segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Católicos pedem aos Anjos que expulsem os Demónios do Sínodo da Amazónia

Flanqueada por estandartes dos quatro evangelistas, e reunida sob o patrocínio da Bem-aventurada Virgem Maria, uma coligação internacional de 200 leigos católicos reuniu-se em silêncio, perto da Praça de São Pedro, para orar "como um exército unido contra os inimigos de Deus e da Igreja".

Aos pés do Castel Sant'Angelo, na véspera da festa litúrgica de São Miguel Arcanjo, a coligação internacional de leigos lançou um “apelo aos anjos contra os maus espíritos”, antes do Sínodo Amazónico, que terá lugar no Vaticano entre 6 e 27 de Outubro.

Outro acto de guerra espiritual estava ocorrendo em Roma, simultaneamente à Acies Ordinata. Às 15h30, os Padres rezavam em particular a Oração do Exorcismo do Papa Leão XIII (a oração mais longa a São Miguel) numa igreja perto do Castel Sant'Angelo, com a intenção de expulsar a “influência diabólica do Vaticano, especialmente em vista do Sínodo da Amazónia."


Acies Ordinata


A coligação internacional chama-se Acies Ordinata. Seu nome, que a tradição católica reserva para Maria Santíssima, que reúne um exército de fiéis para derrotar os seus inimigos - ordenada terribilis ut castrorum acies - é retirada do cântico do Antigo Testamento, o Cântico dos Cânticos (6, 3 ; 6, 10) 

A coligação, organizada pela Fundação Lepanto, com sede em Roma, foi composta por alguns dos movimentos católicos mais influentes e incluía homens e mulheres, jovens e idosos, silenciosamente posicionados na Praça João XXIII, ordenados em fileiras de 20 x 10.

Durante uma hora, ficaram em silêncio, recitando o Rosário e lendo textos clássicos da tradição católica, como os Evangelhos, o Catecismo e os escritos dos santos. Na conclusão do evento Acies Ordinata, os participantes cantaram o Credo.

O evento foi realizado uma semana antes da abertura do Sínodo da Amazónia. Os documentos preparatórios para o Sínodo suscitaram controvérsia e críticas de Cardeais e Bispos da Igreja Católica. O Cardeal alemão Walter Brandmüller disse abertamente que contêm "heresia" e aproxima-se da "apostasia".

O Acies Ordinata de 28 de Setembro foi o segundo encontro a ser realizado em Roma. O primeiro foi realizado antes do encontro sobre os abusos sexuais no Clero, que aconteceu no Vaticano em Fevereiro, para "se opor à política de silêncio do Vaticano sobre homossexualidade".


Participantes com laços históricos com o Papado


O valor simbólico da Acies Ordinata foi aumentado pela presença de participantes cujas famílias têm profundos laços históricos e religiosos com a Santa Sé e o Papado.

Um dos participantes foi o Conde Giovanni Piccolomini, cujos antepassados incluem dois Papas - Pio II e Pio III - um Superior Geraldos Jesuítas, vários Bispos e Cardeais, líderes militares e cientistas. O Conde Piccolomini disse que o motivou a participar foi o seu "desejo de reiterar a minha e nossa fidelidade ao Papa, à Igreja Romana Apostólica Católica e ao seu ensino eterno".

Questionado sobre o significado simbólico de orar aos pés de Castel Sant'Angelo, ele disse que “este castelo salvou a vida de mais de um Papa no passado, e o seu nome indica nosso desejo de invocar toda a milícia celeste para defender a Igreja Católica. A nossa e a minha esperança é que as nossas orações sejam ouvidas no Céu e que muitos ao redor do Mundo demonstrem a sua firme crença e amor pela Igreja Católica".

Outro participante cuja presença deu grande peso simbólico ao evento foi Rodolphe Pfyffer von Altishofen de Luzern, da Suíça. A sua família deu origem a 11 comandantes da Guarda Suíça Pontifícia, a força armada encarregada de proteger o Papa.

"Durante os séculos XVII a XIX, apenas os Pfyffers foram comandantes da Guarda Suíça". Mas, acrescentou, “independentemente disso, sempre fomos ensinados pelos nossos pais a ter grande respeito por nossa religião sagrada. Portanto, posso garantir que a história da minha família não é essencial para o compromisso que temos com a Igreja.”

Questionado sobre o que o motivou a participar da Acies Ordinata, Pfyffer disse que "a Igreja está sendo ameaçada por todos os lados e nós, como simples leigos, temos de reagir". Este evento é excelente. Estamos desarmados e, no entanto, sentimos que é extremamente importante responder. Caso contrário, os inimigos da Igreja acreditarão que eles podem fazer tudo o que querem. Existem meios espirituais de se engajar na batalha. São Miguel é o responsável por proteger a santa Igreja e ajudará, se for solicitado. Quando os apóstolos estavam no barco sendo lançados pelas ondas, eles clamaram ao Senhor: 'Senhor, estamos perecemos'. Jesus Cristo ajudar-nos-á, não há dúvida. Mas temos de fazer nossa parte, mesmo que não seja fácil ”.

Importância de Castel Sant'Angelo

O Castel Sant'Angelo, localizado em frente à Via della Conciliazione que leva ao Vaticano, também tem um significado histórico profundo, tornando-o um local adequado para o Acies Ordinata.

O Castel Sant'Angelo foi o mausoléu pagão do imperador pagão Adriano que destruiu a cidade de Jerusalém em 135 d.C. e a substituiu pela cidade pagã de Aelia Capitolina.

Em 590 d.C., segundo a tradição, O Papa Gregório Magno carregava o ícone do Salus Populi Romani em procissão na manhã de Domingo de Páscoa, implorando a misericórdia de Deus sobre Roma, que estava sendo devastada por uma praga maciça. Quando se aproximou do mausoléu de Adriano, pisando a ponte que ainda hoje se une ao mausoléu da cidade de Roma, ele teve uma visão do Arcanjo Miguel em pé no edifício com uma espada de vingança empunhada. O Arcanjo olhou para o ícone de Nossa Senhora e exclamou: “Regina caeli, Laetare, aleluia; Quia quem meruisti portare, aleluia; Resurrexit, sicut dixit, aleluia.”E Gregório Magno gritou: “Ora pro nobis, Deum, aleluia.”O anjo embainhou a sua espada de vingança, e a praga terminou.

