbar a minha paz, nem fazer-me sair de vós, ó meu Imutável, mas que cada minuto me leve mais longe na profundeza do vosso Mistério. Pacificai a minha alma, fazei dela o vosso céu, vossa morada amada e o lugar de vosso repouso. Que nunca aí eu vos deixe só, mas que esteja lá inteiramente, toda acordada em minha fé, perfeita adoradora, toda entregue à vossa Acção criadora. 

Ó meu Cristo amado, crucificado por amor, quereria ser uma esposa para o vosso Coração, quereria cobrir-vos de glória, quereria amar-vos… até morrer de amor! Mas sinto a minha incapacidade e peço-vos para me «revestirdes de vós mesmo», para identificar a minha alma com todos os movimentos de vossa alma, me submergir, me invadir, e vos substituir a mim, a fim que a minha vida não seja senão uma irradiação da vossa Vida. Vinde a mim como Adorador, como Reparador e como Salvador. Ó Verbo eterno, Palavra do meu Deus, quero passar a minha vida a escutar-vos, quero tornar-me inteiramente dócil ao vosso ensino, a fim de tudo aprender de vós.”



blogger

terça-feira, 27 de abril de 2021

Revolução sexual: Tolos ou Mentirosos

Os actuais defensores da Revolução Sexual – esse grande pântano de esgoto, miséria humana, famílias disfuncionais, entretenimento decadente e advogados – garantem que a ruptura antropológica mais radical que a humanidade alguma vez conheceu, a desvinculação entre o casamento, a procriação e os simples factos da vida, não terá qualquer efeito (nenhum, não se preocupem) sobre o casamento, a procriação, a família e a vida comunitária.

Ao que eu respondo: “Não foi isso que disseram das outras vezes?” Precisamente qual das previsões dos revolucionários sexuais é que se confirmou?

Disseram-nos que a liberalização das leis de divórcio não teria qualquer efeito, nenhum, não se preocupem, sobre as taxas de divórcio. A nova lei apenas tornaria o divórcio menos doloroso para o casal e, por isso, menos doloroso para os filhos. Porque aparentemente existem “bons” divórcios.

Através de uma demonstração milagrosa de simpatia e maturidade fora do alcance da sua idade, as crianças ficariam felizes por ver os seus pais felizes. Aliás, de outra forma a sua felicidade não seria possível. Ninguém se deu ao trabalho de perguntar como é que os pais poderiam ser felizes perante a infelicidade dos seus filhos. Mas os revolucionários enganaram-se em relação a isso. Ou então estavam a mentir, das duas, uma.

Disseram-nos que toda a gente fazia “aquilo”, sendo que “aquilo” se tornou gradualmente mais imoral e antinatural, e basearam as suas afirmações em investigação levada a cabo pelo pedófilo e fraude Alfred Kinsey. Ver com bons olhos a fornicação, disseram, não mudava nada, apenas libertava as pessoas da censura e permitia-lhes fazer aberta e honestamente aquilo que até então tinham feito desonestamente e em segredo. 

Em apenas uma geração a relação entre os sexos transformou-se completamente até que as raparigas e os rapazes que queriam praticar a normal virtude da prudência, e até a mais difícil virtude da castidade, se viram isolados e sós. Antigamente o coração de um rapaz entraria em sobressalto se a rapariga lhe desse um beijo. Agora, mal consegue fingir um bocado de afecto se ela não o levar ao clímax. Também aqui os revolucionários se enganaram. Ou então estavam a mentir.

Disseram-nos que a pornografia era um passatempo inocente para uma minoria que gostava. Não tinha nada a ver com violência, não seria prejudicial para a cultura. Seria possível proteger os nossos filhos dela. Não teria qualquer efeito, nenhum, não se preocupem. Vale a pena sequer comentar esta? Enganaram-se, ou então estavam a mentir.

Disseram-nos que com a pílula ia haver menos crianças concebidas fora do casamento, e que a liberalização das leis do aborto não afectaria, de todo, não se preocupem, o número de mulheres que o procuram. O Papa Paulo VI, na Humanae Vitae, previu o contrário. Actualmente 40% das crianças na América nascem fora de casamentos, a maior parte cresce sem um lar estável. Segundo o próprio Supremo Tribunal, o aborto tornou-se uma parte tão intrínseca da vida de uma mulher, como uma protecção de último recurso contra fazer um filho quando se faz a coisa que faz filhos, que não pode ser limitado. Mais uma vez, os revolucionários enganaram-se, ou estavam a mentir.

Talvez deva dizer que estavam a mentir outra vez, porque as provas que levaram até ao tribunal tinham sido sempre um monte de mentiras.

Disseram-nos que o facto de pequenas crianças serem introduzidas ao prazer sexual por pessoas queridas e mais velhas não tinha grande mal, a não ser que os pais reagissem de forma exagerada. Durante algum tempo tiveram de se esquecer que o tinham dito, mas agora que a Igreja Católica pôs a casa em ordem outra vez estão a esquecer-se de que se tinham esquecido e começam a cantar novamente a mesma melodia: não tem qualquer mal, nenhum, não se preocupem. Estavam, e estão, enganados, ou estavam e estão a mentir.

