quarta-feira, 10 de julho de 2019

Cardeal chinês: "Quem gosta da Missa Antiga deve ter acesso a ela"

Que lugar tem a liturgia na vida de Vossa Eminência?

Cardeal Zen: É o momento mais importante do meu dia. Eu sou religioso [salesiano] e, enquanto tal, dou grande valor à nossa oração comunitária. A nossa comunidade dispõe, além disso, de belas instalações para a liturgia.

Vossa Eminência foi um dos primeiros sacerdotes chineses a celebrar o Novus Ordo, como sinal de unidade com Roma. Desde então, o Papa Bento XVI permitiu que a missa tradicional se celebrasse novamente, o que Vossa Eminência fez com grande agrado, nomeadamente em Hong-Kong…

Cardeal Zen: Pessoalmente, vi com muito bons olhos a direcção indicada pelo Papa Bento XVI, agora emérito. Teve toda a razão em dizer que a missa tradicional jamais havia sido abolida. E se os fiéis a acham mais propícia para alimentar a sua devoção, devemos dar-lhes a possibilidade de a ela terem acesso. Coube-me introduzir entre os seminaristas chineses a missa do pós-concílio [de 1989 a 1996, o Cardeal Zen ensinou nos Seminários chineses, que até então estavam vedados aos sacerdotes romanos, NDR], e poder fazê-lo foi uma felicidade. Mas já nessa altura, lhes lembrava que não havia qualquer mal em celebrar a liturgia antiga. A nossa fé, a nossa vocação, os nossos santos, tudo nos vem dessa liturgia, dessa maneira de rezar.

Tem apreço pelo latim?

Cardeal Zen: Muito. Estimo muito os cânticos gregorianos e sei vários de cor. Recito-os durante as minhas orações privadas e acho-os admiráveis! Gostaria de ver mais vezes a forma ordinária celebrada em latim, como o desejava o concílio.

Na Europa, os opositores das missa tradicional dizem que ela só é querida por um pequeno número de pessoas: que comentário lhe merece essa observação?

Cardeal Zen: Não vejo onde esteja o problema. Também em Hong-Kong, há um pequeno grupo. Quem gosta da Missa Antiga deve poder ter acesso a ela. É um direito que lhes assiste. Não é preciso obrigar os fiéis a agruparem-se de modo artificial: é suficiente um pequeno grupo.

E a Missa Antiga não ameaça a unidade da Igreja?

Cardeal Zen: Não, de todo. Por que motivo o deveria fazer? Na Igreja, há muitas liturgias, nomeadamente as das igrejas do Oriente. A diversidade dos ritos não é um problema.

in Paix Liturgique


blogger

3 comentários:

Teresa Martins disse...

Boa tarde Senhor João Silveira

Peço desculpa incomodá-lo com uma coisa que me tem incomodado nas imagens que tem postado de Missas Tradicionais e que parece estar a fazer moda.

Não há nada de bem que justifique que se agarre e/ou levante alguma coisa das roupas de quem celebra a Missa.

Suponho mesmo, que essas roupas foram pensadas para desvalorizar o que anda pelas costas. Parece-me que o traidor com o seu humor sarcástico anda a abusar da boa fé de meninos e graúdos e da tendência humana para fazer como os outros, confiando sem pensar no que vem do grupo ou de pessoas com autoridade. Mas o inimigo está nos detalhes e é intrometido.

Unknown disse...

Já a mim não me incomoda nada uma tradição de mais de 1500 anos. Mas incomodam-me as baterias na Missa, a música festivaleira, as senhoras no altar a fazer de conta que são acólitos, as três ou quatro homilias durante a Missa; incomoda-me que a Missa se tenha tornado igual à dos protestantes, incomoda-me que tenham destruído os altares e e os tabernáculos e tenham colocado no seu lugar tronos para os homens de sentarem; incomoda-me que o padre tenha o de sercentro das atenções enquanto Nosso Senhor está a ser crucificado mais uma vez; incomoda-me que os padres preguem doutrinas a partir do altar que noutros tempos dariam justo direito a excomunhão; incomoda-me que os padres tenham vergonha de se vestirem de padres; incomoda-me que tenham tirado os concessionários das igrejas, e que mesmo quando os há não haja padres a confessar ,e mesmo quando confessam só dizem disparates; incomoda-me que os seminários estejam vazios e os rapazes que querem seguir Jesus tenham de ir para o estrangeiro estudar porque em Portugal só estudam comunismo e Karla Fagner; incomoda-me que os fiéis queiram assistir à Missa de são Pio V e os bispos não deixem, mesmo depois do Papa mandar fazê-lo; incomoda-me que os padres maio de 68 tenham mandado para o lixo livros preciosos só porque sim e se tenha perdido um património cultural incalculável; incomoda-me que as pessoas não se incomodem de encontrar na Missa ao Domingo a mesma realidade que encontram no mundo; incomoda-me que se matem crianças no ventre das mães e os padres não digam nada e os bispos fiquem calados; incomoda-me basicamente quase tudo dessa Missa onde ninguém levanta a "roupa" de quem celebra a Missa. E mais do que isso ainda me incomoda que haja católicos que entendam já tão pouco da sua fé que escrevem comentários destes sem ter consciência do que estão a falar.

Anónimo disse...

Deveria ser a missa de sempre 🙏