Na Idade Média, o mausoléu, rebaptizado de Castel Sant'Angelo, tornou-se um local de refúgio preferido dos pontífices romanos diante de tumultos frequentes e invasões alemãs que irritavam os Papas medievais. O Acies Ordinata, realizado na vigília da festa litúrgica de São Miguel Arcanjo, em 29 de Setembro, combina todos esses elementos: uma procissão penitencial, uma demonstração de romanos indignados (e outros católicos de todo o mundo) e oposição a uma invasão alemã no próximo Sínodo da Amazónia.

Num comunicado divulgado hoje, os organizadores do evento disseram: “A nossa manifestação é composta por católicos leigos vindos de muitas nações diferentes, que estão acima de tudo pedindo ao Senhor para reunir todos aqueles que estão lutando por uma boa causa, com o propósito de formar um exército unido contra os inimigos de Deus e da Igreja.”

“Aqui no sopé do Castel Sant'Angelo, a fortaleza que tantas vezes defendeu o Papado ao longo da história, pedimos a ajuda dos anjos e, acima de tudo, São Miguel, o príncipe da hoste celestial, pedindo que protejam os defensores da Igreja e da civilização cristã e dispersem os seus inimigos. ”

“A confusão, que é o fumo de Satanás, envolve o campo de batalha. Para derrotar as forças do caos, o que é necessário é pureza de doutrina, clareza de palavras, firmeza de exemplo, acordo de alma e de obras ”, continuou a declaração.

“Para que isso aconteça, apelemos à Mãe Santíssima, Rainha dos Anjos, pedindo-lhe que nos transforme à sua imagem, hoje e sempre, numa Acies Ordinata, exército pronto para lutar, com aquela tranquilidade que nasce da paz de Cristo que está nos nossos corações e que desejamos estender ao Mundo inteiro.”

Diane Montagna in Life Site News


blogger

domingo, 29 de setembro de 2019

Monte São Miguel

Construído na Normandia, após várias aparições de São Miguel Arcanjo naquele local. 



blogger

sábado, 28 de setembro de 2019

Tesouro dos Fiéis: novo site de oração

Nasce um novo espaço de oração tradicional, Tesouro dos Fiéis: https://tesourofieis.com 

Contém um Saltério, Pequeno Ofício da Nossa Senhora, Devocionário, Ritual Romano, Missal, Missa Diária e muito mais.

O projecto nasce de uma pequena semente, da vontade de um pai dar à sua família as tradições da Igreja, a forma de rezar correcta, o rito romano, a beleza guardada num tesouro escondido.

É um projecto em desenvolvimento, aberto a colaboração através do GitHub. Tem muito texto e a intenção é crescer ainda mais. Para já a página que está em constante produção é a da Santa Missa Diária ( https://tesourofieis.com/missa ), onde os textos do dia aparecem automaticamente.

As traduções do Missal são do Monsenhor Freitas Barros, mas também do D. Crisóstomo Aguiar. O Saltério tem como base as versões do Padre António de Pereira Figueiredo e do Padre Matos Soares.

É um espaço dedicado à oração, exposição e preservação das santas tradições da Igreja.

Erratas, mas também ideias e sugestões podem ser feitas por e-mail ( info@tesourofieis.com ) ou no GitHub ( https://github.com/ofrades/tesourofieis ), onde é possível ver o texto e alterar ficheiros.


blogger

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Conselhos do Catecismo de São Pio X

Que deve fazer um bom cristão, pela manhã, apenas acorda? 


Um bom cristão, pela manhã, apenas acorda, deve fazer o sinal da Cruz, e oferecer o coração a Deus, dizendo estas ou outras palavras semelhantes: Meu Deus, eu vos dou o meu coração e a minha alma.

À noite, antes de deitar, que devemos fazer? 

À noite, antes de deitar, convém pôr-nos, como pela manhã, na presença de Deus, recitar devotamente as mesmas orações, fazer um breve exame de consciência, e pedir perdão a Deus dos pecados cometidos durante o dia.


blogger

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Ordenações 2019 no Instituto Cristo Rei e Sumo Sacerdote



blogger

Concílio de Vienna contra a invocação pública do sacrílego nome de Maomé

É um insulto ao nome santo e uma desgraça para a fé cristã que em certas partes do mundo, sob o governo de príncipes cristãos, em que vivem os sarracenos, às vezes separadamente, às vezes em união com os cristãos, os sacerdotes sarracenos, comumente chamados zabazala, nos seus templos ou mesquitas, onde os sarracenos se reúnem para adorar o infiel Maomé, com veemência invoquem e exaltem o seu nome a cada dia e em determinadas horas do alto de um lugar. 

Isto traz descrédito à nossa fé e causa grande escândalo aos fiéis. Estas práticas não podem ser toleradas sem que desagrademos à Majestade Divina. Portanto, com a aprovação do sagrado Concílio, Nós proibimos estritamente a partir de agora essas práticas em terras cristãs. 

Ordenamos aos príncipes católicos, a todos e a cada um: Devem erradicar essa ofensa de uma vez por todas dos seus territórios e assegurarem-se que os seus súbditos façam o mesmo, para que assim obtenham a recompensa da felicidade eterna. Eles devem proibir expressamente a invocação pública do sacrílego nome de Maomé. Aqueles que presumem actuar de outra maneira devem ser castigados pelos príncipes por sua irreverência, para que os outros possam sentir-se desalentados a tal atrevimento.


Papa Clemente V - Concílio de Vienna (1311-1312)


blogger

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Prudência com os amigos

Não abandones um velho amigo, porque o novo não será como ele.
Vinho novo, amigo novo; se o deixares envelhecer, bebê-lo-ás com prazer.
Não invejes o êxito do pecador, pois não sabes qual será a sua ruína.
Não te alegres com a satisfação dos ímpios; lembra-te de que serão punidos antes de irem para a morada dos mortos.

Afasta-te do homem que tem o poder de matar e assim não saberás o que é temer a morte.
Mas, se te aproximares dele, não cometas falta, não aconteça que ele te tire a vida.
Fica sabendo que caminhas entre armadilhas, e andas no alto das muralhas da cidade.
Tanto quanto possível, procura o teu próximo, e aconselha-te com os sábios.