Não se preocupem... 

Disseram-nos que as leis de igualdade de género não resultariam em consequências absurdas, como o envio de mulheres para as frentes de combate, casas de banho unissexo e a normalização da homossexualidade. Não teria qualquer efeito, nenhum, não se preocupem. Enganaram-se, ou estavam a mentir.

Em que é que acertaram? Alguma vez as relações entre homens e mulheres estiveram mais marcadas pela suspeita, raiva e vergonha? De acordo com os seus próprios testemunhos, as nossas faculdades são agora selvas incontroláveis de assédio e violação. Não era assim antes de os revolucionários meterem mãos à obra.

Disseram-nos que o aborto não conduziria à eutanásia. Agora dizem ainda bem que o aborto conduziu à eutanásia mas dizem que a eutanásia, a morte medicamente assistida, não levará à matança de idosos sem o seu consentimento. Mas por acaso isso já aconteceu. Todos os dias há idosos a serem sujeitos a asfixia lenta e supostamente indolor, em todos os hospitais do país. Não terá qualquer efeito, nenhum, não se preocupem.

Disseram-nos que o alargamento da noção (não a realidade, que é impossível, mas a pretensão) de casamento a pessoas do mesmo sexo não teria qualquer efeito, nenhum, sobre qualquer outra coisa no país. Não afectará o que os nossos filhos aprendem na escola, não afectará o número de jovens a experimentarem coisas antinaturais, não afectará a liberdade religiosa, não afectará a liberdade de expressão.

Não poderia ter qualquer efeito sobre essas coisas porque, garantiram-nos, o comportamento em questão é perfeitamente natural, levado a cabo por pessoas perfeitamente saudáveis. Não teria qualquer efeito, nenhum, não se preocupem, agora concordem ou sejam destruídos.

Alguma vez as previsões desta gente se confirmaram? Porque é que havemos de confiar neles agora?

Anthony Esolen in 'Catholic Thing' (Traduzido no blog 'Actualidade Religiosa')


blogger

São Pedro Canísio SJ: Martelo dos hereges

São Pedro Canísio foi um sacerdote jesuíta holandês, nascido no ano 1521. Foi um forte combatente contra a revolução protestante, especialmente na Alemanha, Áustria e Suiça. O seu trabalho foi especialmente importante na Alemanha, onde se diz que a Fé católica permaneceu graças a este santo. Foi declarado Doutor da Igreja em 1925, pelo Papa Pio XI.

Dele disse o Papa Bento XVI (9/2/2011):

«São Pedro Canísio transcorreu boa parte da sua vida em contacto com as pessoas socialmente mais importantes da sua época e exerceu uma influência especial com os seus escritos. Foi editor das obras completas de São Cirilo de Alexandria e de São Leão Magno, das Cartas de são Jerónimo e das Orações de São Nicolau de Flüe. Publicou livros de devoção em várias línguas, biografias de alguns santos suíços e muitos textos de homilética. Mas os seus escritos mais divulgados foram os três Catecismos, compostos de 1555 a 1558. 

O primeiro Catecismo destinava-se aos estudantes capazes de entender noções elementares de teologia; o segundo, aos jovens do povo para uma primeira instrução religiosa; o terceiro, aos jovens com uma formação escolar a nível de escolas secundárias e superiores. A doutrina católica era exposta com perguntas e respostas, brevemente, em termos bíblicos, com muita clareza e sem comentários polémicos. Só durante a sua vida houve 200 edições deste Catecismo! E sucederam-se centenas de edições até ao século XX. 

Assim na Alemanha, ainda na geração do meu pai, as pessoas chamavam o Catecismo simplesmente o Canísio: foi deveras o Catequista da Alemanha, formou a Fé de pessoas durante séculos.»


blogger

segunda-feira, 26 de abril de 2021

Um cristão pode utilizar o eneagrama? Pe. Duarte Sousa Lara responde

Um cristão pode utilizar o eneagrama? É melhor não. O eneagrama é um modelo de estudo da personalidade que agrupa os diferentes caráteres em nove (εννέα) tipos. Do ponto de vista científico, ainda não existe nenhum consenso acerca da sua validade entre os vários estudiosos. 