A tua conversação seja com os sensatos, e todo o teu discurso seja conforme à lei do Altíssimo.
Homens virtuosos sejam os teus comensais, e a tua glória, o temor do Senhor. 
O artista é louvado pela obra das suas mãos, o príncipe do povo, pela sabedoria dos seus discursos.
É coisa terrível na cidade o homem linguareiro, e o homem precipitado no falar, torna-se odioso.

in Livro de Ben Sira 9, 10-18


blogger

Cardeal Burke e D. Athanasius publicam texto sobre o que significa ser fiel ao Papa

Nenhuma pessoa honesta pode continuar a negar a confusão doutrinária quase geral que reina hoje em dia na vida da Igreja. Isto deve-se, em particular, às ambiguidades acerca da indissolubilidade do matrimónio, que tem vindo a ser relativizada pela prática da admissão à Santa Comunhão de pessoas que coabitam em uniões irregulares; deve-se à crescente aprovação de actos homossexuais, intrinsecamente contrários à natureza e à vontade revelada de Deus; deve-se a erros a respeito do carácter único de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Sua obra redentora, que vem sendo relativizado através de afirmações errada sobre a diversidade das religiões; e, em especial, deve-se ao reconhecimento de diversas formas de paganismo e das respectivas práticas rituais em virtude do Instrumentum Laboris para a próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-Amazónica.


Tendo em conta esta realidade, a nossa consciência não nos permite ficarmos em silêncio. Nós, como irmãos no Colégio dos Bispos, falamos com respeito e amor, a fim de que o Santo Padre possa rejeitar inequivocamente os evidentes erros doutrinários do Instrumentum Laboris para a próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-Amazónica e não consinta a abolição na prática do celibato sacerdotal na Igreja Latina, mediante a aprovação da ordenação dos - assim chamados - “viri probati”.

Com a nossa intervenção, como pastores do rebanho, expressamos o nosso grande amor pelas almas, pela pessoa do próprio Papa Francisco e pelo dom divino do Ofício Petrino. Se não o fizéssemos, cometeríamos um grande pecado de omissão e de egoísmo. Pois, se ficássemos calados, teríamos uma vida mais tranquila e, quiçá, receberíamos até honras e reconhecimentos. No entanto, se ficássemos calados, violaríamos a nossa consciência. 

Neste contexto, vêm-nos à mente as palavras sobejamente conhecidas do futuro santo, o Cardeal John Henry Newman (que será canonizado no dia 13 de Outubro de 2019): «Brindarei – ao Papa, com a sua licença –, mas, ainda assim, brindarei primeiro à Consciência, e só depois ao Papa» (Uma carta endereçada ao duque de Norfolk por ocasião da recente repreensão do Sr. Gladstone). Vêm-nos outrossim à mente estas outras palavras memoráveis e pertinentes de Melchior Cano, um dos bispos mais doutos do Concílio de Trento: “Pedro não precisa da nossa adulação. Aqueles que defendem cega e indiscriminadamente cada decisão do Sumo Pontífice são os que mais prejudicam a autoridade da Santa Sé: em vez de fortalecerem, eles destroem os seus fundamentos”.

Nos últimos tempos, criou-se uma atmosfera de quase total infalibilização das declarações do Romano Pontífice, ou seja, de cada uma das palavras do Papa, de cada um dos seus pronunciamentos e de documentos meramente pastorais da Santa Sé. Na prática, já não se observa a regra tradicional de distinguir os diferentes níveis dos pronunciamentos do Papa e dos seus serviços com as respectivas notas teológicas e o correspondente grau da obrigação de adesão por parte dos fiéis.

Apesar do diálogo e dos debates teológicos terem sido incentivados e promovidos na vida da Igreja nas últimas décadas após o Concílio Vaticano II, em nossos dias, parece não haver mais qualquer possibilidade de um debate intelectual e teológico honesto ou da expressão de dúvidas sobre afirmações e práticas que ofuscam e prejudicam seriamente a integridade do Depósito da Fé e da Tradição Apostólica. Uma tal situação conduz à desconsideração da razão e, portanto, da própria verdade.

Aqueles que criticam as nossas expressões de preocupação recorrem apenas a argumentos sentimentais ou de poder. Tudo indica que eles não querem entrar numa discussão teológica séria sobre o assunto. A respeito disto, parece que, muitas vezes, a razão é simplesmente ignorada e o raciocínio suprimido.

Uma expressão sincera e respeitosa de preocupação em relação a assuntos de grande importância teológica e pastoral na vida actual da Igreja, dirigida também ao Sumo Pontífice, é imediatamente esmagada e vista sob uma luz negativa com reprovações difamatórias dizendo que “semeia dúvidas”, que é “contra o Papa”, ou até que é “cismática”.

A Palavra de Deus ensina-nos, por meio dos Apóstolos, a mantermos a certeza, a sermos firmes e inabaláveis acerca das verdades universais e imutáveis da nossa Fé e a guardarmos e protegermos a Fé diante dos erros, na senda do que escreveu São Pedro, o primeiro Papa: «Tomai cuidado para que não caiais da vossa firmeza, levados pelo erro de homens ímpios» (2Pd 3, 17). São Paulo, por seu lado, também escreveu: «Não continuemos crianças ao sabor das ondas, agitados por qualquer sopro de doutrina, ao capricho da malignidade dos homens e dos seus artifícios enganadores. Mas, pela prática sincera da caridade, cresçamos em todos os sentidos, naquele que é a Cabeça, Cristo» (Ef 4, 14-15).

É preciso ter em mente o facto de que o Apóstolo Paulo reprovou publicamente o primeiro Papa em Antioquia numa questão de menor gravidade, se comparamos com os erros que hoje em dia se espalham na vida da Igreja. São Paulo advertiu publicamente o primeiro Papa por causa do seu comportamento hipócrita e do consequente perigo de questionar a verdade que diz que as prescrições da lei mosaica não são obrigatórias para os cristãos. 

Como reagiria hoje o apóstolo Paulo se lesse a frase do documento de Abu Dhabi que diz que Deus, na sua sabedoria, quer igualmente a diversidade de sexos, nações e religiões (entre as quais existem religiões que praticam a idolatria e blasfemam Jesus Cristo)! Tal afirmação representa uma relativização do carácter único de Jesus Cristo e da sua obra redentora! O que diriam São Paulo, Santo Atanásio e as outras grandes figuras do cristianismo ao ler essa frase e os erros expressos no Instrumentum laboris para a próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazónia? É impossível pensar que essas figuras permaneceriam em silêncio ou se deixariam intimidar com censuras e acusações de falar “contra o Papa”.

Quando, no século VII, o Papa Honório I mostrou uma atitude ambígua e perigosa em relação à propagação da heresia do monotelismo – que negava que Cristo tivesse uma vontade humana –, Santo Sofrónio, Patriarca de Jerusalém, enviou um Bispo da Palestina a Roma, pedindo-lhe que falasse, rezasse e não ficasse em silêncio até que o Papa condenasse a heresia. Se Santo Sofrónio vivesse hoje, ele certamente seria acusado de falar “contra o Papa”.