Do ponto de vista da fé, apresenta-se como uma prática que induz ao gnosticismo, ou seja, a procurar a salvação no conhecimento, e nesta linha foi criticado abertamente num documento do Pontifício Conselho para a Cultura, em que se afirmava que: 

"[A] gnose nunca se retirou completamente do terreno do cristianismo, mas sempre conviveu com este, às vezes sob a forma de corrente filosófica, mais frequentemente com modalidades religiosas ou pararreligiosas, em convicto, se não mesmo em declarado, contraste com aquilo que é essencialmente cristão. Pode ver-se um exemplo disto no eneagrama, o instrumento para a análise do caráter segundo nove tipos, o qual, quando vem utilizado como meio de crescimento espiritual, introduz ambiguidade na doutrina e na vida da fé cristã." (1)

Padre Duarte Sousa Lara in 'Demónio, exorcismo e oração de libertação em 40 questões'

(1) O documento do Pontifício Conselho para a Cultura pode ser lido aqui (em inglês): Uma reflexão cristã sobre o 'New Age'


blogger

9 sugestões de D. Athanasius Schneider para guardar a Fé nos dias de hoje

1. É preciso encorajar os Católicos que nos rodeiam a serem fiéis ao Catecismo que aprenderam, a serem fiéis às claras palavras de Jesus Cristo no Evangelho, a serem fiéis à Fé confiada aos seus Pais e antepassados.

2. É preciso organizar círculos de estudos e conferências sobre o perene ensinamento da Igreja em temas como o casamento e a castidade, convidando a participar especialmente os jovens e os casais.

3. É preciso mostrar a enorme beleza de uma vida levada em castidade, a beleza do casamento Cristão e da família, como também o valor tremendo da Cruz e do sacrifício nas nossas vidas.

4. É preciso apresentar cada vez mais o exemplo da vida dos santos e de pessoas exemplares que apesar de terem sofrido as mesmas tentações da carne, a mesma hostilidade e o mesmo desdém do mundo, mostraram que com a graça de Cristo é possível levar uma vida feliz em castidade, num casamento Cristão e em Família.

5. É preciso fundar e promover grupos de jovens com corações puros, grupos de famílias e de esposos Católicos, que se comprometam com a fidelidade dos seus votos matrimoniais.

6. É preciso organizar grupos de ajuda moral e material a famílias carenciadas, Mães solteiras, grupos que darão assistência com oração e bom conselho a casais separados, grupos e pessoas que ajudem pessoas “divorciadas e recasadas” a começarem um processo sério de conversão, reconhecendo com humildade a sua situação pecaminosa e abandonando com a ajuda da graça de Deus os pecados que violam os mandamentos de Deus e a santidade do sacramento do matrimónio.

7. Temos de criar grupos que irão cuidadosamente ajudar pessoas com tendências homossexuais a entrar no caminho da conversão Cristã, a reconhecerem o caminho feliz e bonito da vida casta e a oferecer-lhes, eventualmente, de uma forma discreta uma cura psicológica.

8. É preciso mostrar e apregoar aos nossos contemporâneos, que vivem no mundo do neo-paganismo, a Boa Nova dos ensinamentos de Cristo: que os mandamentos de Deus, mesmo o sexto mandamento é sábio, é de uma grande beleza: “A lei do Senhor é perfeita, reconforta o espírito; as ordens do Senhor são firmes, dão sabedoria ao homem simples. Os mandamentos do Senhor são rectos, alegram o coração; os preceitos do Senhor são claros, iluminam os olhos.” (Salmo 19, 8-9)

9. Cardeais, Bispos, Sacerdotes, Famílias Católicas, Jovens Católicos têm que se dizer a si mesmos: Recuso conformar-me com o espirito do neo-paganismo que vivemos neste mundo, mesmo quando o espírito é espalhado por alguns Bispos e Cardeais; Não aceitarei o seu uso falacioso e perverso da Divina Misericórdia e do “novo Pentecostes”; Recuso-me a atirar grãos de incenso à estátua do ídolo da ideologia de género, dos segundos casamentos, do concubinato. Ainda que o meu Bispo o faça eu não o farei, com a graça de Deus escolherei antes sofrer invés de trair a verdade integral de Cristo referente à sexualidade humana e ao casamento. 

in 'Life Site News'


blogger

domingo, 25 de abril de 2021

Uma Missa em Portugal depois do 25 de Abril

A Mãe de um amigo nosso encontrou recentemente uma carta que escreveu a uma amiga quando tinha 15 anos. A época foi o pós-25 de Abril, em pleno "Verão quente". As Missas não escaparam à revolução e o texto mostra a perplexidade de uma rapariga de 15 anos que não percebia porque é que de repente a Missa já não era como tinha sido até aí.

«No outro dia, o primeiro Domingo que cá passámos, calcula lá que o senhor prior, segundo as suas ideias religiosas a que tu já estás a par, resolveu perguntar aos presentes, não habituais àquelas “reuniões ou assembleias”, como diz o senhor prior, quais eram as suas paróquias e onde se situavam!! 

Depois começou imediatamente com a 1ª leitura, seguindo-se a 2ª e por fim a 3ª! Vê lá, o senhor prior chama 3ª leitura ao Evangelho, e lê-o sentado! Claro que nós nos levantamos sempre, mas desta vez fui embalada no ritmo e não percebi sequer quando se leu o Evangelho. 

Depois segue-se a homilia (palavra que não é usada no vocabulário do senhor prior, assim como pecado, Eucaristia, missa, porque são palavras que nem todos entendem, e em vez de as explicar, substitui-as, isto é o cúmulo). 

Mas como ia a dizer, na homilia todos falam: o senhor prior e os católicos presentes, de tal maneira que chegaram (nós não!) (nem queríamos porque não é próprio não achas?) a discutir o problema dos católicos serem acusados de reaccionários ao ajudarem os desalojados de Angola. Mas como havia quem discordasse, cada um falava, e ouvia-se um burburinho dos comentários pessoais, e isto em plena homilia. 

A Mãe, não pôde mais e teve de sair. Nós ficámos, e depois a Mãe voltou para a Eucaristia. O senhor divide a missa em duas partes: primeira – leitura e sua explicação; segunda – Eucaristia. A primeira dura só 58 min e a segunda 12 min! Quer dizer a parte principal dura 1/5 da parte das “leituras”!»

24/08/1975 – Algures nos arredores de Lisboa


blogger

Família que reza junta permanece junta



blogger

sábado, 24 de abril de 2021

Terá sido profética a primeira homilia do Papa Bento?

Foi há 16 anos a primeira Missa pública do Papa Bento XVI. A Santa Missa com a "imposição do Pálio e entrega do Anel do Pescador para o início do Ministério Petrino" foi celebrada no dia 24 de Abril de 2005 na Praça de São Pedro. 

Na homilia o Papa Bento optou por um discurso pela positiva, com grande entusiasmo sobre a vivacidade da 'Barca de Pedro' naquele momento, e como não havia motivo para preocupação porque os santos intercedem por nós e é Nosso Senhor que guia a Igreja.

No entanto houve um momento que causou alguma estranheza na homilia. Uma frase enigmática que deu muito que falar durante vários anos: "Rezai por mim, para que eu não fuja, por receio, diante dos lobos."

Que devemos rezar pelo Papa todos sabemos, e a Igreja sempre recomendou muito que os fiéis o fizessem. Mas rezar para que não fuja? Fugir para onde? Sabemos que quando se é Papa se é Papa até à morte, por isso não há muito por onde fugir. E fugir dos lobos? Que lobos são esses? Estão dentro ou fora da Igreja? Se estiverem dentro são do clero ou leigos? 

As respostas a estas perguntas talvez nunca as venhamos a ter. Mas sabemos que o Papa Bento viria a renunciar ao ministério petrino no dia 11 de Fevereiro de 2013, numa decisão completamente inesperada e praticamente inédita na história da Igreja. Terá sido a homilia de há 16 anos uma homilia profética?

João Silveira


blogger

sexta-feira, 23 de abril de 2021

Missa Pontifical em Rito Romano Tradicional



blogger

A audácia de São Jorge no Senado Romano

Os primeiros séculos do cristianismo foram caracterizados por fortes perseguições, especialmente por parte do Império Romano. Decorria uma sessão do Senado Romano, na presença do Imperador Diocleciano, cujo propósito era encontrar a maneira mais eficaz de perseguir os Cristãos. São Jorge, cavaleiro ilustre e cristão desde criança, levantou-se e proferiu uma intervenção que espantou todo o Senado. O texto encontra-se nas actas martiriais do Santo.

São Jorge: “Por que razão, invencibilíssimo Imperador, Ilustre Senado, Generosos e Nobres Cavaleiros, mudando o vosso costume de obedecer e manter as Leis, agora ordenais uma Lei tão injusta e perniciosa contra os Cristãos, que são gente virtuosa, santa, justa e digna de toda veneração e respeito. Quereis, vós, talvez, que eles adorem os vossos ídolos. E se estes não são deuses, por que quereis que eles os adorem? Aqueles que os adoram são cegos; não sabem que apenas Jesus Cristo, com o Seu Eterno Pai e com o Espírito Santo, é o verdadeiro Deus que se deve adorar, pelo qual todas as coisas são feitas e governadas. Muito melhor faríeis se, deixando a vossa cegueira, abrísseis os vossos olhos e adorásseis Jesus Cristo do que perseguir os Cristãos e querer fazê-los adorar à força os vossos falsos deuses”.

Magnezio (Cônsul): “Quem és tu? E qual é o teu nome?”

São Jorge: "O meu principal Nome é Cristão, e aqueles que me conhecem me chamam Jorge. Nasci na Capadócia e sou Nobre e tenho por ofício ser Tribuno dos cavalos do Exército do Imperador."

Magnezio: “Quem te autorizou a falar assim livremente e com tanta audácia?” 

São Jorge: “A Verdade.”

Magnezio: “O que é a Verdade?”, perguntou o Cônsul [10]. 

São Jorge: “A Verdade é Cristo, que vós, idólatras, perseguis.” 

Magnezio: “Então, você é Cristão”, disse Magnezio. 

São Jorge: “Eu sou Servo de Jesus Cristo, e, confiando n’Ele, quis dar testemunho da Verdade, no meio deste famoso Colégio.”