A afirmação sobre a diversidade de religiões no documento de Abu Dhabi e, especialmente, os erros no Instrumentum Laboris para a próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazónia contribuem para uma traição da singularidade incomparável da Pessoa de Jesus Cristo e da integridade da Fé Católica. E isto acontece diante dos olhos de toda a Igreja e do mundo. 

Situação semelhante existia no século IV, quando, com o silêncio de quase todo o episcopado, a consubstancialidade do Filho de Deus foi traída em favor de afirmações doutrinárias ambíguas de semi-arianismo, uma traição na qual até o Papa Libério participou durante um breve tempo. Santo Atanásio nunca se cansou de denunciar publicamente tal ambiguidade. Foi excomungado pelo Papa Libério no ano 357 “pro bono pacis”, isto é, “para o bem da paz”, para ter paz com o imperador Constâncio e os bispos semi-arianos do Oriente. Santo Hilário de Poitiers relatou esse facto e repreendeu o Papa Libério pela sua atitude ambígua. É significativo que o Papa Libério, ao contrário de todos os seus antecessores, tenha sido o primeiro Papa cujo nome não foi incluído no Martirológio Romano.

A nossa declaração pública segue estas palavras do Santo Padre, o Papa Francisco: «Uma condição geral de base é a seguinte: falar claro. Que ninguém diga: “Isto não se pode dizer; pensará de mim assim ou assim…”. É necessário dizer tudo o que se sente com parrésia. Depois do ultimo Consistório (Fevereiro de 2014), no qual se falou sobre a família, um Cardeal escreveu-me dizendo: é uma lástima que alguns Purpurados não tenham tido a coragem de dizer certas coisas por respeito ao Papa, julgando talvez que o Papa pensasse de outra maneira. Isto não está bem, isto não é sinodalidade, porque é necessário dizer tudo aquilo que, no Senhor, sentimos que devemos dizer: sem hesitações, sem medo» (Saudação aos Padres do Sínodo durante a Primeira Congregação Geral da Terceira Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, 6 de Outubro de 2014).

Afirmamos na presença de Deus que nos julgará: somos amigos verdadeiros do Papa Francisco. Temos uma estima sobrenatural pela sua pessoa e pelo supremo múnus pastoral do Sucessor de Pedro. Rezamos muito pelo Papa Francisco e incentivamos os fiéis a fazer o mesmo. Com a graça de Deus, estamos prontos para dar a vida pela verdade da fé católica sobre o primado de São Pedro e dos seus sucessores, se os perseguidores da Igreja nos pedirem para negar essa verdade. Temos os olhos postos nos grandes exemplos de fidelidade à verdade católica do primado Petrino, como o foram São João Fisher, Bispo e Cardeal da Igreja, e São Tomás More, leigo, e muitos outros santos e confessores, e invocamos a sua intercessão.

Quanto mais os fiéis leigos, os sacerdotes e os bispos mantêm e defendem a integridade do depósito da fé, mais eles apoiam o Papa no seu ministério Petrino. Pois, na Igreja, o Papa é o primeiro a quem se aplica esta advertência da Sagrada Escritura: «Mantém a forma das sãs palavras que recebeste de mim, na fé e no amor a Jesus Cristo. Guarda o bom depósito que te foi confiado, pela virtude do Espírito Santo que habita em nós» (2Tim 1, 13-14).

24 de Setembro de 2019. Festa de Nossa Senhora das Mercês.

Raymond Leo Cardeal Burke
Dom Athanasius Schneider

in Fratres in unum


blogger

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Satanás no confessionário do Padre Pio

Hoje é dia de São Pio de Pietrelcina, mais conhecido por Padre Pio. Este grande santo do século XX tinha multidões à sua procura, mas apesar disso foi sempre muito humilde. Foi incompreendido e injustamente perseguido pelos próprios superiores, mas apesar disso foi sempre muito obediente. 

Era um grande místico, foi muitas vezes atacado pelo demónio. Tinha os estigmas (as chagas do crucificado), que sangravam constantemente. Tinha também o dom da ubiquidade (ou bilocação), sendo visto por testemunhas em sítios diferentes à mesma hora. Além disso tinha o dom de saber os pecados das pessoas, alertando quando se esqueciam de confessar algum pecado e tendo confessado o próprio Pai no leito de morte dizendo os seus pecados quando este já não o conseguia fazer.

Passava horas a fio no confessionário e vinham pessoas de muito longe para se confessarem ao Santo, cuja fama ultrapassara há muito as fronteiras italianas. Um dia foi lá o próprio demónio, e eis como o Padre Pio conta o episódio:

«Um dia, estava eu a ouvir confissões, um homem veio para o confessionário onde eu estava. Ele era alto, esbelto, vestido com refinamento, era cortês e amável. Começou a confessar os seus pecados, que eram de todo tipo: contra Deus, contra os homens e contra a moral. Todos os pecados eram aberrantes!

Por cada acusação, depois da minha correcção fazendo uso da Palavra de Deus, o Magistério da Igreja e a moral dos santos, este enigmático penitente opunha-se às minhas palavras justificando, com habilidade extrema e cortesia, todo o tipo de pecado. E isto não só para os pecados contra Deus, Nossa Senhora e os santos, que indicava de forma irreverente sem nunca dizer os seus nomes, mas também para os pecados que eram os mais sujos que é possível imaginar.

As respostas que este desconhecido dava à minha argumentação, com hábil subtileza e fina malícia impressionaram-me. Comecei a perguntar-me “Quem é este? De que mundo vem? Quem será? E tentei olhar bem para ele, ler alguma coisa na sua face; ao mesmo tempo concentrei-me em cada palavra para dar-lhe o juízo correcto que merecia.

Mas de repente através de uma luz interna vívida e brilhante eu reconheci claramente quem ali estava. Com voz forte e imperiosa ordenei-lhe: "Diga Viva Jesus, Viva Maria" Assim que pronunciei estes doces e poderosos nomes, Satanás desapareceu imediatamente numa nuvem de fogo, deixando um fedor insuportável.»

João Silveira


blogger

domingo, 22 de setembro de 2019

Quando a Fraternidade de São Pedro visitou a Cartuxa

Sacerdotes e seminaristas do Seminário da Fraternidade Sacerdotal de São Pedro na Alemanha (Wigratzbad) visitam a Cartuxa de Buxheim, em Memmingen.











blogger

O Pastor Protestante, o Bispo Católico e a Missa

Uma vez, o meu Bispo contou-me a conversa que teve com um pastor Protestante:

- Acredita realmente que a Eucaristia é mesmo Jesus e não apenas um símbolo?, perguntou o pastor.

- É isso mesmo!, respondeu o meu Bispo. Em que é que acredita?