Imperador Diocleciano: “Eu não sei, ó Jorge, que loucura é esta tua de me contradizer, sabendo aquilo que fiz por ti, porque, conhecendo eu a Nobreza do teu sangue, e vendo a tua graça e destreza, te honrei fazendo-te Tribuno, e pensava de te dar ofícios maiores, coisas que tu alteraste todas presentemente. Eu te aconselho, como pai, e te advirto, como senhor, que deixes a tua má opinião e adores a nossos deuses, se não quiseres perder tudo aquilo que ganhaste até agora, e, junto, a vida.”

São Jorge: “Quisera Deus que tu, Imperador, tomasses conselho que para teu bem te dá o teu fiel servo, o qual é este: que, deixando de adorares aos falsos deuses, adorasses Jesus Cristo, verdadeiro Deus, o que seria salutar para o Império e para as almas também”.

Depois de várias torturas e maus-tratos, São Jorge acabou por ser martirizado enquanto o Santo pedia a Deus que perdoasse os que lhe viriam a cortar a cabeça.

Por ser o Santo onomástico do Papa Francisco (Jorge Mario Bergoglio), hoje é feriado no Vaticano.

São Jorge, rogai por nós.


blogger

quinta-feira, 22 de abril de 2021

O importante papel do portador de lanterna durante o canto das Matinas

Ficar acordado durante as longas leituras dos Nocturnos (NT: as Matinas estão divididas em vários Nocturnos) era, evidentemente, um problema nos Mosteiros. O costume de Cluny prevê que um portador de lanterna perambule pelo coro para se certificar de que todos estão acordados. Se ele se depara com um monge que adormeceu durante as orações, não fala, apenas move suavemente a lanterna para frente e para trás perto do seu rosto até que acorde.

C.H. Lawrence in 'Medieval Monasticism'


blogger

A melhor coisa deste mundo e do outro é ser santo

"A melhor coisa deste mundo e do outro é ser santo. A razão é clara: porque a melhor coisa absolutamente é Deus; e os que mais participam de Deus, são os que neste mundo vivem em sua graça, e no outro em sua glória; e estes são os Santos."


blogger

quarta-feira, 21 de abril de 2021

Porque devem os Católicos comemorar hoje os 2774 anos de Roma?

A 21 de Abril de 753 a.C., de acordo com a versão de Varro, Rômulo fundou Roma. Este ano - o chamado Natal de Roma - coincide com a Solenidade da Páscoa e gostaríamos, dada a coincidência, de meditar sobre o mistério da eleição que a Providência fez a Roma.

Porque celebrar a glória de Roma certamente não é prerrogativa de grupos nostálgicos de paganismos antigos e modernos, com ideias um tanto confusas, mas são os católicos que, como católicos, são romanos.

Fundada materialmente oito séculos antes, o verdadeiro berço da cidade ocorreu quando, sob o principado de Cláudio, São Pedro aqui implantou o Evangelho de Cristo Ressuscitado, do qual desceria a sua verdadeira glória, a de ser verdadeiramente "Capital do Mundo" (Titus Livius) enquanto "discípula da verdade" (São Leão Magno) e verdadeiramente eterna enquanto eternizada pela Igreja Romana, na qual o Império Romano "mudou de temporal para espiritual" (São Tomás).

Giuliano Zoroddu
 
Discurso do Papa Pio XII (em italiano): Il sacro destino di Roma


blogger

Virtudes e dons de São José - Réginald Garrigou-Lagrange, O.P.

Brilham nele, sobretudo, as virtudes da vida oculta, em grau proporcionado ao da graça santificante: a virgindade, a humildade, a pobreza, a paciência, a prudência, a fidelidade ― que não pode ser quebrantada por nenhum perigo ― a simplicidade, a fé esclarecida pelos dons do Espírito Santo, a confiança em Deus e a mais perfeita caridade. Guardou o depósito que lhe foi confiado com uma fidelidade proporcionada ao preço desse tesouro inestimável. Cumpriu o preceito: Depositum custodi, guarda o que te foi confiado.

Sobre essas virtudes da vida oculta, Bossuet faz estas considerações gerais (30): 

“É um vício comum nos homens entregar-se inteiramente às coisas exteriores e desprezar o interior; trabalhar para as aparências e adornos e menosprezar o efectivo e o sólido; preocupar-se com fazer parecer e não com o que deve realmente ser. Por isso são estimadas as virtudes que envolvem negócios e ocupações e exigem o trato com a sociedade; ao contrário, as virtudes ocultas e interiores, que não levam em conta o público, onde tudo se passa entre Deus e a alma, não só não são praticadas, mas não são sequer compreendidas. E, não obstante, nesse segredo reside todo o mistério da virtude verdadeira... É preciso formar um homem em seu verdadeiro sentido antes de pensar que lugar ocupará entre os outros; e se não se trabalhar sobre essa base, todas as outras virtudes, por mais brilhantes que possam ser, não serão mais que virtudes de vã ostentação... elas não formam o homem segundo o coração de Deus. Ao contrário, José, homem simples, buscou a Deus; José, homem desprendido, encontrou a Deus; José, homem reservado, desfrutou de Deus”.

A humildade de José consolidou-se ao considerar a gratuidade de sua vocação excepcional. Ele deve ter dito a si mesmo muitas vezes: por que razão o Altíssimo me deu o Seu Filho Unigénito para custodiá-Lo, a mim, José, antes que a este ou àquele outro homem da Judeia, da Galileia, ou de outra região e de outro século? Foi unicamente o beneplácito de Deus, beneplácito que é por si mesmo a razão e o motivo pelo qual José foi livremente preferido, escolhido e predestinado desde toda a eternidade, antes deste ou daquele outro homem, a quem o Senhor poderia ter concedido os mesmos dons e a mesma fidelidade para prepará-lo para essa excepcional missão. Vemos nessa predestinação um reflexo fiel da gratuidade da predestinação de Cristo e de Maria.

O conhecimento do valor dessa graça e da sua gratuidade absoluta, longe de prejudicar a humildade de José, confirmou-a. Ele pensava no seu coração: “O que tens que não recebeste?”.

José aparece como o mais humilde de todos os santos depois de Maria; mais humilde que qualquer um dos anjos; e se é o mais humilde, é por isso mesmo o maior de todos, porque todas as virtudes estando conexas, a profundeza da humildade é proporcionada à elevação da sua caridade, como a raiz da árvore é tanto mais profunda quanto mais alta ela é: “Aquele dentre vós todos que é o menor”, disse Jesus, “este será o maior” (31).

Como nota ainda Bossuet: “Possuindo o maior dos tesouros por uma graça extraordinária do Pai Eterno, José, longe de vangloriar-se desses dons ou de revelar as suas vantagens, oculta-se o quanto pode dos olhos dos mortais, desfrutando pacificamente com Deus do mistério que lhe é revelado e das riquezas infinitas que o Altíssimo colocou a seu encargo” (32). “José tem em sua casa motivos para atrair todos os olhares da Terra, e o mundo não o conhece; possui um Deus Homem, e não diz nenhuma palavra; é testemunho de um mistério tão extraordinário, e o aprecia em segredo, sem o divulgar” (33).

A sua fé é inquebrantável, apesar da obscuridade do mistério inesperado. A palavra de Deus transmitida pelo anjo esclarece-lhe a concepção virginal do Salvador: José poderia ter hesitado em acreditar em algo tão extraordinário, mas acreditou firmemente com a simplicidade do seu coração. Por sua simplicidade e humildade, ele ascende às alturas de Deus.

A obscuridade não tarda em reaparecer: José era pobre antes de ter recebido o segredo do Altíssimo, mas tornou-se ainda mais pobre ― observa Bossuet ― quando Jesus veio ao mundo, porque Ele veio com Sua abnegação e desprendimento de tudo para unir-Se a Deus. Não há lugar para o Salvador no último dos albergues de Belém. José deve ter sofrido ao ver que não tinha nada para oferecer a Maria e a seu Filho.

A sua confiança em Deus manifestou-se nas provações, pois a perseguição começou logo após o nascimento de Jesus. Herodes pretendia matá-Lo. O chefe da Sagrada Família devia esconder Nosso Senhor, partir para um país distante, onde ninguém o conhecia e onde não sabia como poderia ganhar a vida. Partiu, colocando toda a sua confiança na Providência.

O seu amor a Deus e às almas não cessa de crescer na vida oculta de Nazaré, pela influência constante do Verbo feito carne, o foco de graças sempre novas e sempre mais elevadas para as almas dóceis, que colocam toda a sua confiança em Deus e não põem nenhum obstáculo às graças que Ele lhes quer dar. 

Dissemos antes, a propósito do progresso espiritual em Maria, que a ascensão dessas almas é uniformemente acelerada, quer dizer, que se dirigem tanto mais rapidamente para Deus quanto mais se aproximam d’Ele e Deus as atrai mais a Si. Essa lei da gravitação espiritual das almas realizou-se exactamente em José; a caridade não parou de aumentar nele, sempre mais prontamente até à sua morte; o progresso de seus últimos anos foi mais acelerado que o dos primeiros anos, porque encontrando-se mais perto de Deus, era mais fortemente atraído por Ele.

Com as virtudes teologais, cresceram também incessantemente nele os sete dons do Espírito Santo, que são conexos com a caridade. Os dons de inteligência e de sabedoria tornavam a sua fé viva cada vez mais penetrante e deleitável. Com fórmulas extremamente simples, mas muito elevadas, a sua contemplação dirigia-se à infinita bondade do Altíssimo. Essa foi, na sua simplicidade, a contemplação sobrenatural mais sublime depois da de Maria.

Essa contemplação amorosa lhe era muito doce, mas exigia a mais perfeita abnegação e o mais doloroso dos sacrifícios, quando recordava as palavras do velho Simeão: “Este menino será um sinal de contradição”, e as dirigidas a Maria: “Uma espada de dor transpassará a tua alma”. A aceitação do mistério da Redenção por meio do sofrimento apareceu para José como a consumação dolorosa do mistério da Encarnação, e ele necessitava de toda a generosidade do seu amor para oferecer a Deus, no sacrifício supremo, o Menino Jesus e a sua Santíssima Mãe, a quem amava infinitamente mais do que a sua própria vida.