- Eu acho que é só um símbolo. Mas digo-lhe uma coisa: se eu acreditasse que é mesmo Jesus que está ali, estaria disposto a rastejar sobre vidros para O receber.

Matt Fradd


blogger

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Gatólico Oriental




blogger

O milagre do Padre Pio que converteu ao catolicismo uma comunidade ortodoxa

Por intercessão do Padre Pio, a mãe de um sacerdote ortodoxo da Roménia ficou curada de um cancro terminal. Depois deste milagre toda a paróquia se converteu ao catolicismo. A obra do santo de Pietrelcina mudou tanto as suas vidas que apesar das dificuldades construíram uma Igreja dedicada ao santo e um hospital para os doentes em fase terminal.

O Padre Pio continua a interceder por todo o mundo e, lá do Céu, continua a fazer milagres de todo o tipo. Existem inúmeros testemunhos conhecidos sobre o santo de Pietrelcina pelo mundo inteiro, alguns deles recolhidos no livro“Padre Pio”, de José Maria Zavala.

No entanto, no caso da família Tudor não proporcionou apenas um milagre físico, mas uma conversão de centenas de pessoas ao catolicismo e o sonho de fazer uma pequena San Giovanni Rotondo no interior da Roménia, um país com um arraigado passado comunista e de maioria ortodoxa.

VICTOR, UM SACERDOTE ORTODOXO

Victor Tudor era um sacerdote ortodoxo romeno que não conhecia o Padre Pio e que, depois da cura milagrosa da sua mãe que tinha uma doença incurável, passou, juntamente com toda a paróquia, à Igreja Católica. Mas, além disso, decidiu ir além e conseguiu construir, apesar de mil dificuldades, uma Igreja dedicada ao santo capuchinho, bem como um hospital para os doentes em fase terminal.

Esta história teve início em 2002 quando a Lucrécia, mãe de Victor, foi diagnosticado um cancro no pulmão. Os médicos disseram que não era operável, pois havia metástases, por isso, deram -lhe apenas alguns meses de vida.

A VIAGEM DE LUCRÉCIA À ITÁLIA

Diante desta situação, o padre Victor contactou o seu irmão Mariano, pintor especializado em iconografia e que vivia em Roma. Com isto, esperava que pudesse conhecer algum médico que tratasse a sua mãe em Itália. Finalmente, pôde chegar à fala com um dos melhores médicos do mundo na sua especialidade e este disse-lhe que estudaria o caso se a sua mãe fosse a Roma.

Dito e feito. Lucrécia chegou doente a Itália. O médico viu-a e disse-lhe igualmente que a operação seria inútil e que só poderia intervir com alguns remédios para aliviar as terríveis dores.

A mãe ficou um tempo com o seu filho em Roma para que assim pudesse fazer mais exames. Enquanto isso, Mariano trabalhava fazendo um mosaico numa Igreja e levava a sua mãe consigo. Enquanto ele trabalhava Lucrécia visitava o templo e via as imagens.

A DESCOBERTA DO PADRE PIO

Uma imagem lhe chamou muito a atenção. Estava situada num canto da Igreja. Era o Padre Pio. A mulher ficou impressionada e perguntou ao seu filho quem era. Este contou-lhe brevemente a sua história e durante os dias seguintes o filho percebeu que sua a mãe estava constantemente sentada à frente da imagem do santo de Pietrelcina. Falava com a escultura como se falasse com uma pessoa.

Assim, passaram os dias. Duas semanas depois, Lucrécia e o seu filho Mariano correram ao hospital para realizar um exame. Mas, para a surpresa e espanto dos médicos e deles mesmos, o cancro terminal que sofria esta mulher romena havia desaparecido completamente.

Esta mulher ortodoxa havia pedido a intercessão do Padre Pio e este respondeu. Este feito percorreu toda a família começando pelo seu filho Victor, sacerdote ortodoxo. “A cura milagrosa de minha mãe realizada pelo Padre Pio em favor de uma mulher ortodoxa chamou-me a atenção”, reconhecia, então, este sacerdote romeno.

A COMOÇÃO NA PARÓQUIA

Esta personagem até então desconhecida deixou-o fascinado. Começou a ler a vida do Padre Pio e algo nele começou a mudar. Contou sobre o milagre da sua mãe aos seus paroquianos e todos ficaram admirados, pois a mãe de Victor era bem conhecida por eles. “Todos conheciam a minha mãe e sabiam que havia ido à Itália para tentar uma intervenção cirúrgica, e que voltou para casa curada, sem que nenhum médico a tivesse operado”.

Este milagre transformou não só a família Tudor, mas toda a comunidade ortodoxa. Conta o padre Victor que pouco a pouco a sua paróquia começou a conhecer e a amar o Padre Pio. “Líamos tudo aquilo que encontrávamos sobre ele e sua santidade nos conquistava”.

A CONVERSÃO AO CATOLICISMO

A coisa ia mais adiante e outros enfermos da paróquia também receberam graças extraordinárias do Padre Pio. Não obstante, começava a surgir um problema nesta comunidade, pois continuavam a ser ortodoxos e eram devotos de um santo católico contemporâneo.

Por causa de Padre Pio, o Padre Victor e a sua paróquia com quase 350 pessoas decidiram tornar-se católicos. Hoje pertencem ao rito greco-católico da Roménia. As suas vidas foram transformadas, mas, como o Padre Pio viveu numerosas dificuldades, eles também haviam de provar a sua nova fé.

Numa recente entrevista ao canal Padre Pio TV, Victor Tudor conta que tiveram “numerosas dificuldades” para se tornarem católicos, pois a conversão neste país ortodoxo com um passado comunista era bastante complexa. Problemas com os políticos, a polícia etc..

UM NOVO TEMPLO NA ROMÉNIA

Não desanimaram e apesar dos impasses decidiram ir, inclusive, mais adiante, construindo uma Igreja dedicada ao Padre Pio. O templo já está praticamente construído e isso foi outro milagre do santo capuchinho.

Os fiéis, num grande gesto de humildade, colaboraram na construção. Enquanto isso, celebravam as Missas na rua, apesar da gélidas temperaturas do inverno. Tudo isso somado aos enormes obstáculos burocráticos. O padre Victor, desesperado acudia ao seu Bispo diante de tantos problemas e este sempre lhe respondia: “isto é de Deus e todas essas coisas se resolverão”. Assim, de repente um bispo pagou-lhes o terreno da Igreja. Iam acontecendo feitos extraordinários, que pouco a pouco favoreciam a construção.