A morte de São José foi uma morte privilegiada; assim como a da Santíssima Virgem, foi ― disse São Francisco de Sales ― uma morte de amor (34). O santo admite também, com Suárez, que José estava entre os santos que, segundo São Mateus (35), ressuscitaram após a Ressurreição de Nosso Senhor e manifestaram-se na cidade de Jerusalém; ele argumenta que essas ressurreições foram definitivas e que José entrou no Céu em corpo e alma. Santo Tomás é muito mais reservado sobre esse ponto: depois de ter admitido que as ressurreições que se seguiram à de Jesus foram definitivas (36), mais tarde, examinando as razões contrárias aduzidas por Santo Agostinho, concluiu que estas são muito mais sólidas (37).

in 'A predestinação de São José e sua eminente santidade'

Notas:
30. Segundo panegírico de São José, exórdio.
31. Lc 9, 48.
32. Primeiro panegírico de São José, exórdio.
33. Segundo panegírico de São José, ponto terceiro.
34. Tratado do Amor de Deus, 1. VII, c. XIII.
35. Mt 27, 52 ss.
36. IV Sent. 1. IV, dist 42, q. 1, a. 3
37. Cf. IIIª, q. 53, a. 3, ad 2.


blogger

terça-feira, 20 de abril de 2021

Quem são os Apóstolos dos Últimos Tempos? Responde S. Luís Maria Grignion de Montfort

56. Mas quem serão esses servidores, esses escravos e filhos de Maria?

Serão verdadeiros Apóstolos dos últimos tempos, e o Senhor das virtudes lhes dará a palavra e a força para fazer maravilhas e alcançar vitórias gloriosas sobre seus inimigos; dormirão sem ouro nem prata, e, o que é melhor, sem preocupações, no meio de outros padres, eclesiásticos e clérigos, “inter médios cleros” (Sl 67,14) e, no entanto, possuirão as asas prateadas da pomba, para voar, com a pura intenção da glória de Deus e da Salvação das almas, aonde os chamar o Espírito Santo, deixando após si, nos lugares em que pregarem, o ouro da caridade que é o cumprimento da lei (Rm 13, 10).

Sabemos, enfim, que serão verdadeiros discípulos de Jesus Cristo, andando nas pegadas de sua pobreza e humildade, do desprezo do mundo e caridade, ensinando o caminho estreito de Deus na pura verdade, conforme o santo Evangelho, e não pelas máximas do mundo, sem se preocupar nem fazer acepção de pessoa alguma, sem poupar, escutar ou temer nenhum mortal, por poderoso que seja. Terão na boca a espada de dois gumes da palavra de Deus; e em seus ombros ostentarão o estandarte ensanguentado da cruz, na direita, o crucifixo, na esquerda o rosário, no coração os nomes sagrados de Jesus e Maria, e, em toda a sua conduta, a modéstia e a mortificação de Jesus Cristo.

Eis os grandes homens que hão de vir, suscitados por Maria, em obediência às ordens do Altíssimo, para que o seu império se estenda sobre o império dos ímpios, dos idólatras, e dos maometanos. Quando e como acontecerá? Só Deus o sabe!...Quanto a nós, cumpre calar-nos, orar, suspirar e esperar: Expectans exspectavi (Sl 39,2)



blogger

segunda-feira, 19 de abril de 2021

Carta aberta a D. Athanasius Schneider sobre as vacinas

A Sua Excelência Ilustríssima e Reverendíssima
D. Athanasius Schneider
Bispo Titular de Celerina
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Maria Santíssima em Astana

Excelência Reverendíssima,

Muitos, em todo o mundo, leram a intervenção de Vossa Excelência de 19 de Fevereiro de 2021 – Unmasking COVID-19: Vaccines, Mandates, and Global Salute – com grande consolação, reconhecendo-vos como uma rara e preciosa voz da verdade.

Mesmo na Itália, associações e grupos comprometidos com o direito à vida não ficaram indiferentes. Muitos encontraram no apelo de Vossa Excelência a um «novo movimento pela vida», que combata, «de modo claro e inequívoco, contra os medicamentos contaminados pelo aborto, contra o abuso de partes do corpo do nascituro», um poderoso estímulo para repensar a acção, não abandonando, certamente, o meritória batalha travada até agora ao longo de décadas, mas, pelo contrário, levando-a a uma coerente completude na nova perspectiva de uma crítica integral relativa à legitimidade ética e jurídica do uso de células embrionárias e fetais no âmbito da experimentação e da indústria farmacêutica e cosmética (e afins).

Esta nossa resposta quer ser uma resposta de adesão ao Vosso apelo de 19 de Fevereiro.

A defesa da vida humana inocente desde a concepção até à morte natural não pode admitir compromissos ou excepções. Ou é intransigente e integral, ou não é! Ou é lúcida e rigorosamente coerente, ou não é!

Reconhecer que o ser humano é pessoa desde a concepção e nunca deixa de o ser, qualquer que seja o estado clínico físico-psíquico em que se possa encontrar até à morte natural, implica, necessariamente, o dever reconhecer como homicídio qualquer supressão da vida humana, sem distinção alguma relativa à idade ou às condições pré-natais ou pós-natais da vítima.

A supressão da vida humana inocente não só é sempre gravemente ilícita, do ponto de vista moral, mas ocorre que seja sempre reprovada juridicamente. A condenação penal do homicídio, seja qual for a idade pré-natal ou pós-natal da vítima, é exigida pela justiça, necessária em todos os ordenamentos jurídicos.

Nenhuma ordem jurídica positiva pode exigir ser reconhecida como legítima contemplando a possibilidade de suprimir legalmente um ser humano inocente. Da mesma forma, nenhum ordenamento jurídico positivo pode presumir a legitimidade prevendo a possibilidade legal de reificar e instrumentalizar a vida humana inocente para fins de investigação e/ou de produção (farmacêutica, cosmética, alimentar).

Uma sociedade que não só tolera, mas passa a considerar normal o uso sistemático e habitual de células derivadas da matança de pessoas inocentes em idade pré-natal para os mais diversos fins, parece ter perdido a razão e a justiça, bem como a capacidade de juízo ético.

Quem defende o direito à vida, para não cair numa contradição funesta, só pode ser inequívoco no afirmar a absoluta ilegitimidade moral e jurídica de qualquer forma de aborto voluntário (cirúrgico ou químico-farmacológico), assim como de qualquer produção e criopreservação de embriões humanos, de manipulação e exploração de embriões humanos, de infanticídio, de eutanásia, de suicídio assistido. Mas isso ainda não é suficiente!

É imprescindível que os defensores da vida humana, para não se condenarem à incoerência e/ou à irrelevância, atentem para o facto de que a produção, a reificação e a manipulação dos embriões humanos, assim como a exploração de células fetais obtidas de seres humanos em idade pré-natal, é parte, hoje, de um enorme e global sistema económico, técnico e industrial.

Condenar o aborto sem, porém, condenar aquela enorme estrutura tecno-produtiva do uso reificante/instrumentalizador da vida humana em idade pré-natal, senão hipocrisia, é, certamente, miopia intelectual e operacional.

A batalha em defesa da vida humana, hoje, não pode deixar de ser TAMBÉM compromisso contra aquelas práticas e aquelas estruturas que degradam a vida inocente a reserva de material biológico, aproveitável no campo da experimentação e da produção.

É, acima de tudo, uma batalha cultural. Trata-se de rejeitar, da maneira mais clara, aquela cultura do desejo que considera o ser humano em idade pré-natal como disponível para qualquer fim, até mesmo para se tornar um material de consumo.
É uma tarefa a ser realizada de todos os ângulos e da maneira mais eficaz, inclusive para chamar a atenção de todos os homens:

– na rejeição de QUALQUER produto (farmacêutico, cosmético, alimentar) que apresente até mesmo o mínimo vínculo com a supressão da vida humana inocente;

– no boicotar (por exemplo, recusando-se a ser clientes, accionistas, obrigacionistas, etc.) TODAS as empresas que façam uso de células embrionárias e/ou fetais na própria actividade produtiva ou experimental.

Trata-se, então, de actuar sobre o plano jurisprudencial e legislativo, para que seja legalmente reprovado e penalmente sancionado qualquer uso de células embrionárias e fetais humanas obtidas a partir da supressão da vida humana inocente e, ao mesmo tempo, seja proibido qualquer comércio de células e/ou tecidos humanos.

Isso NÃO contra a medicina e a farmacêutica, mas por uma produção eticamente conduzida dos medicamentos e dos cosméticos. Nenhuma vacina, nenhum medicamento, nenhum cosmético, nenhum alimento deve ser produzido ou experimentado usando células embrionárias e/ou fetais humanas obtidas da morte de um inocente. Qualquer utilização e comércio de tecidos e células embrionárias/fetais humanas, derivadas da supressão da vida inocente, é moralmente inaceitável e deve ser legalmente excluída.

Isto evidencia-se no empenho integral e coerente para as associações e os grupos que levam a sério a defesa da vida humana.

Portanto, estamos empenhados em dar continuidade ideal e actuação generosa ao apelo lançado por Vossa Excelência a 19 de Fevereiro de 2021.

Pedimos a Vossa bênção,

Mirco Agerde – Movimento Mariano Regina dell’Amore
Gianfranco Amato – Giuristi per la Vita
Antonio Brandi – Associazione Pro Vita & Famiglia
Giorgio Celsi – Associazione Ora et labora in difesa della Vita
Francesco Fontana – Associazione Iustitia in Veritate
Giovanni Formicola – Opzione Benedetto
Massimo Viglione – Confederazione dei Triarii



blogger