Apesar disso, o padre Victor recorreu a Roma junto ao seu irmão para pedir também ajuda para esta igreja. Ali encontrou-se com outro bispo ao qual contou os seus problemas. “Qual será o padroeiro da sua Igreja?”, perguntou-lhe o prelado. Depois de responder que seria o Padre Pio, este bispo sorriu e lhe tranquilizou dizendo que “o Padre Pio lhe fará a Igreja sozinho”.

O HOSPITAL DEDICADO AO SANTO

Agora o templo é já uma realidade e para o padre Victor é outro milagre. “Senti que o Padre Pio me ajudou, aos meus fiéis e em outros países e Igrejas. É um sinal de fé”, afirma.

Ainda assim, este sacerdote romeno não ficou tranquilo e seguindo os passos do santo e pedindo a sua intercessão criou um “pequeno San Giovanni Rotondo”, na Roménia, depois de fundar um hospital que atenderá enfermos em fase terminal, gente sem recursos e idosos abandonados. As dificuldades são enormes e falta o dinheiro, mas Victor conta com a intercessão de Padre Pio. Até agora ele não falhou.

in Religion en Libertad 
Tradução: Reparatoris


blogger

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

O que é o milagre de São Januário e qual a sua importância?

O milagre consiste na liquefação do sangue de São Januário, que se encontra durante o resto do ano em estado sólido. Este milagre, que ocorre na igreja dedicado ao santo em Nápoles, acontece 3 vezes por ano:

- 19 de Setembro, dia de S. Januário;
- 16 de Dezembro, porque nesse dia, em 1631, foi feita uma procissão com as relíquias de S. Januário que impediu a iminente erupção do vulcão Vesúvio;
- no Sábado que antecede o primeiro Domingo de Maio, dia da primeira trasladação do corpo do santo.

As datas da liquefação do sangue de São Januário são celebradas com grande pompa e esplendor.



As relíquias são expostas ao público, e se a liquefação não se verifica imediatamente. iniciam-se preces colectivas. Se o milagre tarda, os fiéis convencem-se de que a demora se deve aos seus pecados. Rezam então orações penitenciais, como o salmo “Miserere".

Quando o milagre ocorre, o Clero entoa um solene Te Deum, a multidão irrompe em vivas. os sinos repicam e toda a cidade rejubila.

Entretanto, sempre que nas datas costumeiras o sangue não se liquefaz, isso significa o aviso de tristes acontecimentos vindouros, segundo uma antiga tradição nunca desmentida.

O sangue de São Januário está recolhido em duas ampolas de vidro, hermeticamente fechadas, protegido por duas lâminas de cristal transparente. A ampola maior possui 60 cm cúbicos de volume; a menor tem capacidade de 25 cm cúbicos. Em geral, o sangue endurecido ocupa até a metade da ampola maior; na menor, encontra-se disperso em fragmentos.

A liquefação do sangue produz-se espontaneamente, sob as mais variadas circunstâncias, independentemente da temperatura ou do movimento, o sangue passa do estado pastoso ao fluido e, até, fluidíssimo. A liquefação ocorre da periferia para o centro e vice-versa. Algumas vezes, o sangue liquefaz-se instantânea e inteiramente, ou, por vezes, permanece um denso coágulo em meio ao resto liquefeito. Varia o colorido: desde o vermelho mais escuro até o rubro mais vivo. Não poucas vezes surgem bolhas e sangue fresco e espumante sobe rapidamente até o topo da ampola maior.

Trata-se verdadeiramente de sangue humano, comprovado por análises espectroscópicas.

Há algumas peculiaridades, que constituem outros milagres dentro do milagre liquefação, há uma variação do volume: algumas vezes diminui e outras vezes aumenta até o dobro. Varia também quanto à massa e quanto ao peso. Em Janeiro de 1991, o Professor G. Sperindeo fazendo uso, com o máximo cuidado, de aparelhos de alta precisão, encontrou uma variação de cerca de 25 gramas. O peso aumentava enquanto o volume diminuía. Esse acréscimo de peso contraria frontalmente o princípio da conservação da massa e é absolutamente inexplicável, pois as ampolas encontram-se hermeticamente fechadas, sem possibilidade de receber acréscimo de substâncias do exterior.

A notícia escrita mais antiga e segura do milagre consta de uma crónica do século XIV. Desde 1659, estão rigorosamente anotadas todas as liquefações, que já perfazem mais de dez mil!

São Januário, rogai por nós.

adaptado de sangennaro.org.br


blogger

terça-feira, 17 de setembro de 2019

A Beleza da Tradição Católica



blogger

A aflição do Cardeal Ottaviani durante o Concílio

O Cardeal Alfredo Ottaniani, Secretário do Santo Ofício, rezava com grande fervor durante o Concílio Vaticano II. Durante as congregações gerais ficava longas horas prostrado diante do Santíssimo Sacramento. 

Os seus colaboradores começaram a inquietar-se. Até que um deles decidiu perguntar-lhe se algo se passava:

- Sim, respondeu o Cardeal, estou suplicando ao Céu para me chamar antes que o Concílio termine.

- Porquê tanta pressa?

- Porque quero morrer Católico...

in Le “bolle” del Concilio - Gribaudi, Torino 1967, p. 63


blogger

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

A vida e martírio de São Cipriano de Cartago

São Cipriano é figura brilhantíssima na Igreja africana no século III. Filho de pais nobres, dotado de extraordinários talentos, São Cipriano foi um dos maiores sábios do seu tempo e orador de inesgotáveis recursos. Ao princípio pagão, converteu-se ao Cristianismo e, em marcha ininterrupta, galgou as culminâncias das virtudes cristãs, a ponto de operar grandes milagres.

Por vontade do povo inteiro e do clero, foi ordenado sacerdote, e no ano 248 sagrado Bispo de Cartago. Por causa do zelo sem par e da vida santa e piedosa de São Cipriano a Diocese de Cartago foi a primeira diocese em África.

Quando, no ano 249, o Imperador Décio decretou a perseguição à Igreja de Cristo, muitos cristãos testemunharam a Fé com o próprio sangue, enquanto outros apostataram. Não tardou que a perseguição chegasse também a Cartago. Os pagãos reuniram-se no grande fórum e, em altos e apaixonados gritos, manifestavam o ódio ao Santo Bispo: "Cipriano aos leões! Cipriano às feras!" - era a sorte que lhe destinavam.

Cipriano, com fervorosas orações, procurava conhecer a vontade de Deus. Para poupar o rebanho, embora aceitasse o Martírio, achou mais acertado seguir o conselho de Nosso Senhor, que disse: "Se vos perseguirem numa cidade, procurai outra". 

Um sinal que recebeu do Céu mostrou-lhe também a conveniência dessa medida, e assim resolveu fugir. Do esconderijo pôde prestar grandes serviços aos pobres cristãos perseguidos, os quais animava, consolava e fortificava. Grande rigor opunha aos apóstatas. Muitos deles, mais tarde, mostravam-se arrependidos, pedindo para serem aceites novamente. Como outros bispos e sacerdotes tratassem com mais benignidade esses infelizes, formou-se uma corrente fortíssima com ares de cisma contra Cipriano.

O movimento adversário era chefiado por Novaciano. Contra este e outros sacerdotes descontentes, Cipriano convocou um Concílio, cujas resoluções foram apresentadas ao Papa Cornélio, que as aprovou e sancionou. Em outro Concílio foi confirmado o valor do Baptismo das crianças.

Numa nova perseguição, que veio sob o governo do Imperador Galo, Cipriano tornou a fortalecer a fé dos cristãos. 

Quando a Peste, no espaço de quinze anos, dizimava a população, o santo Bispo permaneceu com os fiéis, consolando e socorrendo-os com orações e auxílios. Resgatou com o próprio dinheiro muitos cristãos que caíram prisioneiros.

Surgiu uma grande controvérsia sobre o valor do baptismo administrado por hereges. Enquanto o Papa Santo Estevão I decidia pela conservação da tradição, que considerava válido esse baptismo, Cipriano impugnava-o e com ele muitos bispos da África e da Ásia, que exigiam o segundo baptismo para pessoas baptizadas por hereges. A questão ficou, ao princípio, sem solução, devido às dificílimas complicações políticas daquele tempo. 

Embora contrariando a opinião do Papa, não era intenção de Cipriano desrespeitá-lo. A Igreja Romana era para ele "a cadeira de São Pedro, a Igreja por excelência, e que a união entre os bispos se origina e na qual é inadmissível uma traição, por menor que seja". Se houve da sua parte um excesso de ardor nas discussões e uma certa falta de ponderação, dela se penitenciou na perseguição que rompeu, quando Valeriano era imperador.

Foi no ano 257 que, pela primeira vez, se viu citado perante o tribunal do Procônsul Aspásio. As declarações sobre a sua posição, religião e modo de pensar cristão foram tão positivas que o juiz condenou-o ao exílio em Curubis. Por uma visão do Céu, soube que só um ano o separaria do Martírio.

Do exílio escreveu uma carta consoladora e enviou uma quantia de dinheiro aos cristãos condenados a trabalhos forçados nas minas de cobre. Ainda pôde voltar para Cartago, onde Galério Máximo tinha sucedido a Aspásio. Lá, tomou ainda muitas providências, repartiu os tesouros da Igreja entre os pobres, exortou os fiéis à constância e rejeitou o conselho de esconder-se.  

A 13 de Setembro de 258 foi levado à presença do novo Procônsul. Uma enorme multidão acompanhou-o apreensiva com o que poderia lhe acontecer. Como se negou a prestar homenagens aos deuses, o juiz romano condenou-o à morte pela espada. A execução foi imediata, e Cipriano, preparando-se para o último sacrifício, deu ao carrasco 25 moedas de ouro. Os cristão estenderam panos de linho branco em redor, para recolher o sangue do Mártir.

O cadáver foi sepultado com grande solenidade. Duas igrejas foram erguidas: uma no lugar onde Cipriano foi decapitado, e outra sobre o seu túmulo. 

in Página do Oriente


blogger

domingo, 15 de setembro de 2019

As 7 dores de Maria

Hoje é dia de Nossa Senhora das Dores. É tradição rezar um Pai-Nosso e sete Avé-Marias por cada uma das 'dores' de Nossa Senhora:

1. A profecia de Simeão (Lc 2, 34-35)
2. A fuga para o Egipto (Mt 2, 13)
3. O Menino Jesus perdido e encontrado no Templo (Lc 2, 43-45)
4. Maria encontra Jesus a caminho do Calvário (Lc 23, 26)
5. Jesus morre na Cruz (Jo 19, 25)
6. Maria recebe o corpo de Jesus nos braços (Mt 27, 57-59)
7. O corpo de Jesus é colocado no Sepulcro (Jo 19, 40-42)


blogger

Cardeal Burke e D. Athanasius convocam cruzada de oração e jejum pelo Sínodo da Amazónia

O Cardeal Burke e Mons. Athanasius Schneider publicaram um documento que exorta todos os católicos a participarem de uma cruzada de oração e jejum pelo Sínodo da Amazónia durante 40 dias, de 17 de Setembro a 26 de Outubro, às vésperas do encerramento do Sínodo: Todos os dias dedicar pelo menos uma dezena do terço e fazer jejum uma vez por semana, de acordo com a tradição da Igreja, com estas intenções:

1. Que durante a assembleia sinodal, os erros teológicos e heresias incluídos no Instrumentum Laboris não sejam aprovados;

2. Que, em particular, o Papa Francisco, no exercício do ministério petrino, confirme os seus irmãos na fé, com uma clara recusa dos erros do Instrumentum Laboris e não consinta a abolição do celibato sacerdotal na Igreja Latina, com a introdução da prática de ordenação de homens casados, os chamados "viri probati".

Qualquer um que apenas souber da cruzada após ter começado pode, obviamente, participar a qualquer momento. 

O documentopublicado destaca 6 erros graves e heresias contidos no Instrumentum Laboris, resumindo:

1. PANTEÍSMO IMPLÍCITO: o documento promove uma socialização PAGÃ da "Mãe Terra", baseada na cosmologia das tribos amazónicas;

2. SUPERSTIÇÕES PAGÃS como fontes da Revelação Divina e "caminhos alternativos" para a salvação;

3. DIÁLOGO INTERCULTURAL EM VEZ DE EVANGELIZAÇÃO;

4. Uma CONCEPÇÃO ERRADA da ORDENAÇÃO SACRAMENTAL, que defende a existência de ministros do culto de ambos os sexos, até para realizar rituais xamãs;

5. Uma "ECOLOGIA INTEGRAL" que rebaixa a dignidade humana;

6. Um COLETIVISMO TRIBAL que mina o carácter único da pessoa e a sua liberdade.

Os erros teológicos e heresias implícitos e explícitos contidos no Instrumentum Laboris, da próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazónica, são uma manifestação alarmante da confusão, do erro e da divisão que afligem a Igreja hoje. 

Ninguém pode justificar-se dizendo que não foi informado sobre a gravidade da situação e se eximiu do dever de tomar as acções apropriadas, por amor a Cristo e à sua vida connosco na Igreja. 

Em particular, todos os membros do Corpo Místico de Cristo, diante de tal ameaça à sua integridade, devem orar e jejuar pelo bem eterno dos seus membros, que, por causa desse texto, correm o risco de serem escandalizados, o que leva à confusão, erro e divisão. 

Além disso, todos os católicos, como verdadeiros soldados de Cristo, são chamado a salvaguardar e promover as verdades da Fé e a disciplina com que essas verdades são honradas na prática, para que a assembleia solene dos Bispos não traia a missão do Sínodo, que é "ajudar o Pontífice Romano através dos seus conselhos, para salvaguardar e aumentar a Fé e a moral, observando e consolidando a disciplina eclesiástica" (can. 342). 

Que Deus, através da intercessão de muitos missionários verdadeiramente católicos, que evangelizaram os povos indígenas da América - incluindo São Toríbio de Mogrovejo e São José de Anchieta -, dos santos que os nativos americanos deram à Igreja - incluindo São Juan Diego e Santa Kateri Tekakwitha - e em particular pela intercessão da Virgem Maria, Rainha do Santo Rosário, que derrota todas as heresias, para que os membros da próxima Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazónica e o Santo Padre estejam protegidos do perigo de aprovar erros e ambiguidades doutrinárias e de minar o domínio apostólico do celibato sacerdotal.

Raymond Leo Cardeal Burke
Bispo Athanasius Schneider


12 de Setembro de 2019
Festa do Santíssimo Nome de Maria


blogger

sábado, 14 de setembro de 2019

Crux Fidelis - Música da autoria de D. João IV, Rei de Portugal


Ó Cruz fiel, entre todas a árvore mais nobre:
Nenhum bosque produz igual, em ramagens, frutos e flores.
Ó doce lenho, que os doces cravos e o doce peso sustentas.

Canta, ó língua, o glorioso combate (de Cristo),
e, diante do troféu da Cruz, proclama o nobre triunfo:
a vitória conseguida pelo Redentor, vítima imolada para o mundo.

O Criador teve pena do primitivo casal,
que foi ferido de morte, comendo o fruto fatal,
e marcou logo outra árvore para curar-se do mal.

Glória e poder à Trindade, ao Pai e ao Filho louvor,
honra ao Espírito Santo, eterna glória ao Senhor,
que nos salvou pela graça e nos reuniu no amor.



blogger

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Aviso: Este vídeo pode provocar forte motivação



blogger

Ninguém pode ficar indiferente ao testemunho destes mártires

Martírio de Carpo


No tempo do imperador Décio, Óptimus era procônsul em Pérgamo; o bem-aventurado Carpo, bispo de Gados, e o diácono Papilo de Tiatira, ambos confessores de Cristo, compareceram diante dele. O procônsul disse a Carpo:

- Qual é o teu nome?

- O meu primeiro nome, o mais belo, é Cristão. O meu nome no mundo é Carpo.

- Conheces os éditos de César que vos obrigam a sacrificar aos deuses, senhores do mundo, não é verdade? Ordeno-te que te aproximes e que ofereças um sacrifício.

- Eu sou cristão. Adoro Cristo, filho de Deus, que veio à Terra nos últimos tempos para nos salvar e nos livrar das armadilhas do demónio. Não vou por isso sacrificar a esses ídolos.

- Sacrifica aos deuses, como ordena o imperador.

- Morram os deuses que não criaram o Céu nem a Terra.

- Sacrifica, como quer o imperador.

- Os vivos não sacrificam aos mortos. 

- Então tu crês que os deuses estão mortos?

- Certamente. Não vês que eles se assemelham a homens, mas estão imóveis? Deixa de os cobrir de honras; como eles não se mexem, os cães e os corvos virão cobri-los de esterco.

- Basta sacrificares. Tem piedade de ti mesmo!

- É mesmo por isso que eu escolho a melhor parte.

A estas palavras, o procônsul mandou que o suspendessem e lhe rasgassem o corpo com unhas de ferro.


Martírio de Papilo


Então o procônsul voltou-se para Papilo, para o interrogar:

- Tu és da classe dos notáveis?

- Não.

- Então quem és?

- Sou um cidadão.

- Tens filhos?

- Muitos, graças a Deus.

Uma voz de entre a multidão gritou:

- É aos cristãos que ele chama filhos!

- Porque me estás a mentir, dizendo que tens filhos?

- Repara que eu não minto, mas falo verdade: em todas as cidades da província, tenho filhos, que me foram dados por Deus.

- Oferece um sacrifício ou então explica-te.

- Desde a minha juventude que sirvo a Deus e nunca sacrifiquei aos ídolos; ofereço-me a mim mesmo em sacrifício ao Deus vivo e verdadeiro, que tem poder sobre todas as criaturas. E agora acabei, não tenho nada a acrescentar.

Amarraram-no também ao cavalete, onde foi rasgado com unhas de ferro. Três equipas de carrascos se sucederam sem que escapasse uma só queixa a Papilo. Qual valoroso atleta, sofria em profundo silêncio a fúria dos seus inimigos. O procônsul condenou os dois a serem queimados vivos. No anfiteatro, os espectadores mais próximos viram que Carpo sorria. Surpreendidos, perguntaram-lhe:

- Porque sorris?

O bem-aventurado Carpo respondeu:

- Vi a glória do Senhor e rejubilo. Eis-me liberto; não conhecerei mais as vossas misérias.


Martírio de Agatónica


Uma mulher que assistia ao martírio, Agatónica, viu a glória do Senhor que Carpo dizia ter contemplado. Compreendeu que era um sinal do céu e imediatamente exclamou:

- Esse festim também está preparado para mim. [...] Sou cristã. Nunca sacrifiquei aos demónios, mas somente a Deus. De boa vontade, se for digna disso, seguirei as pisadas dos meus mestres, os santos. É esse o meu maior desejo.

O procônsul disse-lhe:

- Sacrifica e não me obrigues a condenar-te ao mesmo suplício.

- Faz o que te parecer melhor. Eu vim para sofrer em nome de Cristo. Estou pronta.

Chegada ao lugar do suplício, Agatónica tirou as vestes e, alegre, subiu ao patíbulo. Os espectadores, tocados pela sua beleza, lamentavam-na:

- Que julgamento iníquo e que decretos injustos!

Quando ela sentiu as chamas tocarem o seu corpo, gritou três vezes:

- Senhor, Senhor, Senhor, vem em meu auxílio. É a Ti que recorro.

Foram as suas últimas palavras.


in Actas do martírio dos Santos Carpo, Pailo e Agatónica (século III) - Ichtus, vol. 2 


blogger